Haaretz: “Conexão: Algo Novo No Menu Do Seder”

Na minha coluna regular no Haaretz, o meu novo artigo: “Conexão: Algo Novo No Menu Do Seder

Este ano, enquanto nos sentamos ao redor da mesa durante o Seder e falamos sobre liberdade, vamos falar sobre a liberdade do ódio.

Quanto mais fundo entramos em 2017, mais caótico o mundo aparece. Hoje, a única coisa que a maioria das pessoas pode concordar é que o trem da sociedade humana está descarrilhando e o assento do motorista está vazio.

Donald Trump está lutando para colocar sua administração em movimento contra os leias ao governo anterior nos meios de comunicação e no sistema judiciário. Mesmo em seu próprio partido, Trump está lutando contra a crítica que soa como se viesse diretamente de um discurso de Bernie Sanders. Na Europa, o Reino Unido começou o processo do Brexit, ninguém está certo sobre os resultados da dissolução, nem ninguém está certo sobre a direção desejada para a UE.

Arrumando A Mesa no Seder de Pessach

Hoje, a maioria dos líderes da União Europeia e dos eurodeputados concordam que o bloco perdeu o seu caminho. Gianni Pittella afirmou: “Precisamos de uma nova direção para a Europa que vise um forte pilar social”. De igual modo, Rosa D’Amato disse: “Existe a UE dos bancos, das grandes empresas e dos lobbies, e a UE dos cidadãos, aqueles que perderam seus empregos e não têm direitos”.

Parece que a principal tendência na arena política é “cada país por si”. O Brexit está em andamento, a política de Trump é “a América em primeiro lugar”, Marine Le Pen, na França, e a AFD na Alemanha estão obtendo apoio e a maioria dos suecos está apoiando um Swexit. No entanto, se a UE desmoronar e cada país tiver que se defender, quem será o adulto responsável por acalmar as coisas quando surgirem conflitos? Em tal estado, a distância entre uma disputa relativamente menor e uma guerra explícita poderia ser uma questão de dias.

Natureza vs. Natureza Humana

O Prêmio Nobel de Física Dennis Gabor escreveu em 1964: “Até agora, o homem enfrentou a natureza; de agora em diante, ele enfrentará sua própria natureza”. De fato, durante várias décadas temos sido tecnologicamente capazes de fornecer a cada ser humano todas as necessidades básicas para nos sustentar. Se quiséssemos, poderíamos fornecer a todos água e comida fresca, saneamento adequado, eletricidade, comunicação e educação.

O problema é que não temos o desejo de fazer isso. Nosso ódio mútuo está fazendo com que a era tecnologicamente mais avançada da história humana produza a fome mais difundida desde a Segunda Guerra Mundial, que em si foi a exibição mais satânica do ódio humano.

Tudo ao nosso redor, incluindo nossos próprios corpos, é o resultado de forças, órgãos e vetores diferentes, muitas vezes conflitantes, complementando-se para criar o universo em que vivemos e do qual fazemos parte. Cada parte na rede que é o nosso mundo contribui com a sua estabilidade e prosperidade do sistema que é o nosso mundo. Além disso, quanto mais alta a cadeia evolutiva que escalamos, mais complexo o sistema de interconexão e interdependência que encontramos, exigindo um maior nível de comunicação e conexão entre as partes.

No entanto, nós seres humanos somos completamente opostos à natureza. Nós nos esforçamos em nos separar de tudo, como se não dependêssemos do mundo que nos rodeia. Em todos os níveis da existência humana, nos esforçamos em criar “Brexits”. Mesmo a nossa saúde é afetada por nossa aversão mútua. Em uma entrevista para o canal 2 em Israel, Thomas Friedman, do The New York Times, disse que perguntou ao cirurgião-geral Vivek Murthy: “Qual é a doença mais prevalente na América: câncer, diabetes ou doenças cardíacas? Ele disse: ‘Nenhuma dessas; é o isolamento!'”

