Textos arquivados em ''

Jpost: “Comentário: Entre Dershowitz E Stone, Dershowitz Está Injustificadamente Correto”

O The Jerusalem Post publicou meu novo artigo: “Comentário: Entre Dershowitz E Stone, Dershowitz Está Injustificadamente Correto

Para mudar os sentimentos das pessoas sobre os judeus, devemos abordar com honestidade a alegoria de que, se algo der errado, é culpa dos judeus.

O roteirista, diretor de cinema e produtor, Oliver Stone, é um ícone cultural. Ele ganhou vários Prêmios da Academia e contribuiu para a criação de dezenas de filmes icônicos que ajudaram a moldar nossos pontos de vista sobre guerra, amor, política e outras questões importantes. Oliver Stone também é um antissemita.

Alan Dershowitz é advogado, autor, orador talentoso e ícone cultural por direito próprio. Ele também é um fervoroso defensor de Israel. Quando Dershowitz ouviu que Stone tinha culpado Israel de se intrometer nas recentes eleições americanas, ele desafiou Stone para um debate sobre se havia ou não verdade em sua declaração.

O Sr. Dershowitz tem defendido Israel há muitos anos, e seu apoio é emocionante e impressionante. Em 2005, ele conduziu um debate épico com Noam Chomsky na Universidade de Harvard, e trabalha incansavelmente para apoiar Israel em todas as partes.

Ainda assim, a julgar pelo crescimento exponencial do antissemitismo nos EUA e em todo o mundo nos últimos anos, esses esforços tiveram impacto zero. Por mais razoáveis ​​que sejam os argumentos, eles nunca diminuirão o antissemitismo porque o ódio não precisa de argumentos razoáveis ​​para se justificar.

O Ódio Aos Judeu Não Faz Sentido

Ao longo da história, o ódio aos judeus usou diferentes roupagens em diferentes momentos. Os judeus foram acusados ​​de envenenar poços, cozinhar matzos com o sangue de crianças cristãs (e agora muçulmanas), belicismo, usura, tráfico de escravos, conspirar para dominar o mundo e espalhar doenças (da Peste Negra ao Ebola). Os judeus também foram acusados ​​de manipular a mídia para suas necessidades, deslealdade para com seus países de acolhimento, tráfico de órgãos e propagar a AIDS.

Além disso, os judeus são frequentemente acusados ​​de “crimes” conflitantes. Os comunistas os acusaram de criar o capitalismo; os capitalistas os acusaram de inventar o comunismo. Os cristãos acusaram os judeus de matar Jesus, enquanto os dissidentes da igreja acusaram os judeus de inventarem o cristianismo. Os judeus foram rotulados como belicistas e covardes, racistas e cosmopolitas, sem caráter e inflexíveis, e inúmeras outras contradições.

Claramente, O Ódio Aos Judeus É Irracional E Profundo.

Para mudar os sentimentos das pessoas sobre os judeus e o Estado-nação dos judeus, isto é, Israel, devemos apelar para seus sentimentos, seus corações e não para suas mentes. Para fazer isso, devemos abordar a antiga alegoria a qual Dershowitz se referiu na publicação que mencionei anteriormente: se alguma coisa deu errado, é culpa dos judeus.

Ódio de Fora e de Dentro

Como é evidente pela irracionalidade do ódio aos judeus, estes não são uma nação comum. Desde a sua criação, os defensores mais proeminentes foram alvo de agressão e inimizade. Abraão foi jogado em um forno depois que seu próprio pai, Terah, o levou a ser julgado pelo rei. Terah não protestou contra o veredito. José foi jogado em um poço cheio de cobras e depois vendido à escravidão por seus próprios irmãos depois que eles renunciaram ao plano inicial de assassiná-lo. Moisés foi perseguido por seu avô de criação, o Faraó, e muitas vezes foi criticado pelo próprio povo.

Depois de Moisés, quando o povo de Israel foi estabelecido como uma nação, eles sofreram conflitos internos que eram tão ruins, senão piores, do que os inimigos que encontraram fora. O Primeiro Templo foi arruinado devido à adoração de ídolos, incesto e derramamento de sangue. Mesmo antes de ser arruinado, os reis hebreus, Ahaz e Ezequias, tanto saquearam o Templo como entregaram seus tesouros a reis estrangeiros.

