O Mundo É O Que Nós Atingimos

laitman_926_02O Padrão Pelo Qual Se Avalia A Sabedoria

O valor de qualquer sabedoria no mundo está de acordo com a propósito que ela produz. Esse é o objetivo para o qual todos os escrutínios apontam. Portanto, uma sabedoria sem nenhum propósito é inconcebível, exceto para crianças que jogam, uma vez que para passar o tempo elas vêm e este é o seu propósito, de acordo com o seu valor. Por essa razão, a sabedoria não é avaliada pelo entusiasmo e competência, mas de acordo com o mérito do propósito que ela produz.

Assim, você descobre que qualquer sabedoria externa é apenas para o propósito da corporalidade, que certamente vai desaparecer hoje ou amanhã. Nesse caso, basta que o sujeito seja como o predicado.

Embora a sabedoria tenha muitas vantagens sobre estes assuntos, pois o que quer que seja, não deixa de ser um elemento espiritual, mas já dissemos que ela é avaliada pelo propósito, que é a sua persistência para a eternidade. E se o propósito é transitório e fugaz, ela está perdida junto com ele.
(Baal HaSulam, “A Sabedoria de Israel Comparada com as Sabedorias Externas”)

Naturalmente, o nosso universo com suas leis, que nos parecem inabaláveis, tem seu começo e seu fim. Há um começo, meio e fim, e depois declínio, redução e extinção no desenvolvimento de qualquer sistema dinâmico.

Portanto, hoje nós vemos que as leis que estudamos e consideramos ser absolutas só existem no âmbito dos nossos sentidos e só no que diz respeito a nós. Se nossos sentidos fossem diferentes, poderíamos atingir leis e conexões totalmente diferentes.

Pergunta: Será que isso significa que você tem que mudar internamente para se tornar um físico? Eu estudo e exploro a forma como o mundo ao meu redor muda e crio os instrumentos necessários.

Resposta: Em geral, quando eu estudo algo em qualquer campo eu posso congelar um determinado parâmetro e continuar estudando com um parâmetro fixo.

É o mesmo aqui quando estamos inconscientemente congelados em nossos sentidos egoístas e os utilizamos para explorar o mundo. Portanto, parece-nos que não há nada, exceto o mundo que vemos, mas esquecemos que percebemos tudo através de nossos sentidos, que são inicialmente fixados pela natureza.

Se pudéssemos mudá-los, uma ciência totalmente diferente surgiria com base em nossos novos sentidos. Essa variável muda drasticamente todas as leis na medida em que elas mudam de leis absolutas para leis relativas. Acontece que em todos os níveis e em cada mudança interna uma ciência totalmente diferente é criada, um estado diferente, um mundo diferente. Isso é o que a pessoa alcança.

De acordo com a sabedoria da Cabalá, quando uma pessoa começa a mudar 125 tipos fixos de mudanças aparecem nela e, consequentemente, 125 mundos, 125 níveis ou profundidades de realização, ou seja, 125 tipos de ciência.

Mas quando você atinge o nível mais elevado todas as suas realizações anteriores se fundem em um único conjunto que se chama o mundo do Ein Sof (Infinito). Nós não podemos entender isso ainda, porque provavelmente passamos por uma transição especial lá. Esta transição é ainda inatingível para nós.

Da Lição de Cabalá em Russo 28/02/1

Comente