Textos arquivados em ''

Haaretz: “Boas Notícias! Não Há Problema Em Falar Sobre Antissemitismo Na América”

Em minha coluna regular no Haaretz, meu novo artigo: “Boas Notícias! Não Há Problema em Falar sobre Antissemitismo na América

… porque agora podemos falar sobre suas causas e soluções.

Em pouco mais de um mês, mais de 100 CCJs (Centro Comunitário Judaico) e sinagogas receberam ameaças de bomba e foram forçados a evacuar, três cemitérios judeus foram vandalizados, uma sinagoga foi alvo de tiros enquanto as pessoas estavam dentro e suásticas foram pintadas em edifícios e carros.

“Eu corri do trabalho duas vezes depois de receber textos dizendo que as crianças tinham sido todas removidas do prédio”, disse uma mãe no Centro-Oeste, que pediu para não ser identificada para não chamar mais atenção de “quaisquer pessoas doentes que estejam fazendo essas ameaças”.

“Eu sei que pode acontecer em qualquer lugar, mas o fato de que ultimamente as chamadas estarem acontecendo no CCJ deixa você constantemente no limite”, disse Allison Vitagliano, cujo filho de 4 anos foi evacuado de sua pré-escola no CCJ de Nova Jersey Central.

“Eu estou percebendo que vivo em uma bolha ingênua porque não entendo de onde este ódio está vindo. Eu sabia que havia discriminação contra muçulmanos, mexicanos, negros, gays, mas é estranho para mim que isso esteja acontecendo com o povo judeu. Eu pensei que tínhamos passado por isso e que poderíamos nos concentrar em apoiar os outros grupos que estão sob ataque”, disse Taylor, ex-membro do conselho da pré-escola no CCJ em Maitland, na Flórida.

“Eu estaria mentindo se dissesse que nenhum de nós estava com medo”, disse Alison Levy, que pediu para não divulgar a escola de seu filho, temendo que ela possa ser alvo novamente.

Segunda-feira depois da escola, a filha de Honora Gathings não a cumprimentou quando chegou em casa, como costuma fazer. Em vez disso, ela disse: “Nós tivemos um Código Negro”.

A mídia apresenta essa onda de ódio aos judeus como uma nova tendência na América, mas não é. Durante a administração Obama, houve não menos de 7.000 incidentes antissemitas nos EUA, mas eles foram em grande parte não relatados pela mídia por razões políticas. Agora que a administração mudou e a mídia já não é obrigada a proteger a Casa Branca, podemos finalmente falar abertamente sobre o antissemitismo na América e ponderar o que isso significa para os judeus dos EUA.

Ódio Como Nenhum Outro

Primeiro, não devemos ser ingênuos, como Taylor colocou na citação acima. O antissemitismo é o ódio mais antigo e mais tenaz; ele sobreviverá a todos os outros ódios. Há uma característica especial para o ódio aos judeus: não é realmente o ódio aos judeus, mas sim raiva dos judeus.

A razão para essa raiva vem de nossa origem e propósito. O povo judeu é como nenhum outro povo. Sua primeira manifestação surgiu há quase 4.000 anos na antiga Babilônia. Naquele tempo, Abraão, filho de um sacerdote babilônico chamado Terá, notou que algo ruim estava acontecendo com seus pais. Apesar da abundância de comida e água na terra, os babilônios tornaram-se cada vez mais descontentes uns com os outros, e gradualmente ficaram mais irritados e hostis uns aos outros, colocando em risco sua civilização próspera. O livro Pirkey de Rabbi Eliezer descreve como os construtores da Torre da Babilônia “queriam falar uns com os outros, mas não conheciam a língua uns dos outros. O que eles fizeram?”, pergunta o livro. ”Cada um pegou sua espada e eles lutaram um contra o outro até a morte. De fato, metade do mundo foi abatida lá, e de lá eles se espalharam por todo o mundo”.

Abraão ficou profundamente perturbado pelas aflições de seu povo, os babilônios, e começou a refletir sobre seu problema, como Maimônides descreve em detalhes em Mishneh Torah (Capítulo 1). Finalmente, Abraão percebeu que o ódio em erupção em todo o seu país era imparável; era uma força da natureza. Abraão também percebeu que o ódio mútuo das pessoas só cresceria ao longo do tempo por causa da inveja incontrolável inata na natureza humana. A inveja nos faz não só querer ter o suficiente, mas ter mais do que outros e se tornar superior a eles.

