Textos arquivados em ''

Jpost: “Os EUA Se Tornarão A Nação Do Jovem Ocioso?”

O The Jerusalem Post publicou o meu novo artigo Os EUA Se Tornarão A Nação Do Jovem Ocioso?

Em um momento de alto desemprego e relutância em trabalhar, a renda básica dependente do fortalecimento da solidariedade é primordial.

Uma pesquisa publicada recentemente pelo Census Bureau descobriu que, em 2015, “1 em cada 3 jovens, ou cerca de 24 milhões, viviam na casa de seus pais”. A pesquisa também descobriu que “em 2005, a maioria dos jovens adultos vivia em sua própria casa … em 35 estados. Uma década depois, até 2015, o número de estados onde a maioria dos jovens vivia independentemente caiu para apenas seis. “Mas talvez o mais alarmante seja essa descoberta: “Dos jovens que vivem na casa de seus pais, 1 em 4 estão ociosos, isto é, não vão nem para a escola nem para o trabalho. Esse número representa cerca de 2,2 milhões de jovens de 25 a 34 anos”.

Em resumo: muitos jovens não se preocupam em trabalhar hoje em dia. Eles não desejam se manter de forma independente, e a tendência está apenas acelerando.

Esses millennials (Geração Y) não são ineptos ou ignorantes. Seu problema não é que o trabalho seja difícil de encontrar; eles simplesmente não têm interesse em encontrar um trabalho. Eles perderam o interesse no que esse mundo tem a oferecer, então deixam suas vidas em suspenso. Muitos deles, por exemplo, escolhem conscientemente ficar em casa e jogar videogames em vez de irem procurar um emprego.

A impressionante taxa de desemprego conta uma história muito parcial à medida que milhões de pessoas desempregadas foram ignoradas, mas não desapareceram. Essas pessoas estão nos dizendo que há uma história diferente se desenvolvendo sob a superfície. A era antiga está terminando e uma nova está começando, e é melhor estarmos preparados. O que testemunhamos não é o fim da era liberal nem o fim da era industrial ou o fim da era democrática. Nós estamos vendo o fim da era egoísta. A questão é: “Vamos passar pela transição de forma pacífica ou dolorosa?”

A Nação do Jovem Ocioso

Durante o recente discurso na Palestra Inaugural de Harvard, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, “apelou à necessidade de considerar a renda básica universal para os americanos”. Eu escrevi várias vezes que, nos próximos anos, proporcionar uma renda básica para todos, será uma necessidade.

No entanto, mesmo que forneçamos a todos uma renda básica, videogames e maconha barata não adormecerão as pessoas por muito tempo. É da natureza humana procurar um propósito, e se as pessoas não conseguem encontrar sentido em suas vidas, elas se voltarão para os extremos. Isso já está acontecendo em certo grau, à medida que muitos jovens estão passando por uma radicalização em busca de um sentido e estão se tornando perigos para a sociedade (veja o recente ataque terrorista de Manchester). Sem uma solução, a tendência se espalhará e a violência e o terrorismo tornarão a normalidade obsoleta.

Uma Gota de Néctar Doce e Venenoso

Há uma maneira de mudar sem problemas e sem dor a partir do modus-operandi egocêntrico que fomentamos até agora na nova era. No entanto, para fazer isso, devemos entender a natureza da era à nossa porta e como devemos abordá-la para aproveitar seus benefícios potenciais e evitar suas armadilhas.

Quando eu cheguei pela primeira vez para estudar com o professor de Cabalá, o Rav Baruch Ashlag (o RABASH), ele me apresentou uma alegoria escrita por seu pai, Rav Yehuda Ashlag, conhecido como Baal HaSulam (Autor da Escada) por seu Comentário Sulam (Escada) ao Livro do Zohar. Em sua introdução à Árvore da Vida, Baal HaSulam escreveu que o ego é como um anjo que segurava uma espada com uma gota de néctar doce e venenoso na ponta. Nós, seres humanos, não temos escolha senão abrir nossas bocas e beber o néctar doce até que isso nos faça morrer.

Essa é a nossa situação atual. A espada é o nosso egoísmo, ameaçando que coisas terríveis acontecerão conosco se não tendermos apenas a nós mesmos. Ele nos dá breves momentos de contentamento na vida, que são o néctar, mas esses momentos nada fazem além de nos convencer a desejar mais néctar. No final, nos tornamos tão absorvidos que perdemos todo contato com a realidade, como se tivéssemos morrido.