Na época do Segundo Templo, os helenistas – judeus que queriam instalar a cultura e a crença gregas em Israel – odiavam seus irmãos tão ferozmente que lutaram contra eles até a morte, em vez dos gregos.

No final, o ódio próprio infligiu a ruína do Segundo Templo e um exílio que durou dois milênios. Pior ainda, Tibério Júlio Alexandre, comandante dos exércitos romanos que conquistaram Jerusalém, arruinaram o Templo e exilaram seu povo – era um judeu de Alexandria cujo próprio pai havia doado o ouro e a prata para as portas do Templo. De fato, antes de Tibério Alexandre invadir Jerusalém, ele havia destruído sua comunidade nativa de Alexandria, fazendo com que “todo o distrito fosse inundado de sangue, enquanto 50.000 cadáveres estavam amontoados”, de acordo com o historiador judeu-romano Titus Flavius ​​Josefo.

Na minha coluna anterior, eu mencionei mais os inúmeros casos em que os judeus se voltaram contra o próprio povo. Acontece que somos únicos, não só no incansável e irracional ódio que sofremos de fora, mas também no profundo ódio que os judeus sentem e demonstram em relação a seus próprios irmãos. Isso levanta a questão: o que há nos judeus que os torna objeto de uma aversão tão generalizada?

Quem É Judeu?

O livro Yaarot Devash (Parte 2, Drush n.° 2) escreve que a palavra Yehudi (judeu) vem da palavra hebraica yihudi, que significa “unido”. Quando Abraão, o Patriarca, estabeleceu seu grupo, ele fez isso com o pano de fundo de uma explosão de egoísmo no Império Babilônico, onde nasceu. O livro Pirkei De Rabbi Eliezer (Capítulo do Rabino Eliezer) descreve como os construtores da Torre da Babilônia “queriam falar uns com os outros, mas não conheciam a língua do outro. O que eles fizeram? Cada um tomou sua espada e eles lutaram um contra o outro até a morte. Na verdade, metade do mundo foi abatido lá, e a partir daí eles se espalharam por todo o mundo”.

Para ajudar os babilônios, Abraão desenvolveu um método para conectar pessoas. Ele percebeu que o egoísmo estava se intensificando mais rápido do que as pessoas poderiam conter. Portanto, em vez de tentar restringir seus egos, Abraão sugeriu que elas mudassem de foco para a conexão. Desta forma, ele esperava que seus compatriotas se elevassem acima de seu egoísmo e se conectassem.

Embora Abraão tenha sido expulso da Babilônia (tendo sobrevivido a ser jogado no forno), ele continuou a circular seus pontos de vista enquanto vagava pela Terra de Israel. Gradualmente, escreve Maimônides na Mishneh Torah (Capítulo 1), Abraão, juntamente com sua esposa, Sarah, reuniu dezenas de milhares de pessoas, todas versadas para se unirem acima de seus egos.

Essa característica especial dos estudantes de Abraão – tornar a unidade e a fraternidade os meios e o fim – tornou-se a essência do judaísmo. É por isso que o velho Hillel disse ao homem que queria se converter: “O que você odeia, não faça ao seu próximo; essa é a totalidade da Torá” (Shabat, 31a), e por que o Rabi Akiva afirmou: “Ama o teu próximo como a ti mesmo; essa é a grande regra da Torá” (Talmude de Jerusalém, Nedarim, 30b).

Nós nos tornamos uma nação somente quando prometemos ser “como um homem com um só coração”, e imediatamente depois, nós fomos ordenados a ser “uma luz para as nações” – para distribuir nossa unidade especial a todos. Assim como Abraão pretendia fazer na Babilônia, quando desejava disseminar a unidade indiscriminadamente, nós fomos comandados a ser uma luz para todas as nações – espalhar a unidade em todo o mundo.

