Textos arquivados em ''

Qual É A Fonte Do Conhecimento Que Sustenta A Sabedoria Da Cabalá?

Laitman_514.02Pergunta: Que tipo de profundidade está por trás da sabedoria da Cabalá?

Resposta: Não há nada na natureza inanimada, vegetal, animal e humana em todas as suas formas e possibilidades que não seja explicado pela sabedoria da Cabalá.

A explicação é científica e precisa, dependendo de um único critério: existem apenas duas forças na natureza, uma força positiva e uma força negativa, e elas criam entre si todos os elementos, todas as características e todas as leis da criação. O uso da sabedoria da Cabalá nos dá um controle sobre o sistema universal e concreto de conhecimento através do qual podemos abordar tudo.

Pergunta: A ciência da física tem sido estudada e investigada há algumas centenas de anos, enquanto a sabedoria da Cabalá existe há mais de 5.000 anos, mas não é ensinada em nenhum lugar. Por quê?

Resposta: A ciência da física está incluída na sabedoria da Cabalá, mas é uma ciência relevante para o nível mais baixo da matéria, o nível inanimado do nosso mundo, e não há nada nele; não há espírito, não há gerenciamento. Ele é apenas o resultado inanimado de forças superiores.

Pergunta: É possível dizer que a sabedoria da Cabalá é a base para todas as ciências mundanas?

Resposta: A base de todas as ciências é HaVaYaH. Essas são as quatro fases da expansão da Luz superior desde a fase superior, Keter.

Da Lição de Cabalá em Russo 17/03/17

Unidos Com Israel: “O Único Caminho Para A Paz É A Unidade Judaica”

O maior portal, United With Israel, publicou meu novo artigo: “O Único Caminho Para A Paz É A Unidade Judaica

Assim como perdemos o Templo e a nossa terra por causa do nosso próprio ódio mútuo, agora devemos nos unir se desejamos paz e silêncio.

À medida que a crise do Monte do Templo continua, muitos estão preocupados com o fato de estarmos enfrentando mais uma rodada de violência e derramamento de sangue, com os quais já estamos tão cansados. Repetidamente, Israel enfrenta a realidade dos conflitos e lutas, e o caminho para um pouco de paz e tranquilidade parece estar tão bloqueado como sempre. É hora de fazer alguns questionamentos muito profundos, para chegar à raiz de nossa incerteza existencial, porque, como um judeu famoso chamado Einstein disse uma vez: “Nós só podemos resolver esse problema com um nível superior de pensamento”.

A nossa história não é facilmente compreendida pela mente racional: inúmeras vezes exilados de nossa terra, dispersos entre todas as outras nações há milênios, sobreviventes de incontáveis ​​perseguições e de um holocausto enigmaticamente terrível, apenas para retornar à nossa terra natal mais uma vez e reconstruí-la de terras desérticas em um país moderno próspero. Mesmo quando o estado de Israel foi declarado, uma guerra estourou. Cinco diferentes exércitos de países árabes que o cercam atacaram o Estado incipiente, que não tinha nenhum exército, nenhum recurso, apenas um grupo de refugiados que recentemente escapou do maior genocídio da história, lutando por suas vidas. Essa vitória contra todas as probabilidades foi apenas uma em uma série de vitórias milagrosas que o Estado israelense conseguiu alcançar contra seus perpetradores, até hoje.

Mas essa magia está novamente se dissipando. Estamos a caminho de outro grande exílio? Alguns dos nossos maiores sábios dizem que estamos. O Rabi Yehuda Ashlag escreveu que “toda a nossa realidade no Estado de Israel está em perigo … poucos poderão resistir às dificuldades da nossa terra enquanto tiverem a opção de imigrar … Gradualmente, eles vão fugir desse sofrimento até que a população deixada não será suficiente para chamá-lo de um Estado independente, e estará, Deus proíba, imersa entre os árabes” (Escritos da Última Geração).

Uma afluência tão desfavorável é realmente possível, a menos que despertemos para a verdadeira causalidade por trás desse efeito gangorra, onde os judeus são enigmaticamente perseguidos e salvos milagrosamente. Nossos sofrimentos e triunfos estão igualmente além do entendimento. O que pode explicar um conto tão irracional? Qual é a verdadeira razão da nossa peculiaridade?

O Enigma dos Judeus

Muitos consideraram o enigma dos judeus. Leo Tolstoi, por exemplo, escreveu sobre eles:

“O que é o judeu? …. Que tipo de criatura única é essa a quem todos os governantes de todas as nações do mundo desonraram, esmagaram, expulsaram e destruíram; perseguidos, queimados e afogados, e que, apesar de sua ira e fúria, continua a viver e a florescer?”

