Ynet: “É Assim Que O Novo Livro Da Cidadania Deve Parecer”

Na minha coluna no Ynet, É Assim Que o Novo Livro da Cidadania Deve Parecer

Poucos o leram, mas todo mundo está discutindo sobre o seu conteúdo. A discussão sobre o novo livro da cidadania não é uma discussão sobre a verdade, mas sobre como controlar a capacidade de influenciar o caráter da nação de Israel: judaico, democrático, binacional, religioso, temporal ou desprovido de indicadores externos?

O debate acalorado sobre os novos livros de ensino cívicos é importante. É um debate fundamental sobre o caráter da nação, como o dever de todo cidadão israelense de participar.

A cidadania é um campo fundamental e controverso, em particular quando se fala de reescrever um livro cujo objetivo é incutir valores para a próxima geração. Se fôssemos tentar definir o conceito da nação de Israel, teríamos uma ampla gama de respostas que poderíamos ser forçados a escrever um livro de cidadania para cada indivíduo.

Nos últimos 26 anos, 17 ministros da educação têm servido em Israel! Numa altura em que o mundo se encontra no meio de uma crise global multifacetada e considerando o estado geral de incerteza, seria adequado basear nossos pontos de vista em uma base sólida e imutável como as leis da natureza.

Eu sugiro a abertura do primeiro capítulo do livro da cidadania para os cidadãos da nação de Israel com a história do povo de Israel. Comecem explicando as nossas raízes, a maneira pela qual o povo se desenvolveu ao longo dos anos, enfatizando o papel do povo de Israel e de como realizá-lo. Para ser cidadãos de Israel, primeiro devemos reconhecer nossas raízes.

A História do Povo de Israel

Cerca de 4.000 anos atrás, uma grande e desenvolvida civilização floresceu na Babilônia. Uma de suas características era uma conexão fortemente sentida a um destino comum que era sentido por seus cidadãos. No entanto, mesmo entre os habitantes da comunidade da Babilônia, um grande ego, o poder de separação, foi crescendo, trazendo a ruptura das relações e os fenômenos de exploração, abuso e ódio aos outros (1).

As relações se deterioraram e levaram a um beco sem saída. Em busca de uma fuga, os Babilônios voltaram-se para Abraão, um conhecido sábio Babilônico. A essência de seus ensinamentos definidos diante deles foi: “Afastamento e separação não vão resolver o problema. A fim de escapar da crise, compete a vocês lutar constantemente pela unidade, visto que como estudantes, você e eu estamos constantemente fazendo e vendo a bênção de nosso trabalho. “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Levítico 19:18) é a lei fundamental, a base de todo o sistema de relações. É verdade que isso é difícil, pois o ego nos divide e separa, mas no momento em que tentarmos superar o que nos separa e nos conectarmos, estes esforços irão atrair a influência positiva das forças ocultas na natureza.

Quando Abraão começou a disseminar o método de conexão, ele reuniu um grupo de milhares de estudantes, que se chamavam Israel, Yashar-El (direto ao Criador), pois seu desejo era descobrir El (o Criador), o poder da unidade na natureza. Os Babilônios que não estavam interessados ​​em participar disso se espalharam por toda parte, e eles são considerados os ancestrais dos diversos povos a partir dos quais toda a humanidade se desenvolveu (2).

Com a saída do povo de Israel da Babilônia, eles conheceram um período positivo e harmonioso durante cerca de 2.000 anos. A unidade era um valor supremo, e o Beit HaMikdash (Templo) que foi construído era um dos símbolos disso. Com o fim deste período, o egoísmo entrou em erupção novamente e trouxe uma separação mais profunda. O mesmo grupo fundado pelos estudantes de Abraão falhou e não teve sucesso na manutenção da unidade. A legalidade, segundo a qual a atitude egoísta e a separação foram reveladas entre o povo de Israel, conduziu à destruição e foi preservada neste momento. O Beit HaMikdash foi destruído, e o povo de Israel entrou em um exílio de 2.000 anos.

