“Parentes” Na Espiritualidade

laitman_243_03Torá, Deuteronômio, 27:20: Maldito aquele que se deitar com a mulher de seu pai, porquanto descobriu a nudez de seu pai. E todo o povo dirá: Amém.

“Pai e mãe” é o nível do próximo grau espiritual. É por isso que, ao falar deles, o que está sendo referido aqui é a anulação completa do inferior, a anulação da alma inferior perante o superior e o envolvimento com o superior.

E aqui está escrito sobre o pai e sua mulher, que não é sua mãe. Aparentemente, ela é uma mulher estranha para você. Mas como ela pertence ao pai e existe em seu nível, você não tem o direito de se envolver com ela, pois é a Nukva errada para você, e não o aspecto feminino correto que você pode corrigir.

A “mulher de seu pai” é um desejo do nível superior. É por isso que uma pessoa que está trabalhando com um desejo que não consegue corrigir, condena a si mesma. Ela pula um passo e, ao fazê-lo, destrói dentro de si a capacidade de avançar.

O que se entende por “pai”, “mãe”, “tia”, “tio”, etc. é o próximo grau em que você se torna o pai em relação ao grau anterior. Mas você não tem o direito de trabalhar com um desejo de grau superior ao seu, ou seja, “descobrir a nudez de seu pai”. Mas quando você chegar a esse grau, este será para você.

Pergunta: Quando um filho nasce, sempre dizemos que é o próximo grau espiritual. E agora está claro que o pai é o próximo grau espiritual. Como isso é possível?

Resposta: O próximo grau espiritual não é superior ao pai, porque o pai sempre continua e o filho se eleva depois dele. Há aqui uma subordinação rigorosa. O relacionamento é sempre mantido: o filho se eleva ao grau do pai e, ao mesmo tempo, o pai se eleva ainda mais.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno”, 23/11/16

Comente