Haaretz: “Um Adeus À Política Dos EUA”

Em minha coluna regular no  Haaretz, meu artigo novo: “Um Adeus À Política Dos EUA

Ainda podemos impedir que uma catástrofe de magnitude terrível ocorra no judaísmo dos EUA, mas a escolha depende diretamente dos judeus.

Em 23 de fevereiro, Jonathan Martin e Alexander Burns, do The New York Times, escreveram sobre “um exército furioso de liberais exigindo nada menos do que uma guerra total contra o presidente Trump”. Então vieram os violentos confrontos durante os comícios de 4 de março pro Trump e, no mesmo dia, o vídeo de incitação da ex-Procuradora-Geral da Administração Obama, Loretta Lynch, para “pessoas comuns” lutarem (se necessário) até a morte contra a Administração Trump. Pior ainda, seu vídeo foi “postado na página do Facebook dos Senadores Democratas e apregoado como ‘palavras de inspiração’.

Estamos testemunhando o fim da política americana. Os códigos de conduta que dominaram a diplomacia até 8 de novembro de 2016 foram descartados assim que os resultados da eleição saíram. Agora podemos ver quem é a verdadeira “cesta de deploráveis”. Na América de hoje, os zelotes liberais detestam, denigrem, espancam e, como acabamos de ver, declararam uma guerra total a quem não concorda com eles. Quando um ex-Procurador-Geral diz que é justificado matar outras pessoas por suas opiniões políticas, isso se qualifica como nazismo. E aqueles que apóiam sua declaração são, por definição, nazistas também.

Do Narcisismo ao Nazismo

Há uma linha muito clara que vai da extrema auto-absorção a qualquer tipo de extremismo, incluindo o nazismo. Ao longo das últimas décadas, a prevalência de tendências narcisistas em pessoas de todos os níveis socioeconômicos aumentou exponencialmente. Há uma boa razão pela qual o The New York Times elogiou o livro O Narcisismo Epidêmico: Viver na Era do Direito Próprio, afirmando que “as evidências que Twenge e Campbell [autores] compilaram são convincentes e terríveis”. Foi uma grande surpresa para muitos de nós.

Cuidar de si mesmo não é narcisismo. Está gravado em nossos genes como um meio de garantir a nossa sobrevivência. No entanto, desde o início da Revolução Industrial, gradualmente nos deslocamos do modo de sobrevivência para a auto-indulgência. Nossa crescente capacidade de garantir nossa renda nos levou a se envolver em todos os tipos de entretenimento e exploração de nós mesmos e do mundo. O problema é que ao longo do tempo, ficamos tão preocupados com nossos próprios sentimentos que os jovens de hoje quase não conseguem ver nada além de suas próprias necessidades.

Na arena política, os liberais, como o resto de nós, também têm ficado cada vez mais narcisistas. A mentalidade liberal surgiu como uma reação contra o fascismo que dominou grande parte da Europa e, finalmente, levou ao início da Segunda Guerra Mundial. Sua intenção inicial era boa: garantir a liberdade de pensamento de cada pessoa e evitar a discriminação. Mas hoje, as idéias nobres do pluralismo foram distorcidas em uma mentalidade de “Minha visão é a única visão legítima, e se você pensar de outra forma, você é um atrasado, fascista, intolerante e uma ameaça para a sociedade. Seja como eu, ou não seja nada”. Esse moralismo extremo é precisamente o alicerce do nazismo.

Acontece que os piores inimigos de hoje do liberalismo são precisamente as pessoas que afirmam falar em seu nome. Se uma mulher de 73 anos se divorcia de seu marido por 22 anos apenas porque ele votou em Trump e sente que, por seu voto, ele a “traiu”, isso certamente não pode ser definido como liberalismo e certamente não como pluralismo. Isso é despotismo.

Onde Nós, Judeus, Nos Encaixamos em Tudo Isso

Em meio a toda essa perplexidade, os judeus desempenham um papel muito importante. Em ambos os lados do corredor político, eles são conspícuos, dominantes e ativos. Quando eclodir todo o gênero de problemas, eles se tornarão as primeiras vítimas.

Os judeus são grandes conectores. Nós bajulamos, nos misturamos e criamos as conexões que pavimentam nosso caminho até o topo, onde atendemos aos interesses de nossos grupos. Quando as coisas dão errado, fará total sentido nos culpar por isso. Este não é um cenário fictício; aconteceu inúmeras vezes na história, e não há razão para que não aconteça na América, como já indica o aumento do antissemitismo.

Mas não é tarde demais para evitar uma catástrofe da magnitude do Holocausto ou da Inquisição Espanhola a partir do que está acontecendo nos EUA, e a escolha para evitar o desastre depende diretamente dos judeus. Nós, judeus, somos grandes conectores por uma razão. Essa aptidão é a nossa qualidade mais importante, a raiz do nosso povo, e precisamente a qualidade que devemos introduzir no mundo fragmentado e odioso de hoje.

Midrash Rabbah, Maimônides, Pirkei de Rabi Eliezer e inúmeras outras fontes nos dizem que nossa nação começou como uma coleção de parias e parias que descobriram em Abraão um professor e um líder que lhes ensinou que o ódio que encontraram em suas tribos originais deveria ser coberto de amor. Ele ensinou-lhes como se unir acima de suas animosidades e alienação, e lhes “treinou” em fortalecer seus laços.

