Haaretz: “A Campanha De Difamação Dos Dems (O Partido Democrata) Pode Nos Colocar Em Apuros”

Em minha coluna regular em Haaretz, meu novo artigo: “A Campanha de Difamação do Dems (O Partido Democrata) Pode Nos Colocar em Apuros

Não podemos nem abolir o conservadorismo nem nos livrarmos do liberalismo. Em vez disso, só precisamos encontrar nossa unidade acima deles!

Donald Trump atacou o “suposto Juiz”? Obama fez isso antes. Donald Trump assinou uma proibição de imigração? Obama fez isso também, e por duas vezes. Donald Trump quer construir um muro? Obama fez isso antes, também. Mas nenhum dos principais meios de comunicação trazem esses paralelos à nossa atenção. Em alguns casos, eles até classificaram essas informações como “notícias falsas” para nos afastar dos fatos.

Por que tudo isso está acontecendo? Porque ao contrário de qualquer outra época na história dos EUA, o partido derrotado nas eleições presidenciais se recusa a aceitar sua perda e continua tentando encontrar algum caminho de voltar para a Casa Branca. Os meios de comunicação proeminentes que apoiam Barack Obama e seu partido lançaram uma campanha de difamação tão absurda que só pode ser descrita como “notícia falsa”, com o objetivo de difamar, deslegitimar e, em última instância, acusar o presidente. Na linha de frente, a “Organizar para a Ação” de Barak Obama está usando uma rede expansiva de organizações de esquerda para construir o caminho dos progressistas de volta ao Salão Oval muito mais cedo do que 2020.

Mas eles estão brincando com fogo. Metade do país votou em Trump. Essa metade não quer a agenda progressista, que lhe rouba seus empregos, valores, crenças e, finalmente, seu país. Os antepassados ​​e as antepassadas desta parte conservadora de América fizeram a seu país um líder do mundo. Eles são duros, acreditam em seus valores e em seu Senhor, e já viram o suficiente do que os especialistas da Nova Ordem Mundial têm a oferecer. Eles não querem isso. Caso Trump seja forçado a renunciar, as chances são de que seu sucessor faça com que os democratas relembrem com carinho ao som do nome de Trump.

De Volta à Babilônia

A resposta reacionária ao movimento progressista é um fenômeno natural que acontece no final de cada estágio do desenvolvimento humano. A era liberal está terminando. Já não é liberal; é a regra de um pequeno grupo da elite que está enfrentando o público contra qualquer um que se atreva a desafiá-lo. Usando o “politicamente correto”, aparentemente para não ofender as minorias, a elite governante está impedindo a liberdade de expressão e o livre-pensamento, e fragmenta nossa sociedade sob o disfarce da individualidade. À medida que sucumbimos ao isolamento e à alienação, ao narcisismo vulgar onde a pseudo-masturbação no palco das estrelas pop é considerada arte, estamos perdendo nossas mais preciosas conexões patrimônio-humanas. Quando não podemos cuidar dos outros e os outros não podem cuidar de nós, estamos perdendo a força vital que é necessária para a nossa saúde mental e física.

A mídia, que nos diz que a individualidade e o pensamento livre são tudo o que conta, e ao mesmo tempo sufoca nossa capacidade de pensar por nós mesmos e realizar nosso potencial, nos deixa confusos e frustrados. Em consequência, assim como nossos antepassados ​​na terra de bilbul (confusão), acrônimo de Babilônia, cuja mentalidade se tornou seu homônimo, nós estamos desesperançados e perdidos, cheios de ódio e sozinhos. No entanto, muitos de nós ainda estão perigosamente em negação de nossa situação.

O Midrash (Beresheet Rabah) nos diz que no tempo da Babilônia, duas forças lutaram pela preeminência. O pioneiro, se  preferirem, de uma força foi Nimrod, rei de Babilônia, e o líder da outra força foi Abraão. Para fazer uma generalização grosseira com a finalidade desta coluna (para mais detalhes, leia-se Como um Feixe de Juncos), poderíamos dizer que Abraão e Nimrod compreenderam a natureza, e particularmente a natureza humana. Eles sabiam que a realidade opera de acordo com uma interação equilibrada entre positivo e negativo – duas forças opostas que se complementam para criar um todo maior, que chamamos de realidade. A realidade não pode consistir em apenas uma força negativa ou apenas uma positiva. Consiste de ambas, exige ambas, e somente quando as duas trabalham em harmonia a natureza pode prosperar.

