Ynet: “Antissemitismo Nos EUA? A História Se Repete”

Da minha coluna no Ynet: “Antissemitismo nos EUA? A História se Repete”

Ao longo da história, os judeus tentaram esconder a sua identidade e assimilar, mas nunca conseguiram. O helenismo levou à destruição do Templo, a conversão ao cristianismo levou à Inquisição espanhola e à perseguição na Europa. O que pode ser aprendido com o crescente antissemitismo entre os judeus americanos? O quanto Trump é responsável por isso? Como vamos parar essa onda crescente? O Rav Laitman oferece uma maneira de lidar com um mundo em mudança.

anti-semitismintheunitedstateshistoryrepeatsitself

Steve Bannon, presidente do site de notícias Breitbart News, afiliado do movimento “Alt-Right”, foi presidente da campanha de Trump e recentemente nomeado estrategista-chefe e assessor sênior na administração Trump, chateando a América em geral e a comunidade judaica em especial.

Por um lado, os republicanos judeus que trabalharam com Bannon em toda a campanha eleitoral de Trump dizem que ele realmente será “bom para os judeus” e, especialmente, para Israel, e estamos prestes a ver diante de nossos olhos como Donald Trump vai se tornar o primeiro presidente “judeu” na história dos Estados Unidos. Por outro lado, a maioria dos judeus liberais dos Estados Unidos, cerca de setenta por cento dos quais se opuseram a Trump, atribuem opiniões antissemitas e racistas a Bannon.

Bannon é apenas um exemplo de uma tempestade que está sendo travada entre os judeus americanos. Seja um apoiador dedicado da nação de Israel ou um inimigo destacado dos judeus, um bom futuro na América ainda não está garantido aos judeus. Os judeus são um fenômeno único no mundo. Eles são um conjunto de pessoas que possuem um ego particularmente bem desenvolvido, com o objetivo de se beneficiar ao máximo de cada oportunidade em todos os campos, o tempo todo.

A primeira vez que os judeus conseguiram subir um pouco acima dessa característica profundamente inata e se consolidaram em um único povo, foi cerca de 3.800 anos atrás, na Babilônia: uma antiga sociedade tribal com uma abundância de nações e culturas. Um pouco como a América dos nossos dias.

Singularidade Judaica

A sabedoria da Cabalá conta que uma bela manhã a natureza egoísta eclodiu entre os babilônios, minando a tranquilidade que habitava entre eles até então, e reforçando o sentimento de “eu” em cada um deles. O surto egocêntrico criou muitos conflitos e disputas que pioraram as relações entre os babilônios e ameaçou separar a sociedade, semelhante à crise que a sociedade americana está experimentando. Os babilônios frustrados procuraram uma saída para a crise social na qual foram jogados, e essa chegou à pessoa de Abraão, um grande sacerdote babilônico da sua geração e líder da opinião pública que os reuniu a sua volta, ensinando-lhes a sabedoria da Cabalá, e educando-os sobre a conexão e o amor ao próximo. A comunidade dos babilônios que antes tinha era alienada, se conectou “como um homem com um coração”, e eles foram chamados de Ysrael, por seu desejo de se parecer diretamente (Yashar) com o Criador (El), a característica do poder singular, pleno e eterno da natureza. Em outro lugar eles seriam chamados de judeus (Yehudim) porque estavam trabalhando para se tornar unidos (yichud) e em harmonia com a natureza. A partir do momento em que o povo de Israel foi fundado, eles só tinham um propósito: servir como exemplo de unidade ao resto das partes separadas da humanidade, para serem uma “luz para as nações” (Isaías 49:6).

