Textos arquivados em ''

Jpost: “Quando Um Debate Se Transforma Em Ódio, Estamos Selando Nosso Destino”

O The Jerusalem Post publicou meu novo artigo “Quando Um Debate Se Transforma Em Ódio, Estamos Selando Nosso Destino

Nenhum imperador na Terra nos derrotou, mas quando nos esquecemos de que todos os judeus são responsáveis ​​uns pelos outros, às vezes derrotamos a nós mesmos. Agora, outra derrota como essa está à vista.

Após a remoção dos detectores de metal das entradas ao Monte do Templo, Rami Hamdallah, primeiro-ministro da Autoridade Palestina, disse: “Nossa nação mostrou que, através da firmeza, unidade nacional e luta pacífica, Jerusalém permanecerá nossa capital eterna, e a coroa da identidade que nos une”.

Em todo o mundo árabe, as nações estão se unindo contra o que o rei da Jordânia, Abdullah II, chamou de “judiziação de locais sagrados” em Jerusalém. No centro de Amã, a multidão pediu que os mundos árabe e islâmico se unissem para apoiar o terceiro local mais sagrado do Islã. Na Turquia, protestos foram realizados em Ancara e em Istambul, em solidariedade à Al-Aqsa. Mesmo em Kuala Lumpur, milhares de muçulmanos da Malásia participaram na sexta-feira de uma manifestação para “salvar Al-Aqsa”, de acordo com al-Jazeeranet.

Ao mesmo tempo, em Israel, os políticos estão jogando o habitual jogo de culpar quem tomou a decisão de retirar os detectores, ou quem tomou a pobre decisão de colocá-los lá em primeiro lugar. Assim como o mundo árabe usa todas as oportunidades para se unir contra nós, nós usamos todas as oportunidades para nos dividir ainda mais.

Apenas nesta terça-feira, comemoramos a ruína de ambos os templos no 9º de Av. O ex rabino-chefe do Reino Unido, Lord Jonathan Sacks, disse em um vídeo que postou em memória da ruína do Templo: “Nós somos fervorosos argumentadores e isso faz parte da nossa força. Mas, quando isso nos faz se dividir, torna-se terrivelmente perigoso. Porque nenhum imperador na Terra jamais conseguiu nos vencer, mas houve ocasiões em que conseguimos nos vencer. … Lembrem-se da base final da população judaica. Todos os judeus são responsáveis ​​um pelo outro”.

Hoje em dia, parece que esquecemos completamente essa última base. Portanto, não é de se admirar que haja indícios claros de que outra derrota está se aproximando. E, mais uma vez, é por causa do nosso ódio mútuo.

Por que os árabes podem se unir e nós não podemos? O que nos faz nos detestar tão profundamente que muitos de nós preferem se aliar aos nossos inimigos em vez de falar com outro judeu que tem uma visão diferente?

Paz Entre Dois Opostos

Rabi Sacks disse que argumentar é “parte da nossa força”. Mas argumentar é mais do que isso. Todo o nosso povo era baseado em argumentos que conquistávamos com amor. O rei Salomão escreveu (Provérbios, 12:10): “O ódio desperta conflitos e o amor cobre todos os crimes”. O Livro do Zohar escreve (Aharei Mot) que, quando os amigos “se sentam juntos, primeiro parecem homens em guerra, desejando se matar. Depois, eles retornam a estar em amor fraternal”. “E”, continua O Zohar, “pelo seu mérito, haverá paz no mundo”.

O livro Likutey Etzot (Conselhos Escolhidos) acrescenta outro aspecto à conexão que transcende as disputas: “A essência da paz é conectar dois opostos. Portanto, não fique alarmado se ver alguém cuja visão é totalmente oposta à sua e achar que nunca será capaz de fazer a paz com ele. Além disso, quando ver duas pessoas completamente opostas entre si, não diga que é impossível fazer a paz entre elas. Pelo contrário, a essência da paz é tentar fazer a paz [acima de] dois opostos “.

Na verdade, nós, judeus, fomos declarados uma nação somente quando nos comprometemos a se elevar acima da desunião que tínhamos no Egito e se unir “como um homem com um só coração”.