Nossos sábios resumiram esse traço da natureza humana com duas evidências famosas: 1) “A inclinação do coração de um homem é má desde a sua juventude” (Gênesis 8:21). 2) “Um homem não deixa o mundo com metade do seu desejo na mão. Pelo contrário, se ele tem cem, quer ter duzentos, e se tiver duzentos, quer ter quatrocentos” (Kohelet Rabah 3:13).

Compreendendo que ele não poderia parar a intensificação do ódio, Abraão procurou uma solução na natureza. Ele observou que, na natureza, a força negativa da destruição é equilibrada por uma força positiva igualmente forte de conexão. Hoje sabemos que prótons e elétrons não seriam capazes de manter uma estrutura equilibrada de um átomo sem que as duas forças de atração e rejeição se equilibrassem e que esse equilíbrio fosse mantido por todos os níveis de existência. A revelação do equilíbrio entre forças inspirou Abraão a formular um novo modo de conduzir a sociedade humana.

Em vez de tentar impor leis que suprimam a natureza humana intrinsecamente egoísta, esforços que invariavelmente falham porque o nosso ódio mútuo é cada vez maior, Abraão determinou que em vez disso deveríamos reforçar nossa unidade. Em vez de se concentrar no mal, disse Abraão, concentrem-se no bem – na misericórdia, amor, compaixão e unidade. Enquanto a natureza equilibra as forças positivas e negativas naturalmente, os seres humanos têm que fazer isso conscientemente.

Uma Noção para Todas as Nações

Assim que Abraão percebeu que tinha encontrado a chave para a miséria dos babilônios, ele começou a espalhar a notícia onde quer que pudesse. Infelizmente, seu rei, Nimrod, ressentiu-se das ideias de Abraão. Em vez de adotar a ideia de unidade acima do ódio, Nimrod expulsou Abraão da Babilônia.

Mas como o expatriado vagou para Canaã, ele continuou falando de sua revelação. Segundo Maimônides, “milhares e dezenas de milhares se reuniram ao redor dele, e eles são o povo da casa de Abraão. Ele plantou esse princípio em seus corações, compôs livros sobre isso, e ensinou seu filho, Isaac. E Isaac se sentou, ensinou e aconselhou, e informou Jacó, e designou-o como professor, para se sentar e ensinar … E Jacó nosso Pai ensinou a todos os seus filhos” (Mishná Torah, Capítulo 1). Finalmente, uma tribo que conhecia a lei da unidade foi formada. A posteridade de Abraão continuou a desenvolver seu método até que, finalmente, o Rei Salomão limitou-o com um verso: “O ódio agita a contenda e o amor cobre todos os crimes” (Pv 10.12).

Abraão nunca pretendeu que sua ideia fosse a única posse de seu grupo. Ele queria ajudar toda a civilização babilônica, e foi forçado a abandonar seu plano apenas porque Nimrod o forçou a sair da Babilônia. Os discípulos de Abraão sabiam disso e divulgaram as novas ideias a quem quisesse ouvir. Quando Moisés levou o povo de Israel para fora do Egito, ele também queria transmitir a noção de unidade sobre o ódio a todos. Em seu comentário sobre a Torá, o Ramchal escreveu que “Moisés desejava completar a correção do mundo naquele tempo. … No entanto, ele não conseguiu por causa das corrupções que ocorreram ao longo do caminho”.

Visto que o mundo não poderia ser corrigido no momento, os descendentes de Abraão, Isaac e Jacó ficaram confiados com o método e foram encarregados de servir como “luz para as nações”. A nação de Israel que nasceu ao pé do Monte Sinai mereceu o título de “nação” somente depois que seus membros se comprometeram a se unir “como um só homem com um só coração”. Esse método único de formação de uma nação cimentou sua povoação tão fortemente que, apesar dos esforços dos impérios babilônio, egípcio, grego e romano de destruí-los, os mesmos desapareceram nos anais da história, enquanto os judeus continuam a existir.