Baal HaSulam não é o único familiarizado com essa característica da natureza humana. Todos os nossos sábios sabiam disso, desde o início da história do nosso povo até aproximadamente o início do século XX, e alguns ainda mais tarde. Muitos deles até escreveram sobre isso, explicando o que precisamos fazer para se soltar dos grilhões do ego. No entanto, até recentemente, não estava claro que era isso que a humanidade precisava. Agora que as pessoas estão perdendo contato com a realidade em milhões, há a necessidade clara de oferecer uma maneira prática de passar do néctar do egoísmo para o novo incentivo para a existência: a era das conexões positivas.

Em Vez de Combater a Separação, Nutram a Entrega e a Conexão

De todas as nações deste planeta, apenas uma já teve o privilégio de viver sob um paradigma diferente do que uma existência baseada no ego. Essa nação, o povo judeu, surgiu do grupo que Abraão, o Patriarca, estabeleceu quando viu seus compatriotas da cidade de Ur dos caldeus se tornar perigosamente egocêntricos.

O egoísmo que Abraão notou não era exclusivo das pessoas de sua cidade natal. Em toda a antiga Babilônia (da qual Ur fazia parte), as pessoas se tornaram cada vez mais egoístas. O livro Pirkei De Rabi Eliezer (Capítulo 24) escreve que, quando Abraão andou pela Torre da Babilônia, viu a crescente alienação entre seus construtores. Eles eram tão indiferentes uns aos outros que “Se um homem caísse e morresse, eles não lhe prestariam nenhuma atenção. Mas se um tijolo caísse, eles se sentariam e lamentariam: “Ai de nós; quando outro virá em seu lugar?” À medida que sua alienação crescia, o livro continua, eles “queriam falar uns com os outros, mas não conheciam a língua um do outro. O que eles fizeram? Cada um tomou sua espada e eles lutaram uns contra os outros até a morte. Na verdade, metade do mundo foi abatida lá, e de lá eles se espalharam pelo mundo”.

Percebendo que os babilônios não conseguiram superar seus egos, Abraão adotou uma abordagem simples: em vez de combater o egoísmo e a separação, nutram a entrega e a conexão. É por isso que, hoje em dia, Abraão é conhecido como “um homem de misericórdia” e é considerado o símbolo da bondade.

Os discípulos e descendentes de Abraão continuaram a desenvolver a sua unidade acima de seus egos crescentes até forjar vínculos tão estreitos que se tornaram o que o grande comentarista RASHI chamou de “como um homem com um só coração”. Só então, depois de forjar uma unidade sem precedentes – e até hoje não repetida -, os descendentes de Abraão foram declarados uma nação.

Além disso, imediatamente depois que os hebreus foram declarados uma nação, eles foram ordenados a serem “uma luz para as nações”, ou seja, a compartilhar o método único de conexão que formaram com o resto do mundo. Ao longo de muitos séculos, os primeiros judeus desenvolveram seu método combinando sua unidade com seu egoísmo crescente. Toda vez que seu egoísmo prevalecia, eles se esforçavam e brigavam entre si. E cada vez que combinavam a discórdia com a conexão, subiam a novos níveis de unidade. É por isso que O Livro do Zohar (Beshalach) escreve: “Todas as guerras na Torá são para a paz e o amor”.

O Advento das Conexões Positivas

Quando os judeus caíram em um ódio que não conseguiram superar com a unidade, eles se dispersaram e perderam sua terra, a Terra de Israel. Desde então, e nos últimos dois mil anos, o mundo se desenvolveu unicamente com motivos egoístas.

Os antigos judeus legaram ao mundo os valores que ainda nos mantêm hoje. O historiador Paul Johnson escreveu em A História dos Judeus: “Aos judeus, nós devemos a ideia de igualdade perante a lei, tanto divina quanto humana; de santidade da vida e de dignidade da pessoa humana; de consciência individual e, portanto, de redenção pessoal; de consciência coletiva e, portanto, de responsabilidade social; de paz como um ideal abstrato e de amor como fundamento da justiça e muitos outros itens que constituem o mobiliário moral básico da mente humana”. Lamentavelmente, como essas noções nobres eram todas baseadas em interesses egocêntricos, a humanidade não poderia estabelecer estruturas sociais sustentáveis que pudessem ser implementadas no cotidiano, pelo menos não até hoje.

Agora que mesmo nossos os egos esgotaram seu encanto, nós temos uma chance real de restabelecer uma sociedade que ofereça felicidade e sentido para as nossas vidas – através de conexões positivas e responsabilidade mútua.