A resposta é que somos um povo com uma finalidade superior única. Como o rabino Yehuda Ashlag escreve: “O judaísmo deve dar algo novo às nações, e é isso que elas esperam do retorno do povo de Israel à sua terra, e isso não pode ser encontrado em outras sabedorias, pois nunca conseguimos acrescentar a elas e não somos seus alunos. É a sabedoria da fé, da justiça e da paz que a maioria das nações aprende de nós, e essa sabedoria é atribuída a nós sozinhos” (Os Escritos da Última Geração).

Na verdade, essa não é uma nação comum, mas que tem um grande papel e responsabilidade. Embora nos esquivemos e reprimamos isso, as nações do mundo ainda nos responsabilizam, direta ou indiretamente. A sabedoria de como chegar a verdadeira harmonia e paz existe dentro de nós, e está esperando que nós a recordemos e usemos em prol de todos. Quando nos unimos entre nós e avançamos em direção a nosso propósito superior, nosso destino sorri para nós, mas quando nos demoramos, enfrentamos pressões que nos indicam que nos desviamos.

A última vez em que o Monte do Templo foi nosso, há cerca de 2000 anos, nós o perdemos, assim como nosso domínio da terra de Israel, por causa da separação e do ódio que existiam em nossos corações. Nós devemos nos esforçar para recuperar nossa força e segurança. Políticas e medidas de segurança nunca serão suficientes. Só podemos resolver este conflito e todos os outros indo à raiz de quem somos, e aquilo que temos dentro de nós é o que todos esperam que possamos perceber.

Nosso papel é criar uma sociedade modelo, onde “o amor cobre todos os crimes” (Provérbios 10:12), onde a conexão e a contribuição são valorizadas acima da riqueza, poder e sucesso pessoal. Em vez de basear nossa sociedade nas leis do mandato britânico ou em outros sistemas estrangeiros, elas precisam se basear nos valores de Israel: que derivam da igualdade, amor e compaixão que estão nas nossas raízes. Não é a sociedade dividida, desequilibrada e indiferente de hoje, mas uma nação real, unida pelo amor e pelo cuidado mútuo, com a responsabilidade de compartilhá-lo com o mundo inteiro.

Cumprindo a Promessa

Em seu “Discurso para a Conclusão do Zohar”, o rabino Yehuda Ashlag escreveu que a terra de Israel nos foi dada e, no entanto, não a recebemos, pois foi dada apenas como uma oportunidade para retornarmos ao nosso propósito superior e reconstruir a infraestrutura, não de edifícios de cimento, mas de amor e conexão entre nós. Essa oportunidade, ele explica, não é ilimitada, e o tempo está acabando. Israel teve a chance de alcançar seu objetivo e o mundo o elogiou e apoiou por um tempo. No entanto, desde 1967, o apoio internacional ao Estado de Israel diminuiu drasticamente. Nós chegamos a um ponto em que a UNESCO está determinando os locais judaicos mais sagrados de Israel, como o Kotel e a caverna dos Patriarcas, como locais de patrimônio palestino. Se a própria existência de Israel fosse levada a votação hoje, haveria uma grande dúvida se as nações do mundo nos apoiariam.

Essa pressão não vai acabar até que nos unamos, até que possamos ver a realidade aparentemente irracional de nossas vidas e entendamos que a solução também não é incomum. Quando estamos unidos, conseguimos. Quando nos esquecemos de quem somos e nos separamos e odiamos – nossos inimigos se aproximam de nós. Nossa unidade é a nossa força, e quando o amor de Israel for revivido entre nós, acima de todas as diferenças, nenhum inimigo poderá nos prejudicar, e acharemos que o caminho para a paz está aberto.

Como está escrito: “Quando há amor, unidade e amizade uns com os outros em Israel, nenhuma calamidade pode vir sobre eles” (do livro Maor VaShemesh).

Veja O Mundo Por Meio Das Dez Sefirot

laitman_928Pergunta: Eu tenho que estudar o sistema da criação dos mundos, as dez Sefirot da alma, como uma tabuada, ou devo aceitar que para mim isso é algo ainda inexistente e incompreensível?

Resposta: Você deve estudá-lo e depois tentar procurá-lo, e o sistema começará a se formar dentro de você. Você vai olhar para o mundo, observando as mudanças nele como se olhasse através de um estêncil, e verá as dez Sefirot neste mundo.

