Textos arquivados em ''

Meus Pensamentos No Twitter, 13/04/17

twitter

Como Trump pode usar os #Jews (judeus) em sua administração para tornar a América grande novamente. Artigo completo: http://bit.ly/trumpamericafirst

amerGreatTwit3Apr12

#NewUnitedAirlinesMottos Agressão onde deve haver cortesia. O ego crescente eclipsa a razão e força a violência!

Trump deve iniciar a próxima etapa da política ‘América Primeiro’ http://dlvr.it/Nt6sV6 #Opinion #JPost

jpostTwit1Apr13

Do Twitter, 13/04/17

The Jerusalem Post: “Pessach – Uma História De Hebreus Que Queriam Ser Egípcios”

Na minha coluna regular no The Jerusalem Post, o meu novo artigo: “Pessach – Uma História De Hebreus Que Queriam Ser Egípcios

O Faraó escravizou egoisticamente os hebreus; Moisés os libertou abnegadamente. O “rei” do egoísmo ainda escraviza nossos corações. Para nos libertar da escravidão, devemos nos libertar do ódio mútuo.

haaretz

Para a maioria de nós, a história do nosso êxodo do Egito não passa de um conto. É uma realmente uma história fascinante, mas é relevante para o nosso tempo? Quando colocados contra os pratos servidos diante de nós na mesa, é um jogo injusto em relação à Hagadá. No entanto, se soubéssemos o que Pessach realmente significa para todos nós, estaríamos “bebendo” a narrativa em vez de esperar que ela dê lugar ao principal evento: a comida.

Debaixo de um conto sobre a luta de uma nação para ser livre encontra-se a descrição de um processo que nós, como judeus, passamos e estamos passamos novamente hoje. É com razão que a Torá nos ordena que nos vejamos todos os dias como se tivéssemos acabado de sair do Egito. As provações dos nossos antepassados ​​devem ser tanto sinais de alerta como sinais de trânsito, dirigindo-nos para onde ir num mundo cheio de incerteza e trepidação.

Acontecimentos de Israel no Egito

Quando os irmãos de José foram para o Egito, eles tiveram tudo. José, o hebreu, foi o governante de fato do Egito. Com a bênção do Faraó, ele determinou tudo o que aconteceu no Egito, como o Faraó disse a José: “Tu estarás sobre a minha casa, e de acordo com o seu comando todo o meu povo fará homenagem. … Eis que tenho te constituído sobre toda a terra do Egito. … Eu sou o Faraó, ainda sem a tua permissão, ninguém levantará a mão ou o pé em toda a terra do Egito “(Gn 41: 40-44).

Graças à sabedoria de José, o Egito não só se tornou uma superpotência, mas também fez suas nações vizinhas escravas do Faraó, tomando seu dinheiro, terras e rebanhos (Gn 47: 14-19). E os principais beneficiários do sucesso do Egito foram a família de José, os hebreus. Faraó disse a José: “A terra do Egito está à sua disposição; instala seu pai e seus irmãos no melhor da terra, deixa-os viver na terra de Goshen [A parte mais rica, mais exuberante do Egito], e se você conhece alguns homens capazes entre eles, coloca-os no comando do meu gado” (Gn 47:6).

Há uma boa razão pela qual José se tornou tão bem-sucedido. Três gerações antes, seu bisavô, Abraão, encontrou um método para curar todos os problemas da vida. O Midrash Rabbah nos diz que quando Abraão viu seus habitantes na Ur dos caldeus lutar entre si, isso o perturbou profundamente. Depois de muita reflexão, ele percebeu que eles estavam ficando cada vez mais egoístas e não podiam mais se dar bem. O ódio entre eles os fazia brigar e lutar, às vezes até a morte. Abraão percebeu que o ego não poderia ser interrompido, mas poderia ser coberto com amor, concentrando-se na conexão ao invés de separação. É por isso que Abraão é considerado o símbolo da bondade, hospitalidade e misericórdia.

Embora Nimrod, rei da Babilônia, tenha expulsado Abraão da Babilônia, a Mishneh Torá de Maimonides (Capítulo 1) e muitos outros livros descrevem como ele vagou pela terra de Israel e reuniu dezenas de milhares de seguidores que entenderam que a unidade acima do ódio é a chave para uma vida bem-sucedida. Quando chegou à terra de Israel, ele era um homem rico e próspero, ou como a Torá o descreve, “E Abrão era muito rico em gado, em prata e em ouro” (Gênesis 13:2).