Agora que a sociedade pode fornecer a cada pessoa uma renda básica, nós podemos nos concentrar em melhorar nossas conexões. Uma vez que as carreiras já não interessam aos jovens adultos, eles buscarão sentido em outros lugares, e um sentido profundo e duradouro só pode ser encontrado nas conexões humanas positivas.

Esse é o segredo que Abraão descobriu; esse é o método que a nação que surgiu dele desenvolveu e foi ordenada a atravessar; e isso também é o que a ciência contemporânea está descobrindo. Em uma famosa palestra do TED intitulada “A influência oculta das redes sociais”, o sociólogo Nicholas Christakis detalhou o que a ciência revelou sobre o impacto das conexões humanas. ”Nossa experiência do mundo depende da estrutura das redes em que estamos residindo e de coisas que ondulam e fluem através da rede. A razão, penso eu, que este é o caso, é que os seres humanos se reúnem e formam uma espécie de superorganismo”.

Renda Básica Contingente

Para transitar o nosso foco e a conscientização do individualismo para a conexão, nós precisamos usar o crescente tempo livre das pessoas para se submeter a um treinamento que as ajude a estabelecer essas conexões. Por esse motivo, não acredito que o dinheiro livre seja uma boa ideia. O dinheiro livre significa que as pessoas não estarão comprometidas com suas sociedades, o que agravará tendências antissociais já prevalecentes. Portanto, eu penso que a renda básica deve ser concedida apenas sob a condição de participar destes treinamentos.

Através de reuniões físicas e on-line, e usando workshops guiados, as pessoas aprenderão a se conectar acima de seu ódio, assim como Abraão e seus discípulos faziam quase quatro milênios atrás.

Até mesmo o antissemita mais notório da história americana, Henry Ford, recomendou em seu livro O Judeu Internacional – O Principal Problema do Mundo: “Os reformadores modernos, que estão construindo sistemas sociais modelo, fariam bem em analisar o sistema social sob o qual os primeiros judeus foram organizados”.

Isso, de fato, é o que temos que fazer. Governos, municípios e outras organizações devem agora se envolver em formar tais treinamentos para pessoas cujo tempo lhes permite participar. Uma vez matriculados, os formandos não serão mais considerados desempregados. Em vez disso, serão considerados empregados cujo trabalho é nutrir conexões positivas na sociedade. No futuro próximo, essa forma de conexão se tornará o produto mais exigido no mercado. As conexões positivas são a base de toda sociedade sustentável; assim, “trabalhadores de produção” que criam isso se tornarão inestimáveis ​​para suas comunidades.

A este respeito, o colunista do New York Times, Thomas Friedman, disse em uma entrevista com Tucker Carlson no show Tucker Carlson Tonight: “Conectar pessoas às pessoas será um grande trabalho. …. Eu acho que os melhores empregos serão empregos entre pessoas. Nós veremos um novo conjunto de empregos e indústrias girando em torno do coração, em torno de conectar pessoas às pessoas”.

Friedman está certo, mas sem a tecnologia na base desta nova indústria, seus produtos serão defeituosos. É aqui que entra o método de Abraão. No meu livro “Completando o Círculo: Um Método Empiricamente Comprovado para Encontrar Paz e Harmonia na Vida”, eu detalhei a tecnologia de promover a conexão sobre a alienação. Essa tecnologia é aplicável tanto para indivíduos como para organizações, e é muito simples de aplicar, desde que você tenha em mente essa única regra: todas as discussões só emergem para que possamos a fortalecer nossa conexão. Essa é a interpretação moderna das palavras do Zohar que citei anteriormente: “Todas as guerras na Torá são para a paz e o amor”.

Em conclusão, o único remédio para a desintegração de nossa sociedade é uma renda básica para todos, dependente da participação na criação de comunidades novas, positivamente conectadas e mutuamente responsáveis, alcançadas através de treinamentos que nos levarão da era egoísta à era das conexões positivas e da responsabilidade mútua de forma pacífica e agradável.

Educar O Homem!

laitman_629_3Pergunta: Educação é principalmente coerção, de uma forma ou de outra. Na espiritualidade não há coerção. Como as duas andam juntas?

Resposta: Na verdade, não há coerção na espiritualidade. Mas o nosso mundo não é a espiritualidade. Nós tomamos a “besta” e a transformamos em um homem.