A tarefa que recebemos, para ser “uma luz para as nações”, é a tarefa de espalhar o método de unidade acima do ódio que Abraão descobriu e seus descendentes aperfeiçoaram. O ódio que percebemos como antissemitismo deriva de nossa obrigação para com as nações de entregar esse método de conexão, a capacidade de se unir acima do ódio.

Aproximadamente 2000 anos atrás, nós sucumbimos ao ódio e abandonamos nossa unidade, pensando que a cultura romana seria mais vantajosa para nós. Em consequência, não só perdemos nossa terra, mas também “ganhamos” o ódio das nações – sem uma luz para as nações, eles não tinham nenhuma esperança de cobrir seu próprio ódio mútuo e estavam, portanto, condenados a guerras eternas. É por isso que antissemitas como Mel Gibson e o general William Boykin, aposentado, nos culpam por todas as guerras do mundo. Sem o nosso exemplo, eles se sentem sem esperança e viram sua raiva para nós.

Ao longo dos séculos, fomos acusados ​​de todos os crimes concebíveis e inconcebíveis. Temos sido responsabilizados por controlar a mídia, usura, difamação de sangue de várias formas, envenenamento de poços, domínio do comércio de escravos, deslealdade aos nossos países de acolhimento, tráfico de órgãos e disseminação da AIDS. Ao longo dos anos, os comunistas nos acusaram de criar o capitalismo, e os capitalistas nos acusaram de inventar o comunismo. Os cristãos nos acusaram de matar Jesus, e o aclamado historiador e filósofo francês François Voltaire nos acusou de inventar o cristianismo. Temos sido rotulados de belicosos e covardes, racistas e cosmopolitas, impotentes e inflexíveis, e assim por diante.

Tudo isso aconteceu conosco porque abandonamos nossa unidade. Quando estamos unidos, não somos apenas fortes, mas o mundo tem esperança, uma luz no fim do túnel. Quando estamos separados, não somos mais o povo judeu, mas a ralé que éramos antes que Abraão nos reuniu em uma tribo que conhecia o caminho da unidade.

Nosso Ódio Mútuo Nos Faz Odiar

O antissemitismo de hoje na América não é diferente de qualquer outro antissemitismo ao longo dos tempos. É a ira dos não-judeus americanos aos judeus por não mostrar o caminho da unidade. Muitas pessoas já ligam a crescente fragmentação da sociedade americana ao aumento do antissemitismo. Elas estão corretas nisso porque as pessoas que são supostamente um modelo de unidade, em vez disso são modelos de ódio tribal. Basta olhar para o que está acontecendo em nossas comunidades: pessoas de diferentes opiniões políticas não podem passar as férias juntas e, às vezes, até mesmo o divórcio em quem votou para quem!

Nosso ódio mútuo faz com que os americanos nos odeiem ainda mais. Eles acabarão culpando os judeus por sua divisão e nada que os judeus possam dizer os convencerá de outra forma.

Se quisermos acabar com o antissemitismo na América, então nós, judeus, devemos primeiro nos unir. Judeus liberais e conservadores devem estar à altura da ocasião, deixar de lado suas diferenças e se unir para se salvarem. Caso contrário, o ódio que se desenvolverá nos Estados Unidos será tão poderoso, se não mais do que aquele que engoliu a Alemanha na década de 1930, e cujas consequências comemoramos todos os anos. Já podemos ver isso acontecendo; não devemos esperar até que seja tarde demais. Nossa tarefa é se unir acima de nossas diferenças, exatamente como fizeram nossos antepassados, e colocar de lado tudo o mais – inclusive a política.

A unidade no clima político de hoje pode parecer impossível, mas não é assim. Em todo o mundo, as pessoas estão percebendo que a unidade acima de todas as diferenças é a chave para a sua felicidade. Elas se reúnem para eventos de unidade e descobrem o mesmo “cimento social” que Abraão descobriu há quase quatro milênios atrás. O próximo evento a ser realizado nos EUA será de 4 a 7 de maio em Nova Jersey. Quase mil pessoas de todas as religiões, raças e origens irão participar, e eu espero que o calor que elas experimentarão lá irá reforçar a sua convicção de que unidade acima das diferenças é a única maneira viável para criar uma sociedade sustentável e próspera.

