Ynet: O Boicote A Israel – Como Cancelá-Lo?

Da minha coluna semanal no Ynet, o maior site israelense de notícia e conteúdo geral.

De acordo com uma pesquisa recente, nossas crianças estão traumatizadas. Sessenta e quatro por cento das crianças está com medo de sair de casa, de estar em lugares públicos ou de ir a pé para a escola, após a exposição de vídeos violentos divulgados recentemente.

Nós estamos nos tornando perigosamente indiferentes de um noticiário sangrento para outro, e é como se estivéssemos nos acostumando a viver em ansiedade. É insano viver numa realidade onde uma faca pode ser sacada a qualquer momento em um ônibus, um bonde, uma entrada para um shopping ou na rua.

Essa difícil situação afeta todos os aspectos de nossas vidas. O fervor geral é aquecido por novos vídeos diários das pessoas comuns sendo abatidas por terroristas que atiram para matar. Tudo isso é ao vivo, imediato e próximo. Não surpreendentemente, nessas condições, nossos sentidos estão embotados. Como você pode lidar com uma realidade tão bizarra de forma diferente?

E se problemas em casa não bastam, Israel também está no olho da tempestade no exterior. Os meios de comunicação estrangeiros estabeleceram novos recordes de antissemitismo, e como prêmio de consolação, a UE decidiu marcar milhares de produtos israelenses com a intenção de boicotar Israel.

O Mundo Depende de Israel

O ódio contra Israel não é um fenômeno novo. Nós o conhecemos a séculos, independentemente da situação política. A atitude dos povos do mundo para conosco tem sido a mesmo a séculos e parece que está enraizada na natureza. Nós já percebemos que quanto mais o mundo sofre, mais eles apontam o dedo para nós com acusações, e não falta muito para o mundo inteiro nos odiar, assim como os árabes fazem agora.

De acordo com a Cabalá, toda a humanidade está conectada numa rede, e Israel tem uma influência decisiva. O Livro do Zohar afirma que os pensamentos e ações do povo de Israel, positiva ou negativamente, afeta o destino do mundo todo. Israel é responsável por todo o mal no mundo e ele vem de volta para nós a fim de nos despertar e nos obrigar a cumprir o nosso papel. Por outro lado, quando agirmos em favor do mundo, vamos sentir imediatamente uma resposta positiva.

Como Podemos Mudar o Nosso Destino para Melhor?

Primeiro temos que perceber que a chave para mudar o nosso destino está em nossas mãos por si só (como o mundo inteiro reclama de nós…), e depois começamos a agir, a fazer enormes esforços para se conectar, para fortalecer a rede de conexões entre nós , entre judeus não-religiosos e religiosos, entre novos imigrantes e cidadãos veteranos, entre os que vivem no centro e os da periferia, entre todos. Nós temos que começar a viver como um homem em um só coração, em vez de tribos que vivem aqui numa federação obscura.

Quando nos conectamos, quando cuidamos uns dos outros, nos tornamos um condutor de todo o bem que flui ao mundo. Por outro lado, se somos hostis para com o outro, refletimos o mal no mundo, o que leva a desastres terríveis para toda a humanidade e nós mesmos. A garantia mútua e o cuidar dos outros é o que determina como será a nossa vida amanhã, como será o mundo, e qual será a resposta a esse estado.

É possível se conectar? Cada pessoa que nos dirigirmos com essa questão vai concordar em se conectar, mas também irá adicionar que é impossível. Isso é verdade. Nós precisamos de um método para se conectar. Esse método é a sabedoria da Cabalá; uma sabedoria fala sobre como corrigir a conexão entre as pessoas. Quando estudamos Cabalá e mostramos até mesmo o menor desejo de se conectar, como resultado, já equilibramos as forças que controlam nossas vidas. A inclinação para amar os outros inspira a força positiva que se espalha através de nós para toda a humanidade e a acalma. Os povos do mundo sentir isso inconscientemente e serão gratos a nós.

