Altruísmo: O Programa Oculto Da Natureza

Laitman_632_3De “Crise e sua Solução” (Palestra em Arosa, 2006)

As células só podem existir, se desenvolver e multiplicar ao interagir como um único todo. A lei da interação altruísta funciona em cada ser criado, exceto no homem. O homem recebe o livre arbítrio para perceber a necessidade do altruísmo e observar essa lei geral da natureza.

Vendo como os animais se devoram, é difícil para nós chamá-los de altruístas. Tudo que é criado (matéria inanimada, plantas, animais e seres humanos) é completo egoísta. Então, onde vemos que o altruísmo é o programa da natureza?

Mas quando se trata do programa interno embutido em cada criatura, podemos dizer que toda a natureza é construída de acordo com a lei de apoio e ajuda mútua entre todos. Nós apenas olhamos para a natureza com nossos olhos egoístas e por causa disso a culpamos de acordo com a nossa própria depravação.

Se avaliarmos a natureza não pelo lado negativo, do nosso egoísmo, mas pelo lado de uma abordagem sistemática positiva, veremos que todos os seus sistemas funcionam corretamente. Em vez de afirmar que “todos devoram todos”, podemos dizer que “cada um existe para os outros”.

Devido ao fato de que um se torna alimento para outro, como geralmente acontece na natureza, cada grau existe para sustentar o grau acima dele, e isso continua nos graus superiores. E para queo homem foi criado? Sua missão é criar seu desejo de desfrutar “alimento” por um grau superior, pelo desejo de doar.

É difícil perceber que a lei da natureza é o altruísmo, porque isso não se manifesta abertamente. Não vemos conexões bondosas e altruístas entre todas as partes da natureza. Pelo contrário, vemos conexões egoístas onde cada um só se preocupa com seu próprio benefício e devora os outros.

Acontece assim em todos os níveis: inanimado, vegetal, animal e humano. Pode-se concluir que o egoísmo total, o desejo de desfrutar, é a lei da natureza, e não o desejo de doar e altruísmo.

Mas com o desenvolvimento da ciência, da inteligência e da sociedade humana, gradualmente começamos a descobrir que a conexão entre todas as partes da natureza é mais importante do que a existência de cada uma delas. Ou seja, os pontos centrais da criação não são os aglomerados de matéria, mas os espaços entre eles. Exatamente nesses espaços as coisas mais importantes acontecem, mas não sabemos disso.

As conexões entre elementos separados da criação são mais importantes do que esses elementos. Afinal, os elementos consistem no simples desejo de desfrutar, e dentro da conexão entre eles está toda a energia e matéria. Na verdade, existe a verdadeira realidade que ainda não somos capazes de compreender.

Um homem, que está no centro da criação, é a parte mais importante, isto é, as conexões entre as pessoas. Através da nossa unidade, garantimos toda a natureza e chegamos ao fato de que todas as outras partes da natureza são pacificadas e estabelecem boas conexões entre elas.

Da 3ª parte da Lição Diária de Cabalá 12/01/17, Lição sobre o Tópico, “Mismah Arosa”, (Documento de Arosa)

Comente