Nova Vida # 540 – Cultura Judaica: Éramos Escravos?

Nova Vida # 540 – Cultura Judaica: Éramos Escravos?
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Yael Leshed-Harel

Por que estamos em um estado de escravidão hoje como se estivéssemos no antigo Egito? Como podemos romper com o domínio do Faraó? Como será a vida da nação de Israel quando eles realmente se tornarem uma nação livre na sua terra?

Resumo

Israel está dividido e despedaçado e o ego está em festa. Esta é a escravidão no Egito, mas não estamos cientes disso.

Ser escravo é o estado mais avançado no qual a pessoa já reconhece o domínio do ego sobre ela.

A sabedoria da Cabalá nos ensina que a natureza do homem é intencionalmente má para que ele gradualmente comece a conhecê-la e a diferenciar-se dela.

A primeira desconexão do ego é chamada de êxodo do Egito. Então, durante a contagem de Omer (os dias entre a Páscoa e Shavuot) nós nos corrigimos. É como um inventário interno onde eu localizo todas as inclinações egoístas em mim e as corrijo

Nesse caso, toda a história da Páscoa é sobre a correção das relações entre as pessoas. Vamos sentir o nível superior da nossa existência nas relações amorosas entre nós e nos fundirmos com a eternidade e plenitude.

É costume se usar um novo conjunto de pratos na Páscoa; isso simboliza um novo conjunto de relações entre eu e os outros

O Seder descreve a sequência de ações que uma pessoa deve executar para sair de seu ego, sua inclinação ao mal. A sabedoria da Cabalá fala muito sobre o ego porque ele é a nossa natureza. O egoísmo significa uma atitude negativa para com os outros, usar os outros e tirar proveito deles.

O prato do Seder de Pessach (Páscoa Judaica) simboliza diferentes forças que atuam e nos levam ao Egito e nos tiram de lá. Vamos examinar a nós mesmos e descobrir que o ego nos domina e nos arruína, e concordar em fugir dele.

De KabTV “Nova Vida # 540 – Cultura Judaica: Éramos Escravos?” 24/03/15

Comente