Os dois líderes também sabiam que a natureza humana é uma exceção à regra geral da natureza. Mesmo assim, há milhares de anos, não estávamos em sincronia com a natureza. Nós não éramos opostos a ela como somos agora, mas a predominância da força negativa na psique de nossos antepassados ​​foi suficiente para desintegrar gradualmente a sociedade Babilônica. O livro Pirkey de Rabbi Eliezer (Capítulo de Rabi Eliezer) descreve a alienação entre os Babilônios. No capítulo 24, descreve como os construtores da Torre de Babel “empurravam para cima os tijolos [para construir a torre] a partir do leste, em seguida, desciam do oeste. Se um homem caísse e morresse, eles não lhe pagariam nada. Mas se um tijolo caísse, eles se sentavam e lamentavam: ‘Ai de nós; quando outro virá em seu lugar? ‘Abraão, filho de Tera, passou e os viu construindo a cidade. Ele os amaldiçoou e disse: ‘Que o Senhor engula suas línguas'”.

À medida que a alienação dos compatriotas de Abraão se aprofundou, sua maldição se tornou realidade e o inevitável aconteceu. O capítulo 24 detalha como os Babilônicos “queriam falar uns com os outros, mas não conheciam a linguagem uns dos outros. O que eles fizeram? Cada um pegou sua espada e eles lutaram um contra o outro até a morte. De fato, metade do mundo foi abatido lá, e de lá espalharam-se por todo o mundo. ”

Lidando com a Lei da Natureza

A maldição de Abraão simbolizava sua ideologia. Ele sustentou que a maneira de superar a alienação é se esforçar para se conectar acima dela. Ele entendeu que a alienação e até o ódio eram manifestações naturais da força negativa. Sem eles, não haveria maneira de ativar a força positiva da conexão.

Hoje sabemos que os átomos existem através do equilíbrio dessas duas forças, que mantêm os elétrons a uma distância relativamente estável do núcleo. Se nenhuma dessas forças estivesse ausente, não haveria átomos e nosso universo não existiria. Este mesmo equilíbrio existe entre os átomos que compõem as moléculas, os órgãos que compõem os organismos, e assim por diante, ao longo da cadeia da existência através da sua última conexão – o homem.

A psique humana é diferente do resto da natureza porque “a inclinação no coração do homem é má desde a sua juventude” (Gênesis 8:21). Falta-nos o equilíbrio natural e nos conduzimos mancando apenas com a força negativa, como se só tivéssemos uma perna. É de admirar que a sociedade humana seja coxa?

Abraão sustentou que se o que estamos perdendo é a força positiva, então devemos ativá-la por nós mesmos. Ele percebeu que os sentimentos negativos em si não são uma maldição, mas uma base necessária para adicionar a força positiva e assim criar o mesmo equilíbrio que existe em toda a natureza. Abraão amaldiçoou os construtores da torre, não porque eles não se gostassem, mas porque não fizeram nenhum esforço para se conectar acima de sua alienação. Quando ele viu isso, sabia que não havia esperança para a Babilônia.

Nimrod se recusou a seguir o caminho de Abraão. Ele escolheu o caminho mais fácil, aparentemente dizendo: “Se não podemos nos dar bem, vamos nos separar”. Nimrod era o rei e sua ideologia prevaleceu. Com o tempo, a Babilônia se dispersou e a grande civilização afundou.

Nenhum Lugar para Ir

Hoje, estamos novamente na Babilônia: confusos e alienados. Mas ao contrário da antiga Babilônia, não temos para onde ir. Nós cercamos o mundo com bilhões de pessoas que não podem entender uma à outra e não podem suportar umas às outras. Tentamos construir uma moderna Torre da Babilônia, pensando que a ciência e a tecnologia podem nos fazer felizes. Mas a ciência não pode mudar a natureza humana – a causa de nossa miséria. Como resultado, nossas duas escolhas agora são as mesmas dos construtores da torre: Cada um pode tomar nossa espada e lutar até a morte, ou “forjarão nossas espadas em arados e nossas lanças em ganchos de poda” (Isaías 2:4), e trabalharão juntos para construir uma humanidade nova e unida.

