Do Vazio Ao Vazio

laitman_424_02Nas Notícias (The Guardian): “Jonathan Safran Foer: ‘A Tecnologia Está Nos Diminuindo’

“A maioria das nossas tecnologias de comunicação começou como substitutos de uma atividade impossível. Não podíamos sempre nos vermos face a face, então o telefone tornou possível manter contato à distância. A pessoa nem sempre está em casa, então a secretária eletrônica tornou possível uma mensagem sem a pessoa estar perto de seu telefone. A comunicação on-line originou-se como um substituto para a comunicação telefônica, que foi considerada, por qualquer motivo, demasiada onerosa ou inconveniente. E, depois, mensagens de texto, o que facilitou mensagens ainda mais rápida e mais móveis. Essas invenções não foram criadas para serem melhorias na comunicação face a face, mas uma declinação de aceitáveis, se diminuídos, substitutos dela.

“Mas então uma coisa engraçada aconteceu: começamos a preferir os substitutos diminuídos. É mais fácil dar um telefonema do que fazer o esforço para ver alguém em pessoa. Deixar uma mensagem na máquina de alguém é mais fácil do que ter uma conversa telefônica – você pode dizer o que precisa dizer sem uma resposta; é mais fácil fazer o check-in sem ficar enredade. Então começamos a telefonar quando sabíamos que ninguém iria atender. Mandar um e-mail é mais fácil ainda, porque a pessoa pode se esconder atrás da ausência de inflexão vocal, e, claro, não há chance de acidentalmente pegar alguém. Com as mensagens de texto, a expectativa de articulação é ainda mais reduzida e é oferecida outra casca para se esconder. Cada passo ‘para a frente’ facilitou ainda mais – apenas um pouco – evitar o trabalho emocional de estar presente, transmitir informações ao invés de humanidade.

“O problema de aceitar – com preferência – os substitutos diminuídos é que, ao longo do tempo, também nos tornamos substitutos diminuídos. As pessoas que se habituam a dizer pouco se acostumam a sentir pouco. Ou apenas sentir o que foi concebido e vendido para nós sentirmos”.

Pergunta: Para onde você acha que a tecnologia moderna, a inteligência artificial, etc., estão levando a humanidade?

Resposta: Para o reconhecimento de que temos que desistir de tudo e começar a trabalhar de coração para coração, para realmente desistir de tudo o que não está relacionado com o sentimento no coração. Tudo o mais vai chegar ao seu pico e depois desaparecer. Nós não precisaremos nos conectar através de longas linhas e redes web, as mais altas tecnologias no espaço ou em novas cidades, nada.

Nem precisaremos de TV com telas gigantes e milhares de canais. Ninguém vai querer entupir sua cabeça com tudo isso. Nós vemos que os jovens estão gradualmente virando as costas para isso. Vai levar mais alguns anos e também vamos nos livrar de todos os telefones.

Comentário: Futurologistas dizem exatamente o oposto. Eles acreditam que uma comunicação interestelar será desenvolvida …

Resposta: Absurdo. Nada vai acontecer.

Pergunta: Você está dizendo que tudo isso vai desaparecer e o homem vai querer sentir novamente um afeto caloroso?

Resposta: Hoje, por exemplo, o carro é um meio de ir de um lugar para outro, não a meta em si. Imagine que você tivesse uma nave espacial e dez estrelas, e que sua sogra vivesse em uma estrela e outro parente ou amigo vivesse em outra, e você pudesse ficar longe de todos eles, ter o seu próprio pequeno planeta e viver lá pacificamente.

Mas já percebemos que todas essas coisas não levam a nada. Uma pessoa tem que se preencher-se, e ela não consegue encontrar um preenchimento em tudo isso, então continuamos perseguindo diferentes preenchimentos e finalmente vemos que, embora tenhamos os meios para isso, isso não se justifica. Uma pessoa se sente cada vez mais vazia.

Comentário: Acontece que toda a nossa vida e desenvolvimentos futuros são apenas uma corrida, na verdade, uma corrida atrás de preenchimentos…

Resposta: Claro! Veja como os escritores retratam imagens futuristas: estamos nos movendo de um lugar para outro a uma velocidade tão grande, para onde? De um fim vazio para outro fim vazio, mas pelo menos eles estão escrevendo best-sellers.

Pergunta: Jonathan Foer diz que estamos nos afastando dos corações. Ele realmente teme isso. As pessoas sentem esse medo como resultado do progresso?

Resposta: Não, elas sentem isso porque não há saída. Se a humanidade não descobrir a razão e a meta da criação, ela vai afundar em drogas e pílulas para dormir.

Pergunta: Por que passamos por um caminho tão longo? Por que precisamos de todas essas tecnologias?

Resposta: Porque temos que reconhecer a parte maligna de nossa natureza. Se não conseguirmos reconhecê-la completamente, não seremos capazes de corrigi-la.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 01/03/17

Comente