Textos arquivados em ''

“Não Se Tomará Em Penhor As Duas Pedras De Moinho”

laitman_629_3Torá, Deuteronômio, 24:06: Não se tomará em penhor as duas pedras de moinho, nem a pedra de cima nem a de baixo; pois se penhoraria assim a vida.

Você não pode dar algo aos outros e exigir deles como ferramentas de segurança de produção ou outras coisas sem as quais eles não podem sobreviver.

Tudo o que diz respeito à garantia é um sistema inteiro. Todo o Talmude fala sobre interações entre pessoas em diferentes níveis de comunicação.

Tudo nele é explicado de forma muito clara e demonstra mais uma vez que não é uma pessoa que muda, mas uma conexão, porque uma pessoa se manifesta em conexão com outros.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 26/10/16

A Sabedoria Da Cabalá É Pura Ciência

laitman_209Pergunta: A ciência da Cabalá é uma parte científica da sabedoria da Cabalá, juntamente com outras partes? Existe também uma sabedoria da Cabalá não científica?

Resposta: Não. Você pode recorrer aos livros de Cabalá, como a Árvore da Vida do Ari ou o Talmud Esser Sefirot do Baal HaSulam, e verá o quanto estes são livros didáticos sérios. Você não encontrará a palavra “Deus” lá, mas apenas informações sobre como gerenciar as forças da criação e desenhos de sua classificação.

A sabedoria da Cabalá é uma ciência sobre as forças físicas do nosso mundo que não estão ao alcance de nossos sentidos e sentimentos. Por exemplo, em nosso mundo, não sentimos as forças subatômicas, mas conseguimos operá-las. Na sabedoria da Cabalá, estamos falando do próximo nível da natureza.

Da Lição de Cabalá em Russo 22/01/17

“Para Que Ele Não Veja Coisa Desagradável Em Ti”

Laitman_049_03Torá, Deuteronômio, 23:14: Porquanto o Senhor teu Deus anda no meio de teu acampamento, para te livrar, e entregar a ti os teus inimigos; pelo que o teu acampamento será santo, para que Ele não veja coisa desagradável em ti, e se afaste de ti.

Há muitas leis na Torá que proíbem que a pessoa esteja nua. Durante o dia e a noite, ela deve estar coberta de roupas e se despir apenas quando entra na Mikva (a piscina para se banhar). No entanto, mesmo nisso, existem regras especiais.

Não se trata de estar limpo fisicamente, embora isso também importe. Isso significa que tudo deve estar em estrita conformidade com a ablução espiritual do corpo. ”Corpo” é o desejo. Portanto, a Torá fala sobre a maneira de purificar o desejo de várias camadas impuras de intenções egoístas, de modo que os desejos tenham a intenção correta de doação e já possam ser usados.

Portanto, nos é dito para espremer todos os “excrementos” do desejo, enterrá-los no chão e lavar-se. Era preferível lavar e não limpar-se. Por sinal, essa lei permanece até hoje entre muitos povos asiáticos na Rússia e nos países do sul.

Muitas vezes, eu visitei Baku, no Azerbaijão, onde há um recipiente com água em cada banheiro. Isso é muito correto porque o que quer que corresponda à saúde espiritual também corresponde à saúde física.

Portanto, não podemos dizer que uma ação espiritual possa prejudicar o corpo físico. Por exemplo, nas nações que não se circuncidam, os homens são 20-30% mais propensos a ter câncer. Tudo está naturalmente conectado.

Pergunta: A Kashrut [o corpo de leis religiosas judaicas sobre a adequação dos alimentos, a aptidão ao uso de objetos rituais, etc.] é também benéfica para a saúde?

Resposta: Eu creio que a Kashrut é um benefício absoluto. Até agora, não podemos entender porque não temos conhecimento suficiente de por que é proibido comer animais artiodactyla (porcos, camelos e assim por diante), embora não haja nada nocivo neles do ponto de vista científico. No entanto, uma vez que esta é uma conseqüência da raiz espiritual, nós descobriremos o motivo desse fenômeno, se for necessário.

Tudo vem do mundo espiritual e, portanto, se você violar as proibições espirituais, isso tem conseqüências diretas e incorretas em nosso mundo.

Pergunta: Por que é proibido que uma pessoa esteja nua?

Resposta: Uma pessoa deve estar vestida o tempo todo, mesmo debaixo de um cobertor, porque a roupa simboliza a correção do corpo. Afinal, a roupa é uma casca, como uma tela.

O corpo representa o desejo que deveria ter uma tela. Portanto, algumas partes do corpo (desejo) podem ser expostas, e algumas devem ser cobertas. Uma capa necessária para alguns deles significa que deve haver uma tela para esses desejos da alma.