O povo judeu passou por muitas vicissitudes. Após a destruição do Segundo Templo, a partir do momento em que o amor fraterno e o valor supremo da unidade deixaram de iluminar a visão espiritual, o povo se espalhou por dois mil anos de exílio e vagou de um lugar para outro. No entanto, logo após os judeus se estabelecerem como uma pequena comunidade e começarem a se organizar e ganhar tudo o que fosse necessário para uma boa vida, como convinha à natureza egoísta que os dominava, a consolidação social enfraquecia e a solidariedade se dissipava. Nenhum deles mantinha sua natureza, sua religião ou sua cultura, na melhor das circunstâncias, e eles rapidamente assimilavam e voltavam a ser os mesmos babilônios de antes. Na pior das hipóteses, eles perdiam completamente a sua direção e até começavam a atirar flechas contra o seu próprio povo. Foi o que aconteceu uma e outra vez ao longo da história.

Novos Convertidos

Quando os judeus encontraram pela primeira vez a cultura helenística na Grécia antiga, muitas famílias judias correram para se tornar helenizadas e mudar de religião. Primeiro os nomes e a língua foram trocados, costumes gregos foram adotados, a Torá foi traduzida para o grego, e uma assimilação cultural geral dos judeus na cultura grega começou. Assim, os valores de unidade e responsabilidade mútua que marcaram e protegeram o povo de Israel ao longo dos anos foram abandonados, e o egoísmo, o culto do “eu”, a ambição e a agressividade foram entusiasticamente adotados. Tiberius Julius Alexander, o filho do chefe da comunidade judaica em Alexandria, cujo pai doou o revestimento de ouro para as portas do Templo, tornou-se o símbolo do antissemitismo judaico desse período. Tiberius foi nomeado conselheiro para assuntos judaicos no governo do imperador romano Tito, o senhor da guerra que subjugou a grande revolta e destruiu o Segundo Templo.

Um processo semelhante começou na Espanha alguns anos antes do estabelecimento da Inquisição. O pesquisador de história judaica na Universidade de Wisconsin, Professor Norman Roth, detalhou em seu livro que “nos séculos XIV e XV, milhares de judeus se converteram ao cristianismo, especialmente por sua livre vontade e não como resultado de pressão.  Assim, os ‘novos cristãos’ despertaram hostilidade acentuada contra si, a qual finalmente adicionou-se uma guerra. O racismo antissemita inchou, e pela primeira vez na história, as posições de ‘pureza de sangue’ foram estabelecidas (distinguindo aqueles que tinham sangue cristão puro e aqueles que tinham sangue judeu convertido ou muçulmano). Em última análise, a Inquisição foi reavivada, muitos dos ‘novos cristãos’ foram falsamente acusados e queimados na fogueira. Especificamente com os judeus que continuaram suas vidas como judeus e mantiveram suas relações normais com os cristãos como no passado, nada aconteceu. Isso significa que, enquanto os judeus se mantiveram fiéis à sua herança e não tentaram se integrar ou assimilar culturas estrangeiras, foram bem recebidos, ou pelo menos, foram abandonados a si mesmos”.

Precisamente como nos últimos dias do Segundo Templo, os judeus que haviam mudado sua religião estavam na liderança da Inquisição. Sabe-se que o avô de Tomás de Torquemada, o “Grande Inquisidor de Espanha” e os principais apoiadores e ativistas na expulsão dos judeus da Espanha também eram judeus.

Judeus Americanos

Um exemplo adicional da assimilação dos judeus e sua rejeição aconteceu na Alemanha antes da Segunda Guerra Mundial e durante a mesma. A partir do século XVI, juntamente com a Renascença, os judeus alemães desfrutavam relativa tranquilidade. Eles não recebiam igual status ou cidadania, mas as autoridades os deixavam gerenciar suas vidas relativamente sem interferência e separados do resto da sociedade alemã. Mesmo que a vida fosse confortável, no momento em que tinham oportunidade, começavam a se misturar e assimilar a cultura alemã, de um modo semelhante ao que ocorreu na Espanha que infligiu desastre sobre eles.