Abraão passou seu conhecimento a todos os seus discípulos e descendentes. De acordo com Maimônides, “Abraão plantou este princípio [da unidade acima do ódio] em seus corações, compôs livros sobre isso e ensinou seu filho, Isaque. Isaque sentou-se e ensinou a Jacó, e o nomeou professor, para sentar e ensinar … e Jacó nosso Pai ensinou a todos os seus filhos” (Mishná Torá, Capítulo 1). José, da palavra hebraica osef (reunião), foi o principal discípulo de Jacó e se esforçou em implementar o ensinamento de seu pai. No Egito, o sonho de José de unir todos os irmãos sob ele se tornou realidade, e todos se beneficiaram disso. Este foi o auge da permanência dos hebreus no Egito.

Como as Tábuas se Voltaram Contra Nós

Tudo mudou quando José morreu. Como acontece toda vez ao longo de nossa história, quando os judeus são bem-sucedidos, seus egos os superam e eles querem abandonar o caminho da unidade e se tornar como os locais. Este abandono é sempre o começo de uma virada para pior, até que finalmente uma tragédia ou uma provação nos obriga a se reunir. O Egito não era exceção. O Midrash Rabbah (Êxodo, 1:8) escreve: “Quando José morreu, eles disseram: ‘Sejamos como os egípcios’. Por terem feito isso, o Criador transformou o amor que os egípcios mantinham por eles em ódio, como foi dito (Salmos 105), ‘Ele virou o coração deles para odiar o Seu povo, para abusar de Seus servos’ “.

O Livro da Consciência (Capítulo 22) escreve ainda mais explicitamente que se os hebreus não tivessem abandonado seu caminho de unidade, não teriam sofrido. O livro começa citando o Midrash que acabei de mencionar, mas acrescenta: “O Faraó olhou para os filhos de Israel depois de José e não reconheceu José neles”, ou seja, a qualidade da reunião, a tendência de unir-se.

E porque “novos rostos foram feitos, o Faraó declarou novos decretos sobre eles. Você vê, meu filho”, conclui o livro,” todos os perigos e todos os milagres e tragédias são todos de você, por causa de você, e por conta de você”. Em outras palavras, o bom Faraó se virou contra nós porque tínhamos abandonado o caminho de José, o caminho da unidade acima do ódio.

Quando Moisés chegou, ele sabia que a única maneira de salvar seu povo era tirá-los do Egito, do egoísmo que estava destruindo suas relações. O nome Moshe (Moisés), diz o livro Torat Moshe (Êxodo, 2:10), vem da palavra hebraica “moshech“ (puxar), porque ele puxou o povo para fora da inclinação ao mal.

No entanto, mesmo quando os puxou para fora, eles ainda estavam em perigo de cair de volta no egoísmo. Eles receberam seu “selo” como uma nação somente quando reencenaram o método de Abraão de se unir acima do ódio. Uma vez que se comprometeram a se unir “como um só homem com um só coração”, eles foram declarados uma “nação”. Sinai, da palavra sinaa (ódio), os hebreus se uniram e assim cobriram seu ódio com amor. Foi quando eles se tornaram uma nação judaica, como o livro Yaarot Devash (Parte 2, Drush nº 2) escreve: “Yehudi“ (judeu) vem da palavra “yechudi“ (unidos).

O Faraó e Moisés Dentro de Nós

Faz muitos séculos que essa história épica se desenvolveu, mas parece que aprendemos muito pouco. Olhe para nossos valores atuais, somos tão corruptos quanto os hebreus eram depois da morte de José. Por “corrupto”, não estou dizendo que devemos evitar as amenidades da vida. Nem Abraão nem José foram abstinentes de qualquer maneira. Por corrupto, quero dizer que somos descaradamente egoístas, narcisistas, e promovemos esses valores onde quer que vamos. Nós somos arrogantes, individualistas e perdemos completamente o nosso judaísmo, ou seja, nossa tendência a unir-se. Em consequência, assim como os egípcios se voltaram contra os hebreus quando abandonaram o caminho de José, o mundo está se voltando contra nós hoje.

O Faraó e Moisés não são figuras históricas; eles vivem dentro de nós e determinam os nossos relacionamentos a cada momento. Cada vez que deixamos o ódio governar nossos relacionamentos, nós coroamos novamente o faraó dentro de nós. E cada vez que fazemos um esforço para nos unir, revivemos Moisés e o juramento de nos esforçar para sermos “como um só homem com um só coração”. Andrés Spokoiny, presidente e CEO da Jewish Funders Network, descreveu nossa situação de forma muito linda em um discurso que ele deu no ano passado: “Nos últimos anos, vimos uma polarização sem precedentes e uma feiura na comunidade judaica. Aqueles que pensam de forma diferente são considerados inimigos ou traidores, e aqueles que discordam de nós são demonizados”. Essa é precisamente a regra do Faraó.

