Textos arquivados em ''

Nos Braços Do Criador

laitman_527_03Pergunta: Qual é a coisa certa a fazer quando recebemos golpes? Cada estado é diferente. Portanto, como eu posso entender o que o Criador quer de mim?

Resposta: O Criador quer apenas uma coisa de você: que continue se aproximando Dele, seja individualmente, se não houver outra opção no momento, ou em conjunto com o grupo. O Criador abriu intencionalmente Seus braços para você e lhe enviou golpes para que, ao se sentir assustado, você corra para Ele.

Mas, no momento em que a sua adesão a Ele fica mais fraca, como uma criança inicialmente aderida a sua mãe quer romper com ela, novas perturbações vêm imediatamente junto e lhe dam a oportunidade de se aderir ao Criador.

Essa é a forma como devemos olhar para toda a nossa vida! Se você tentar se aproximar do Criador, alterando a sua natureza antes dos golpes chegar, não vai sentir qualquer dor ou problemas e simplesmente vai sentir que está se banhando na Luz Superior! Todos os sofrimentos resultam da falta de conexão entre nós e a falta da sensação do Criador.

No momento em que nós O sentirmos na conexão correta entre nós, todos os sofrimentos vão desaparecer e todo o mundo será preenchido com bondade.

Pergunta: O que significa se aproximar do Criador?

Resposta: Aproximar-se do Criador é se adaptar aos Seus atributos, que são as qualidades de amor absoluto e doação.

Da Lição de Cabalá em Russo 14/02/16

A França Prefere Refugiados Muçulmanos

Laitman_049_02Comentário: A França é uma nação cristã e católica, mas aceita principalmente refugiados muçulmanos, enquanto os refugiados cristãos que se encontram no meio da multidão na fronteira do Iraque buscando entrar na França são recusados.

O jornal Figaro realizou um estudo e descobriu que a ala esquerda do Partido Socialista não quer parecer como se a França preferisse os cristãos.

Resposta: A humanidade corrigida deve considerar todos de forma totalmente igual, mas isso não está acontecendo em nenhum lugar do mundo. Uma nação cristã, católica, ou protestante deve, em primeiro lugar, assimilar os cristãos que estão sofrendo no Oriente Médio antes deles serem mortos. Seu número não é tão grande.

Comentário: Eles estão matando inúmeras famílias iáziges que fugiram de Mossul.

Resposta: Os muçulmanos estão intencionalmente matando os cristãos; por isso, eles devem ser assimilados em primeiro lugar.

Comentário: Eles estão sentados no Iraque à espera de vistos de saída, mas não estão recebendo-os. Em vez disso, as autoridades realizam testes rigorosos e exigem provas da vulnerabilidade de sua posição.

Resposta: Por enquanto eles estão aceitando extremistas muçulmanos de direita.

Comentário: O jornal Figaro pergunta: “Por que uma grande nação, tal como a França, que concordou em aceitar trinta mil refugiados sírios de acordo com a quota alemã, se recusar a levar os cristãos?”

Resposta: Eles querem se retratar como liberais, mas, por enquanto, os cristãos estão sendo mortos. Como é possível compreender o mundo de hoje? As pessoas estão jogando um jogo de duas caras: embora eu seja assim por dentro, por fora eu preciso olhar de outra forma. Esse é um paradoxo muito interessante, eu vou aceitar aqueles que estão matando e aqueles a quem eles estão matando vou deixar para trás.

Portanto, não temos nada com que se indignar que entre os judeus que vivem na diáspora, a mesma coisa acontece. Eles são contra Israel e em prol da nação deixar de existir, que o povo de Israel se dissolvesse completamente entre os outros povos, para que nenhuma memória deles permaneça.

Acredita-se que dentro de apenas uma ou duas gerações os judeus americanos vão simplesmente “morrer”, ou seja, se tornar completamente assimilados entre os americanos.

É mais correto dizer que especificamente dentro de uma ou duas gerações vamos sentir golpes muito sérios nos Estados Unidos e entre os judeus americanos, quando o Criador vai devolvê-los à sua raiz com a ajuda de uma força brutal.