Egoísmo Inflamado: A Causa Do Aquecimento Global

laitman_293De “A Crise e Sua Solução” (Fórum em Arosa, 2006):

Utilizando todas as formas de mídia de massa, publicidade, persuasão e educação, a nova perspectiva social deve:

1. Condenar aberta e firmemente a atividade egoísta;
2. Louvar a atividade altruísta como sendo do mais alto valor.

O tema do “devolver à sociedade” deve ressoar como o único e mais elevado valor social.

Claro, se tivéssemos recebido esse tipo de educação desde a infância no jardim de infância, escola e em diante, através de todas as formas de mídia de massa – jornais, rádio, televisão – com o tema de devolver à sociedade constantemente ressoando acima do ruído de fundo de todos os outros eventos, toda a humanidade teria adquirido uma forma completamente diferente.

Nós temos que chegar a isso através da realização do mal, sempre revelando em um grau cada vez maior que nenhum de nossos planos será realizado.

O homem não será capaz de perceber até mesmo seus planos egoístas mais simples: o desejo de ter sucesso, de ganhar, de deliciar-se com algo. Surge uma pergunta: Por quê? Em primeiro lugar, é necessário compreender que a natureza tem seus próprios planos, de acordo com os quais nos desenvolvemos. Não há nada a ser feito sobre isso; temos que segui-los em vez de tentar criar o nosso próprio plano.

De repente um grupo de pessoas se reúne querendo tomar o poder. Eles organizam um partido e apresentam seu programa de mudança para o mundo, o país e as pessoas. Mas de onde eles obtêm esses planos que parecem tão certos para eles? A sociedade humana não precisa desenvolver-se de acordo com a natureza? E ir contra ela não nos condenaria ao sofrimento?

E ainda continuamos a ver no nosso mundo como cada partido e cada governante que chega ao poder por vários anos arruina o que pode ser arruinado, e vai embora. E ele é substituído por um novo partido com novas promessas bonitas para consertar tudo, mas só completa a destruição. Ninguém se importa com o que acontece depois que eles saem. Não há responsabilidade ou compreensão suficientes do que precisa ser feito.

Não há consciência de que dentro da natureza exista um programa específico de desenvolvimento para a sociedade humana, assim como para qualquer outra parte. Toda a nossa pesquisa na natureza prova que ela sabe o que está fazendo e desenvolve tudo de acordo com um plano claro, que tem estado em vigor desde antes do aparecimento dos seres humanos na Terra.

O planeta Terra evoluiu de acordo com as leis de desenvolvimento do nível inanimado da natureza, depois disso, o vegetal, animal e, finalmente, humano. Toda a evolução foi programada.

A natureza inanimada, as plantas e os animais sofrem apenas como resultado dos seres humanos, e se não fosse por nós, eles não estariam sofrendo. Como não há forças egoístas neles, eles não resistem ao programa da natureza, mas instintivamente obedecem a todas as suas leis.

Mas um humano vem a este mundo a fim de desenvolver seu egoísmo e entender que, fazendo isso, se coloca em oposição à natureza. Isso é feito de propósito, para que ele compare sua natureza com o resto da natureza e alcance o seu próprio desejo de seguir o programa dela, que é chamado de adesão da criação com o Criador.

O trabalho de um Cabalista é levar esse conhecimento a toda a humanidade. Hoje, todas as condições estão disponíveis para isso, tanto positivas como negativas. As condições negativas são reveladas na quebra da humanidade, a crise global.

As condições positivas são reveladas no sistema global de conexão, na Internet, na capacidade de influenciar pessoas fora dos canais usuais de mídia de massa que seguem seus próprios objetivos egoístas e propagam os pontos de vista daqueles que os pagam.

Tudo o que precisa ser feito é “condenar aberta e firmemente as ações egoístas e louvar as ações altruístas como sendo do mais alto valor”. Lentamente, isso atingirá a humanidade.

O ponto mais importante a transmitir nesta explicação é que isso vem das leis da natureza, das quais não podemos escapar. Não é um plano ou princípios sonhados por algum partido político, mas o resultado de uma intensa investigação da natureza. Portanto, não nos está sendo perguntado se concordamos com ele ou não: nós somos obrigados a trazer a sociedade humana em concordância com as leis da natureza.

Se a sociedade humana entrar nesse processo, que é seguido pelos níveis inanimado, vegetal e animal da natureza, todos os níveis começarão a funcionar corretamente. Portanto, se corrigirmos o ser humano, não haverá catástrofes climáticas, ameaças de aquecimento global ou idade do gelo.

