“A Europa Tomada Pelo Medo Da Implosão”

Laitman_421_01Nas Notícias (Le Monde): “O número dois da Comissão de Bruxelas escreve em seu livro Fraternidade: ‘Esta é a primeira vez na minha experiência consciente de cooperação europeia em que penso que o projeto realmente possa falhar’. Na Itália, onde participou no início de setembro do Fórum Ambrosetti de reflexão sobre a Europa, o holandês Social Democrata, Frans Timmermans, certamente qualificou suas declarações, mas a prova está aí, implacável: a União Europeia (UE) enfrenta tantas crises simultâneas que pode não se recuperar.

“‘A Europa está sob ameaça? Sim, ou pior… Com a crise econômica que persiste, a dos refugiados, do terrorismo, do Brexit, essa catástrofe tem prejudicado a própria ideia do projeto; a situação é sem precedentes’, disse Enrico Letta, ex-primeiro-ministro italiano, agora reitor da escola de Assuntos Internacionais da Sciences Po Paris e presidente do Instituto Jacques Delors. Questionado pelo Le Monde, ele pinta uma conclusão mais sombria ainda: “Meu maior medo é que permaneçamos no status quo. Nós esperamos os resultados das eleições a serem realizadas na Alemanha e na França em particular, e que no final já não exista uma Europa … ‘

“Este especialista [Mario Monti, ex-Comissário Europeu] em política europeia considera que a UE ainda pode sair da rotina? ‘Eu sempre considerei que é por meio de crises que a Europa tem progredido. Mas, pela primeira vez, tive [em 2015] dúvidas sobre o fato de que ainda poderíamos ser benéficos. O que mudou é que o mecanismo está quebrado. As crises parecem gerar energias políticas mais novas, capazes de nos fazer avançar’.

“A preservação dos modelos sociais pode muito bem ser, de qualquer forma, um dos grandes problemas dos próximos anos. ..

“A ambição da Europa, no entanto, também deve ser estratégica, insiste Enrico Letta. Ao enfrentar desafios de migração, terrorismo, desestabilização dos seus vizinhos, ela não pode simplesmente condenar ou limitar os danos. ‘O fato da UE não querer resolver a questão síria é que tirou a Grã-Bretanha da UE, sublinhou ele. O que determinou o comportamento dos eleitores não é a questão da imigração da Europa Oriental, mas as imagens diárias do caos na Grécia, em Lampedusa ou Calais'”.

Meu Comentário: Por um lado, o egoísmo deixa de crescer e nos força a se desenvolver, e, por outro lado, toma a forma de um sistema integral que está conectado, unificado e fechado. Consequentemente, não podemos gerenciar a nós mesmos, a família, a sociedade, o país e o mundo. Essa é a singularidade da crise atual. E isso só pode ser corrigido alterando-se o próprio homem. Nós temos que mudar a nós mesmos, a fim de se assemelhar à rede em que estamos.

Comente