Ser judeu não implica necessariamente observar costumes específicos ou viver em um país específico. Ser judeu implica colocar a unidade acima de tudo. Por mais feroz que seja o nosso ódio, devemos nos elevar acima dele e nos unir.

Até mesmo o Livro do Zohar escreve explicitamente sobre a importância suprema da unidade acima do ódio. Na porção Aharei Moto Zohar escreve: “Eis quão bom e agradável é que os irmãos também se sentem juntos. Estes são os amigos que se sentam juntos, e não estão separados uns dos outros. A princípio, eles parecem pessoas em guerra, desejando se matar. Depois eles retornam a estar em amor fraternal. … E vocês, os amigos que estão aqui, como vocês estavam em carinho e amor antes, doravante também não se separarão … E por seu mérito haverá paz no mundo. ”

Aprendendo com o Passado

Versões da história do Egito ocorreram ao longo de nossa história. Os gregos conquistaram a terra de Israel porque queríamos ser como eles, adorar o ego. Nós até lutamos por eles como judeus helenizados quando lutamos contra os Macabeus. Menos de dois séculos mais tarde, o Templo foi arruinado por causa de nosso ódio infundado para com o outro. Nós fomos deportados e assassinados na Espanha quando queríamos ser espanhóis e abandonamos nossa unidade e fomos exterminados na Europa pelo país onde os judeus queriam esquecer a nossa unidade e assimilação. Em 1929, o Dr. Kurt Fleischer, líder dos Liberais na Assembleia da Comunidade Judaica de Berlim, expressou com precisão o longo problema de nossos séculos: “O antissemitismo é o flagelo que Deus nos enviou para nos unir e nos fundir”. Que tragédia os judeus naquela época não terem se unidos.

Como se fôssemos incapazes de aprender, hoje estamos nos colocando na mesma posição de sempre. Nós nos tornamos escravos de nossa arrogância, e não queremos ser judeus, isto é, unidos. Nós estamos deixando o Faraó governar tudo de novo. Que bem podemos esperar que possa sair disso? Não devemos voltar a ficar cegos; nós devemos saber melhor agora.

Em cada um de nós há um Moisés, um ponto que moshech (puxa) para a unidade. No entanto, devemos coroá-lo de boa vontade. Devemos escolher nos libertar- dos grilhões do ego e se unir acima de nosso ódio. Isso pode parecer uma montanha intransponível para escalar, mas não se espera que sejamos bem-sucedidos, apenas que concordemos e façamos um esforço. Assim como os hebreus foram declarados uma nação e foram libertados do Egito quando concordaram em se unir, também precisamos apenas concordar em se unir, e o resto seguirá. Nós encontraremos dentro de nós o poder e a capacidade de nos unir.

Neste Pessach, nós realmente devemos transpor o ódio infundado, a praga de nosso povo, e restaurar nossa fraternidade. Façamos deste Pessach uma aproximação, reconciliação e acordo. Vamos transformar este feriado em um novo começo para a nossa nação. Coloquemos algum seder (ordem) nas relações entre nós e sejamos o que devemos ser, uma “luz para as nações”, espalhando o brilho da unidade em todo o mundo e aos nossos irmãos. Se apenas tentarmos, eu sei que teremos um feliz Pessach, um Pessach de amor, unidade e fraternidade.

Por Que Um Homem Precisa De Uma Mulher?

Laitman_632_1Pergunta: Por que um homem precisa tanto de uma mulher para seu desenvolvimento espiritual?

Resposta: Por um lado, a mulher o ajuda; por outro lado, o completa. Um homem é chamado de “praga do Guf ” (metade de um corpo), porque sem a parte feminina, ele é basicamente uma metade.

A mulher não é metade, mas especificamente é. Portanto, ele deve completar sua natureza egoísta através de uma mulher até o grau necessário para se elevar e se desenvolver espiritualmente.

Isto não é necessário para uma mulher porque por si só ela já está preparada para o desenvolvimento espiritual.

Se um homem quer atingir a espiritualidade, ele deve estar casado, mas uma mulher não precisa se casar, porque não depende dela. Mas, ao mesmo tempo, ela deve aspirar a ter uma família.