A Torá diz que você tem que educar seu filho. E todas as regras relativas à educação são muito específicas, incluindo a coerção e até mesmo o castigo físico, porque você está lidando com uma “pequena besta do mal”. Nós sabemos disso sobre nós mesmos e, se necessário, precisamos educar uma criança para alcançar a felicidade com uma “vara”.

Mas, de acordo com a abordagem Cabalística, nós podemos criar condições tais para os nossos filhos em que, na verdade, não há necessidade de coerção, porque o ambiente obriga a pessoa a se comportar corretamente, fornecendo exemplos sem qualquer pressão. Uma criança está pronta para imitar qualquer ambiente e nós usamos esse princípio.

Pergunta: Essa é a sabedoria do amor? ”Uma pequena besta do mal” que é chamada de criança? ”Alcançar a felicidade com uma ‘vara’?” Isso é chamado de amor?

Resposta: Infelizmente, com o amor corpóreo, você cria um terrível “monstro”. Se você está convencido de que deve tratar seu filho com amor ilimitado, você o transforma em uma criatura miserável que não tem limites e pensa que tem direito a tudo.

Nós precisamos entender como abordar as pessoas, especialmente os filhos. Todos nós precisamos ser educados.

Educação não é apenas ler certo número de livros, obter uma educação em música, ou aprender bons costumes e saber como se comportar na sociedade. Educação é permitir que a pessoa seja devidamente integrada na sociedade humana.

Educação refere-se à capacidade de se inserir adequadamente na comunidade humana, quando cada um entende o tipo de mundo em que vive, como a sociedade humana é construída, como está dividida, como suas partes interagem entre si, o que todas desenvolvem e as relações recíprocas entre homens e mulheres, adultos, crianças, idosos e jovens.

Nós temos que estar completamente familiarizados com a natureza da sociedade humana e como podemos fazer dela um sistema bom e correto. Então tudo será muito melhor. Se dissermos que é impossível educar as pessoas dessa maneira, acabaremos com o que temos hoje: com cada ano que passa, a geração se tornando mais perdida.

Nós vemos que a humanidade está regredindo. Nós ultrapassamos o auge da nossa evolução e atingimos o estado mais egoísta, e agora começamos a regredir.

Para quebrar este ciclo vicioso, temos que implementar o método de educação chamado sabedoria da Cabalá. Ele explica como fazer isso. Uma pessoa que começa a estudar, muda gradualmente e pode realmente ensinar os outros.

Uma vez que uma criança pequena é uma pequena fera egoísta, temos que aprender a educá-la, o que significa mostrar a uma criança como ela pode lidar e se controlar corretamente para que possa se unir adequadamente com todos os outros.

Da Lição de Cabalá em Russo 08/01/17

Cabalá E Magia

laitman_628_4Pergunta: Está escrito no Livro do Zohar que os egípcios eram feiticeiros poderosos. Muitos magos afirmam que possuem poderes mágicos porque estudam Cabalá. É possível? Por sinal, isso está escrito não só no Livro do Zohar, mas também na Torá e no Grande Comentário.

Resposta: Muitos livros que estudamos na Cabalá mencionam isso. Alguns deles foram escritos há 4.000 anos. Por exemplo, o Grande Comentário foi escrito em 1.600 a.C., e o livro O Anjo Secreto, que chegou até nós desde Adão, tem 5.770 anos.

Muitos livros foram perdidos ao longo dos anos, mas existem fontes que os mencionam. Nós temos o Livro da Criação (Sefer Yetzira) de Abraão que foi escrito há 3.600 anos.

Quanto aos magos que supostamente receberam poderes da Cabalá, pode-se dizer qualquer coisa, mas não há milagres no mundo.

A Cabalá é um conhecimento incrível e totalmente materialista. Seu princípio principal é: “Não falamos sobre o que não alcançamos”. Isto é, você tem o direito de falar apenas sobre o que pode alcançar e descrever, mas, se não alcançar, fique em silêncio, porque já é misticismo.

Da Lição de Cabalá em Russo 22/01/17

Meus Pensamentos No Twitter, 04/06/17

twitterEsqueça #Paris – o Culpado Não Suspeito Por Trás do Aquecimento Global #climatechange @haaretzcom

Do Twitter, 04/06/17

“Guarda-te Da Lesão Da Tzara’ath”

laitman_571_08Torá, Deuteronômio, 24:08: Guarda-te da lesão da Tzara’ath (lepra), e tenhas grande cuidado de fazer conforme a tudo o que te ensinarem os sacerdotes levitas; como lhes tenho ordenado, terás cuidado de o fazer.

