Textos arquivados em ''

Patriotismo Nacional

Laitman_200_02Pergunta: O Estado pode educar uma pessoa com o espírito do patriotismo nacionalista, do tipo na Coréia do Norte? Quais são suas implicações? O conceito não é um catalisador para o início das guerras mundiais?

Resposta: Certamente, o patriotismo nacional ou de qualquer outro tipo de patriotismo é contrário à convergência mútua entre todas as pessoas e nações e, portanto, constitui um movimento negativo.

O mundo está em um estado onde não pode mais acolher o patriotismo intolerante (tacanho). A humanidade está se movendo em direção à unidade geral não porque é isso que ela quer, mas porque é assim que as forças da natureza a estão desenvolvendo. Opor a isso é como dar um tiro no pé.

Não vamos nos envolver em patriotismo intolerante; só sofreremos com isso. Nós vemos que todos os que andarem de forma arrogante com seus narizes empinados, em última instância, serão sujeitos a várias restrições, e ninguém vai querer se conectar com eles.

Portanto, devemos aceitar a priori que nosso grande mundo é integral. É uma “pequena aldeia” em que tudo está interligado. Não há lugar para o individualismo intolerante porque uma pessoa não pode fazer bem para si mesma à custa dos outros e vice-versa, porque isso vai agir como um bumerangue contra ela. Nós temos visto isso, e mais de uma vez, ao longo do século XX.

Da Lição de Cabalá em Russo 08/01/17

Uma Pessoa É Responsável Por Seus Pensamentos?

laitman_281_01Pergunta: Uma pessoa é responsável por seus pensamentos?

Resposta: Uma pessoa não é responsável por nada. Se ela age apenas de acordo com o fato de que tudo vem do Criador e está sob total controle Dele, então o Criador é responsável por tudo.

Mas na medida em que a pessoa atribui esses pensamentos a si mesma, ela é responsável por eles.

A própria pessoa determina o que é responsável e o que não é. Se você afirma que “não há outro além Dele”, baseado em seu estado interior, então tudo vem realmente do Criador. Mas essa é a sua perspectiva de vida, então você age em conformidade.

Pergunta: É possível dizer que maus pensamentos são prejudiciais a uma pessoa, enquanto bons são benéficos?

Resposta: Eu não diria isso. Não sabemos o que é mau e o que é bom.

Da Lição de Cabalá em Russo 15/01/17

Jewish Business News: “O Defeito Fundamental Por Trás Do Ataque Cibernético”

Na minha coluna regular no Jewish Business News, o meu novo artigo: “ O Defeito Fundamental Por Trás Do Ataque Cibernético

A melhor maneira de proteger o ciberespaço não tem nada a ver com a tecnologia de computadores e tudo a ver com a natureza humana.

O ataque cibernético maciço que atinge o mundo há vários dias é um despertar sério despertador para todos nós. Ainda não está claro quantas instalações e indivíduos foram afetados e até que ponto, mas este é claramente o ataque de ransomware mais difundido na história.

Para a maior parte, os US$ 300 de resgate que os afetados foram obrigados a pagar foram mais simbólicos do que os danos financeiros reais. No entanto, a extensão e a velocidade da propagação devem nos ensinar várias coisas: 1) nenhuma agência é à prova de hackers, nem mesmo a National Security Association (NSA), cujo software roubado, o WannaCry, é usado neste ransomware; 2) hoje, infligir danos generalizados requer apenas um computador geek com muita má vontade; 3) não há nenhuma maneira de se proteger completamente de tais ataques.

Capacidade Incompreensível de Prejudicar

Considere este cenário: um hacker terrorista infiltra simultaneamente o sistema de computador de vários grandes hospitais no Irã e instala um software malicioso. O malware muda as prescrições de medicamentos para milhares de pacientes causando um envenenamento em massa que mata centenas de pacientes. O malware é construído de tal forma que aponta para Israel como o perpetrador. Como o Irã iria retaliar é o palpite de qualquer um, mas o risco de iniciar uma guerra total é evidente.

Considere outro cenário: um hacker quebra o sistema de navegação de um jato de passageiros, fazendo com que ele se choque em uma área residencial lotada. Com as atuais capacidades de hackear, um cenário tipo 9/11 não exigiria terroristas para sequestrar aviões. Eles poderiam simplesmente sequestrar seus sistemas no ar e causar os mesmos danos sem se arriscar.

Hackear também pode nos atingir em um nível muito pessoal. Imagine que uma manhã você acorda para descobrir que sua conta bancária com todas as suas economias foi esvaziada pelo que parece ser uma retirada legal. Quando você chama o banco, eles lhe dizem que você fez a transação; está documentado inclusive em seus computadores.

Os descarrilamentos de trem, a refrigeração dos reatores nucleares, os semáforos ficando verdes todos ao mesmo tempo, as drogas e as dosagens sendo alteradas nos hospitais para causar danos, registros de decisões do governo excluídos ou alterados… Em uma época em que tudo é controlado por redes de computadores, qualquer coisa pode ser cortada e sabotada. Nós devemos saber: nenhum firewall ou anti-malware é à prova de hack.

