Leis Que Provêm Da Torá

Torá, “Números”, 19: 4-19: 5: Eleazar, o Sacerdote deve tomar de seu sangue com o dedo e polvilhá-lo em direção ao frontal da Tenda do Encontro sete vezes. A vaca deve então ser queimada na sua presença; sua pele, sua carne, seu sangue, com o seu esterco ele deve queimá-la.

Tudo o que a Torá nos diz sobre isto parece um espetáculo bárbaro ocorrendo nos degraus do mundo espiritual, não no mundo material. A Torá nos diz em termos corporais o que acontece em nossos atributos, dentro de nós e entre nós.

É muito difícil expressar sentimentos através da linguagem do nosso mundo, porque há muitas interpretações da Torá. Afinal, ela não nos dá a imagem certa. Estas interpretações também precisam de interpretações desde que os grandes cabalistas que atingiram os mundos espirituais descreveram as ações espirituais como se elas ocorressem em nosso mundo.

No seu conjunto, é sobre o fato de que cada pessoa tem de encontrar o ponto do sacerdote (Cohen) dentro dele e determinar como ela pode ajudar a corrigir a combinação de Biná (o atributo de doação) e Malchut (o atributo de receber).

A Torá é escrita para cada um de nós. O sacerdote, os levitas, e Israel estão em uma pessoa e ela tem de realizar estas ações em diferentes níveis da ascensão espiritual.

Acontece que eu encontro o sacerdote, o atributo que está diretamente conectado à força de amor e doação. Eu extraio a “vaca vermelha” dos meus desejos interiores, e eu preciso abatê-la e esfolá-la, o que significa tomar os desejos não corrigidos chamados “sangue” dela, e polvilhá-los sobre o tabernáculo, que é o vaso em que recebo a revelação do Criador.

A vaca simboliza a ligação entre Biná e Malchut.

Pergunta: Por que eu deveria polvilhar o sangue no tabernáculo sete vezes?

Resposta: Porque estes são sete Sefirot: Hesed, Gevura, Tifferet, Netzach, Hod, Yesod e Malchut. Assim, tudo no mundo físico é dividido em sete, como os sete dias da semana, por exemplo.

Há também uma divisão em sessenta anos, como 60 minutos ou segundos, o que também origina-se da Torá, pois Zeir Anpin inclui seis Sefirot (Hesed, Gevura, Tiferet, Netzhach, Hod,Yesod), e cada um deles é feito de 10 níveis. Seis vezes 10 são 60 e assim 60 ações em Zeir Anpin igualam uma doação até Malchut.

Além disso, há também a divisão em 12 no mundo corporal, o que decorre do conceito das 12 tribos. Estes são quatro níveis (Hochma, Biná, Zeir Anpin, e Malchut), em cada um dos quais há três linhas. Assim, todas as principais divisões em nosso mundo estendem-se da Torá.

[169543]

De Kab TV “Segredos do Livro Eterno” 24/6/15.

Material Relacionado:

Ações Espirituais Nas Alegorias Da Torá

As Origens Do Tempo

Línguagem Especial Da Torá

Um Comentário

  1. Ok. Consigo entender a linguagem da Torá assim explicada. Porém, é possível saber com certeza se desde a época de Moisés, realmente eram feitos “literalmente” esses sacríficos? E se foram os animais abatidos literalmente, qual o objetivo se os elementos são simbólicos? E representam uma linguagem espiritual?

Comente