Olhando para como se fosse por meio de uma rede para o mundo, o indivíduo, seu comportamento, suas interações entre as pessoas, para o movimento do vento, do ar, para vários tipos de interações nos fenômenos dos mundos vegetal, animal ou espiritual, independentemente de onde você olhar, em todos os lugares verá a mesma rede de interconexões entre duas forças: positiva e negativa.

Pergunta: Quanto tempo é necessário para alcançar as dez Sefirot? Depende de cada indivíduo especificamente?

Resposta: Nós temos um texto muito aprofundado de seis volumes, O Estudo das Dez Sefirot, que explica como as dez Sefirot formam todos os mundos, incluindo o nosso mundo, o último e o mais baixo dos mundos, e como a Luz Superior, por meio das dez Sefirot, controla toda a criação.

Da Lição de Cabalá em Russo 17/03/17

Cabalá Em Uma Sentença

Dr. Michael LaitmanPergunta: Você pode explicar sua metodologia em uma sentença?

Resposta: Eu penso que é melhor falar da Cabalá como um método para expandir a consciência ao combinar desejos, e nessa consciência expandida, a pessoa começa a perceber não a nossa realidade, mas a força que dá origem a ela.

Isso dá à pessoa a possibilidade de saber mais sobre o mundo em que ela existe, sua causa e efeito, relações, etc. Além disso, a pessoa torna-se mais gentil, mais acessível e sua participação na sociedade melhora.

“Que A Bênção Esteja Contigo Nos Teus Celeiros”

laitman_239Torá, Deuteronômio 28:08: O Senhor mandará que a bênção esteja contigo nos teus celeiros, e em tudo o que puseres a tua mão; e te abençoará na terra que te der o Senhor teu Deus.

Você será abençoado em todos os esforços espirituais quando quiser se conectar com os outros para se elevar cada vez mais ao nível do Criador. A iluminação da Luz superior começará a corrigi-lo completamente, e assim você avançará para os novos graus na revelação do Criador em adesão com Ele.

Isso acontece de forma absolutamente real em nosso mundo. Não é que você compreenderá de forma puramente conceitual o que está escrito no livro, como qualquer pessoa que o abre e começa a filosofar, mas você revelará o Criador com suas novas qualidades em proporção à sua semelhança com Ele. Assim, o mundo superior se torna o mundo onde você começa a existir.

Isso é chamado de “teus celeiros” e “o que puseres a tua mão”.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 05/12/16

Se Não Há Homem, Não Há Criador

laitman_547.04Pergunta: Qual é o pensamento da criação?

Resposta: O pensamento da criação é o de levar o homem a uma equivalência total com o Criador, o que significa ser absoluto, perfeito, eterno e capaz de alcançar todo o mundo.

O Criador quer atrair a pessoa até Ele, ao Seu nível.

Pergunta: Do que depende a existência do Criador?

Resposta: Depende do grau em que a pessoa O revela. Se não há homem, não há Criador.

Da Lição de Cabalá em russo 12/03/17

Respostas Às Suas Perguntas, Parte 178

Laitman_049.01Pergunta: Por que está escrito na Bíblia que Jacá lutou com Deus e venceu o homem, no Zohar está escrito que Jacó lutou com Deus e o povo e venceu, e na Torá está escrito que Jacó lutou com um anjo e o povo e venceu? Como entender o que está escrito no Zohar?

Resposta: Todos os livros sagrados são entendidos apenas por aqueles que alcançam o mundo superior e não aqueles que entendem o que está escrito por meio do ego. Vá até o mundo superior e você começará a entender!

Pergunta: Como os adúlteros e assassinos em Israel podem ser considerados justos, escolhidos pelo Criador, como Davi, por exemplo, que providenciou o assassinato do marido de sua amada?

Resposta: Leia sobre isso no livro “Prefácio ao Livro do Zohar“.

Jpost: “Quem É O Soberano No Monte Do Templo?”

The Jerusalem Post publicou meu novo artigo “Quem É O Soberano No Monte do Templo?

Nesta terça-feira, nós vamos marcar o dia 9 de Av, quando o Templo foi destruído. O Templo representa a nossa unidade. Quando restaurarmos a nossa união, não precisamos de tijolos para provar que o nosso lugar está aqui em Israel.

Não é segredo que a campanha de difamação árabe na mídia e os protestos “populares” organizados contra a colocação de detectores de metais nas entradas do Monte do Templo não têm nada a ver com medidas de segurança. Do ponto de vista do Wakf (a organização islâmica que controla e gerencia o Monte do Templo) e o resto do mundo árabe, a resistência aos detectores representa a resistência à soberania de Israel no Monte do Templo em particular, na cidade de Jerusalém, e em todo o Israel. Quanto mais dura for essa campanha, mais os árabes ganharão o apoio do mundo, e Israel será cada vez mais visto como o valentão no bairro.