As Máquinas Nos Controlam, Mas Narcisistas Perturbados Nos Controlam

A globalização e a Internet oferecem infinitas oportunidades de felicidade. Pense em todas as pessoas que você pode encontrar no Facebook, todos os lugares e coisas que pode ver no Instagram, e todos os produtos que pode comprar com grandes descontos no eBay. Além disso, hoje não há necessidade de ir às lojas quando pode pedir literalmente tudo online.

Mas em vez de nos divertirmos, explorando essas possibilidades de prazer, esses desenvolvimentos só aumentam nossa solidão e dor. A mídia social se tornou um substituto para a amizade real, e as pessoas usam para transmitir os atos mais doentios que os seres humanos podem fazer uns aos outros. Segundo a CNN, o Facebook está planejando contratar milhares de pessoas para ajudar a revisar as postagens dos usuários após vários incidentes de pessoas que compartilham vídeos de suicídio e assassinato. O ransomware do WannaCry demonstrou que, em vez de nos beneficiarmos de nossa interligação, nós tememos isso.

Nós transferimos o controle para máquinas virtuais, mas narcisistas sem controle controlam essas máquinas e as utilizam para nos manipular e explorar. A arena virtual não apenas reflete nossa natureza cruel e insensível, mas inclusive enfatiza isso porque o relativo anonimato do reino virtual nos permite mostrar nossos verdadeiros e impiedosos corações. Se algo de bom sair do reino on-line que desenvolvemos, é o reconhecimento do mal: o reconhecimento de que nossa natureza é má até o âmago, e sem domar nossa própria natureza, podemos esquecer a paz ou a paz de espírito.

Um Anti-Malware para o Ego

Existe uma forma, um método de domar o ego, somente se estivermos dispostos a abrir nossas mentes e corações para ela. Ele tem milhares de anos de idade e se origina diretamente do berço da civilização. O progenitor do método é Abraão, pai de Isaac, de Ismael e, posteriormente, de todas as religiões abraâmicas, como o judaísmo, o cristianismo e o islamismo.

Nos dias de Abraão, sua cidade de Ur dos Caldeus – uma cidade movimentada no Império Babilônico – estava lutando com um problema semelhante ao nosso: o egoísmo excessivo estava destruindo a ordem social. Algumas fontes, como Pirkei de Rabi Eliezer (Capítulos de Rabi Eliezer), detalham a extensão da inimizade entre os antigos babilônios. O livro escreve que em algum momento, os construtores da Torre de Babel tornaram-se tão odiosos um com o outro que transformaram seus arados em espadas e seus ganchos de poda em lanças, por assim dizer, e abateram-se. Naturalmente, a construção da torre nunca foi concluída.

Quando Abraão viu o ódio entre seus habitantes, refletiu sobre isso dia e noite, escreve Maimônides na Mishneh Torah (Capítulo 1). Maimônides também escreve que Abraão descobriu que há apenas uma força uniforme no mundo, que sempre se manifesta através de opostos: calor e frio, expansão e contração, dar e receber, vida e morte, etc.

Abraão também descobriu que na natureza tudo é harmonioso e equilibrado porque os dois opostos se manifestam igualmente. No entanto, nos seres humanos, as manifestações negativas têm um tal domínio na sociedade que os positivos mal se mostram. É por isso que a Torá escreve: “A inclinação do coração de um homem é má desde a sua juventude” (Gênesis 8:21).

Além disso, o sábio da Babilônia percebeu que suprimir de forma forçada o ego era inútil. Seu pai, Terah, não era um homem comum. O Midrash (Beresheet Rabbah) nos diz que Terah era um sacerdote de alto escalão no Império Babilônico, que construía e vendia ícones para viver e tinha contato com o rei babilônico, Nimrod. Abraão, que cresceu com ele e ficava na loja para ele, conhecia as formas como os babilônios lidavam com seus problemas e reconheceu sua futilidade.

Portanto, em vez de lutar diretamente com o ego, Abraão sugeriu algo tão radicalmente diferente que até hoje é uma abordagem inovadora. Ele disse: “Se você não pode suprimir seu ódio, use-o como uma ferramenta para aumentar seu amor ao próximo, e dessa forma cubra seu ódio com amor”. Várias gerações depois, o rei Salomão completou o método de Abraão com seu ditado: “O ódio traz a contenda, e o amor cobre todos os crimes” (Provérbios 10:12).

Como o Ódio Aumenta o Amor (se usado corretamente)

A ideia de Abraão era revolucionária, mas implementá-la era bastante fácil: cada vez que o ego aumenta e as pessoas se tornam mais odiosas umas com as outras, use essa inimizade como uma indicação de que é hora de aumentar a unidade. Quando não há ódio, as pessoas se preocupam com seus próprios negócios e não têm necessidade de se unir. Elas se dão bem, mas são basicamente indiferentes entre si. Mas quando o ódio se manifesta entre elas, elas podem se separar ou fortalecer sua unidade e fraternidade para corresponder ao ódio aumentado. O resultado de tal trabalho na unidade é que a fraternidade entre as pessoas aumenta proporcionalmente à intensificação do ódio.

