Julgar Com Amor

Laitman_098Baal HaSulam, Os Escritos da Última Geração: Assim, se a pessoa for culpada por não dar todas as horas de trabalho, seu tempo é reduzido ou facilitado, ou a maneira como ela o fornece é mais fácil para ela. Às vezes, ela tem tempo para gastar na escola, de modo ensinar-lhe o grande mérito da “doação aos outros”. Tudo depende da visão dos juízes.

Se a pessoa não pode trabalhar em benefício dos outros como é capaz, ela causa um tremendo prejuízo para a sociedade. Nesse caso, a sociedade lhe mostra que se ela está sendo preguiçosa, se não pode trabalhar para o bem comum, reduzirá a participação que lhe é solicitado a contribuir.

Isso é uma punição ou um encorajamento? Parece que a sociedade está acomodando-a, reduzindo suas horas de trabalho e dando-lhe mais tempo para descansar. Ao mesmo tempo, no entanto, ela pode sentir o quanto pior todo mundo a considera agora.

Comentário: Uma vez eu trabalhei em uma fábrica. Lá, os trabalhadores preguiçosos eram privados de seu prêmio ou bônus anuais, ou suas fotos eram removidas do “muro da fama” dos funcionários. Como resultado, provavelmente por medo, seu trabalho melhorava, enquanto aqui, tudo é o contrário.

Minha Resposta: O fato é que em nossa sociedade uma pessoa pode facilmente descartar todos os tipos de acusações egoístas, mas na sociedade futura, se aborda tudo apenas com amor. Essa atitude em relação à pessoa não pode deixá-la indiferente.

Ela começa a sentir vergonha e não pode abandonar isso porque o ser humano nela está sendo humilhado. Afinal, a pessoa é avaliada na medida de sua contribuição para a sociedade. De repente, ela começa a sentir que, se o horário de trabalho for reduzido, ela não dará amor e calor suficientes, tudo o que ela gostaria de dar.

Ela vê que ainda é uma pessoa pequena, e isso a machuca, dói. Esse é precisamente um tribunal que julga apenas com amor, não para punir, mas para corrigir, para ajudar a pessoa a divulgar e expressar mais vividamente todo seu potencial.

De KabTV “A Última Geração” 12/06/17

Comente