Psicólogos Contra A Natureza… E A Sabedoria Da Cabalá

Laitman_088Nas Noticias (Slon): “O jornalista de ciência Matthew Hutson descreve em seu artigo, na última edição da Nautilus Publishing, como os cientistas reconheceram que o nosso ‘modo padrão’ – é de preferência altruísmo, não egoísmo. …

“A disposição da pessoa a cooperar com o outro pode ser determinada em um experimento chamado jogo de bens públicos… .

“Depois de analisar dez desses experimentos, em 2012, pesquisadores de Harvard, Martin Novak e Joshua Greene, descobriram que na maioria dos casos, as pessoas mostraram abnegação e evoluíram para um fundo comum, a despeito do risco de ficarem com menos dinheiro (porque você nunca sabe o que o resto dos jogadores vai fazer). …

“O cientista David Rand de Yale demonstra o mesmo princípio que, agindo “com seu coração”, o homem age desinteressadamente. Ele realizou uma meta-análise de mais de cinquenta estudos sobre este tema e confirmou esta conclusão. …

“A experiência, que Rand submeteu os seus heróis virtuais, foi uma aplicação sofisticada do dilema do prisioneiro. …

“Na década de 1980, o cientista político americano Robert Axelrod, envolvido em modelagem baseada em agentes, determinou que a estratégia mais provável de comportamento no jogo, com base no cenário deste dilema, seria o chamado princípio de “você dá a mim, eu lhe digo”. Isto é, tudo vai começar com a cooperação entre os prisioneiros, e todas as rodadas posteriores serão baseadas no comportamento anterior de um deles (se alguém decide trair o outro, este último já não o protege assim como ele não deu um passo a frente). …

“Rand também criou uma população de agentes a olhar para a evolução dos seus comportamentos, com rodadas simples ou múltiplas. No caso de uma única rodada, o agente de sucesso prometia uma traição de seu parceiro; no caso de múltiplas, fazia sentido pensar sobre cooperação de longo prazo com eles. …

“Em uma de suas outras experiências Rand descobriu outra tendência interessante no comportamento humano. Durante esta experiência, os participantes jogaram pela primeira vez no dilema do prisioneiro: um grupo participou de várias rodadas (onde, respectivamente, a cooperação prevaleceu), o outro – em um único (em que a traição aconteceu muitas vezes). Isto foi seguido por jogar “o jogo dos bens públicos” com eles. Descobriu-se que aqueles que estavam no dilema de cooperar com os outros, na segunda parte, investiram no fundo comum de maior quantidade. Acontece que, de acordo com Hutson, as normas do comportamento humano mudaram durante o experimento. Isso mostra que em um mundo onde o padrão de comportamento de “cada um por si” (como, por exemplo, é costume na cultura corporativa americana) é incentivado, é possível mudar a situação. Para começar, você pode, pelo menos, introduzir um sistema de incentivos e cooperação mútua entre os funcionários. O comportamento altruísta fortalece como uma estratégia de comportamento, mesmo em uma situação incerta (por exemplo, quando você não sabe se você pode confiar em seu parceiro completamente), e, como resultado torna-se a nova norma …”.

Meu Comentário: Estas opiniões são completamente contrárias à sabedoria da Cabalá, ao senso comum, e a experiência da humanidade.

Em uma troca de cartas entre Einstein e Freud em 1932, Einstein perguntou a Freud se havia alguma possibilidade de dirigir o desenvolvimento dos seres humanos, de tal forma que os fariam serem mais resistentes a psicoses de ódio e destruição?

Parte da resposta de Freud para Einstein era “O organismo preserva a sua própria vida, por assim dizer, pela destruição de um estranho. … Para nosso propósito imediato, então, isto deve seguir do que foi dito: não há nenhum uso na tentativa de nos livrarmos das inclinações agressivas dos homens. Somos informados de que em certas regiões felizes da terra, onde a natureza oferece em abundância tudo o que o homem exige, existem raças cuja vida é passada em tranqüilidade e que não conhecem nem coerção, nem agressão. Mal posso acreditar nisto e eu deveria estar contente de ouvir mais desses seres afortunados.”…

“Tudo o que incentiva o crescimento de laços emocionais entre homens deve operar contra a guerra. Estes laços podem ser de dois tipos. Em primeiro lugar eles podem ser relações semelhantes às em direção a um objeto amado, embora sem ter um objetivo sexual. Não há necessidade de psicanálise, ter vergonha de falar de amor a este propósito, pois a religião em si usa as mesmas palavras: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”. Isso, no entanto, é mais fácil de dizer do que fazer”.

Freud acrescentou: “As guerras só serão impedidas com certeza se a humanidade unir-se na criação de uma autoridade central para a qual o direito de pronunciar-se sobre todos os conflitos de interesse deve ser entregue. … (S. Freud, “Por que Guerra”)

Comente