Portanto, nossa nação consiste em dois princípios: 1) estar unidos como um só homem com um só coração, 2) compartilhar o método para alcançar a unidade com toda a humanidade. Se não respeitarmos essas duas regras, não somos judeus.

Uma vez que esses dois princípios foram a essência do nosso povo desde a sua criação, qualquer acusação de que os judeus estão prejudicando o mundo, como a alegoria que Dershowitz mencionou – que, se algo der errado, é culpa dos judeus – é uma acusação (geralmente inconsciente) de que os judeus não são judeus. Em outras palavras, eles não estão projetando unidade e fraternidade, mas sim o oposto.

Em alguns casos, a sensação dos antissemitas de que o egoísmo judeu é o problema é tão intensa que eles pode inclusive verbalizá-la. O filósofo e antropólogo alemão Ludwig Feuerbach escreveu em A Essência da Cristandade: “Os judeus mantiveram sua peculiaridade até hoje. O princípio deles, seu Deus, é o princípio mais prático do mundo – isto é, o egoísmo”.

Se é isso que estamos projetando, é de admirar que sejamos odiados? Nós podemos ter dado a nós mesmos a anistia do “veredicto” de ser “uma luz para as nações”, mas as nações nunca nos deram isso. Suas acusações, os altos padrões morais pelos quais elas julgam Israel e os judeus, sua admiração e seu medo falam por si mesmos. Não nos ajudará se tentarmos ser como elas; elas não nos aceitarão como tal. Sempre esperaram, esperam e esperarão que sejamos um farol de unidade, “uma luz para as nações”.

Até nos unirmos acima do nosso ódio exatamente como os nossos antepassados ​​fizeram milênios atrás, continuaremos a ser os únicos parias do mundo.

Nenhum argumento convincente, prova conclusiva ou evidência difícil irá convencer os Oliver Stones no mundo de que eles estão errados. Em seus corações, eles sabem que estão certos – que os judeus são os culpados de qualquer coisa ruim que aconteça. Para o Sr. Stone, essa coisa ruim é a eleição de Donald Trump como presidente. Mas antes mesmo de Trump ser eleito, Stone encontrou razões para não gostar dos judeus, provando mais uma vez que o ódio se apega a qualquer pretexto para se justificar, independentemente das verdades objetivas.

Portanto, se realmente quisermos expulsar o antissemitismo, devemos fazer o que menos queremos: nos unirmos com nossos irmãos à tribo – nossos irmãos judeus – acima de nossas disputas, alienação e ódio.

Jewish Business News, “Será Que Os EUA Se Tornarão Uma Nação De Jovens Ociosos?”

Na minha coluna regular no Jewish Business News, meu novo artigo: “Será Que Os EUA Se Tornarão Uma Nação De Jovens Ociosos?

Em um momento de alto desemprego e relutância em trabalhar, a renda básica dependente do fortalecimento da solidariedade é primordial.

Sozinho Em Uma Multidão De Um Bilhão, Parte 4

laitman_938_03O método da educação integral não impede que a pessoa desenvolva sua individualidade interior, mas sim permite que ela faça isso. Ninguém invade este mundo interior.

Mas, junto com isso, a pessoa também  sabe que é possível sentir o mundo, a realidade, de uma perspectiva mais ampla, acima do isolamento e do individualismo, mas apenas através de uma conexão com os outros.

Quando isso ocorre, ela começa a sentir um mundo paralelo a esse. Ninguém argumenta que somos todos indivíduos incapazes de se mover, mas isso não precisa incomodar ninguém porque estamos construindo um nível de conexão acima.

Pergunta: Será que uma pessoa ainda se sentirá sozinha?

Resposta: Uma pessoa não se sentirá sozinha porque expressará sua individualidade em conexão com outros. Esses dois níveis – o nível pessoal, individual e o nível comum, integral – existirão paralelos um ao outro e se apoiarão mutuamente.

Então, a personalidade de cada indivíduo começará a ser expressa de forma ainda mais brilhante e distinta, mas isso não levará à consequências negativas ou à solidão. Se cada um é criado com suas próprias qualidades únicas, quando essas qualidades forem expressas de forma ainda mais brilhante, isso só será benéfico para os outros e nunca em detrimento deles.