Pense nisso dessa maneira: se você constrói uma casa onde quase não há ventos, você não precisa deixar as paredes excepcionalmente fortes. Mas se você construí-la em uma área que é propensa a furacões e tempestades ferozes, deve construí-la muito mais forte, a fim de resistir ao clima. Como resultado, sua casa seria muito mais forte.

Abraão percebeu que o ódio progressivo era, portanto, uma oportunidade de restaurar o equilíbrio entre o positivo e o negativo que existe na natureza, mas está ausente nos seres humanos. Além disso, o esforço consciente para se unir tornou as pessoas conscientes do modus operandi da natureza e lhes concedeu sabedoria que de outra forma não poderiam adquirir.

Com esse conhecimento, os descendentes de Abraão construíram o sistema social pelo qual os antigos hebreus foram organizados. Esse sistema era tão perfeito, justo e equilibrado que se tornou a base da justiça humana até hoje. O historiador Paul Johnson escreveu no prólogo de seu livro, A História dos Judeus: “Ninguém jamais insistiu com mais firmeza do que os judeus que a história tem um propósito e a humanidade um destino. Em um estágio muito precoce de sua existência coletiva, eles acreditavam que haviam detectado um esquema divino para a raça humana, da qual sua própria sociedade deveria ser piloto”. Mesmo o antissemita mais notório da história americana, Henry Ford, notou a importância da antiga sociedade dos hebreus para a humanidade. Em seu livro O Judeu Internacional – O Principal Problema do Mundo, Ford escreveu: “Os reformadores modernos, que estão construindo sistemas sociais modelo, fariam bem em examinar o sistema social sob o qual os primeiros judeus estavam organizados”.

Restaurando o Método de Abraão

Quando os descendentes e seguidores de Abraão alcançaram um nível suficiente de unidade, foram declarados uma nação, depois de se comprometerem a se unir “como um só homem com um só coração”. Por mais de mil anos, eles lutaram com seus egos crescentes e os superaram, melhorando seu método de unidade acima do ódio.

No entanto, há 2.000 anos, os judeus sucumbiram aos seus egos. Impregnados de ódio infundado, ajudaram os romanos a ultrapassar a Terra de Israel e foram exilados e dispersos. Mas o pior de tudo, eles esqueceram o verdadeiro significado do judaísmo: exaltar o amor sobre o ódio, amar ao próximo como a si mesmo.

O mundo de hoje se tornou pior do que a Babilônia de Abraão. Nós não estamos apenas nos matando como os construtores da Torre de Babel, como apreciamos o nosso egoísmo e nos orgulhamos do nosso narcisismo. Nós queremos mais de tudo, não porque precisamos de mais, mas porque precisamos ter mais do que os outros! A necessidade de superioridade é o soberano de nossos corações. Enquanto estamos lutando uns com os outros, estamos nos destruindo assim como o câncer destrói as células saudáveis ​​em torno dele até matar seu hospedeiro e ao mesmo tempo a si mesmo.

Apesar de seu dano generalizado, o ransomware WannaCry é apenas uma pequena amostra do dano que o ego humano pode infligir. É um sinal de alerta de que ninguém está protegido. Toda a humanidade está nisto junta. Quanto mais a humanidade se torna tecnicamente interdependente, sem corrigir nossa atitude uns com os outros, mais sofrimento nossa interconectividade nos causará.

Nós falhamos em suprimir nossos egos, então agora devemos aprender a usá-los para aumentar a nossa unidade, assim como Abraão fez quase quatro milênios atrás. Isto pode parecer uma tarefa formidável, mas a história dos judeus prova o contrário. Se nos elevarmos acima de nosso cinismo e resignação, alcançaremos uma solidariedade tão poderosa e uma preocupação mútua que nossa unidade aniquilará até mesmo a de nossos antepassados.

No processo, nós também, como Abraão, revelaremos a unidade que conduz toda a natureza em harmonia. Nós encontraremos que o significado no ódio só pode ser encontrado quando se transforma em amor ao próximo, e que o amor ao próximo não existe, a menos que por nossos esforços em se unir acima do nosso ódio. Se escolhermos enfrentar o desafio, emergiremos unidos e triunfantes sobre nossos egos. Se capitularmos, seremos atormentados além da crença.

Educação Pelo Exemplo

laitman_625_01Pergunta: Existe um papel para o exemplo pessoal na educação?

Resposta: Sim, tudo é apoiado pelo exemplo pessoal. Mostre a uma criança um exemplo. Diga o que você está fazendo, trate-a como um amigo. Então você verá como tudo fluirá para ela.

Pergunta: Se eu tiver que mostrar à criança uma atitude amável, como posso puni-la por uma ofensa?

Resposta: Você deve explicar por que está fazendo isso. Por exemplo, diga a ela: “Sentado dentro de você há um duende que deve ser limitado. O que faremos com ele? Dê-me alguns conselhos sobre o que deve ser feito para ajudá-lo a controlar este demônio e não o deixe se livrar”.

Da Lição de Cabalá em Russo 08/01/17