Para Onde Que O Programa De Desenvolvimento nos Conduz? Parte 1

Pergunta: Apesar de toda a abundância material que as tecnologias modernas nos fornecem, as pessoas não são mais felizes que antigamente. Muito pelo contrário..

Depressão e estresse estão se tornando cada vez mais generalizados; muitas pessoas estão perdendo todo o sentido na vida, não querem ter filhos ou trabalhar para as aquisições materiais que seus pais valorizaram tanto. O futuro da humanidade está tornando-se pouco claro e nebuloso. Para onde é que o programa de desenvolvimento nos leva?

Resposta: A situação de hoje é maravilhosa, pois a humanidade está começando a perceber que o seu desenvolvimento, impulsionado pelo crescimento do egoísmo e as forças da mente egoísta, coração, pensamento e desejo, está terminando. Ao longo da história, o egoísmo nos empurrou a frente e nos obrigou a desenvolver muitos tipos de ciências e várias tecnologias. De um bastão e roda simples para os dispositivos mais engenhosos e sofisticados.

Chegamos ao espaço exterior e descemos às profundezas do oceano, inventamos computadores poderosos , criamos pinturas requintadas, músicas e outras obras de arte, e torres construídas, com quase um quilômetro de altura. Podemos facilmente navegar ou voar ao redor do mundo.

Um homem pode embarcar em um avião e voar de um continente para outro com facilidade. Parece que, com tais possibilidades ilimitadas, devemos ser capazes de criar uma vida maravilhosa na terra. O desenvolvimento tecnológico moderno nos permite trabalhar apenas um par de horas por dia, ou até menos, para fornecer-nos todas as necessidades.

Ao mesmo tempo, podemos ver que a natureza empurrou-nos em direção a esse desenvolvimento e obrigou-nos a inventar os meios de destruição, todos os tipos de armas. Todas as invenções, eventualmente, estão voltando-se contra nós. É óbvio mesmo na música, pintura, balé, e desporto, que transformou-se, de um jogo, prazer e beleza, em brigas e rivalidades.

Em vez de elevar, religiões estimulam o ódio ao outro, estultificam-nos, e separam-nos. Todas as “realizações” da humanidade, desde as materiais até aquelas aparentemente mais espirituais, não são dirigidas ao benefício do homem.

Isso porque a nossa base é egoísta, má. Apesar das nossas mentes avançadas, sentimentos e talentos que nos permitem desenvolver muitas coisas úteis, em última instância, nós transformamos tudo em detrimento do próximo. É assim que a nossa natureza manifesta-se, e por esta razão é chamada de “inclinação para o mal”.

Por isso, eventualmente, ficamos desiludidos com o nosso desenvolvimento e vemos que a crise alarga-se e aprofunda-se. Por outro lado, esta situação nos mostra o quanto precisamos de mudança. No entanto, não podemos domar nossa natureza. Qualquer inovação na ordem estatal ou social, ou na família, em última análise, parece ser muito pior do que tudo o que havia antes.

Como resultado, nos desesperamos e lançamos nossas mãos ao ar, recusando a fazer qualquer coisa. Não queremos casar e criar filhos. Os governos entendem que não são capazes de comandar seus países e apenas fingem que o fazem. Todo mundo puxa para seu lado, de acordo com a sua visão, e os resultados são evidentes.

Isso significa que temos alcançado o reconhecimento do mal na natureza humana. Neste caso, é melhor sentar e não fazer nada, pelo menos não vamos piorar a situação. É por isso que a humanidade, instintivamente, começou a ficar desapontada e abrandou o seu desenvolvimento. Isto é especialmente sentido na economia e no comércio internacional.

Muitos jovens não têm nenhuma aspiração a ter mais do que o que têm e preferem viver com seus pais, e não sobrecarregar-se com a família e obrigações. Não querem trabalhar e estão prontos para viver com um pequeno subsídio; não desenvolvem-se, e não estão interessados na história, cultura ou arte, não vêem nenhum significado em tudo isso.

Isto é já evidente que tais coisas não trazem realização, pelo contrário, todas as novas invenções trazem reconhecimento ainda mais forte do seu mal.

A geração moderna está decepcionada, sem saber como resolver este problema. Por enquanto, é muito cética e não querem ouvir qualquer conselho. Eles já desesperaram-se de todo o desenvolvimento anterior, mas a dor de sua própria inatividade não é suficiente ainda. Aos poucos, o solo fica cultivado, no qual as sementes de um novo desenvolvimento oferecido pela sabedoria da Cabalá será semeado.

[195107]

Do programa de TV “Uma Nova Vida”, Nº. 767, 6/09/2016

Material Relacionado:

Programa Da Vida, Parte 1

Programa Da Vida, Parte 2

Comente