Dois dos marcos mais importantes no desenvolvimento infantil é o surgimento da individualidade pessoal e, acima dele, a interdependência mútua. Como se diz, “O amor cobre todas as transgressões”. Neste contexto, a pessoa usa sua individualidade para alcançar a conexão correta com os outros.

A natureza nos constrói de tal forma que, se eu uso minhas qualidades individuais para uma conexão com outros com a intenção de preenchê-los, e os outros fazem o mesmo em relação a mim, então esse é um ponto em que não estamos apenas nos conectando mecanicamente como engrenagens em uma máquina, mas estamos criando um sistema perfeito.

Quando nos conectarmos corretamente com este sistema, começaremos a sentir quem está nos girando: a força superior da natureza. Então começaremos a interagir e girar em harmonia com essa força; em outras palavras, conseguiremos uma união com ela.

Pergunta: Por que essa sensação dolorosa de solidão aparece em nós neste momento? O que significa essa etapa da evolução humana? Isso não existia no início da história.

Resposta: Nós completamos nossa evolução “linear” e agora devemos adicionar a ela o desenvolvimento integral “circular”. Com toda a individualidade e singularidade de cada um, devemos descobrir como usar corretamente nossas habilidades especiais para uma conexão positiva entre nós e criar um sistema perfeito. Essa é a fase final do programa da criação.

De KabTV “Nova Vida” 04/04/17

Como Se Relacionar Com A Vida Diária

Laitman_506_2Pergunta: Como as pessoas que estudam a sabedoria da Cabalá se relacionam com a vida diária?

Resposta: A vida diária flui por si só. O que há nela? Uma pessoa precisa ganhar a vida e criar uma família, tudo isso sendo uma sobrecarga adicional ao estudo.

Para uma pessoa que estuda Cabalá, a atitude em relação à vida diária se torna completamente diferente. Sua percepção da realidade muda. Ela começa a entender que tudo vem do Criador e passa propositalmente por ela até o mundo circundante para que ela possa conectar o mundo inteiro e ela mesma com o Criador, com a única força que gerencia a criação.

Em outras palavras, em todos os pensamentos e sentimentos de uma pessoa, em tudo o que ela diz e faz, está o Criador. É a natureza que motiva uma pessoa de tal maneira. Apenas o ponto no coração é dado a uma pessoa, que aparentemente não tem conexão com a natureza interna e externa. Mas com a ajuda desse ponto no coração, ela pode sair do mundo físico, desviar sua atenção de tudo e contemplar tudo de fora.

Da Lição de Cabalá em Russo 29/01/17

A Solução Para Os Imigrantes: Educação

Laitman_419Comentário: Recentemente, 240 imigrantes se afogaram no caminho para a Itália. De acordo com estatísticas, 5.000 imigrantes se afogaram no ano passado. Isso significa que os imigrantes ainda estão se infiltrando na Europa. Apesar das limitações que a Europa estabeleceu, eles continuam fluindo.

Resposta: Milhares de imigrantes do Oriente Médio e da África estão atravessando diariamente a fronteira europeia, e é impossível parar esse fluxo.

É a onda da história. É assim que deve ser até que a Europa realmente comece a colonizar África e Oriente Médio de forma amável, restaurando as relações mútuas corretas entre as pessoas, abrindo universidades e escolas, fornecendo necessidades e ensinando os locais, para que eles possam estabelecer uma sociedade correta e desenvolvida.

Mas como os europeus podem fazer isso se eles mesmos são egoístas? Eles colonizaram a África da maneira errada; portanto, eles colhem tais resultados.

Pergunta: Então você é a favor de um tipo diferente de colonização através da educação?

Resposta: Eu sou apenas a favor de formar e educar as pessoas localmente, em favor da criação de uma sociedade adequada em suas terras onde elas devem viver e se sentir bem e não imigrarão para a Europa.

Pergunta: Você acredita que é possível restaurar lugares que estão totalmente arruinados como a Síria e o Líbano?