O aquecimento global não depende das ações externas das pessoas ou das emissões de gases na atmosfera, mas apenas da ascensão e queda do homem. A causa não está no desenvolvimento de nossa tecnologia industrial, mas de nossas interações egoístas mútuas, ou seja, é a chama do nosso egoísmo que está elevando a temperatura na natureza.

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá 03/02/16, Lição sobre o Tópico: “Mismah Arosa (Documento Arosa)”, “O Que Deve Ser Feito?”

Não Venda Uma Prisioneira Por Dinheiro

laitman_545Torá, Deuteronômio, 21:14: E será que, se não te contentares com ela, a deixarás ir à sua vontade; mas de modo algum a venderás por dinheiro, nem a tratarás como escrava, pois a tens humilhado.

A prisioneira é o desejo de um indivíduo livre da intenção egoísta anterior, mas incapaz de fazer uma intenção altruísta correta. Então ele simplesmente a envia, por assim dizer, às águas profundas, e ela fica “à deriva” em algum lugar.

“Nem a tratarás como escrava, pois a tens humilhado” significa que você a salvou da intenção egoísta – você a capturou e agora tem que corrigi-la totalmente, isto é, dar a este desejo uma correta direção altruísta ao Criador.

Se você não pode fazer isso, deixe seu desejo sozinho e o considere pairando em algum lugar. Depois de certo e tempo ele aparecerá novamente, e você vai lidar com isso.

Pergunta: O que significa “de modo algum a venderás por dinheiro”?

Resposta: A questão é que você não tem o direito de mudar um desejo por outro e, assim, ganhar uma tela para ele. Dinheiro em hebraico é “Kesef“, “Kisuf” – tela, cobertura. Você não pode alcançar nenhum ganho com o fato de que não terminou a correção. Mas daí vem. Tais flutuações de desejo surgem constantemente em uma pessoa.

Você estava confiante de que com a ajuda desse desejo agora alcançaria o próximo nível espiritual, mais próximo do Criador. Mas isso se provou estar acima de suas capacidades, e você não pode fazer nada sobre isso.

O fato é que essa não é a mulher que está sentada em sua tenda lamentando seus pais. Este é você mesmo se conectando com esse desejo e cortando seu cabelo. É assim que um novo desejo é absorvido dentro de uma pessoa, quando ela está disposta a se fundir com o Criador com a ajuda dele, mas percebe que é incapaz de fazer isso.

Em princípio, a Torá está falando do trabalho com o mesmo desejo, que se manifesta gradualmente, passo a passo, camada por camada. Em cada nível, nós enfrentamos problemas porque temos que perceber esses desejos, ver o quanto estamos conectados com eles, como não podemos simplesmente corrigi-los, mas precisamos pedir ajuda ao Criador. Esse é um trabalho tremendo. Todo mundo tem que fazer o que lhe é designado de acordo com a raiz de sua alma.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 26/06/16

A Definição Precisa De Antissemitismo

400Nas Notícias (The Guardian): “O governo [do Reino Unido] está prestes a adotar formalmente uma definição do que constitui o antissemitismo, … com [Primeira-ministra] Theresa May dizendo que a medida ajudará nos esforços para combater o crime de ódio contra os judeus”.

Pergunta: Então, quem são os antissemitas?

Resposta: Uma pessoa antissemita é aquela que não entende a missão dos judeus neste mundo e, portanto, odeia-os em vez de direcioná-los ao canal certo e ajudá-los a avançar. Mas se ela entende a missão dos judeus, por exemplo, como Henry Ford entendeu, então este já é outro problema. Ele não conseguiu superar o antissemitismo natural fundamental, e, portanto, foi um antissemita típico e ajudou Hitler.

No início, Hitler tinha uma atitude positiva em relação aos judeus; pode-se inclusive dizer que ele era amigável. Ele tentou de todos os modos tentar falar racionalmente com eles, sugerindo que saíssem da Alemanha e se mudassem para a Palestina. Mas eles não o ouviram. Então ele entendeu que ninguém precisava desses judeus e ninguém o deteria ou se oporia à sua aniquilação. Aliás, para ele essa era uma grande revelação porque ele pensava que o mundo inteiro começaria a gritar com ele e a condená-lo. Mas descobriu-se que, pelo contrário, estavam até dispostos a ajudá-lo. Nenhuma das principais nações saiu contra o genocídio, mesmo sabendo muito bem o que estava acontecendo.