Estar em uma unidade familiar para homens e mulheres é a melhor situação a partir da qual um Cabalista pode crescer. Com uma mulher, é como se verifica, enquanto que para um homem, ele deve ter uma família.

Da Lição de Cabalá em Russo 12/04/16

Nós Temos Proteção De Cima? Parte 2

laitman_571_01Pergunta: Se a natureza se preocupa conosco como uma mãe cuida de seus filhos, ela não tem que nos acalentar e nos proteger de todos os danos?

Resposta: Um embrião dentro do ventre de uma mãe desenvolve-se sob forças controladas agindo sobre ele e é 100% dependente do sistema superior. Este sistema tem um objetivo: desenvolvê-lo e trazê-lo ao nascimento.

Forças opostas são ativas dentro do sistema da mãe porque tudo nasce da interação entre duas forças: positiva e negativa. É por isso que existem sistemas de absorção e excreção de substâncias, e todos são controlados pelo corpo da mãe, que tem poder total sobre o corpo do embrião.

Parece-nos que o embrião experimenta apenas bondade da mãe. Mas, na realidade, forças opostas estão agindo sobre ele, estritas, poderosas, em conflito entre si. Uma força está forçando o embrião a crescer e expandir; outra está exercendo pressão sobre ele e o contraí. É quase como respirar, inalar e exalar, ou o bater do coração.

Há muitas ações que não são vistas por nós. No entanto, todo o desenvolvimento está sempre acontecendo como resultado de duas forças opostas: positiva e negativa. E a matéria existe entre elas, como se estivesse no meio de um fogo cruzado. É por isso que a vida do embrião não é tão ensolarada como pode parecer, mas é bastante complexa. O embrião realiza instintivamente muitas ações, algumas em resistência e outras em conformidade com a mãe.

Ele realiza uma guerra real para receber o tipo certo de força para se livrar de elementos estranhos. O embrião realiza um tremendo trabalho de discernimento, consumo e eliminação. Não pense que durante nove meses é descansar e crescer passivamente, enquanto a mãe faz todo o trabalho para ele.

Todos os dias ele realiza um enorme trabalho sob a influência de forças opostas até que elas o moldam nas formas externa e interna necessárias e o preparam para o nascimento.

O embrião passa por todo um processo preparatório dentro da mãe, de modo que quando nasce, não requer nada além de energia externa, nutrição e preenchimento das células de memória. Em essência, ele tem todas as necessidades, ganhas por ele durante a difícil guerra ao lado da mãe e opondo-se a ela. Ele tem a força da tela e restrição, trabalho de discernimento e síntese. Essa é a verdadeira guerra interior sem a qual o embrião não pode se desenvolver.

A propósito, o embrião sente tudo. Após os três primeiros dias de “absorção da semente” e os seguintes quarenta dias de formação do feto, ele já se torna uma pessoa capaz de absorver e processar informações. Não é apenas uma massa de células, mas uma pessoa.

Mesmo enquanto está dentro da mãe e em um tipo especial de comunicação com ela, ele absorve informações sobre o ambiente externo, tanto através dela e de outra forma. E quando nasce, começa a sentir o mundo externo. Este é agora um novo grau de existência.

De KabTV “Nova Vida” 26/01/17

Correções De Pessach

laitman_747_03Torá, Deuteronômio 16:03: Nela não comerás fermento; sete dias nela comerás pães ázimos (matzot), pão de aflição, porque apressadamente saíste da terra do Egito…

Os filhos de Israel comem pães ázimos, porque deixaram o Egito tão depressa que a massa não teve tempo de fermentar.

A pressa significa que a libertação do egoísmo ocorre instantaneamente. Essa é a ação da Luz Superior que acontece em um piscar de olhos, e um novo mundo se abre diante da pessoa.

Torá, Deuteronômio, 16:04 E nenhum fermento aparecerá contigo por sete dias em todos os teus termos; também da carne que matares à tarde, no primeiro dia, nada ficará até à manhã.

Fermento é o egoísmo. ”Nenhum fermento aparecerá contigo por sete dias”, significa que nenhum egoísmo deve permanecer em você.

Para trabalhar corretamente com esse enorme desejo egoísta chamado Egito, uma pessoa deve romper completamente com ele, e isso leva exatamente uma semana (sete dias), após o que é possível começar a trabalhar com ele para correção.