Os egos e o ódio mútuo de nossos antepassados ​​cresceram exatamente como nossos egos estão crescendo hoje. Mas, em vez de se alienar da sociedade e se dispersar, os hebreus tratavam seus egos crescentes da mesma forma que um fisiculturista levanta pesos cada vez mais pesados ​​para fortalecer seus músculos. Deste modo, os antigos hebreus tornaram-se os últimos “construtores da sociedade”, estabelecendo laços tão apertados entre si que podiam se comprometer a ser “como um só homem com um só coração”. No momento em que assumiram esse compromisso, também se tornaram a primeira e única nação na história a ter sido construída apenas com base no amor ao próximo, e não na proximidade geográfica ou afinidade biológica. Nisso, até hoje, a nação judaica é única.

Quando as Coisas Ficam Difíceis…

Como podemos ver, hoje as afinidades biológicas e as proximidades geográficas tornaram-se sem sentido. As nações estão se desintegrando em todo o mundo, e o ódio é lançado dentro e entre os países. Em tais circunstâncias, o único tipo de conexão que pode fundir a sociedade de volta em uma estrutura estável e coesa é o método de conexão que nossos ancestrais usaram: conectar-se acima do ódio usando o ego como um “peso” para fortalecer nossos “músculos sociais”.

Quando nos tornamos uma nação, fomos imediatamente incumbidos de ser “uma luz para as nações”. Ao longo dos séculos, os judeus ponderaram o significado dessa tarefa. Hoje, eu acho que é bem claro que ser “uma luz para as nações” significa introduzir esse método único de conexão que une pessoas onde todos os outros métodos falham.

A única armadilha neste projeto é que nós mesmos temos esquecido completamente o significado e o propósito da conexão. Como eu observei acima, nós só podemos nos conectar quando e onde isso se adapta aos nossos interesses. Mas quando temos que se conectar, a fim de fortalecer a sociedade, toda a sociedade a esquece. Nós estamos usando a qualidade que desenvolvemos com o propósito de oferecê-la como um remédio para os males do mundo, para nos beneficiarmos às custas de todos os outros. As pessoas sentem isso em suas entranhas mesmo que não consigam articulá-lo. Elas sentem que nós, judeus, devemos algo a elas, que somos de alguma forma culpados por todas as guerras. Em outras palavras, com seu antissemitismo, elas estão admitindo que podemos impedir as guerras, mas não estamos fazendo isso. Isso coloca a escolha de fazê-lo depender diretamente de nossas mãos.

Um Exercício de Unidade

Não precisamos ensinar ao mundo o método que nós mesmos há muito esquecemos. Devemos simplesmente chegar e nos conectar com nossos próprios irmãos. Eu sei o quão difícil é para as pessoas de opiniões políticas opostas alcançar um ao outro e até mesmo tentar se conectar. Eu conheço a aversão mútua que existe. Mas também sei que esse desafio é o nosso ginásio. O ódio que sentimos é o peso que temos que trabalhar para levantar, a fim de fortalecer nossos “músculos” de conexão.

Rav Kook escreveu que “A grande regra sobre a guerra de opiniões, quando cada opinião vem a contradizer outra, é que não precisamos contradizê-la, mas antes construir acima dela, e assim, ascender” (Cartas do Raiah). O livro Likutey Etzot (Conselhos Variados) escreve: ” A essência da paz é conectar dois opostos. Portanto, não se assuste se você vir uma pessoa cuja opinião é completamente oposta à sua e achar que nunca será capaz de fazer as pazes com ela”. Tudo o que temos a fazer para alcançar a paz é seguir o mais sábio de todos os homens, o rei Salomão, que disse: “O ódio agita a contenda, e o amor cobre todos os crimes” (Pv 10.12).

O mundo espera nosso exemplo. Henry Ford, em uma das composições mais antissemitas já escritas – O Judeu Internacional: O Maior Problema do Mundo – escreveu especificamente que o mundo precisa do exemplo dos judeus. Em suas palavras: “Os reformadores modernos, que estão construindo sistemas sociais modelo, fariam bem em examinar o sistema social sob o qual os primeiros judeus estavam organizados”.

Mas os reformadores modernos não serão capazes de emular esse sistema a menos que lhes dêmos o exemplo. Os judeus, que são tão proeminentes em ambos os lados do mapa político na América, estão em uma posição única para mudar o curso da política americana, da sociedade americana e do mundo inteiro. Tudo o que precisamos para conseguir isso é ousar dar um pequeno passo em direção do outro.

E o resto do mundo pode nos ajudar a fazer exatamente isso. Se o mundo entender a verdadeira tarefa dos judeus e insistir (ou, Deus nos livre, nos obrigar) que façamos isso, nós nos uniremos com certeza. Precisamente porque nós judeus temos dentro de nós um senso inato de que estamos em dívida com o mundo, também estamos mais atentos às críticas das nações do que qualquer outra nação. Se o mundo diz aos judeus: “Unam-se!” Seremos obrigados. Nós temos que entender que o antissemitismo é a maneira como o mundo nos diz para nos unirmos. Isso não virá de uma forma mais agradável ​​ou explícita, mas sim mais agressiva.

Agora que todos os outros modos de proximidade estão entrando em colapso e as sociedades estão se desintegrando, apenas um método que nos eleva sobre o nosso ódio e nos une a todos acima dele pode ter sucesso. Esse método é a nossa herança judaica e nosso dever é legar esse método à humanidade.

Comente