É possível pensar que bilhões de pessoas são antissemitas? Eu não sei. Ou vice-versa, é possível pensar nos judeus como maiores antissemitas porque odeiam seu papel neste mundo? Isso é muito atual e atemporal. Hoje, entre os judeus americanos, há muitos antissemitas que são contra Israel e o judaísmo. Eles se livram do judaísmo, como uma cobra que se desfaz de sua pele, numa tentativa de se disfarçar de todas as maneiras possíveis. Mas na Torá está escrito que isso não ajudará, “Eu vou chegar até você em qualquer lugar, não importa onde você possa estar escondido”, diz o Criador. E isso é verdade, porque os judeus não são uma nação, mas um acessório para o objetivo da criação, que essa pessoa deve levar para o mundo. Mas se ela não fizer isso, então o mundo a culpa por todos os seus problemas. É exatamente isso que está acontecendo.

Não podemos escapar de realizar essa missão. O mundo inteiro gira em torno dela. Os antissemitas estão certos, tudo gira em torno dos judeus, e há uma razão para o ódio contra esses 15 milhões de pessoas. Esse é um dos menores povos do mundo, mas olha o que ele está fazendo. Há tantos problemas em torno deles e tantas emoções envolvidas com eles. Esperemos que os judeus reconheçam sua missão de mostrar ao mundo inteiro um exemplo de unidade, como está escrito na Torá: “E amarás o teu amigo como a ti mesmo” (Levítico 19:18). Essa lei da sociedade humana deve se estender a todos os habitantes do mundo.

Pergunta: Os judeus americanos estão agora tentando se misturar entre outros povos. O povo judeu poderia desaparecer?

Resposta: Não, eles não podem, porque a própria natureza está conduzindo esse processo, despertando um desejo na pessoa de se misturar, a fim de mostrar-lhe que isso é impossível, e inevitavelmente mais tarde, ela terá que desempenhar seu papel nesse mundo alegremente.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 28/12/16

Doze Tribos Em Uma Nação, Parte 3

Twelve Tribes in One Nation, Part 3Pergunta: Por que todas as tribos do povo de Israel têm fronteiras claras e não devem se misturar?

Resposta: Israel é uma nação que andou junto no deserto, mas cada um em seu próprio lugar, com sua própria bandeira. É assim que precisamos avançar, como eles foram do Monte Sinai à Terra de Israel, organizados em tribos, cada uma com sua bandeira e na conexão correta entre si.

E não é sobre vagar pelo deserto material, mas sobre progredir na espiritualidade.

Há um filme de Hollywood que mostra como os judeus andavam no deserto simplesmente um após o outro, mas essa é uma imagem errada. No progresso espiritual, cada uma das doze tribos deve manter o relacionamento correto com as demais e permanecer conectadas o tempo todo: quatro tribos à direita, quatro tribos à esquerda e quatro tribos no meio: HaVaYaHHaVaYaHHaVaYaH.

Toda essa estrutura deve ser preservada. Quando todos experimentam obstáculos e o egoísmo coletivo se eleva, todos devem se assegurar de que crescemos juntos, na mesma forma, permanecendo na mesma percepção, na mesma matriz, apenas em um nível cada vez mais elevado.

Pergunta: Por que os casamentos entre as tribos eram proibidos?

Resposta: Isso é necessário para preservar o HaVaYah inicial, a forma do vaso. Toda a nação é como um só corpo. Se o corpo é construído de certa forma: cabeça, tronco, braços e pernas, é impossível misturar um braço com uma perna.

Comentário: Estes não são braços e pernas, mas pessoas!

Resposta: Se as pessoas das diferentes tribos se misturam, é ainda pior do que misturar um braço com uma perna. É impossível misturar o cérebro da cabeça com a medula óssea dos braços e das pernas. Cada um de nós foi criado com características específicas, como órgãos de um corpo material, e, portanto, todos juntos somos semelhantes a um organismo, uma pessoa. As diferentes tribos de Israel são como diferentes órgãos de um corpo.