O rosto de uma pessoa está sempre exposto porque representa os as três Sefirot superiores e emite a luz de Hochma. No entanto, a cabeça deve, em princípio, ser coberta.

A Klipá tem uma pequena semelhança com os atributos espirituais. Na verdade, anteriormente, todos os homens amarravam um lenço na cabeça ou o cobriam com todo tipo de capas, como o talit. E mulheres as se vestiam em estilo oriental com tudo longo e fechado, mas branco, não preto.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 19/10/16

Haaretz: “Sobrevivência Na Era Do Desemprego Voluntário”

Na minha coluna regular no Haaretz, o meu novo artigo: “Sobrevivência Na Era Do Desemprego Voluntário

A era antiga, onde um emprego é uma necessidade, está terminando. Uma nova era, sem emprego, está começando, e é melhor nos prepararmos.

Em abril passado, o Census Bureau divulgou um estudo que encontrou uma tendência preocupante: muitos jovens não desejam trabalhar, embora estejam perfeitamente saudáveis, e a tendência está apenas acelerando. A pesquisa descobriu que “1 em cada 3 jovens, ou cerca de 24 milhões, viva na casa de seus pais em 2015″. Além disso, “em 2005, a maioria dos jovens vivia em sua própria casa … em 35 estados. Até 2015, o número de estados onde a maioria dos jovens vivia de forma independente caiu para apenas seis”. Mas talvez o mais alarmante seja isso: “Dos jovens que vivem na casa de seus pais, 1 em 4 estão ociosos, não vão nem para a escola nem para o trabalho. Este número representa cerca de 2,2 milhões de jovens de 25 a 34 anos”.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, disse que devemos “considerar a renda básica universal para os americanos”.

Em vez de trabalhar, os millennials (Geração Y) geralmente preferem simplesmente passar o tempo em marcha lenta. Muitos deles, por exemplo, escolhem ficar em casa e jogar videogames em vez de procurar emprego. Eles não são ineptos ou ignorantes, e não é difícil encontrar esse trabalho. Os jovens adultos de hoje simplesmente não têm interesse em encontrar nenhum emprego. Eles perderam interesse no que esse mundo tem a oferecer.

Esses dados devem nos avisar de que há uma história diferente se desenvolvendo sob a superfície. A era antiga, onde um trabalho é uma necessidade, está terminando. Uma nova era, sem emprego, está começando, e é melhor nos prepararmos. Se nos prepararmos corretamente, passaremos pela transição de forma pacífica e agradável. Se travarmos e esperarmos que o desemprego nos pegue despreparados, a transição será muito mais dolorosa.

Renda Básica E A Ameaça De Radicalização

Em seu recente discurso na Palestra Inaugural de Harvard, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, disse que devemos “considerar a renda básica universal para os americanos”. Como eu já escrevi antes, não tenho dúvidas de que, no futuro próximo, será necessário fornecer uma renda básica a para todos.

No entanto, embora um rendimento básico resolva as necessidades físicas, não proporciona propósito e sentido para a vida. Os videogames e a maconha barata não adormecerão as pessoas por muito tempo, pois é da natureza humana procurar uma finalidade. Se as pessoas não conseguirem encontrar sentido em suas vidas, se voltarão aos extremos. Essa tendência já está em andamento, e muitos jovens estão passando por uma radicalização em busca de um sentido, tornando-se perigosos para a sociedade (veja o recente ataque terrorista de Manchester). Sem uma solução, a tendência se espalhará e a violência e o terrorismo tornarão a normalidade obsoleta.

Uma Espada Com Veneno Em Sua Ponta

A fim de mudarmos sem problemas e sem dor do modus-operandi egocêntrico que fomentamos até agora na nova era, devemos entender a natureza da era à nossa frente e como devemos abordá-la para aproveitar seus benefícios potenciais e evitar suas armadilhas.

Quando eu comecei a aprender com o meu professor de Cabalá, o Rav Baruch Ashlag (o RABASH), ele me apresentou a uma alegoria escrita por seu pai, Rav Yehuda Ashlag, conhecido como Baal HaSulam (Autor da Escada) por seu Comentário Sulam (Escada) ao Livro do Zohar. Em sua introdução à Árvore da Vida, Baal HaSulam escreveu que o ego é como um anjo que segurava uma espada com uma gota de néctar doce e venenoso na ponta. Este anjo, nosso ego, nos obriga a abrir nossas bocas e a beber o néctar doce até que ele nos faça morrer.