Se escolhermos seguir o caminho da unidade, então, como com Abraão, as espadas e as lanças – nosso ódio um do outro – serão nossas ferramentas para construir nossa coesão. Não podemos abolir o conservadorismo nem nos livrarmos do liberalismo. Pelo contrário, o nosso individualismo só irá crescer e tornar a sociedade ainda mais diversificada e fragmentada. No entanto, se tomarmos o caminho de Abraão, essas novas perspectivas só fortalecerão nossa sociedade e enriquecerão, tornando a visão de vida de todos mais completa.

A Diferença Entre o Auto-Merecimento e o Ego

Na semana passada, vimos o que acontece quando um ego saudável se transforma no monstro conhecido como auto-merecimento. Esta professora da Universidade de Nova York achava que estava justificado lançar palavrões e linguagem abusiva e quase fisicamente atacar policiais da polícia de Nova York cujo único “crime” era proteger os pacíficos manifestantes republicanos das psicoses de “progressistas liberais” como ela. Quando uma pessoa sente que apenas seu caminho é o caminho certo, seu ego deseja aniquilar todos os outros caminhos. É assim que um ego saudável torna-se autointitulado e narcisista.

Uma visão, qualquer visão, não é a única visão. Pretende-se ser um bloco de construção na estrutura que cria o que chamamos de “humanidade”. Somos todos partes dela. Se algum de nós tivesse desaparecido, ela não seria a mesma; não seria inteira. Nós nos tornamos humanidade somente quando unimos nossos diferentes pontos de vista em um todo complementar. Quando não fazemos, somos meramente uma coleção de egos que competem para o controle e o poder. É por isso que, quando nos unimos acima de nossos egos, nos sentimos inteiros e felizes, e quando lutamos uns com os outros nos sentimos inseguros e deprimidos.

Meu professor, o Rabash (Rav Baruch Ashlag), escreveu em um caderno especial intitulado Shamati (Eu Ouvi) o que ele ouviu de seu pai, Rav Yehuda Ashlag, o grande comentarista do Livro do Zohar. O artigo (ou talvez devesse ser chamado excerto) número. 82 descreveu Abraão pensando em como ele revelaria a força positiva. O Rav Ashlag explicou que Abraão percebeu que isso aconteceria ao revelar seu próprio egoísmo, acima do qual ele se levantaria, e que somente quando Abraão percebesse que ele teria um ego acima do qual subir, ele estava satisfeito e confiante quanto ao seu sucesso.

Esta é a essência do ensinamento de Abraão. É por isso que o rei Salomão disse: “O amor cobre todos os crimes” (Provérbios 10:12). O livro Shem Mi Shmuel escreve que “A correção do ódio começou na geração de Babilônia, quando houve uma separação na humanidade. Ou seja, a correção de reunir pessoas começou por Abraão e seus discípulos … e o fim da correção será quando todo mundo se tornar um feixe”. A esse respeito, o grande Rav Kook escreveu (Cartas de Raiah), “A grande regra sobre a guerra de pontos de vista, quando cada visão vem a contradizer outra, é que não precisamos contradizê-la, mas sim construir acima dela, e assim subir”.

Hora de Agir

O “truque” de subir acima das diferenças para criar um todo maior é exclusivo dos descendentes de Abraão. É também a chave para a nossa felicidade hoje. A fim de desatar o emaranhamento dentro da sociedade Americana, os Americanos devem agir e unir-se acima de suas diferenças! Não tem nenhum sentido em jogar sujeira no outro lado ou tentar provar a sua justiça e a maldade do outro lado. Qualquer coisa que promove a separação é inerentemente má. Então agora, todos os lados estão errados

Agora cabe a toda a nação Americana assumir o legado do antepassado comum, o método de unir acima das diferenças, e implementá-lo entre todos os descendentes de Abraão – Judeus, Cristãos e Muçulmanos. Se a América quer ser grande de novo, esta é a única maneira de fazer isso. O caminho para transformar o auto-merecimento em um ego saudável que contribui para uma sociedade saudável não é por separação, mas por união acima de nossas individualidades únicas, assim como os estudantes de Abraão fizeram nos dias da Babilônia.

Comente