Desde o período da destruição do Templo, a conexão entre nós se desintegrou (3). Cada divisão criada ao longo dos anos, se acumulou e foi adicionou à falta de reciprocidade que temos experimentado até hoje. Seguidores e adversários, Asquenazes e Sefarditas, e até mesmo Judeus e Árabes: todos estão certos. No entanto, trabalhar com os erros do passado ou quem está certo não leva a nada. Em vez de tentar reescrever a história de acordo com uma narrativa particular e estreita, compete a nós abrir uma nova página compartilhada, clara de negócios inacabados.

Israel como o Centro Espiritual do Mundo

A unidade é a rocha mais sólida a qual podemos nos agarrar, e deve servir como uma lei. A lei da conexão, a mesma lei da natureza que Abraão descobriu, é o fundamento da sabedoria de conexão, que é a sabedoria da Cabalá (4). Os Cabalistas são aquelas pessoas que conseguiram perceber as leis da realidade que são derivadas de dentro da natureza. “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” é a base para o legado da conexão que foi nos foi dada como herança, sabendo que uma vida harmoniosa vai nos levar a viver de acordo com a natureza.

Na verdade, além dessa herança espiritual, não temos muito mais. A nação de Israel de nossos dias é uma coleção de tribos ou facções que habitam o mesmo pedaço de terra. Elas estão muito longe do papel que lhes foi atribuído: uma nação cujo papel é dar o exemplo e levar a humanidade à conexão, paz, prosperidade e igualdade absoluta entre todos (5).

O grupo de Abraão daquele tempo deveria se tornar um tipo de centro espiritual mundial aberto a qualquer um que estivesse pronto para se conectar com outros de acordo com a regra geral, “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”. Caso contrário, de acordo com os escritos dos Cabalistas, não temos o direito de existir aqui. Além disso, quando percebermos a nossa missão original, a ideia espiritual vai se espalhar por todo o mundo (6).

E as Minorias?

Nenhuma pessoa, minoria, grupo, religião ou seita tem um monopólio sobre as leis da natureza. Já na antiga Babilônia, o povo de Israel incluía várias tribos. De acordo com esse princípio, mesmo em nossos dias, há um lugar para cada minoria viver na terra de Israel, contanto que aceite as condições básicas: o valor da conexão entre as pessoas será coroado como o valor supremo. Drusos, Circassianos, Armênios, Muçulmanos e Cristãos, sem qualquer diferença, são parte de Israel. Mesmo os migrantes do exterior podem fazer isso desde que aceitem a realização da lei de conexão em si mesmos.

Na realidade, onde tudo se desenvolve a partir de uma conexão entre as pessoas, até mesmo o conjunto de leis que promulgamos no passado será revestido de uma nova forma no futuro. A Lei do Retorno, que concede a todos os Judeus o direito de imigrar para Israel poderia mudar seu caráter. Hoje, ela serve principalmente à finalidade básica que esteve diante dos olhos dos legisladores, mantendo a segurança da nação de Israel. Na nova situação descrita aqui, não haverá nenhum problema na absorção de uma pessoa, desde que ela se torne Israel, Yashar-El. Em outras palavras, ela terá como objetivo a descoberta da lei da unidade na natureza.

Unidade como uma Lei da Natureza, Independentemente da Nacionalidade, Raça ou Religião

Neste espírito, a edição revisada do livro da cidadania para uma sociedade que já está envolvida com a conexão seria baseada na mensagem de que a nação que existe aqui estará livre de qualquer identidade religiosa, de pertencer a qualquer nacionalidade ou qualquer outra característica. Todos os cidadãos que viverem nessa nação de princípios serão iguais com o resto dos cidadãos.

A ideia espiritual está acima de diferenças nacionais, percepção, origem, condição socioeconômica, ou qualquer outro fator de divisão. Os cidadãos serão capazes de manter qualquer visão religiosa que eles gostem e manter seus costumes de acordo com a cultura religiosa que têm como base, mas a religião deve ser separada da nação. Ninguém vai impor a seu companheiro que costumes ele deve ou não manter. Acima de todos os vários costumes, crenças e hábitos, será um mundo completo de valores derivados da lei da natureza que gere a realidade, a lei da conexão (7).