Até agora, quase ninguém lembra que os detectores foram colocados nas entradas porque três terroristas abriram fogo contra a polícia israelense, matando dois oficiais e ferindo um terceiro. Tudo o que se vê agora é que Israel não está deixando os muçulmanos rezarem em seu local sagrado, quando de fato, as únicas pessoas que mantêm adoradores fora do Monte do Templo são o Wakf, que pede que os adoradores não entrem, em protesto contra a colocação de detectores.

O Templo: a Unidade de Israel

Não só o Wakf se opõe à autoridade de Israel no Monte do Templo. As resoluções da UNESCO que negam a história judaica no Monte do Templo, em Jerusalém e na Caverna dos Patriarcas em Hebron representam a visão do mundo inteiro de que não pertencemos a esse lugar. Se a ONU votasse hoje sobre o estabelecimento de um Estado Judeu, quem votaria “Sim”? Provavelmente nem mesmo os EUA.

Para ser um soberano na terra de Israel, e particularmente no Monte do Templo, você deve entender o que o Templo representa e conduz sua vida de acordo. O livro Netzah Israel (Capítulo 4) escreve: “A Casa foi arruinada devido ao ódio infundado, porque seus corações se dividiram e se separaram, e eram indignos de um Templo, que é a unidade de Israel”.

Se honestamente refletirmos sobre a nossa sociedade, sobre o que projetamos para o mundo, é claro que estamos profundamente divididos e projetamos desunião e discórdia em todos os lugares. O Maharal de Praga escreve em Hidushey Avot (Gittin 55b): “O Templo deve ser a totalidade do mundo inteiro, não de Israel sozinho. …. Uma vez que o Templo é a totalidade do mundo, as nações incluídas, ele não foi arruinado pelas nações, mas apenas pela divisão e o ódio infundado, quando Israel se dividiu”.

Em outras palavras, o Templo não pertence a nenhuma nação ou fé; ele representa a unificação do mundo. Portanto, apenas aqueles que defendem e executam o mérito da unidade estão lá. A palavra hebraica Yehudi (judeu) vem da palavra yihudi, que significa unido (Yaarot Devash, Parte 2, Drush n° 2). Quando nós, judeus, nos unimos “como um homem com um só coração”, esse foi o primeiro e único momento da história quando pessoas de diferentes clãs, muitas vezes rivais, de toda Babilônia e Oriente Próximo se uniram e forjaram uma nação. Nossa unidade, portanto, era um modelo para o mundo inteiro seguir. Como resultado, imediatamente após o estabelecimento de nossa população, fomos ordenados a ser “uma luz para as nações”, para levar nosso método de unidade ao resto da humanidade.

O livro Sefat Emet (Shemot, Yitro) descreve o que significa ser “uma luz para as nações”: “Os filhos de Israel são fiéis na medida em que receberam a Torá [a luz da unidade] para corrigir o mundo inteiro”. Mas se não estamos unidos e, portanto, não projetamos a unidade ao resto do mundo, podemos nos considerar verdadeiramente como “filhos de Israel”? E se não somos verdadeiramente os filhos de Israel, unidos como os filhos de Israel deveriam estar, podemos reivindicar a soberania sobre a terra?

A Insubordinação Conquistou a Cidade, e os Romanos Conquistaram a Insubordinação

O historiador judeu-romano Josephus Flavius ​​viveu na época da ruína e testemunhou muitos dos eventos em primeira mão. Ele escreveu muito claramente sobre as causas da ruína do Templo e do exílio (A Guerra dos Judeus, Livro IV, Capítulo 6): “A insubordinação [entre os judeus] conquistou a cidade, e os romanos conquistaram a insubordinação”. Nos dias do Templo, Flavius ​​detalha: “O atributo que os judeus mais careciam era o da piedade. …. Eles transferiram sua raiva dos vivos para os mortos, e dos mortos para os vivos [de seus próprios povos]. O terror era tão grande que os sobreviventes chamavam os mortos de “felizes”, já que já estavam em repouso. …. Estes homens pisotearam todas as leis dos homens [amor ao próximo], e ridicularizaram as palavras dos profetas. Ainda, esses profetas predizem … que a cidade seja tomada e o santuário queimado pela guerra quando uma insubordinação invade os judeus e sua própria mão deve poluir o Templo. Agora, esses fanáticos … se tornaram instrumentos da realização [das profecias]“.