Pergunta: Ainda não está claro por que duas pessoas não podem se casar?

Resposta: Quando falamos das tribos de Israel, não se trata de pessoas, mas de órgãos de um corpo espiritual, que é o povo de Israel. No entanto, com os corpos físicos você pode fazer o que quiser; a Torá não fala sobre eles.

Todas as tribos devem se apoiar mutuamente, como está escrito: “Ama o teu próximo como a ti mesmo”.

Pergunta: Por que então elas estão separadas umas das outras e recebem seu próprio lote?

Resposta: Como eu posso ajudar outra tribo se não pertenço exatamente à tribo que me foi atribuída? Digamos que você pertence à tribo de Naftali, e eu pertenço a de Zebulom.

Cada tribo tem seu próprio trabalho espiritual específico e eu só posso ajudar outro se percebo a mim mesmo exatamente como Zebulom e você como Naftali. E para as tribos de Aser e Gad eu devo fazer um trabalho diferente e fornecer um apoio diferente, e elas em retorno a mim.

Imagine doze pessoas que estão no grupo, mas cada uma delas tem sua própria alma. Se tentarmos mudá-la, só a estragamos. Portanto, não devemos mudar ninguém, mas apenas se conectar. Nenhum de nós tem qualquer falha, a culpa está apenas na conexão entre nós e, portanto, precisamos prestar atenção apenas a ela, trabalhar nela e corrigi-la, a fim de revelar a força superior dentro da conexão corrigida.

De KabTV “Nova Vida” 01/12/16

Libertação

Dr. Michael LaitmanHá duas abordagens à vida. A primeira abordagem é dedicar a maior parte de nossa atenção a este mundo, obtendo o máximo de prazer possível. É por isso que a humanidade conquista o espaço e explora as profundezas de um átomo. Tudo isso é trabalhar com a matéria.

Mas a sabedoria da Cabalá diz que, em vez de voar para estrelas distantes, nós precisamos mergulhar nas profundezas do ser humano. O mundo é descoberto dentro de nós; nós vemos o mundo dentro de nós mesmos. Uma pessoa percebe a realidade com sua consciência e, portanto, ao mudá-la, muda a realidade.

A realidade é um reflexo de nossas qualidades internas. Corrigindo nossas qualidades internas, começamos a ver o mundo espiritual. E, retornando às nossas características egoístas originais, vemos este mundo.

É por isso que mesmo em relação à Torá há duas abordagens. Há aqueles que observam os mandamentos da Torá apenas em suas ações, pensando que a Torá descreve a observância externa. E é por isso que tal Torá é chamada de externa, porque é observada apenas através de ações físicas e palavras. Mas há pessoas chamadas Cabalistas que acreditam que seguir a Torá é uma ação interna, realizada pela mudança da natureza humana.

Ao trabalhar no grupo de acordo com o método da Cabalá e atrair a Luz que Reforma, uma pessoa começa a cumprir a Torá e os mandamentos não só com mãos, pernas e palavras, mas através do desejo que é corrigido com a ajuda da Luz e dividido em 613 partes. E isso porque é dito, “a opinião da Torá é oposta à opinião das massas”.

A abordagem externa também está associada ao estudo da natureza pelas ciências regulares, à aspiração de explorar as profundezas dos níveis inanimado, vegetal e animal, e transformar o mundo através da mudança da natureza e dos governos externamente.

Em contraste, a sabedoria da Cabalá diz que se o mundo é o resultado da nossa percepção, então é necessário corrigir apenas a nossa percepção, as nossas qualidades internas. Somente dessa maneira podemos mudar o mundo, a humanidade, o homem e toda a realidade de tal maneira que começaremos a experimentar o mundo como eterno, perfeito e ilimitado.

Por essa razão, a opinião das massas difere da opinião da Torá, e não há nada que possa ser feito sobre isso, não é possível reuni-las. Pouco a pouco a Luz superior opera sobre a humanidade, avançando-a para a necessidade de reconhecer a verdade e perceber que toda a realidade existe internamente. Não há nada fora de nós, tudo é percebido dentro de nossa consciência.

A passagem da visão geral de mundo, aceita por toda a humanidade que percebe o mundo como externo a si, para o mundo como um produto da percepção dentro da consciência humana, é chamada de libertação. Os olhos das massas se abrirão e elas começarão a se aproximar da verdade.