Resposta: Se o Ocidente investir recursos e energia nesse processo e perceber que essa é realmente a maneira como eles devem se posicionar, então é certamente possível.

É muito mais caro tentar adaptar os imigrantes às condições da Europa do que ajudá-los a reconstruir suas vidas em sua casa natural. Lá, é pelo menos cem vezes mais barato do que qualquer ação tomada na Europa.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 27/03/17

“E Todo O Povo Dirá: ‘Amém!’”

arava-convention_931-01.jpgTorá, Deuteronômio, 27:16: … E todo o povo dirá: ‘Amém!’

“Amém” é traduzido como “verdade”, “veracidade”, e expressa nosso acordo interno, a decisão interna, fazer alguma ação com toda a nossa força.

Portanto, o povo é obrigado a dizer “Amém!” antes da entrada na terra de Israel. Esse é um acordo sem cujas condições não se pode entrar, porque entrar significa elevar-se à correção de desejos e intenções egoístas completamente novos que agora estão sendo revelados.

Em cada etapa, o povo repete “Amém!” porque cada vez ele entra em uma nova correção.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 21/11/16

Os EUA Estão Deixando O Acordo De Paris

Laitman_702_01Nas Notícias (New York Times): “WASHINGTON – O presidente Trump anunciou na quinta-feira que os Estados Unidos iriam se retirar do acordo climático de Paris, enfraquecendo os esforços para combater o aquecimento global e abraçando vozes isolacionistas na Casa Branca que argumentavam que o acordo era um ameaça perniciosa para a economia e a soberania americana.

“A decisão do Sr. Trump de abandonar o acordo de ação ambiental assinada por 195 nações é uma repreensão notável aos chefes de estado, ativistas do clima, executivos corporativos e membros da equipe do próprio presidente, que não conseguiram mudar de opinião com um intenso lobby de última hora. O acordo de Paris tinha como objetivo obrigar a comunidade mundial a combater as crescentes temperaturas em conjunto, e a saída do segundo maior poluidor da Terra é um grande golpe”.

Resposta: Claro! Como de costume, é disso que se trata, roubar de um e transferir para outro.

Como somos todos produtos do nosso egoísmo, não agimos por preocupação com a Terra e o aquecimento global; nós agimos pensando em como roubar o máximo possível para nós mesmos à custa dos outros. Os países da Europa Ocidental lucram especialmente à custa da América, e essa é a razão pela qual Trump se opõe ao acordo, enquanto toda a Europa não concorda com o Trump.

Pergunta: Existe o problema do aquecimento global?

Resposta: Naturalmente. Há o processo do aquecimento global. Além disso, outra era do gelo está chegando. Esses dois processos andam juntos.

Nada funcionará a menos que equilibremos todo o sistema. Se a humanidade não se transformar em um estado corrigido e não se tornar um sistema ecológico harmonioso com a natureza, a natureza certamente será ainda mais destruída como resultado do impacto destrutivo da sociedade humana.

Nós existimos em nosso egoísmo no nível mais alto da natureza. O nível humano vem após os níveis inanimado, vegetal e animal da natureza.

Esta é a razão pela qual, quando há desentendimentos, guerras, conflitos e hostilidade entre nós, todos eles afetam os níveis mais baixos da natureza e, consequentemente, perturbam seu equilíbrio. Consequentemente, há o aquecimento global e outros problemas que invocamos no mundo, como a poluição dos oceanos e da atmosfera.

Isso significa que o lixo e a imundície do nosso egoísmo são manchados por toda a Terra, dentro e ao redor dela. Tudo acontece por nossa causa.

No momento em que começarmos a nos corrigir, estabelecendo boas conexões entre nós, veremos que, de repente, tudo começará a limpar gradualmente e atingir a condição equilibrada e correta até chegar ao estado de “e um lobo deve habitar com um cordeiro … e um menino deve liderá-los”, como afirmam os profetas. E assim será.

Pergunta: Quando as pessoas entenderão que o egoísmo humano perturba o equilíbrio geral?

Resposta: Esperamos que isso aconteça antes que o ego destrua tudo. Também temos que levar em conta a governança superior da própria natureza, a qual, influenciando-nos, tornará mais fácil perceber que não existe outra maneira de nos corrigir.