Portanto, ao longo de um ano trabalhamos com o egoísmo corrigindo-o, e durante a semana de Pessach não o usamos. É o mesmo todos os anos, porque a renovação acontece sempre.

Torá, Deuteronômio, 16:07: Então o assarás e comerás no lugar que o Senhor teu Deus escolher; depois voltarás pela manhã, e irás às tuas tendas.

Uma pessoa deve chegar a um certo estado, certa conexão com os outros, a fim de realizar a correção dos maiores desejos, porque a carne é o desejo animal mais pesado nela.

Depois disso, podemos voltar às nossas correções habituais. Isto conclui o feriado de Pessach, e nós continuamos nossas correções usuais ao longo do ano.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 10/08/16

Texas: Antissemitismo

Dr. Michael LaitmanComentário: A América (EUA) está experimentando uma nova onda de antissemitismo. Em uma das escolas do Texas, foram distribuídos panfletos com conteúdo antissemita. Notavelmente, o diretor da escola ficou em silêncio, não mostrou sua atitude para com isso, nem o condenou. Isto é o que ele fez!

Resposta: O diretor da escola vê que todos aprovam ou simpatizam com isso e sente que todos os sionistas (judeus) são um elemento estranho indesejável que está contra a sociedade.

Pergunta: Como judeu, eu olho para uma suástica, e você sabe o que sinto?

Resposta: Você sente horror porque você vem de um lugar onde este símbolo está associado ao extermínio, perigo, morte, ódio e tortura. Mas para eles, aparentemente, essas associações ainda não existem, como vemos que eles não fogem dela. Eles pensam que o resto está apenas enganado e não entendem que os judeus são bons.

Pergunta: Onde estão todos os judeus que se dividiram em dois campos diferentes: apoiadores de Trump, apoiadores de Clinton, e outros, com relação a isso?

Resposta: São eles que deram origem ao antissemitismo! Assim que surgem as hostilidades entre o povo judeu, os antissemitas aparecem e começam a pressioná-los. E tudo para uni-los! Se os judeus só ouvissem e entendessem que precisam se unir …

Mesmo antes da Segunda Guerra Mundial Baal HaSulam instou unificação! Eles não o ouviram e entraram no Holocausto. Se tivessem ouvido, o Holocausto não teria acontecido.

A mesma coisa está acontecendo hoje: se os judeus que se juntam com Sanders e os judeus que estão com Trump ouvirem e começarem a se unir, o antissemitismo desaparecerá imediatamente! Funciona por um princípio simples: quanto mais unidos os judeus, menos antissemitismo; quanto mais caem da sua unidade e se odeiam, mais o antissemitismo se eleva. É assim que funciona na história.

Existe uma lei: a separação entre os judeus provoca o antissemitismo, a unificação dos judeus remove o antissemitismo. Nós passamos por isso recentemente, durante o feriado de Purim.

Hamã diz: “Os judeus devem ser destruídos.” Por quê? Porque estão espalhados por todo o país e não estão se unindo entre si.

Então Ester e Mardoqueu começaram a chamar os judeus para se unirem. E assim que eles começaram a se unir, foi possível pendurar Hamã, acabar com o antissemitismo e, além disso, subir no topo da sociedade com uma direção clara para a unificação geral, mundial. Isto é exatamente o que é exigido de nós hoje.

Tudo depende de nós. Somos os únicos que têm a liberdade de escolher: unir ou guerrear.

De KabTV “Notícias Com Michael Laitman”, 13/03/17

“Tirarás O Mal Do Meio De Ti”

Dr. Michael LaitmanTorá, Deuteronômio, 22:21: … porque ela [a moça em quem nenhuma virgindade foi encontrada] fez loucura em Israel, prostituindo-se na casa de seu pai. Assim tirarás o mal do meio de ti.

Trata-se da Klipa (casca), o desejo que, apesar de estar conectado ao nível superior, ainda mantém a intenção para seu próprio benefício.

Não há nada que possa ser feito aqui porque a correção dessa moça (desse desejo) é sua morte, ou seja, matar a intenção “para si mesmo”, cortando-a do desejo real.

O desejo é deixado em estado puro, sem intenção. Especificamente Lev HaEven (o coração de pedra) mata a intenção. Então esse desejo retorna novamente e começa a se corrigir com outras intenções.

O chamado “tirarás o mal do meio de ti” significa “envolver-se em escrutínio o tempo todo”. Esse é o nosso trabalho em diferentes níveis. Portanto, toda a Torá descreve o caminho da correção espiritual da pessoa.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 05/10/16