Isso será revelado na forma de um holocausto ou problemas maiores. Os judeus vão começar a voltar às suas raízes, porque não vão ter para onde fugir.

Aqueles que rejeitam Israel e estão desconectados dele estão decretando para si muito grandes golpes, e seu retorno para a terra vai acontecer através de uma fonte intratável. Isso é mencionado na Torá: ” Mesmo que tenham sido levados para a terra mais distante debaixo do céu, de lá o Senhor, o seu Deus, os reunirá e os trará de volta” (Deuteronômio 30:4).

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 10/04/16

Os Benefícios Do Estresse

Laitman_182_02Comentário: Uma pesquisa sobre o estresse se tornou muito popular hoje. Cientistas da Universidade de Wisconsin seguiram 30.000 pessoas por oito anos e descobriram que o estresse aumenta a taxa de mortalidade em 43%, mas somente quando a pessoa acredita que o estresse é prejudicial ao seu corpo.

Contatou-se que a maioria dos indivíduos tinha vasos sanguíneos estreitos, mas naqueles que foram informados que o estresse era um resultado benéfico da ameaça, os vasos sanguíneos se relaxaram e tudo estava em ordem.

Os cientistas chegaram a uma conclusão interessante: se durante situações estressantes você decide se juntar a outras pessoas, recebe a decisão de se unir com outras pessoas, então você cria uma defesa sólida contra influências externas.

Resposta: É claro, isso é natural.

Comentário: Ao mesmo tempo, o estresse mata um grande número de pessoas.

Resposta: As pessoas morrem de estresse porque não sabem como usá-lo corretamente. Afinal, mesmo em animais, uma reação protetora natural ao estresse é se unir, não se separar. As pessoas, pelo contrário, se afastam, entram em si mesmas, se mantêm longe umas das outras.

Ao mesmo tempo, as coisas se tornam ainda mais restritas, não só os vasos sanguíneos, mas também a capacidade de pensar e de tomar decisões corretas. As pessoas se retiram para dentro de si mesmas, se fecham, embora devesse ser exatamente o oposto.

O nosso problema é que nós usamos incorretamente os dados iniciais. Nós temos que estar conectados uns com os outros. E quanto mais sentimos uma repulsa mútua entre nós, mais precisamos nos envolver em atração mútua.

É sobre essa atitude perante a vida que a sabedoria da Cabalá fala.

Comentário: No estado de estresse, a pessoa começa a trabalhar mais no “eu”. Ela diz, “Eu estou sofrendo, eu me sinto mal”. Ela procura um nicho para se esconder, ou pode tentar suportar o estresse.

Resposta: Isso vem da organização incorreta da sociedade. Nós não estamos preparados para o fato de que agora, chovendo sobre nós, está o estresse, a depressão, os problemas com a nossa atitude para com o mundo, a vida, consigo, a casa, etc.

Nós fugimos dos problemas, não queremos criar uma família, não queremos ter filhos, não estamos interessados ​​em amigos, em ninguém, e nos sentamos sozinhos na frente do computador. A atenção constante de uma pessoa em seu smartphone é uma medida da depressão do homem. As pessoas não querem interagir entre si. Esse é um problema terrível.

Pergunta: Será que essas pressões são dadas a nós de propósito para que comecemos a se conectar com os outros?

Resposta: Sim, é claro, a questão vai chegar a um fim, seja pelo caminho do bem ou pelo caminho do sofrimento. Isso pode levar a humanidade a uma grande guerra ou as pessoas vão entender que devem se unir e se adaptar à sabedoria da unidade, a sabedoria da Cabalá, porque muito rapidamente se tornará evidente que todos os outros meios não ajudam.

De KabTV “Notícias de com Michael Laitman” 16/04/16

O Efeito Dos Livros Cabalísticos

Laitman_165Pergunta: Como devemos usar o poder dos livros Cabalísticos?

Resposta: Não há nenhuma força especial no livro em si. O poder está na pessoa que se conecta ao que está escrito no livro e tenta alcançar a essência interna, o nível espiritual, que as letras e as palavras nos livros Cabalísticos representam.