Esse processo leva tempo. Até o momento todos nós vivemos desse modo, os pioneiros encarregados de começar com a Mitzvah (mandamento) de estabelecer um modelo de sociedade são os descendentes de Abraão, o único grupo de Judeus que anteriormente implementou tal sistema de relações. Além disso, enquanto os Judeus permanecerem longe de realizar o seu papel, uma sensação natural de ódio contra o povo de Israel será despertada inconscientemente entre os líderes nacionais do mundo. O aparecimento do antissemitismo, que continua a aumentar no mundo, indica a necessidade de percebermos o nosso papel de construção de um modelo de sociedade aqui e ser “uma luz para as nações”. Essa é a ordem do dia (8).

Um Modelo Internacional Exemplar

Isso é visionário? Utópico? Na verdade, não. É um programa educacional que devemos implementar imediatamente. De acordo com a sabedoria da Cabalá, nós estamos vivendo em um momento especial, e a janela de oportunidades que nos foi dada está se fechando. Para traduzir essas ideias espirituais de forma eficaz, é necessário lançar um processo socioeducativo expansivo. O processo começará com a implantação da ideia de conexão como um valor supremo, acima de todas as diferenças entre nós.

O conceito de cidadania geralmente se refere a pessoas que moram em um lugar definido. No entanto, na era global, nós precisamos redefinir e remodelar o sistema de relações entre nós, separando limites físicos, de modo que depois de perceber o processo entre os descendentes de Abraão e o estabelecimento de um modelo de sociedade aqui, será possível e necessário alargar o conceito de cidadania para todo o mundo.

Aqui, também, eu gostaria de sugerir a continuação do caminho do nosso antepassado Abraão e o caminho dos grandes Cabalistas, e estimular um discurso público em todo o mundo sobre a lei da conexão. Para isso, será importante aproveitar os meios de comunicação internacionais e os outros meios de comunicação, incluindo redes sociais, e também unir forças com organizações internacionais educacionais e sociais que são hostis a nós hoje, tais como Nações Unidas, UNESCO e o Parlamento Europeu. A ideia é simples: juntos podemos espalhar a mensagem para o mundo de que temos que viver juntos como uma única família global (9).

O primeiro passo nós devemos dar aqui em Israel. Aqui nós precisamos desenvolver sistemas sociais baseados em um espírito de unidade, começando com as diversas instituições de ensino, para a construção de uma vida em comunidade saudável e treinamento nos locais de trabalho. O mundo vai continuar a se comportar como de costume. Cada pessoa vai continuar a sua vida privada, mas junto com isso, temos que trabalhar para a conexão entre nós e ver em cada falha uma oportunidade maravilhosa de Arvut (garantia mútua) e aprofundamento da conexão (10). Depois nós aplicamos até mesmo um pouco disto e podemos avançar para partilhar a escrita do próximo capítulo no livro cidadania comum de nossas vidas.

Referências:

1. “Abraham ben Tera passou e os viu a construir a cidade e a torre, e ele os amaldiçoou em nome de Deus. Cada pessoa queria falar na língua de seu amigo e eles não reconheceram a língua do outro. O que eles fizeram é que cada um deles pegou sua espada e lutaram entre si até a morte. Então, metade do mundo caiu lá pela espada. “Pirkei de rabino Eliezer, Capítulo 24.

2. “A intenção da criação era que eles seriam todos uma associação a fazer a vontade do Criador. Está escrito que Adam HaRishon (O Primeiro Homem) disse a todas as criaturas, ‘Vamos curvar-nos e submeter-nos ao Criador “; mas devido ao pecado, este conceito foi arruinado até mesmo no melhor deles nessas gerações não tinham possibilidade de se reunir para servir ao Criador e permaneceram indivíduos isolados. A correção começou na geração da dispersão, quando uma separação foi feita na espécie humana. A correção que começou era que havia uma reunião e associação de pessoas para servir ao Criador que começou com o nosso patriarca Abraão, a paz esteja com ele e seus descendentes, quando em uma comunidade se reuniram para servir ao Criador. Nosso pai Abraão saiu chamando em nome do Criador, até que uma grande comunidade se reuniu em torno dele que se tornou conhecida como a Casa de Abraão. E isso cresceu até se tornar a comunidade de Israel. A conclusão da correção será no futuro, quando todos vão formar uma única associação de todo o coração a fazer a vontade do Criador. “Shem MiShmuel, Parshat Ha’azinu.