Perto do final do século XVIII, os judeus estavam ansiosos para se tornar parte integrante da sociedade cristã e estavam prontos para fazer tudo para serem aceitos por ela. Os judeus alemães estavam prontos para remover do livro de oração todas as referências aos muitos anos de anseio pela antiga terra natal, a Terra de Israel. Então, o Judaísmo Reformista se tornou um símbolo da prontidão para o comércio em uma antiga tradição em troca da igualdade civil e aceitação social.

Após a consolidação da Reforma do Judaísmo como uma força central da Alemanha, ela se espalhou para uma série de países da Europa Ocidental e para os Estados Unidos. Enquanto na Alemanha, ela foi forçada a se defender constantemente do “establishment” ortodoxo e da interferência do governo, nos Estados Unidos, não houve supervisão do governo sobre a religião e os judeus podiam operar nela como queriam. A Reforma do Judaísmo adotou a terra de oportunidades ilimitadas para se tornar uma força influente e de liderança nas áreas da economia, entretenimento, educação e política no país.

Os judeus se tornaram integrados em todos os cantos da vida pública nos Estados Unidos. Eles controlam os meios de comunicação, determinam a agenda pública e influenciam a opinião da comunidade mundial. Considerando-se o predomínio da cultura americana em todo o mundo, pela primeira vez na história os judeus tomaram posições de partida perfeitas para o papel ao qual foram eleitos, e se quisessem, poderiam liderar o caminho para mudanças significativas que teriam a capacidade de influenciar o mundo inteiro.

Hollywood: Para Cima ou Para Baixo?

A América (EUA) ainda é a maior potência do mundo, e, como tal, dita ao mundo os filmes que são assistidos, a música que ouvimos, a notícia que consumimos, e até mesmo quais sites e redes sociais nós surfamos. O sucesso no mercado americano é considerado sucesso no mundo, e os judeus especificamente americanos, devido ao seu alto status, têm muita responsabilidade em fornecer ao mundo o que ele deve ter, de acordo com o seu papel na humanidade. Caso contrário, o lembrete virá de maneiras desagradáveis ​​….

Só essa semana, nós fomos informados sobre uma série de incidentes preocupantes: uma suástica foi pulverizada em uma porta no dormitório em uma das universidades, outra suástica foi pintada na entrada de um edifício residencial em Manhattan, onde um judeu senador vive, e nas redes sociais transmitem reações racistas e ofensivas aos jornalistas e ativistas judeus. Os antissemitas na América sempre pairam como uma nuvem negra, mesmo antes da eleição do Trump para a presidência, como atestam dados importantes e preocupantes. Um aumento dramático no número de casos de ataques a campi e faculdades nos Estados Unidos foi registrado desde o início do ano.

Além disso, o antissemitismo pode levar a comunidade americana em duas direções possíveis: se aproximar e unir como geralmente acontece em momentos de adversidade, ou pode fazer com que os judeus se distanciem de sua identidade, para assimilar e começar a desenvolver a hostilidade e tornar-se crítico em relação a nação de Israel, em outras palavras, para se tornar-se antissemitas.

Ao longo da história, temos visto que não faz diferença o quanto os judeus tentam se esconder; eles nunca conseguiram se separar da sua identidade. Assim que eles assimilam entre outros povos e cortam os fios que conectam entre eles e seu papel na humanidade, eles merecem uma resposta severa que os dirige para realizar seu destino espiritual.

Não há nenhuma razão para esperar até o próximo evento trágico; estamos na última parada. Mesmo que uma pequena parte dos oito milhões de judeus que vivem nos Estados Unidos se una “como um homem” e comece a irradiar os valores de responsabilidade e mútua conexão sobre os quais o povo judeu se reuniu, a sociedade americana, que está buscando hoje uma nova visão, vai se comportar como ela. O espírito de unidade poderia se espalhar; os judeus seriam uma “luz para as nações” e levariam a uma nova versão do sonho americano.

Do Artigo no Ynet 22/11/16

Comente