“Mais” – Já Não Funciona

laitman_273_01Opinião (Daily Reckoning, Bill Bonner): “O Banco Central de San Francisco (Fed SF) saiu com uma previsão sombria no mês passado. Seus analistas disseram que as ações eram suscetíveis de ganhar retornos insignificantes ao longo dos próximos 10 anos. A razão citada era bastante simples; acionistas não vivem para sempre.

“‘Demografia é destino’, disse Auguste Comte. ‘Isso funciona ao contrário também’, ele poderia ter acrescentado. Se eles achavam que iam viver mais tempo, a coorte etária mais ubíqua da América – os baby boomers – pode continuar a comprar ações. Em vez disso, a mão fria da sepultura está em seus ombros e em toda a economia. Os boomers estão se aposentando a uma taxa de 10.000 por dia nos próximos 18 anos. Eles vão vender ações para financiar seus anos restantes.

“As pessoas mais velhas têm sido sempre um empecilho para uma economia. Tribos migratórias as deixavam para trás. Esquimós as colocavam para fora no gelo. As pessoas mais velhas geralmente se curvavam ao seu destino com boa graça. Em tempos de fome, por exemplo, elas paravam de comer para que o jovem pudesse viver.

“A mortalidade tem condenado o mercado de ações, diz o Fed SF Fed. A razão preço/lucro provavelmente será cortada pela metade. Os investidores não estão prontos para ver seus estoques retornarem aos níveis de 2010, diz o relatório, até 2027. E isso pressupõe que as empresas dos EUA vão continuar a aumentar seus lucros como fizeram desde 1954. O que não é muito provável. Porque democracia, energia e charlatanismo financeiro são destino também. Solidariamente, eles são responsáveis ​​pelo maior descalabro financeiro na história. …

“Mas o que você esperaria? Tudo cai. Nos últimos 3 ou 4 séculos a fórmula vencedora para as economias desenvolvidas e seus governos tem sido simples: Mais energia. Mais produção. Mais pessoas. Mais crédito. Mais promessas. Essa fórmula tem sido tão eficaz por tanto tempo que as pessoas começaram a pensar que era o destino em si. Não é. Em vez disso, ela é escrava do destino não o seu mestre.

“Em 2007, o escravo foi colocado em seu lugar. O ciclo de negócios azedou. Populações nativas na Europa e Japão estão caindo. A utilização de energia por pessoa no mundo desenvolvido se estabilizou. O crédito ao setor privado está encolhendo. O mesmo ocorre com a produção do setor privado real.

“Os Feds responderam a esse desafio como deveriam a cada desaceleração pós-Segunda Guerra Mundial. Eles acrescentaram mais – mais dinheiro, mais crédito. O próprio governo gastou mais dinheiro e usou mais energia. Mas a economia não reagiu da maneira antiga.

“Uma razão óbvia: as pessoas não são mais tão jovens e sem preocupações como costumavam ser. Os olhos de um jovem podem ser atraídos para carros alemães rápidos ou ternos italianos lisos. Mas um velho mal consegue ver. Os baby boomers já não rolam suas articulações; eles as esfregam. Eles não são a fonte de um boom econômico; agora, eles são a próxima causa do fracasso.

“Mas há mais para essa nova Idade Cinza da demografia. As pessoas também estão sujeitas à lei da utilidade marginal decrescente. Elas se desgastam. Mas fazem assim até mesmo as tendências econômicas mais duradouras e impressionantes. Havia apenas 450 milhões de pessoas no planeta em 1500. Levou-se 99.000 anos para se chegar a esse nível. Depois, ao longo dos próximos 5 séculos – a população aumentou 10 vezes. Hoje, é difícil encontrar um lugar para estacionar em qualquer grande cidade. Como um salto tão grande da população foi possível? O destino era a demografia. Com energia pronta e barata à mão, o homem podia produzir mais alimentos. Ele podia enviá-los a todo o mundo. E podia colocar seus talentos para trabalhar fazendo mais e melhores máquinas… o que aumentaria enormemente sua produção e seu padrão de vida. …

“Sim, há uma abundância de energia ao redor. Mas é a produção líquida que você obtém da energia que conta, não a produção crua. Se um galão de gasolina custa US$ 5… deve-se produzir mais US$ 5 em produção adicional ou a economia fica mais pobre. Como o preço sobe cada vez menos, novos aplicativos de energia entram em saldo.

“Da mesma forma, o crédito também está sujeito à lei da utilidade marginal decrescente. Em 1950, um dólar adicional de crédito acrescentava cerca de 70 centavos em relação ao PIB. Em 2007, a economia dos EUA foi acrescentando mais de US$ 5 de dívida para produzir um único novo dólar útil de PIB. Agora, novas entradas de crédito dos Feds produzem retornos reais negativos.

“O truque acabou. Não funciona mais. …”

Meu Comentário: Portanto, nós temos que reconhecer a lei da Cabalá: a humanidade evolui dentro do seu egoísmo, que amadureceu, e agora muito maduro e requer substituição. Esse é o caminho natural do desenvolvimento da humanidade, “o caminho do sofrimento”, como é chamado na sabedoria da Cabalá.

Mas há também outro caminho, o desenvolvimento gerido e informado, “o caminho da Torá-Luz”, quando, ao nos desenvolvermos sob a influência da Luz Superior, mudamos na direção certa mais rapidamente do que a natureza nos obriga. Assim, à frente da força da natureza que nos obriga a evoluir, sentimos que estamos em constante ascensão, desenvolvendo-nos de forma indolor, rapidamente, vendo o futuro.

Comente