Nossa unidade não veio facilmente. Os primeiros discípulos de Abraão vieram de diferentes clãs em toda Babilônia e Oriente Próximo. A única coisa que os mantinha juntos era a crença de que o princípio da misericórdia de Abraão e o amor ao próximo era o caminho certo para viver. Mas os descendentes de Abraão não mantiveram sua unidade e acabaram no Egito, onde José os uniu mais uma vez.

Após a sua morte, os israelitas abandonaram sua unidade mais uma vez e disseram: “Sejamos como os egípcios” (Midrash Rabbah, Shemot). Como resultado, “o Senhor transformou o amor que os egípcios defendiam em ódio”. Se os hebreus tivessem sua unidade no Egito, não teriam sido escravizados.

Moisés, percebendo que a ausência de unidade era a fonte da situação dos israelitas, cimentou sua unidade com a promessa de amar um ao outro como se amavam. É por isso que o rabino Akiva disse: “Ama ao próximo como a ti mesmo é a grande regra da Torá”. (Jerusalém Talmude, Nedarim, Capítulo 9).

Ao superar repetidamente seu ódio, o povo israelense desenvolveu um método único de vínculo que até hoje não existe em outro lugar. Todas as outras nações dependem de um nível mínimo de afinidade para forjar sua população, seja sua proximidade geográfica ou parental. Os judeus, no entanto, não têm nada em comum a menos que se submetam à ideia de que o valor da unidade transcende todos os outros valores. Na ausência disso, os judeus retornam a ser pessoas de diferentes clãs, muitas vezes hostis, com nada além de suspeição e inimizade entre si, a menos que uma força externa os obrigue a se unir.

Essas circunstâncias únicas são, de certa forma, uma espada de dois gumes. Quando os judeus estão unidos, são muito mais unidos do que qualquer nação na terra, já que seu adesivo é a crença de que o valor da unidade transcende todos os outros valores. Mas quando os judeus são disputados, eles são tão odiosos uns com os outros que podem chegar às atrocidades que cometeram há uns dois milênios antes que os romanos invadissem a cidade atormentada e massacrassem os restos de seus habitantes.

Terminando o Jogo da Culpa

Como a unidade que forjou a nação judaica é tão singular, imediatamente após alcançá-la, os hebreus foram ordenados a compartilhá-la, ser “uma luz para as nações” ao estabelecer um exemplo de unidade acima dos conflitos. É por isso que, enquanto mantemos a unidade, estamos seguros e florescemos. Mas no momento em que a abandonamos, nos tornamos redundantes aos olhos do mundo e a raiva que chamamos de “antissemitismo” ressurge. É também por isso que o livro Maor VaShemesh escreve: “A principal defesa contra a calamidade é o amor e a unidade”.

Hoje, a nação judaica está dividida tanto em Israel como na diáspora. Em tal estado, não somos “uma luz para as nações”; irradiamos divisão interna e aversão mútua. É por isso que todas as nações querem ver o fim do Estado de Israel e a extinção do povo de Israel.

Em sua “Introdução ao Livro do Zohar“, Baal HaSulam menciona o famoso Tikkun nº 30 do Livro do Zohar, que afirma que quando nós, judeus, não estamos unidos, “trazemos pobreza, ruína e roubo, saques, morte e destruição ao mundo”. Isto é precisamente o que os antissemitas afirmam que trazemos. Quando o professor de estudos do Alcorão, Imad Hamato, afirmou: “Mesmo quando os peixes lutam no mar, os judeus estão por trás disso”, ele inadvertidamente refletiu as próprias palavras do Zohar.

Nossa divisão atual está infligindo dor não só sobre nós mesmos, mas sobre o mundo inteiro, e o mundo inteiro nos ressente por isso. Nossa separação une os árabes contra nós e empurra o mundo inteiro para apoiá-los. Se tivéssemos unidade, não precisaríamos de formas inovadoras para justificar o nosso país. O mundo sentiria o benefício que derivaria do Estado de Israel e do povo judeu, assim como hoje é o contrário. ”O sucesso de nossa nação depende apenas de nosso amor fraternal, de se conectar uns aos outros como membros de uma única família”, escreveu Shmuel David Luzzatto.