A espada, a arma do nosso egoísmo, ameaça que coisas terríveis acontecerão conosco se não tendermos apenas a nós mesmos. Ela nos promete a felicidade se nos dedicarmos à auto-absorção, mas o néctar na ponta da espada (os breves momentos de contentamento na vida) só nos faz ansiar mais pelo néctar. No final, nos tornamos tão narcisistas que perdemos todo contato com a realidade, como se tivéssemos morrido.

Hoje, nós sabemos que o Baal HaSulam estava certo, mas até recentemente não estava claro que devemos encontrar uma maneira prática de passar do néctar do egoísmo para o novo incentivo para existir: o prazer em conexões positivas.

Um Remédio da Antiguidade

Ao longo da história, apenas uma nação já teve o privilégio de viver sob um paradigma de conexões positivas. Esta nação, o povo judeu, surgiu do grupo que Abraão, o Patriarca, estabeleceu quando viu seus compatriotas da cidade de Ur dos caldeus se tornar perigosamente egocêntricas.

Durante o tempo de Abraão, as pessoas se tornaram progressivamente mais egoístas em toda a antiga Babilônia (da qual Ur dos caldeus fazia parte). O livro Pirkei De Rabi Eliezer (Capítulo 24) escreve que, quando Abraão andou pela Torre de Babilônia, viu a crescente alienação entre seus construtores. Eles eram tão indiferentes uns aos outros que “Se um homem caísse e morresse, eles não lhe prestariam nenhuma atenção. Mas se um tijolo caísse, eles se sentariam e lamentariam: “Ai de nós; quando outro virá em seu lugar?” À medida que sua alienação crescia, o livro continua, eles “queriam falar uns com os outros, mas não conheciam a língua um do outro. O que eles fizeram? Cada um tomou sua espada e eles lutaram uns contra os outros até a morte. Na verdade, metade do mundo foi abatida lá, e de lá eles se espalharam pelo mundo”.

Abraão percebeu que os babilônios não conseguiam superar seus egos. Para curar sua sociedade do egoísmo, ele adotou uma abordagem simples: em vez de combater a separação, nutram a entrega e a conexão.

Os seguidores e descendentes de Abraão continuaram a desenvolver sua unidade acima de seus egos crescentes até forjar vínculos tão estreitos que se tornaram o que o grande comentarista RASHI chamou de “como um homem com um só coração”. Só então, depois de forjar essa unidade profunda, os descendentes de Abraão foram declarados uma nação: a nação judaica. É por isso que o livro Yaarot Devash (Parte 2, Drush n° 2) escreve que a palavra Yehudi (judeu) vem da palavra yihudi, que significa unido.

Ao longo de muitos séculos, os primeiros judeus desenvolveram seu método combinando sua unidade com seu crescente egoísmo. Toda vez que seu egoísmo prevalecia, eles se esforçavam e brigavam entre si. E cada vez que combinavam a discórdia com a conexão, subiam a novos níveis de unidade. É por isso que O Livro do Zohar (Beshalach) escreve: “Todas as guerras na Torá são para a paz e o amor”.

Deslocando o Foco Para Conexões Positivas

Os antigos judeus legaram ao mundo os valores que ainda nos mantêm hoje. O historiador Paul Johnson escreveu em A História dos Judeus: “Aos judeus, nós devemos a ideia de igualdade perante a lei, tanto divina quanto humana; de santidade da vida e de dignidade da pessoa humana; de consciência individual e, portanto, de redenção pessoal; de consciência coletiva e, portanto, de responsabilidade social; de paz como um ideal abstrato e de amor como fundamento da justiça e muitos outros itens que constituem o mobiliário moral básico da mente humana”.

No entanto, em vez de ser “uma luz para as nações” ao elevar o mundo ao nível conectado de existência, os judeus caíram no egoísmo. Desde o seu declínio, a humanidade não conseguiu estabelecer estruturas sociais sustentáveis ​​com base em conexões positivas.

Por esta razão, agora que nossos egos esgotaram seu encanto, temos uma chance real de restabelecer uma sociedade que ofereça felicidade e sentido à nossa vida através de conexões positivas e responsabilidade mútua.

Agora que a sociedade pode fornecer a cada pessoa uma renda básica, podemos nos concentrar em melhorar nossas conexões. Uma vez que as carreiras já não interessam os jovens adultos, eles buscarão sentido em outros lugares, e um sentido profundo e duradouro só pode ser encontrado em conexões humanas positivas.

Em uma famosa palestra do TED intitulada “A influência oculta das redes sociais”, o sociólogo Nicholas Christakis detalhou o que a ciência revelou sobre o impacto das conexões humanas. ”Nossa experiência do mundo depende da estrutura das redes em que estamos residindo e de coisas que ondulam e fluem através da rede. A razão, penso eu, que este é o caso, é que os seres humanos se reúnem e formam uma espécie de superorganismo”.