Então a sabedoria da Cabalá será revelada não apenas a indivíduos específicos, mas a todos, e explicará a toda a humanidade sua missão e o propósito do homem nesta realidade.

Todos vão perceber que o nosso mundo não é este planeta Terra, onde estamos destinados a nascer e morrer, mas uma pequena parada, um ponto de partida, a partir do qual temos que começar a se desenvolver ainda mais.

De 3ª parte da Lição Diária de Cabalá, “A Opinião da Torá é Oposta à Opinião dos Proprietários” 30/01/17

Meus Pensamentos No Twitter, 20/03/17

twitter

Quem não quer ser feliz? #Dia Internacional da Felicidade

happyPicTwitMar20

É interessante quando as pessoas que não sabem nada sobre Cabalá e não têm nenhuma realização do Mundo Superior começam a dispensar julgamento sobre isso …

O objetivo da Criação é unir as nações. Essa é a obra dos judeus (Havodat Hashem). #Antisemitismo é enviado para forçá-los a fazer isso.

A ONU revogou sua acusação de apartheid contra Israel, mas mais coisas virão até que os judeus revelem o método de correção ao mundo

Mais uma vez, os #ministros da esquerda e da direita de Israel foram convidados para nossa Convenção anual de Cabalá e ficaram surpresos.

kenesTwitMar20

Do Twitter, 20/03/17

Como Podemos Compreender Que Estamos No Caminho Certo?

Laitman_165Pergunta: Como é possível entender que você está no caminho certo e vai atingir a perfeição espiritual no futuro? Há algum sinal disso?

Resposta: Para fazer isso você precisa de um professor, livros, um grupo e persistência com as lições. Assim, você pode ter certeza que está no caminho certo e vai alcançar a meta.

Da Lição de Cabalá em Russo 01/01/17

As Bênçãos De Moisés

laitman_740_02Pergunta: Qual é o significado espiritual das bênçãos que Moisés deu antes de sua morte?

Resposta: A Torá nos diz alegoricamente que quando Moisés enviou o povo à Terra de Israel, ele escalou o Monte Nebo, viu a terra de lá, e a abençoou.

Do ponto de vista de Bina, que Moisés simboliza, ele se conectou com Malchut (o povo de Israel) e transmitiu todo o seu poder para que o povo pudesse começar a subir do estado de Malchut na Terra de Israel (que já era um poder diferente de Malchut) à Bina.

Essa foi a bênção por meio da qual ele transferiu o poder à terra e ao povo, e o povo teve que implementá-la. A implementação inclui esclarecimentos sobre a natureza e a sequência das ações corretivas, bem como a preparação do povo para o movimento e avanço em diferentes forças (tribos), para pessoas individuais, dezenas, centenas, e assim por diante.

Isso deixou claro como eles poderiam continuar a se reunir em maior unidade em seu crescente egoísmo e desejo chamado de “Terra de Israel” que foi revelado por eles, e visar direto ao Criador.

Eles começaram a lutar para dirigir seus desejos à doação e amor, acima do egoísmo representado pelos sete povos, que se manifestaram nas sete estruturas: Hesed, Gevurah, Tiferet, Netzach, Hod, YesodMalchut.

Esse era um trabalho sério, mas Moisés não tinha mais nenhuma relação com ele, porque era apenas a característica de Bina, e só transmitiu amor e doação ao povo de Israel. Trabalhar entre a característica de doação e o poderoso desejo egoísta, a “Terra de Israel”, será o próximo nível, Joshua ben Nun. Essa força levaria o povo à Terra de Israel.

Da Lição de Cabalá em Russo 04/09/16

Respostas Às Suas Perguntas, Parte 162

Laitman_630_2Pergunta: Há velas acesas na imagem ao final de cada lição matinal. Você fala de oito velas, mas há nove na imagem. Significa alguma coisa?

Resposta: A nona vela é chamada de Shamash, ou seja, um servo. É a mais importante!

Pergunta: Moisés levou os judeus pelo deserto por 40 anos e durante este período seus sapatos não se desgastaram. O que isso significa do ponto de vista da Cabalá?

Resposta: Sua tela (Masach) nunca falhou com eles; eles sempre estavam acima do egoísmo.