A união entre nós determina qual será o próximo noticário!

***

A “Introdução ao O Livro do Zohar” (itens 66-71), nos fala como a conexão entre o povo de Israel determina o destino do mundo:

66) Tenha em mente que em tudo há interioridade e exterioridade. No mundo em geral, Israel, os descendentes de Abraão, Isaac e Jacó, são considerados a interioridade do mundo, e as setenta nações são consideradas a exterioridade do mundo. Também, há interioridade dentro dos próprios Israel, que são os sinceros trabalhadores do Criador, e há exterioridade – os que não se devotam a si mesmos ao trabalho do Criador. Entre as nações do mundo, há interioridade também, que são os Justos das Nações do Mundo, e há exterioridade, que são os rudes e prejudiciais entre eles.

Adicionalmente, entre os servos do Criador entre as Crianças de Israel, há interioridade, sendo estes recompensados com compreensão da alma da interioridade da Torá e seus segredos, e exterioridade, os que meramente observam a parte prática da Torá.

Também, há interioridade em cada pessoa de Israel – a Israel no interior – que é o ponto no coração, e exterioridade – que são as internas Nações do Mundo, o corpo em si mesmo. Mas até as internas Nações do Mundo nessa pessoa são consideradas prosélitos de entre as Nações do Mundo, que vieram e se apegaram ao todo de Israel.

67) Quando uma pessoa de Israel aumenta e dignifica a sua interioridade, que é a Israel nessa pessoa, sobre a exterioridade, que são as Nações do Mundo nela, isto é, quando um dita a maioria dos seus esforços a aumentar e exaltar a sua interioridade, para beneficiar a sua alma, e dá esforços menores, a mera necessidade, para suster as Nações do Mundo nele, isto é as necessidades do corpo, como está escrito (Avot, 1), “Faz tua Torá permanente e teu trabalho temporário,” ao assim fazer, um faz as Crianças de Israel elevarem-se para cima na interioridade e exterioridade do mundo também, e as Nações do Mundo, que são a exterioridade, a reconhecerem e admitirem o valor das Crianças de Israel.

E se, Deus nos livre, é ao contrário, e um indivíduo de Israel aumenta e aprecia a sua exterioridade, que são as Nações do Mundo em ele, mais que a Israel interna nele, como está escrito (Deuterônimo 28), “O estranho que está no meio de ti”, isto é, a exterioridade nessa pessoa eleva-se e plana, e você em si mesmo, a interioridade, a Israel em si, mergulha para baixo? Com estas ações, a pessoa causa a exterioridade do mundo em geral – as Nações do Mundo – a se elevarem ainda mais alto e superarem Israel, degradando-os até ao chão, e as Crianças de Israel, a interioridade no mundo, mergulham ainda mais fundo.

68) Não esteja surpreso que as ações de uma pessoa tragam elevação ou declínio ao mundo inteiro, pois é uma lei inquebrável que o geral e o particular são iguais como duas ervilhas numa vagem. E tudo o que se aplica no geral, se aplica no particular, pois o geral pode aparecer apenas depois da aparição das partes nele, de acordo com a quantidade e qualidade das partes. Evidentemente, o valor de uma ação de uma parte eleva ou declina o todo inteiro.

Isso irá clarificar a si o que está escrito em O Zohar, que por empenho em O Livro do Zohar e a sabedoria da verdade, elas serão recompensadas com completa redenção do exílio (Tikkunim, fim da Tikkun Num. 6). Nós podemos perguntar, que tem o estudo de O Zohar a ver com a redenção de Israel de entre as nações?