Acontece que a nossa alienação mútua está provocando nossas crises pessoais, sociais e globais, tentando ir contra a natureza conectada da realidade. De fato, essa tensão entre nosso isolacionismo e narcisismo versus a conexão da realidade cresceu tão intensamente que, com toda a probabilidade, deveria ter terminado agora. Nós vemos a onda global de terrorismo como uma tragédia, mas por todas as suas consequências trágicas, o terrorismo é uma maneira de exalar o ódio étnico e religioso de maneiras menos prejudiciais do que uma guerra total. No entanto, certamente, esse tipo de “válvula de alívio de pressão” é insuportável e, a menos que nos apressemos a descomprimir essa bomba de tempo, ela explodirá em uma guerra total.

Quanto mais nos desenvolvemos, mais conectados e interdependentes nos tornamos. Ironicamente, nosso narcisismo está dirigindo a globalização ainda mais rápido porque nos faz querer explorar todos para nosso próprio benefício e, portanto, nos obriga a se conectar com outras pessoas ainda mais fortemente do que antes, a fim de usá-las. No entanto, uma vez que o nosso narcisismo também cresce, a nossa conexão forçada está se tornando tão dolorosa que estamos perdendo a nossa capacidade de se conectar uns aos outros corretamente. Ou evitamos completamente a conexão através do suicídio ou abuso de substâncias, ou a atacamos por ser abusiva, agressiva e às vezes até homicida.

Os Brexits fermentando em todo o mundo são os ajustes necessários para aliviar a pressão de nossa conexão forçada. Romano Prodi, antigo Primeiro-Ministro italiano, concluiu corretamente que “a UE não tem estratégias e não há líder a seguir. A Europa que eu sonhei está morta”. Ele também estava certo ao dizer: “Quem lidera uma coalizão política e um grupo de países deve considerar os interesses de todos os membros”. Uma vez que essa consideração não é a situação na UE, esta deve ser desmantelada antes que nos exploda em pedaços.

Mutuamente Responsável

Apesar da necessidade de uma separação temporária, no final teremos que nos juntar ao curso da natureza. A conexão correta será o próximo grande desafio da humanidade. Nossa “fronteira final” não é o espaço, como pensávamos nos anos 1960. Nossa fronteira final é a nossa conexão com as pessoas com quem vivemos. Nossas conexões com as pessoas ao nosso redor e as conexões entre sociedades e países determinarão o destino da humanidade.

O primeiro passo para a construção de uma sociedade sustentável é entender que, quer queiramos quer não, há uma responsabilidade mútua entre nós. Na década de 1930, o maior comentarista do Livro do Zohar, Rav Yehuda Ashlag, escreveu um ensaio intitulado “Paz no Mundo“, onde observou que somos todos interdependentes. Em suas palavras: “Não podemos mais falar ou tratar de condutas justas que garantam o bem-estar de um país ou de uma nação, mas somente do bem-estar do mundo inteiro, porque o benefício ou dano de cada pessoa no mundo depende e é medido pelo benefício de todas as pessoas no mundo”. O que era verdade na década de 1930 é muito mais hoje, mas ainda temos que chegar a um acordo com o fato de que a dependência mútua implica responsabilidade mútua.

Na verdade, o judaísmo é construído sobre a educação das pessoas para a conexão. Agora que estamos nos aproximando de Pessach, é um bom momento para nos lembrar de que fomos declarados uma nação somente depois que concordamos em se unir “como um só homem com um só coração”.

Ao longo de nossos anos de formação como uma nação, nós nos esforçamos para melhorar a nossa conexão sobre o ódio que irrompeu entre nós. Transformamos a conexão acima do ódio em uma ideologia que sobreviveu ao longo das gerações. O rei Salomão disse: “O ódio agita a contenda, e o amor cobre todos os crimes” (Pv 10:12). Da mesma forma, o livro Likutey Etzot (Conselhos Variados) escreve: “A essência da paz é conectar dois opostos. Portanto, não se assuste se você vir uma pessoa cuja opinião é completamente oposta à sua e achar que nunca será capaz de fazer as pazes com ela. Além disso, quando você ver duas pessoas que são completamente opostas entre si, não diga que é impossível fazer a paz entre elas. Pelo contrário, a essência da paz é tentar fazer a paz entre dois opostos”. Além disso, O livro Cartas do Raiah declara que “A grande regra sobre a guerra de opiniões, quando cada visão vem a contradizer outra, é que não precisamos contradizê-la, mas sim construir acima dela, e assim subir”. Finalmente, apenas no ano passado, Andrés Spokoiny, presidente e CEO da Jewish Funders Network disse: “Respeito e desacordo têm sido historicamente uma parte importante de quem somos. Somos um povo que acredita que o desacordo é uma maneira de refinar nossa bússola moral. Somos o povo que ensinou ao mundo a abraçar a diversidade e a celebrar a diferença”.