A natureza está nos levando pelos golpes, enquanto fazemos isso por meio da disseminação da sabedoria da Cabalá, tentando explicar as coisas, tentando convencer as pessoas e mostrar que não existe outra maneira. O grau de problemas e sofrimento que as pessoas terão que sofrer depende da sua teimosia egoísta.

Nós, por outro lado, tentaremos fazer tudo em nosso poder. Eu acho que podemos passar por este processo corretamente até chegarmos ao próximo bom estado.

Pergunta: Como todos os problemas corporais desaparecerão? Afinal, grandes ilhas de lixo já estão flutuando nos oceanos.

Resposta: A natureza irá engolir instantaneamente todos os plásticos e metais espalhados pelos oceanos e no espaço. Não podemos imaginar que forças estão embutidas na natureza. Não se trata de interferir com essas forças, mas de estimular e evocar sua influência intensa direta, e então não haverá problemas.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 05/06/17

Recompensa E Castigo Em Nossas Vidas, Parte 3

laitman_752_3Pergunta: Nós vivemos neste mundo como crianças pequenas que se sentem punidas quando a mãe não lhes dá doces e uma lata de refrigerante porque sabe que é ruim para elas. Quem é essa mãe?

Resposta: A mãe é o sistema geral, a natureza, as leis da natureza, dentro das quais nós existimos. O sistema nos responde de forma imediata, sistematicamente, nos treinando passo a passo para desenvolvermos uma relação correta com a realidade e gradualmente nos permitindo conhecê-la para que possamos abrir nossos olhos e ver a verdadeira realidade.

É semelhante à forma como uma criança pequena vê apenas uma pequena parte do mundo, uma imagem muito estrita e limitada. Ela não entende o sistema que governa uma nação ou o mundo ou como tudo isso está funcionando.

Mesmo os adultos muitas vezes não sabem como o governo está estruturado, como funciona e em quais princípios seus sistemas funcionam. Para a maioria, o que os afeta pessoalmente é o que mais lhes interessa, por exemplo, o lixo que não foi apanhado em sua casa.

À medida que a pessoa se desenvolve e amadurece, ela se familiariza com o sistema de governo em seu país. Da mesma forma, nós devemos nos familiarizar com os sistemas da natureza que nos controlam.

Pergunta: Mãe é símbolo de calor, amor, cuidado e tudo que nutre e é gentil que existe na vida de uma pessoa. Por que então, olhando minha vida, eu não vejo que o mundo se comporta comigo com tanto cuidado e amor? Pelo contrário, eu recebo golpes de todas as direções.

Resposta: Nós pensamos que o amor da natureza deve se manifestar da forma que entendemos. Porém, será que nós a representamos corretamente? Eu acho que, se houver um objetivo que eu preciso alcançar no meu desenvolvimento, então a mãe é obrigada em todo momento a se preocupar com o que me mantém visando esse objetivo.

Como o meu estado contínuo dentro do meu egoísmo é muito ruim e eu preciso deixar esse mal e chegar ao bem o mais rápido possível, a mãe prepara todas as condições necessárias para que isso aconteça. Ela não me empurra com força e não me apressa com um chicote, mas constantemente me apresenta oportunidades para avançar. E eu preciso compreendê-la!

O problema é que não entendemos como a natureza nos controla. Assim que eu começar a entender isso e tentar entrar nesse processo, tudo mudará.

Porque eu estou tentando discernir: onde está a mãe, o que ela quer de mim em cada momento, em cada estado, para onde ela está me levando, o que eu preciso fazer agora e, o que é mais importante, no que devo estar pensando? Como eu deveria perceber o mundo e me relacionar com os acontecimentos que se desdobram, ao ajustar sempre o jeito que me relaciono com o mundo e evoluo minha consciência?

Se eu sempre penso que não existe outra coisa senão a força superior, isto é, que a mãe natureza está constantemente me assistindo, sempre querendo o melhor para mim, então avançarei infalivelmente na direção certa. É possível que, no caminho, às vezes eu cometa erros e atinja as paredes das minhas limitações: à esquerda ou à direita, mas, em geral, vou avançar. Eu estarei sob controle vigilante e alcançarei o objetivo.