69) Do acima nós podemos cuidadosamente compreender que a Torá, também, constrange interioridade e exterioridade, como o faz o mundo inteiro. Desta forma, o que se empenha na Torá tem estes dois graus, também. Quando um aumenta a sua labuta na interioridade da Torá e seus segredos, a essa extensão, um faz a virtude da interioridade do mundo – que são Israel – elevar-se alto acima da exterioridade do mundo, que são as Nações do Mundo. E todas as nações irão admitir e reconhecer o mérito de Israel sobre elas, até à realização das palavras, “E o povo os tomará, e irá trazê-los a seu lugar: e a casa de Israel irá possuí-los na terra do Senhor” (Isaías 14, 2), e também “Assim diz o Senhor Deus, eis, Eu irei levantar minha mão às nações, e definirei meu padrão aos povos: e eles irão trazer teus filhos nos seus braços, e tuas filhas serão carregadas sobre seus ombros” (Isaías 49, 22).

Mas se, Deus nos livre, é ao contrário, e uma pessoa de Israel degrada a virtude da interioridade da Torá e seus segredos, que lidam com a conduta de nossas almas e seus graus, e a percepção e os sabores das Mitzvot em respeito à vantagem da exterioridade da Torá, lida apenas com a parte prática? Também, até quando um se empenha ocasionalmente na interioridade da Torá, e dedica um pouco do seu tempo a ela, quando não é nem noite ou dia, como se fosse redundante, por isso a pessoa desonra e degrada a interioridade do mundo, que são as Crianças de Israel, e aumenta a exterioridade do mundo – isto é as Nações do Mundo – sobre elas. Elas irão humilhar e envergonhar as Crianças de Israel, e considerarão Israel como supérflua, como se o mundo não tivesse necessidade deles, Deus nos livre.

Além do mais, com isso, eles fazem até a exterioridade nas Nações do Mundo dominar sua própria interioridade, pois os piores entre as Nações do Mundo, os prejudiciais e destruidores do mundo, sobem acima de sua interioridade, que são os Justos das Nações do Mundo. E então eles fazem toda a ruína e massacre hediondo que nossa geração testemunhou, que Deus nos proteja daqui em diante.

Então você vê que a redenção de Israel e a elevação de Israel, dependem do estudo de O Zohar e a interioridade da Torá. E vice-versa, toda a destruição e declínio das Crianças de Israel são porque elas abandonaram a interioridade da Torá. Elas degradaram seu mérito e fizeram-na aparentemente redundante.

70) Isto é o que está escrito nas Tikkunim (correções) de O Zohar (Tikkun 30): “Despertem e elevem-se pela Sagrada Divindade, pois vós tendes um coração vazio, sem o entendimento de saber e a alcançar, embora ela esteja dentro de vós”. O significado disso é, como está escrito (Isaías 40), que uma voz bate no coração de todo e cada um de Israel, a chorar e a orar para elevar a Sagrada Divindade, que é a coleção de todas as almas de Israel. Mas a Divindade diz, “Eu não tenho força para me elevar a mim mesma do pó, pois ‘toda a carne é erva’, eles são todos como bestas, comendo feno e erva”. Isto significa que eles mantêm as Mitzvot sem mente, como bestas, “e a divindade dali é como a flor do campo, todas as boas ações que eles fazem, eles fazem-nas para si mesmos”.

Isto significa que com as Mitzvot que eles executam, eles não têm intenção de as fazer de forma a trazer contentamento a seu Fazedor. Em vez disso, eles mantêm todas as Mitzvot apenas por seu próprio benefício, e até os melhores entre eles, que dedicam todo seu tempo ao empenho na Torá, fazem-no apenas para beneficiar seus próprios corpos, sem a desejável direção – de trazer contentamento a seu Fazedor.

Diz-se sobre a geração desse tempo: “Um espírito abandona e não irá voltar ao mundo”, isto é que o espírito do Messias, que deve livrar Israel de todos seus problemas até à completa redenção, para manter as palavras, ‘pois a terra estará cheia do conhecimento do Senhor.’ Esse espírito partiu e não brilha no mundo.

Ai dos que fazem o espírito do Messias partir abandonar e partir do mundo, e não possa voltar ao mundo. Eles são os que fazem a Torá seca, sem qualquer humidade de compreensão e razão. Eles confinam-se a si mesmos à parte prática da Torá, e não desejam tentar compreender a sabedoria da Cabala, de saber e compreender os segredos da Torá e o sabor da Mitzva. Ai deles, pois com estas ações eles acarretam a existência da pobreza, ruína, e roubo, saque, matança, e destruições no mundo.