Um Novo Conjunto De Indústrias – Em Torno Do Coração

Para passar do individualismo para as conexões positivas, devemos aproveitar o aumento do tempo livre das pessoas para dar-lhes treinamento que as ajude a estabelecer tais relacionamentos. Além disso, para garantir que todos participem desses treinamentos, devemos fornecer uma renda básica apenas sob a condição de participação neles.

A participação obrigatória como condição para a recepção da renda básica servirá para dois propósitos: 1) A pessoa que recebe dinheiro de graça, sem restrições, não se sente obrigada à sociedade e provavelmente se tornará cada vez mais narcisista e antissocial. 2) Como escrevi acima, as pessoas sem um propósito na vida procurarão necessariamente uma, e poderiam ser radicalizadas. Os treinamentos irão ensiná-las a promover conexões positivas, o que lhes dará o sentido que procuram na vida.

Com a tecnologia de hoje, fornecer esses treinamentos pode ser quase sem custo. Através de reuniões físicas e on-line, e usando workshops guiados, as pessoas aprenderão a se conectar acima de seu ódio, assim como Abraão e seus discípulos faziam quase quatro milênios atrás. Mesmo o antissemita mais notório da história americana, Henry Ford, recomendou aprender com os judeus primitivos em seu livro O Judeu Internacional – O Principal Problema do Mundo. Em suas palavras, “os reformadores modernos, que estão construindo sistemas sociais modelo, fariam bem em olhar para o sistema social sob o qual os primeiros judeus estavam organizados”.

Isso, de fato, é o que temos que fazer. Governos, municípios e outras organizações devem agora se envolver em formar tais treinamentos para pessoas cujo tempo lhes permite participar. Uma vez matriculados, os formandos não serão mais considerados desempregados. Em vez disso, serão considerados empregados cujo trabalho é nutrir conexões positivas na sociedade. No futuro próximo, essa forma de conexão se tornará o produto mais exigido no mercado. As conexões positivas são a base de toda sociedade sustentável; assim, “trabalhadores de produção” que criam isso se tornarão inestimáveis ​​para suas comunidades.

O colunista do New York Times, Thomas Friedman, disse em uma entrevista com Tucker Carlson no show Tucker Carlson Tonight: “Conectar pessoas às pessoas será um grande trabalho. …. Eu acho que os melhores empregos serão empregos entre pessoas. Nós veremos um novo conjunto de empregos e indústrias girando em torno do coração, em torno de conectar pessoas às pessoas”.

Enquanto Friedman está correto, sem uma tecnologia na base desta nova indústria, seus produtos serão defeituosos. É aqui que entra o método de Abraão. No meu livro “Completando o Círculo: Um Método Empiricamente Comprovado para Encontrar Paz e Harmonia na Vida”, eu detalhei a tecnologia de promover a conexão sobre a alienação. Essa tecnologia é aplicável tanto para indivíduos como para organizações, e é muito simples de aplicar, desde que você tenha em mente essa única regra: todas as discussões só emergem para que possamos a fortalecer nossa conexão. Essa é a interpretação moderna das palavras do Zohar que citei anteriormente: “Todas as guerras na Torá são para a paz e o amor”.

Em conclusão, o único remédio para a desintegração de nossa sociedade é uma renda básica para todos, dependente da participação na criação de comunidades novas, positivamente conectadas e mutuamente responsáveis, alcançadas através de treinamentos que nos levarão da era egoísta à era das conexões positivas e da responsabilidade mútua de forma pacífica e agradável.

Meus Pensamentos No Twitter, 05/06/17

twitterA Europa precisará aprender com Israel a combater o terrorismo interno. Mais uma vez, esses judeus devem servir de exemplo ao mundo!

A quebra da #society forçará a construção de um novo modelo: emulando o povo judeu na Babilônia há 3500 anos.

Do Twitter, 05/06/17

Nova Vida # 855 – A Ameaça Cibernética, A Verdadeira Solução

Nova Vida # 855 – A Ameaça Cibernética, A Verdadeira Solução
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Yael Leshed-Harel

Resumo

Como o progresso nos torna tão vulneráveis? Quem é o verdadeiro inimigo da guerra cibernética? E se o uso da rede depende do homem, como podemos garantir que ela seja usada corretamente? O campo geral do amor e da conexão assegurará que ninguém prejudique os outros. Este é o antivírus perfeito.

De KabTV “Nova Vida # 855 – A Ameaça Cibernética, A Verdadeira Solução”, 16/05/17