Nova Vida # 700 – Costumes Do Shabat

Nova Vida # 700 – Costumes Do Shabat
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Yael Leshed-Harel

Resumo

O homem pertence ao mundo animal e a diferença entre ele e os animais é o desejo de saber para que ele está vivendo. Abraão ensinou que a pergunta sobre o sentido da vida leva uma pessoa à revelação da força superior. Para descobrir o mundo superior, temos que corrigir a inclinação ao mal em nós, o nosso ego.

As velas do Shabat simbolizam a Luz que vem até nós como resultado das correções que realizamos nos seis dias da semana.

Nós temos que nos assemelhar à força superior e nos tornar amorosos e dar de acordo com o plano da criação. Abraão descobriu que há uma força especial na natureza que pode nos ajudar a cumprir essa missão, que é a força da Luz, a força do amor e da doação. Portanto, nós podemos acender duas velas, que simbolizam os dois tipos de Luzz: a Luz da correção das diferentes partes do ego e a Luz de preenchimento.

Quando acendemos as velas de Shabat devemos pensar em ficar mais perto do amor ao próximo. Quando o desejo egoísta é corrigido, é chamado de uma alma e opera com a intenção de amor e doação para o Criador.

Por que é a mulher que acende as velas, por que cobrimos os olhos, e por que abençoamos? Estes costumes derivam de raízes espirituais que simbolizam as correções que temos que realizar. O vinho simboliza a Luz de Hochma e o pão simboliza a Luz de Hassadim.

Quando cantamos a música “Bem-vindos, Anjos da Paz”, cantamos sobre as forças que corrigem o desejo de receber em doar. Estas forças que corrigem transformam a pessoa em uma pessoa amorosa que doa aos outros e, assim, ela descobre o mundo superior. “Oneg Shabat” (o prazer do sábado) simboliza a grande Luz que uma pessoa que tenha corrigido o seu ego recebe no estado espiritual chamado de “Shabat”.

De KabTV “Nova Vida # 700 – Os Costumes do Shabat”, 08/03/16

Comente