71) A razão de suas palavras é, como nós explicámos, que quando todos os que se empenham na Torá degradam a sua própria interioridade e a interioridade da Torá, deixando-a como se ela fosse redundante no mundo, e se empenham nela apenas numa altura em que não é nem dia nem noite, e neste respeito, eles são cegos procurando a parede, com isso, eles intensificam a sua própria exterioridade, o benefício de seus próprios corpos. Também, eles consideram a exterioridade da Torá mais elevada que a interioridade da Torá. E com estas ações eles causam todas as formas de exterioridade no mundo a dominar todas as partes internas no mundo, cada de acordo com sua essência.

Isto é assim porque a exterioridade no todo de Israel, isto é, as Nações do Mundo neles, dominam e revogam a interioridade no todo de Israel, que são os que são grandes na Torá. Também, a exterioridade nas Nações do Mundo – os destruidores entre eles – intensificam e revogam a interioridade entre eles, que são os Justos das Nações do Mundo. Adicionalmente, a exterioridade do mundo inteiro, sendo as Nações do Mundo, intensificam e revogam as Crianças de Israel – a interioridade do mundo.

Em tal uma geração, todos os destruidores entre as Nações do Mundo levantam suas cabeças e desejam primariamente destruir e matar as Crianças de Israel, como está escrito (Yevamot 63), “Nenhuma calamidade vem ao mundo a não ser por Israel”. Isto significa, como está escrito nas correções acima, que eles causam pobreza, ruína, roubo, matança, e destruição no mundo inteiro.

E através de nossos muitos defeitos, nós testemunhámos a tudo o que é dito no supramencionado Tikkunim, e além do mais, o julgamento golpeou os melhores entre nós, como nossos sábios disseram (Baba Kama 60).

60) “E começou com os justos primeiro”. E de toda a glória que Israel tinha tido nos países da Polónia e Lituânia, etc., sobram apenas as relíquias na nossa sagrada terra. Agora depende de nós, relíquias, corrigir esse terrível mal. Cada um de nós remanescentes deve tomar sobre si mesmo, coração e alma, a doravante intensificar a interioridade da Torá e dar-lhe o seu lugar legitimo, de acordo com seu mérito sobre a exterioridade da Torá.

E então, todo e cada um de nós será recompensado com intensificar sua própria interioridade, isto é a Israel dentro de nós, que são as necessidades da alma sobre a nossa própria exterioridade, que é as Nações do Mundo conosco, isto é, as necessidades do corpo. Que força venha ao todo de Israel, até que as Nações do Mundo dentro de nós admitam e reconheçam o mérito dos grandes sábios de Israel sobre elas, e os escutem e obedeçam.

Também, a interioridade das Nações do Mundo, os Justos das Nações do Mundo, irão subjugar e submeter sua exterioridade, que são os destruidores. E a interioridade do mundo, também, que são Israel, se elevarão em todo seu mérito e virtude sobre a exterioridade do mundo, que são as nações. Então, todas as nações do mundo irão admitir e reconhecer o mérito de Israel sobre elas.

E elas seguirão as palavras (Isaías 14, 2), “E o povo os tomará, e irá trazê-los a seu lugar: e a casa de Israel irá possuí-los na terra do Senhor” E também (Isaías 49, 22), “E eles irão trazer teus filhos nos seus braços, e tuas filhas serão carregadas sobre seus ombros”. Isso é o que está escrito em O Zohar (Nasoh, p 124b), “através desta composição”, que é O Livro do Zohar, “eles serão livrados do exílio com misericórdia”, Amém, que assim seja.

A coluna é baseada na “Introdução ao Livro do Zohar”, de Baal HaSulam, Rav Yehuda Ashlag.

Coluna do Dr. Laitman no Ynet 12/11/15

Comente