Onze Anos Após Arosa, Parte 5

laitman_293De “A Crise e Sua Solução”, Fórum de Arosa 2006

Altruísmo – O Princípio da Vida

Se explorarmos o princípio do altruísmo na natureza, descobriremos que ele é a base de toda a vida. Todo organismo vivo é composto por uma pluralidade de células e órgãos que trabalham em conjunto, complementando-se mutuamente. Nesse processo, eles são obrigados a conceder, influenciar e ajudar uns aos outros. A lei de integração de células e órgãos de acordo com o princípio altruísta “um por todos” é eficaz em todo organismo vivo.

A lei do desenvolvimento evolutivo obrigou as partículas elementares a se conectarem em átomos, moléculas e, depois, em células orgânicas vivas que são capazes de se reproduzir por si mesmas de acordo com um programa intracelular. As células vivas têm o desejo de se reproduzir e criar organismos mais complexos, e tudo isso acontece devido à conexão.

As conexões tornam-se mais extraordinárias. Dentro de organismos vivos, ocorrem processos com os quais o ser humano não concordaria. Por exemplo, uma célula está pronta para morrer, a fim de abrir espaço para novas células, ou servir de alimento para outras células, e assim por diante. Isto é, no processo de desenvolvimento, as ações altruístas são realizadas por parte da natureza quando a pessoa cuida de todo o ambiente em geral.

Por exemplo, as células do corpo humano existem em um sistema e são totalmente subordinadas a ele. Não é porque ele tem um poder sobre elas, mas porque cada célula pequena, de acordo com seu programa interno, procura unir o sistema. Para elas, a lei do sistema, da conexão geral, é o ativo principal e mais importante.

Elas mesmas estão dispostas a viver ou morrer – não importa para elas. O sentimento da lei do sistema em que existem é maior para elas do que sua própria existência material. Uma célula se mata para dar lugar a uma nova vida, e com isso se conecta ao processo geral ou ao programa geral.

Em termos do programa geral, essa célula não morre, mas continua precisamente vivendo devido ao fato de que forneceu o lugar para as novas células vivas.

Alegadamente, ela não se conforma com o fato de que toda a natureza é baseada no egoísmo. A conexão sempre envolve concessões e anulação, e quanto mais complexo for o composto vivo, maior anulação requer.

Quando as células vegetais e animais não-vivas se conectam, as concessões não são resultado de um cálculo egoísta primitivo, mas de um desejo de vencer em um nível mais alto do que o visível para nós. Uma célula, ao se anular, dá vida a células mais complexas que aparecem em seu lugar e por meio delas recebe uma nova existência no nível superior.

Dessa forma, o material não-vivo é transformado em uma planta, uma planta em um animal e um animal em ser humano. Em cada etapa, a matéria se torna mais complexa, e essa organização elevada só é possível devido à anulação em prol da conexão. Dessa forma, as conexões tornam-se mais qualitativas. Elas não têm cálculos egoístas da existência anterior, mas apenas se preocupam com a conexão superior.

O peixe vai desovar e morrer em prol da futura prole. Os biólogos pensam que esse é um instinto cego, mas a natureza não mata exatamente assim. Devido à morte do nível inferior, a vida no nível superior nasce.

Por meio do auto sacrifício no estágio anterior, uma combinação mais complexa e avançada aparece a tal ponto que mesmo os materiais não-vivos convencionais se tornam radioativos e emitem partículas. Qualquer composto químico, mesmo os átomos simples de hidrogênio e oxigênio, é baseado em concessões mútuas onde cada um sacrifica sua independência para se conectar.

Se o material se decompõe, isso significa que ele é mais estável nesta forma do que conectado. Essa é a essência de todas as reações e processos químicos. Um composto mais complexo é um ganho mais valioso. Este é o processo de desenvolvimento que eleva a natureza a um nível mais altamente organizado, cada vez exigindo um sacrifício mais significativo.

Portanto, o altruísmo é o princípio da vida, porque sem ele, a conexão ao nível das partículas elementares, dos átomos, moléculas ou quaisquer organismos, seria impossível. Não haveria seres vivos complexos e somente devido à organização complexa temos sentimentos e inteligência.

Todas as formas altamente organizadas de vida que exigem a capacidade de combinar e se comparar umas às outras são baseadas em anulação e conexão, bem como em auto sacrifício em prol de um estado superior.

Da 3ª parte da Lição Diária de Cabalá 11/01/17, Lição sobre o Tópico, “Mismah Arosa“, (Documento de Arosa)

Comente