“Aquele que deseja ir pelo caminho do Criador é chamado Yashar-El, que é considerado Yashar [direto] Lael [a Deus], ​​o que significa que ele quer que tudo o que faz suba direto para o Criador, e não deseja ter uma outra finalidade. “Rav Baruch Shalom Halevi Ashlag (Rabash), Os Degraus da Escada, artigo, “Aquele que Fortalece o Coração”.

3. “Em Israel está o segredo para a unidade do mundo.” Rav Avraham Yitzhak HaCohen Kook (a Raiah), Orot hakodesh (Luzes de Santidade), Vol. 2, p. 415.

“Ódio infundado existia no Segundo Templo, porque houve uma falta de companheirismo em Israel.” Shem MiShmuel, Parshat MiKetz.

“Mas o Segundo Templo foi arruinado pelo ódio infundado, que revoga a sua unidade, que era a sua virture no Segundo Templo.” O rabino Yisrael Segal, Netzach Yisrael (o poder de Israel), Capítulo 4.

“Quando a unidade foi removida, isso causou ódio infundado, o que enfraqueceu a parede ao redor de Israel para que os gregos tivessem o poder de quebrar através das paredes de Israel.” Shem MiShmuel, Parshat MiKetz.

4. “Nunca houve tal benevolência como houve com Abraão … ele trouxe a paz entre uma pessoa e seu companheiro, pois afinal de contas, ele era o pai de muitas nações. Devido a isso, ele uniu e fez a paz entre todas as criaturas. “Gevurot Senhor, Capítulo 6.

” ‘E amarás o teu amigo como a ti mesmo’. Você deve fazer tudo para seus irmãos o que você quer que eles façam para você … Esta é a lei que o nosso pai Abraão legislou, e a forma de bondade, segundo a qual ele agiu. “Rambam, Mishneh Torah, Sefer Shofetim, Hilchot Evel, capítulo 14.

“Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Levítico 19:18) é o mandamento supremo do Judaísmo. A doutrina humana eterna do Judaísmo cristaliza-se de acordo com estas palavras, e todos os livros sobre ética no mundo não pode dizer mais do que isso. “David ben Gurion, A Revolução Espiritual.

“Israel é como um único corpo e todo o Israel estão unidos uns com os outros.” Shem MiShmuel, Parshat Matot.

“Fomos ordenados em cada geração a fortalecer a unidade entre nós.” Sefer HaToda’ah, Capítulo 16.

5. “Israel – A essência do mundo e sua existência”. Ma’arechet HaElokut, Capítulo Dez, “The Gate of Man”.

“Os filhos de Israel tornaram-se fiadores para a correção de todo o mundo com o poder da Torá, pois tudo depende dos filhos de Israel. Quando eles se corrigirem, eles vão chamar a toda a criação depois deles. “” Sfat Emet, “Sefer Shemot, Parshat Yitro.

“De Israel, a santidade se espalha para todo o mundo.” Zohar para o povo, parashá Emor, seção 92.

“… É sobre a nação de Israel para qualificar-se e todas as pessoas do mundo … para desenvolver até que eles tomam sobre si que o trabalho sublime do amor dos outros, que é a escada para o propósito da Criação, que é Dvekut com Ele . “Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam),” Arvut (Garantia Mútua), “item 20).

6. A comunidade de Israel é a essência de toda a existência, e neste mundo esta essência é muito influenciada pela nação Israelita material e espiritualmente, através de sua prole e fé. E a história de Israel é o resumo ideal da história em geral. Não há nenhum movimento no mundo, entre todos os povos, que não encontra o seu exemplo, em Israel. A sua fé é o resumo, a descarga e a origem que influencia o melhor e os ideais de todos os credos … trazendo-os para o nível de uma linguagem clara, chamando-o em nome do Criador. “Rabbi Avraham Yitzhak HaCohen Kook,” Ohrot “item 138.