“Lesão” e “lepra” são os problemas mais externos que uma pessoa tem porque a pele representa a camada mais externa do egoísmo.

O corpo de uma pessoa, de dentro para fora, está organizado da seguinte forma: medula (Mocha), ossos (Atzamot), tendões (Gidin), carne (Basar) e pele (Or) .

A erupção de lesões na pele é a manifestação do último grau de quebra. Você deve interagir corretamente com esses problemas, ou seja, curar-se da lepra através do Cohen (sacerdote) e do Levita em você, através de seus desejos mais elevados e melhor corrigidos que podem corrigir os desejos mais baixos e não corrigidos em você. Caso contrário, você não pode determinar o que é e ser curado.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 26/10/16

“Por Que Odiamos?”

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (Psychology Today): “Por que odiamos? Os motivos são complexos, mas seguem alguns dos fatores que podem desempenhar um papel para nos ajudar a entender o ódio e, com sorte, trabalhar pela mudança. … …

“De acordo com A.J. Marsden, professor assistente de psicologia e serviços humanos no Beacon College em Leesburg, Flórida, a razão pela qual odiamos é porque tememos coisas que são diferentes de nós.

“O pesquisador comportamental Patrick Wanis, cita a teoria “no grupo e fora do grupo”, que postula que, quando nos sentimos ameaçados por estranhos, nos movemos instintivamente para o nosso grupo – aqueles com quem nos identificamos – como um mecanismo de sobrevivência. Wanis explica: “O ódio é conduzido por duas emoções-chave, amor e agressão: o amor pelo “no grupo” – o grupo que é favorecido; e a agressão pelo “fora do grupo” – o grupo que é considerado como sendo diferente, perigoso e uma ameaça ao grupo. …

“De acordo com a psicóloga clínica Dana Harron, de Washington, DC, as coisas que as pessoas odeiam nos outros são as coisas que temem dentro de si mesmas. Ela sugere pensar no grupo ou na pessoa alvo como uma tela de filme na qual projetamos partes indesejadas do self (“eu”). A ideia é: “Eu não sou terrível; você é’”.

Pergunta: O que é o ódio do seu ponto de vista?

Resposta: O ódio é tudo o que não é benéfico para mim.

Por outro lado, essa é uma boa qualidade, porque com sua ajuda eu verifico o que mais preciso mudar em mim. O mundo inteiro é basicamente o Criador, que devo tratar com amor absoluto! E se eu trato algo com ódio, isso significa que não estou corrigido dentro de mim.

O ódio verdadeiro só é revelado no caminho do amor. Se eu avanço para amar corretamente, descubro o ódio por algo ou por alguém, e fica claro para mim o que devo corrigir em mim mesmo para alcançar o amor.

Os eventos atuais no mundo são a expressão de um grande ódio de todos e por todos. Esse é um refúgio natural, uma explosão da nossa natureza interior quando nos odiamos completamente. Nesse caso, apenas nossas qualidades negativas se manifestam, já que não temos qualidades positivas e só queremos usar uns aos outros.

Nosso egoísmo é o ódio e devemos corrigi-lo para que se torne amor. Isso é feito com a ajuda da conexão e da força especial da natureza que descobrimos.

Pergunta: Mas esse ódio que atualmente existe no mundo é revelado não no caminho do amor. É um ódio assim?

Resposta: Não, ele ainda surge no caminho do amor porque estamos no caminho da correção. Esse é apenas o período de reconhecimento do mal. Nós nos sentimos mal, mas ainda não compreendemos suas causas, consequências e o que fazer com isso.

Na verdade, o mal é a alavanca pela qual vamos transformar tudo e chegar ao bem.

Assim que reconhecermos o mal, a virada acontecerá. A sabedoria da Cabalá fala sobre isso. Ela nos diz como usar tudo isso na prática.

Portanto, venha, estude, e você verá um mundo diferente.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 13/03/17

Nova Vida # 852 – Impureza E Pureza, A Raiz Espiritual

Nova Vida # 852 – Impureza E Pureza, A Raiz Espiritual
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Nitzah Mazoz

Resumo

Impureza e pureza são conceitos que se referem às raízes no mundo espiritual. Existem dois níveis na realidade: o mundo espiritual dos desejos e intenções, e o mundo corpóreo onde estão os corpos. O mundo espiritual é a raiz e o mundo corpóreo é o ramo.

De KabTV “Nova Vida # 852 – Impureza E Pureza, A Raiz Espiritual “, 11/05/17