A mãe está oculta, mas, gradualmente, eu descubro esse sistema como resultado de minhas batidas com ela e as análise de minhas ações: o que eu fiz corretamente, o que não? Desta forma, eu vou entender o que são recompensas e quais são os castigos.

De KabTV “Nova Vida” 02/02/17

A Letra Amada

laitman_235Pergunta: Qual letra, entre as letras do alfabeto hebraico, mais lhe agrada?

Resposta: Acho que é a letra “Hey“.

É a quinta letra do alfabeto e simboliza o Kli final, que foi totalmente corrigido, a alma que está pronta para começar a absorver a Luz.

Além disso, BinaMalchut são indicadas por essa letra, e juntas formam a letra “Yod“, que é a décima.

Da Lição de Cabalá em Russo 22/01/17

Diferenças Entre Gerações, Parte 3

laitman_559Pergunta: Em que base é possível a amizade e a conexão entre gerações? Existem coisas que não dependem de tempo e idade?

Resposta: Somente a alma eterna não depende do tempo. O resto é temporário. Somente a alma pode ser comum entre as diferentes gerações porque é realmente uma para todos. Portanto, para a alma, não importa de que geração você é: baby boomers, X, Y, Z ou A.

A alma sempre será uma para todas as gerações futuras; ela é superior ao tempo e superior à vida e à morte. Em todas as gerações, desde o período dos dinossauros e até mesmo do Big Bang, quando existíamos sob a forma de pequenas partículas de desejo, até hoje e até o final da correção, a alma será comum a todos.

Portanto, não há outro interesse comum ou outra base sobre a qual trabalharemos juntos, apoiando-nos e precisando uns dos outros, mas apenas no desenvolvimento da alma.

Pergunta: Isso significa que a alma é algo imutável e eterno que une todas as gerações? Mas o que é a alma e como ela a desenvolve?

Resposta: A alma é o desejo especial de uma pessoa de sentir não dentro de si mesma, mas fora de si mesma. Tal desejo pode ser desenvolvido em você ao se trabalhar em um grupo usando o método da Cabalá, que lhe permite elevar-se acima de seu próprio egoísmo. Então, eu vejo que o mundo não está deformado pelo meu egoísmo, como eu o percebo geralmente dentro de mim, mas o que ele realmente é: fora de mim.

Eu passo por um pequeno grupo, como por um filtro, deixando meu egoísmo nele, e começo a ver o mundo não obscurecido pelo meu egoísmo. Essa é uma realidade completamente diferente, chamada de mundo espiritual. A percepção do mundo espiritual é o que é a minha alma.

Desenvolver a alma significa desenvolver-se na capacidade de existir acima do egoísmo. O egoísmo é o desejo de absorver tudo dentro de mim, o que me impede de sentir o mundo fora de mim.

Pergunta: Acontece que a relação entre pais e filhos é dividida em duas áreas. Uma é externa e é simplesmente uma segurança material: alimentar os filhos, vestir e prover tudo o que for necessário para a existência deles. Mas ainda existe uma conexão interna que transcende o material. Não há espaço entre as gerações nesta área interna?

Resposta: A conexão interna é mais objetiva, não está ligada à pessoa em si. Claro, também há diferenças entre nós, dependendo de quanto a pessoa é capaz de sair de seu egoísmo, de se elevar acima dele e começar a sentir a realidade superior.

Pergunta: O que nos permite se conectar nesta área com a geração mais jovem em oposição ao reino material?

Resposta: Lá todos nos encontramos, fora do mundo espiritual, além do filtro anti-egoísta. Nós deixamos todos os nossos pequenos caprichos egoístas que estão relacionados ao estágio animal e ao palco do homem deste mundo. O estágio animal é o desejo por comida, sexo, família e os desejos humanos são dinheiro, poder e conhecimento. E tudo isso nós deixamos cair e permanecemos com os desejos da alma.

De KabTV “Nova Vida” 18/04/17