“Nossos sábios disseram sobre o motivo das palavras: Portanto, a bênção da paz em todo o mundo precede a força, o que significa a redenção, porque” Deus não encontrou um vaso para conter a bênção para Israel, exceto a paz. “Assim, como desde que o amor-próprio e do egoísmo existe entre as nações, Israel, também, não será capaz de servir o Criador na pureza, como doação, como está escrito na explicação das palavras: “e vós sereis para mim um reino de padres “, no ensaio,” a Arvut. “e vemos que a partir da experiência, para a vinda à terra e a construção do Templo não poderia persistir e receber as bênçãos que Deus jurou a nossos pais.

E é por isso que eles disseram, ‘Deus não encontrou um vaso para conter a bênção “, que significa, até agora, Israel não tinha um vaso para conter a bênção dos pais. Portanto, o juramento que podemos herdar a terra por toda a eternidade ainda não foi cumprido, porque a paz mundial é o único vaso que nos capacita a receber a bênção dos pais, como na profecia de Isaías. “Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam), “A Paz”.

“Quando os filhos de Israel são complementados com o conhecimento completo, as fontes de inteligência e conhecimento fluirão para além das fronteiras de Israel e água todas as nações do mundo …” Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam), “Introdução ao Livro, panim Meirot uMasbirot “, seção 4.

7. “A forma religiosa de todas as nações deve primeiro obrigar os seus membros à doação uns sobre os outros na medida em que (a vida de um amigo virá antes da própria vida), como em” Ama teu amigo como a ti mesmo. “Uma vontade não ter prazer em sociedade mais do que um amigo para trás. Esta será a religião coletiva de todas as nações que virão dentro deste quadro. No entanto, além disso, cada nação pode seguir a sua própria religião e tradição, e uma não deve interferir na outra. “Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam),” Escritos de última geração.

8. “toda a comoção no mundo … essencialmente vem apenas para Israel. Eles agora estão nos chamando para um grande e sagrado papel, cumprindo voluntariamente e conscientemente, para construir-nos em conjunto com todo o mundo arruinado. “Rav Avraham Yitzhak HaCohen Kook,” Igeret Haraiah “, seção 2, página 324.

9. “O objetivo de Israel é a de unir o mundo inteiro em uma única família.” Rav Avraham Yitzhak HaCohen Kook, “Sussurre para mim o Segredo da Existência.”

10. “Em primeiro lugar, deve haver um pequeno estabelecimento cuja maioria são altruistas na medida acima mencionada. Isso significa que eles vão trabalhar tão diligentemente quanto do contrato de trabalho, de dez a doze horas por dia e mais. Todos e cada um irá trabalhar de acordo com sua força e receber de acordo com suas necessidades. Ele terá todas as formas do governo de um estado. Desta forma, mesmo que o quadro desta instituição contém o mundo inteiro, e que o governo de força bruta será revogado completamente, nada precisará ser alterado no governo ou no trabalho. Esta instituição será como um ponto focal global com nações e estados vizinhos para os cantos mais remotos do mundo. Todos os que entram neste quadro do comunismo terão a mesma ordem do dia e a mesma liderança como o centro. Eles serão como uma só nação nos lucros, perdas e resultados. “Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam),” Escritos da Última Geração “.

“Certamente não é necessário um certificado de Israel para estar com o Criador, para aperfeiçoar a forma da espécie humana, para manter a sua personagem e para elevá-la. E uma vez que o nosso certificado é um certificado que existe e está acompanhando o certificado da totalidade da natureza, cuja lei inclui tudo o que existe, certamente cabe a nós mantê-lo por toda a nossa vida e para toda a espécie humana e seu desenvolvimento moral de cujo destino depende o destino de nossa realidade. E, sem dúvida, a ascensão de seu desenvolvimento depende também da elevação de todo o nosso povo de acordo com nosso poder nacional geral. “Rav Avraham Hacohen Yitzhak Kook,” O Certificado de Israel e sua Nacionalidade. “

Comente