Da mesma forma, no vídeo de Jonathan Sacks que mencionamos anteriormente, ele fala sobre o povo judeu sendo uma família extensa: “Nós não podemos concordar com nada, mas continuamos sendo uma família extensa. E a questão aqui é se você não concordar com um amigo, amanhã ele poderá não ser seu amigo. Mas se você não concordar com sua família, amanhã eles ainda serão sua família”.

Se pudéssemos ser como Sacks descreveu em relação um ao outro, seríamos “uma luz para as nações”. Como não somos, estamos trazendo sobre nós as mesmas atrocidades que nossa desunião nos trouxe ao longo dos tempos. Não demorará muito para que o mundo encontre uma explicação “razoável” sobre por que o estabelecimento do Estado de Israel foi um erro e revogará essa resolução da ONU, deixando os judeus em Israel e em todo o mundo indefesos e perseguidos mais uma vez, mas agora no mundo inteiro.

Somente nós, os judeus, podemos parar essa espiral descendente, pois, como o livro Shem MiShmuel escreve: “Quando Israel é ‘como um homem com um só coração’, eles são como um muro fortificado contra as forças do mal”.

Nós terminamos os dias de lamentação sobre a ruína do Templo, e estamos nos aproximando do 15o de Av, o festival do amor. Vamos merecer o festival, e ser o que devemos ser – uma nação modelo que mostra como elevar a unidade sobre a desunião, a coesão sobre a separação e o amor sobre o ódio. Deixe-nos ser “uma luz [de amor] para as nações”.

Não Há Justos Que Não Tropecem

Laitman_002Torá, Deuteronômio 28:33: O fruto da tua terra e todo o teu trabalho, comerá um povo que nunca conheceste; e tu serás oprimido e quebrantado todos os dias.

Em vez de usar corretamente os frutos de seus próprios esforços de doação e amor entre você e o Criador, aparecem desejos egoístas novos e desconhecidos.

É como se eles saíssem, fizessem uma emboscada e devorassem tudo o que você queria dar aos outros e ao Criador como evidência de sua intenção correta em relação ao trabalho espiritual.

Eles absorvem “o fruto da tua terra e todo o teu trabalho”. Mas esses desejos egoístas são novos. Portanto, eles vão crescer a partir disso e você ainda poderá corrigi-los no próximo nível.

Mas evitar essas descidas não é permitido: não há justos que possam avançar sem tropeçar. Tudo depende de quanto você tropeça.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 12/07/16

Perfeição Do Criador

Laitman_032.01Pergunta: Qual é a perfeição do Criador?

Resposta: A perfeição do Criador é expressa em Ele não ser controlado por nenhuma força; Ele existe acima de todas as forças e, ao mesmo tempo, gerencia toda a criação para um objetivo que é conhecido somente por Ele.

Pergunta: Quem sente a perfeição Dele?

Resposta: Quem atingir o Criador, sente-O no grau de sua realização. a Lição de Cabalá em Russo 12/03/17

 

Por Que Não Há Filmes Sobre O Livro Do Zohar?

laitman_571.03Pergunta: Por que foram feitos muitos filmes sobre a Bíblia, mas não há filmes sobre O Livro do Zohar?

Resposta: Infelizmente, não há filmes sobre O Livro do Zohar. Eu espero que haja um filme desse tipo no futuro. O Livro está à espera de seu explorador romântico, de um especialista que descobrirá sua essência corretamente e como ela foi transmitida de uma geração para outra até ser descoberta em nossos tempos.

Eu gostaria que alguém produzisse um filme que descreva o que está acontecendo de forma mais ou menos precisa.

Pergunta: Isso significa que você critica os filmes de Hollywood sobre as histórias da Bíblia?

Resposta: É uma distorção completa da espiritualidade, Hollywood em sua forma mais repugnante e revoltante.

É muito importante que um filme verdadeiro e sincero sobre O Livro do Zohar seja produzido, que dirá às pessoas sobre esse livro. Eu espero que ele ainda esteja por vir.

Da Lição de Cabalá em Russo 02/05/17