Quando você pensa no ódio atual entre os dois lados do mapa político em Israel, ou entre os dois lados do mapa político entre os judeus dos EUA, as semelhanças com a inimizade entre nossos antepassados ​​são muito impressionantes para ignorar. ”No final do período do Segundo Templo”, escreve o livro Uma Carta de Elijah (Parte 3), “o conflito e o ódio se intensificaram em Israel, e o orgulho era a raiz do desejo de dominação absoluta. Isso os trouxe ao ódio de seus companheiros até que não pudessem suportar a própria existência um do outro. A partir dessa raiz do orgulho também surgiu a audácia de pecar descaradamente, pois não perceberam a contradição entre suas ações e seus pontos de vista, e sua consciência não os fez ocultar suas ações. E se eles não se importam com o conflito entre seus pontos de vista e suas ações, são considerados como ‘todo pecado’. Estas são as coisas que causaram a ruína da casa “.

Uma Terra sem um Soberano

Hoje, nós temos um Estado, e aparentemente temos soberania. Mas o nome, “Estado de Israel”, ainda é desprovido de conteúdo. A nossa intolerância mútua, o nosso desdém em relação ao nosso próprio povo está aumentando rapidamente. Se não percebermos que estamos repetindo o mesmo crime de ódio infundado que cometemos há dois milênios atrás, seremos novamente banidos dessa terra até que estejamos prontos para se unir acima de nossas diferenças, assim como nossos antepassados ​​no deserto.

Esta segunda-feira à noite, nós marcaremos o dia 9 de Av, a data em que o Templo foi destruído. Mas ele foi destruído em nossos corações muito antes que os tijolos fossem incendiados. Com essas palavras convincentes, O Hida descreve essa ruína interior (Devarim Achadim, Tractate nº 6): “O que podemos dizer quando lamentamos todos os dias a ruína da Casa e a [ausência de] redenção? …. Tudo foi arruinado por causa do ódio infundado, e se estamos desunidos agora e há ódio infundado, como a Casa pode ser construída, já que a causa da nossa ruína não nos deixou? Como podemos dizer que aguardamos a sua salvação todos os dias, enquanto ainda há ódio infundado em nosso meio? Ai, como o homem pode fazer boas ações enquanto a impureza do ódio infundado ainda estiver nele?”

Para sermos os donos na terra de Israel, devemos nos tornar novamente o povo de Israel, Yehudim [judeus] da palavra “yihudi“ [unido]. A menos que reconstruamos nossa unidade e retomemos nosso compromisso de ser um farol de unidade para as nações, o mundo não apoiará nossa estada aqui e seremos expulsos novamente.

A soberania na terra de Israel é diferente da soberania de qualquer outra terra – adquirida pelo poder militar. Essa terra não tem soberano; seus moradores são pessoas que estão dispostas a se conectar, a se unir acima de seu ódio, assim como nossos antepassados. Se pudermos aprender a lição dos horrores de nossos antepassados ​​e transcender nossos egos egoístas, mereceremos ficar aqui, e o mundo inteiro estará conosco. Mas se optarmos novamente pela inimizade, sofreremos a hostilidade do mundo inteiro, mas não antes de brigarmos novamente uns com os outros.

Para obter mais informações sobre o antissemitismo e o papel do povo de Israel, visite Por Que As Pessoas Odeiam Judeus (em inglês).

Russian Canadian: “Declaração: O Mundo É Meu!”

O jornal de Toronto, Russian Canadian, publicou meu artigo “Declaração: O Mundo É Meu!”:


Aspirem Às Forças Ocultas Da Natureza

Observação: No artigo de Baal HaSulam, “A Última Geração”, está escrito que a lei que irá unir as pessoas é a lei do “amar o próximo como a ti mesmo”.

Resposta: Esta é a lei inata da natureza, que acabará por começar a manifestar-se na sociedade humana.

As pessoas despertarão essas forças da natureza que ainda hoje estão escondidas delas. Essas forças conectar-se-ão a humanidade como um cubo de Rubik, em um sistema integral, global, interconectado, complementar, e circular.

Ao atrair as forças da natureza pela sua aspiração por elas, a humanidade tornar-se-á auto-sustentável e avançará com essas forças. Existem essas forças na natureza, mas devido a que as pessoas não anseiam muito por elas, elas claramente não influenciam e não se manifestam na humanidade.

No entanto, devido ao desespero com o nosso desenvolvimento, vamos cada vez mais voltar-nos exatamente para essas forças e, gradualmente, tornar-nos transformados, o que é chamado de ser re-educado.

[208919]

De KabTV “A Última Geração” , 5/6/17

Material Relacionado:
Ganhar O Infinito
Amor Ao Próximo No Sentido Literal
O Oposto Do Sucesso