Por exemplo, pegue duas palavras: “bife” e “Malchut”. Nós sabemos o que é um bife, sentimos imediatamente o seu sabor em nossa boca, entendemos o que é e quando precisamos dele, mas não sabemos o que é “Malchut“. Portanto, da nossa perspectiva essa palavra é como uma erva sem gosto que não invoca nenhum sentimento.

Os livros Cabalísticos foram escritos de tal forma, em tal terminologia, e em tal linguagem que não invocam qualquer pensamento ou sentimentos.

Como podemos nos conectar com eles, por que eles nos falam sobre o mundo superior, nossa gestão e nosso destino? Nesse caso, é necessário fazer o que os Cabalistas nos dizem. Os Cabalistas nos aconselham a se unir com um grupo de dez amigos e estudar juntos em um círculo.

Ao estudar juntos os livros Cabalísticos, nós devemos sentir que nos conectamos mutuamente e atingir um estado onde os nossos desejos e pensamentos sejam compatíveis, quando cada um se anula diante de todos os amigos e todos se sentem como um todo único.

Isso significa que temos que se assemelhar à Luz Superior tanto quanto possível no nosso mundo corpóreo, à Luz que é uma só e única, e assim ela vai brilhar sobre nós de acordo com os nossos esforços.

Comentário: Por um lado, nós dizemos que a sabedoria da Cabalá não é misticismo, mas atrair a Luz é um ato místico.

Resposta: Não há nada místico aqui. O “eu” é o corpo físico que tem certas forças de atração e rejeição. Atrair a Luz não é misticismo, mas uma ação física.

Pergunta: Como vamos descobrir que os livros nos influenciam?

Resposta: Não é o livro que influencia você, mas o seu desejo comum.

Você vai senti-lo como o calor em relação aos amigos de acordo com a força comum que aparece entre vocês e os conecta. Você vai começar a sentir o que os livros Cabalísticos dizem sobre fundir-se, a conexão, as qualidades de BinaMalchut, e a força de doação entre elas.

Da Lição de Cabalá em Russo 07/02/16

Nova Vida # 715 – Os Filhos De Israel No Egito, Parte 1

Nova Vida # 715 – Os Filhos De Israel No Egito, Parte 1
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Nitzah Mazoz

Como o Egito representa o ego de uma pessoa? Como as figuras na história sobre o êxodo do Egito ilustram as forças que operam em uma pessoa, e qual é a analogia entre a escravidão do Egito e a crise que o mundo está passando hoje?

Resumo

A história do êxodo do Egito em seu sentido literário é bem conhecida em todo o mundo, por que não é clara? No entanto, se quisermos penetrar no significado profundo dessa história e compreender as forças que constroem as figuras nela, devemos nos afastar da simples descrição dos personagens da história. Nosso mundo é gerido da mesma forma que diferentes forças criam a exibição em uma tela de computador. A realidade é feita de duas forças: a força de doação e a força de recepção, o Criador e a criatura.

A mão do Criador transforma as imagens desde dentro, e também motiva Bátia a tirar Moisés do Nilo. Moisés simboliza uma força especial que deve corrigir todos os outros desejos que estão no atributo de recepção e levá-los para fora do Egito, que simboliza o ego. Moisés foi criado como um príncipe na casa do Faraó, o sistema egoísta do capitalismo saudável, onde todos se preocupam apenas consigo mesmo e tudo gira em torno do dinheiro.

Dinheiro (Kesef) representa a capacidade de cobrir (Kisuf) (mesma raiz, em hebraico), a capacidade de pagamento pela satisfação do meu desejo, enquanto o Egito simboliza o mesmo sonho que nós temos em nosso mundo hoje. Hoje, já não podemos gerir o nosso mundo desta maneira porque é contra o Criador, a qualidade de amor e doação, e por isso temos que avançar para um sistema onde cada um examina o que pode dar aos outros e não receber.

Quando os filhos de Israel fugiram do Egito, foi porque eles não queriam viver de acordo com seu desejo por dinheiro, de acordo com o desejo de receber, e sentiram que isso significava a morte para eles. A alternativa é viver no amor, não no orgulho, e é isso que Moisés representa.

De KabTV “Nova Vida # 715 – Os Filhos De Israel No Egito, Parte 1”, 14/04/16