Na Vanguarda da Conexão

Recentemente, como o Sr. Spokoiny também observou durante seu discurso, vimos “uma polarização sem precedentes e feiura na comunidade judaica. Aqueles que pensam de forma diferente são considerados inimigos ou traidores, e aqueles que discordam de nós são demonizados”.

Uma vez que compreendemos que nosso problema é nossa separação e ódio mútuo, devemos nos esforçar em relação ao oposto. Quando nós judeus nos unimos ao pé do Monte Sinai, fomos imediatamente incumbidos de estabelecer um exemplo de unidade para que o mundo pudesse se unir também. Em outras palavras, nos ordenaram a ser “uma luz para as nações”. Nós não sabíamos como, mas estávamos dispostos a tentar. Isto é tudo o que é exigido de nós hoje.

Da mesma forma, no ensaio que mencionei anteriormente, “Paz no Mundo“, Rav Ashlag escreve que não saberemos como se conectar até que tentemos. Em suas palavras, “Tal é a conduta do desenvolvimento na natureza – o ato vem antes da compreensão, e somente as ações provarão e empurrarão a humanidade para a frente”.

Nós, judeus, estamos na vanguarda da ciência, tecnologia e finanças. No entanto, o que o mundo precisa é que estejamos na vanguarda da conexão. Como disse o Sr. Spokoiny, “O colapso da civilidade não é apenas um problema judaico. Nós, como judeus, somos como todo mundo, só um pouco mais”. No entanto, nós, como judeus, somos os únicos de quem se espera que seja um modelo de unidade e civilidade, e não um exemplo oposto. A severidade com que a ONU julga Israel em comparação com todos os outros países do mundo combinados não é meramente uma expressão de antissemitismo. Debaixo do ódio está a expectativa dos judeus de serem “uma luz para as nações”, ou seja, liderar o mundo na direção oposta: do ódio ao amor. Quando essa expectativa encontra a dura realidade de nossa separação, ela resulta em raiva por nós, que então se transforma em ódio. Nós chamamos isso de antissemitismo. O que inflama isso não é se somos globalizadores esquerdistas ou isolacionistas conservadores de linha dura. Em vez disso, seu combustível é o nosso tratamento para com nossos correligionários, independentemente de suas opiniões políticas ou econômicas.

Nós devemos usar todas as oportunidades à nossa disposição para tentar inverter a tendência ao isolamento. Na próxima semana, enquanto nos sentamos ao redor da mesa durante o Seder e falamos sobre liberdade, vamos falar sobre a liberdade do ódio. Vamos realmente pensar no que significa ser “uma luz para as nações” e por que existe o antissemitismo. Se fizermos isso, isso pode muito bem tornar a nossa noite de Pessach mais significativa e memorável do que nunca!

Apenas no mês passado, o Presidente da UE, Antonio Tajani, afirmou perante o Parlamento Europeu: “Hoje mais do que nunca precisamos mostrar que estes desafios só podem ser superados se estivermos unidos”. Todos compreendem que a unidade é imperativa, mas apenas a nossa nação tem uma chave escondida para fazer o amor cobrir todos os crimes, como disse o rei Salomão. Se “o ato vem antes do entendimento”, como escreveu Ashlag, então vamos agir sobre a unidade e ver o que ela produz. O que quer que aconteça, se nós visamos à unidade, não podemos ir mal.

Comente