Ynet: “Toda Disputa Não É Uma Luta”

Nós estamos acostumados a ser varridos por confrontos culturais, mas, na realidade, quando as diferenças entre nós continuam a aumentar até um sentimento de ameaça, há um método especial de como manter todas as opiniões, bem como se manter em um objetivo comum acima delas.


Os israelenses gostam de discutir sobre quase tudo. Eles discutem em casa, irrompem no Facebook, e dominam a estrada, e em quase todos os lugares possíveis. Até mesmo o hall dos funcionários públicos eleitos em Israel tornou-se uma arena para as mais proeminentes disputas relatadas. O Knesset israelense é o principal ponto de encontro para a cultura do debate.

No momento em que um “amigo” se levanta e oferece seu discurso, imediatamente o seu “amigo” se levanta contra ele e o contradiz. A crítica construtiva para o debate ou questões iluminando em nossas mentes são bem-vindas, mas grande parte da discussão que encontramos hoje é motivada por interesses estreitas, e não de um desejo de beneficiar a sociedade.

Ostensivamente, a polarização e a divisão na sociedade israelense refletem fracasso, mas a sabedoria da Cabalá afirma que uma sociedade desenvolvida é aquela que sabe como conter os opostos dentro dela, uma ampla gama de opiniões diversas. O pluralismo, as diferenças de opinião e discurso público, mesmo que entre em conflito, são importantes manter e até intensificar, mas acima deles, é necessário construir uma espécie de cola que nos une acima das diferenças, ou no final, vamos nos “devorar” uns aos outros.

É Tudo Meu

A história judaica está entrelaçada com conflitos e oposições entre as diferentes partes da sociedade onde o pico é representado pelo ódio infundado que se desenvolveu entre as pessoas que posteriormente levou à destruição do Templo. Desde então, uma força dominante agiu entre o povo de Israel, conhecida na sabedoria da Cabalá como o egoísmo ou a linha esquerda; quando a usamos apenas em sua forma natural, ela gera ódio e divisão. Nós podemos aprender sobre a intensidade da oposição entre nós do provérbio: “Dois indivíduos seguram uma peça de roupa. Um deles diz: ‘Eu o encontrei’, e o outro diz, ‘eu o encontrei’. Um deles diz: ‘É tudo meu’, e o outro diz: ‘É tudo meu’. Em seguida, um jura que a sua participação nele não é menos da metade, e o outra jura que a sua participação nele não é menos da metade … “, e eles discordam.

No final, a disputa entre os dois, leva à conclusão de que, na verdade, em todas as áreas todos nós agarramos esse xale de oração no mesmo destino comum que nos une. No entanto, para equilibrar a força negativa que faz com que todas as pessoas se preocupem apenas com elas mesmas, é preciso despertar a força positiva que pode nos colar juntos e elevar calor e um sentimento de família, conectando-nos acima de todos os conflitos que nos dividem. Na sabedoria da Cabalá, essa força é chamada de linha direita. Para despertá-la, devemos nos esforçar e conectar entre nós.

A Estrada Dourada

O ponto de partida para a primeira comunicação entre nós é a aspiração comum para o futuro melhor que todos esperam. Um objetivo comum pode desenvolver dentro de nós a disposição de ceder e ouvir os outros. Nós não precisamos admitir nossas posições pessoais ou nossa individualidade. Pelo contrário, à luz do objetivo comum e apesar das diferenças, tentamos criar conexão.

Como resultado disso, um novo ponto de contato é criado entre nós. Esse não é um compromisso ou uma ponte temporária, mas uma linha média que equilibra as duas linhas opostas e as complementa. A questão é semelhante aos casais que discutem entre si, mas têm sempre em mente a relação conjugal ideal que os une. Especificamente, as discussões em curso e o desejo de dominar o outro cria a infraestrutura que ajuda a ascender acima da luta entre eles e cria uma nova conexão.

A Sabedoria da Conexão

Não vamos nos permitir afundar em lutas sociais sem fim que farão com que a nação se deteriore em corrupção terrível e brutalidade. Devemos considerar todos esses casos como um sinal que expressa o imperativo de trazer a paz entre todos os concorrentes.

Está no poder da sabedoria de conexão trazer essa unidade, sem eliminar as diferenças entre nós. A mágica do método é que ele muda a atitude em relação à disputa. De repente, a imagem parece diferente em propósito e assume um novo significado. A oposição é esclarecida como um motivo único que foi criado por nós, para que pudéssemos subir ainda mais acima das diferenças e se conectar em um sistema de relações mutuamente responsáveis.

Se não agirmos, mais cedo ou mais tarde as oposições poderão levar a um curto-circuito social que vão interromper todos os sistemas do país. Para evitar isso de forma proativa, é melhor para nós assumir a responsabilidade e considerar seriamente a criação de um organismo que, intencionalmente, irá orientar e direcionar corretamente todos os cidadãos na nação de Israel, uma espécie de conselho socioeducativo nacional, que regularmente iniciaria processos e eventos sociais para desenvolver o valor da unidade na consciência social. O futuro da sociedade está nas mãos de cada um de nós.

Do Artigo no Ynet 06/04/16

Comente