Nós Começamos Com Uma Subida De Baixo Para Cima

laitman_938_04Nós chegamos ao início do caminho para cima, rumo ao fim da correção. Nós aprendemos qual é a cadeia de cima para baixo, de Olam Ein Sof através de todos os mundos, ou seja, os Ha’alamot (ocultações), intensificando-se cada vez mais até que tenhamos chegado a este mundo.

Gradualmente, toda a Luz de Ein Sof e sua vida eterna perfeita está oculta de nós, e tudo isso é para que daqui, de baixo, nós comecemos a subir novamente, e desta forma, descubramos a força superior, a vida espiritual superior.

O Livro do Zohar está à nossa disposição, e só com ele os Cabalistas conectaram suas esperanças de correção, de um bom futuro para nós e para o mundo inteiro. No Livro do Zohar há o poder de nos elevar da sensação da vida física mortal neste mundo para a sensação da existência eterna em Olam Ein Sof. As chaves para a felicidade estão num livro. O poder exclusivo do Livro do Zohar é capaz de remover todos os obstáculos, todos os problemas, e afastar toda a miséria humana.

Mas ele não funciona como todos os tipos de bênçãos, amuletos, milagres e ações místicas. Ele não muda o mundo circundante; ele me muda. Eu estou mudado de tal forma que vejo e sinto Olam Ein Sof na mesma realidade que anteriormente parecia este mundo.

Torna-se claro para mim que as pessoas que eu via antes como estranhas são partes da minha alma e estão conectadas numa só alma. É assim que eu as vejo agora! Nós estamos conectados como uma só alma e somos preenchidos com a mesma Luz, eternidade, plenitude, realização e compreensão. Eu sequer encontro a solução para os problemas anteriores, mas sim, o poder de subir para outra dimensão da vida. Tudo isso graças ao Livro do Zohar.

Para nos empurrar para isso, a Luz que nos influencia de cima é revelada cada vez mais. Os genes informativos, os Reshimot, segundo os quais nós somos desenvolvidos e alterados, são descobertos em nós mais fortemente, como resultado da crescente influência da Luz. Assim, nos sentimos cada vez pior. Afinal de contas, a oposição entre a Luz e os desejos quebrados, os Reshimot, produz em nós o sentimento de estar quebrado.

Aqui, nós precisamos preceder os golpes com um remédio, e nós recebemos o remédio. Afinal de contas, nós viemos para a sabedoria da Cabalá não para evitar problemas, mas por causa de sofrimento espiritual; nós não sentimos satisfação espiritual em nossas vidas. Portanto, nós fomos atraídos à sabedoria da Cabalá. Não é como é com todo o resto do mundo que não sente nenhuma conexão com o sentido da vida, nem negativa nem positivamente. A questão sobre o sentido da vida está escondida em todos, mas, externamente, a pessoa simplesmente sente que é ruim para ela.

Portanto, nós devemos responder a este convite, a chamada dirigida a nós, e fazer uma correção no nível espiritual, na altura desse estado elevado que devemos atingir. Nós devemos chegar a um estado em que o mal não nos empurra por trás por golpes. Em vez disso, nós mesmos elevamos o bem, a grandeza da meta, a força superior, o mundo superior, o estado elevado, que está pronto para nós. Nós temos que subir e apreciá-lo, e nós temos todos os meios necessários para isso.

Nós temos muitos amigos e grupos em todas as partes do mundo, uma organização internacional, uma conexão bem organizada entre nós. Nós só precisamos jogar este jogo da vida como se todas as nossas vidas tivessem características espirituais, com a doação que é o oposto do nosso ego natural, como se elas fossem santificadas pelo amor que é o oposto do ódio. Se jogarmos assim, nós crescemos.

Não nos é exigido nada impossível: nós não precisamos ser bons. Sabe-se que uma pessoa não é capaz de se corrigir. Nós apenas devemos querer ser bons. Isso é chamado de nosso “meio shekel”. A Luz adiciona a segunda metade e completa a correção, em vez de nós. A Luz faz tudo de acordo com a regra que eu me esforcei e encontrei, como está escrito: “Se você se esforçou e não encontrou, não acredite”.

Assim, o nosso objetivo é se esforçar, querer se conectar, jogar com a unidade, e tomar todas as ações necessárias, como crianças que brincam de ser adultos e atraem a Luz que Corrige que faz com que elas cresçam. Nós também queremos ser grandes num sentido qualitativamente diferente, corrigir a nossa relação com o outro, com o grupo, e, por meio do grupo, nossa relação com o Criador.

Eu devo medir os estágios de meu desenvolvimento. Será que eu realmente comecei a sentir que os amigos me importam, mesmo egoisticamente, de modo que sentirei internamente que dependo deles e todo o meu futuro está com eles, que eu estou conectado a eles e devo estar dentro do grupo, mergulhar e dissolver-me nele?

Se eu sinto que eu me aproximando desse estado e começo a sentir que sou cada vez mais dependente do grupo, eu avanço. Este é um sinal muito gratificante que atesta que a Luz realmente me influencia.

Depois disso, quando eu sinto a minha dependência do grupo, eu devo verificar para saber se o meu sentimento agradável está conectado ao meu desejo de dar contentamento ao Criador. Experimente! Será que o pensamento que eu quero deixar o Criador feliz desperta calor e prazer em mim? Se este sentimento existe em mim, então eu estou visando corretamente através do grupo ao Criador. É assim que a Luz Superior começa a construir o caminho para cima dentro de mim.

Da Convenção Mundial do Zohar, Dia Um, Lição 2, 2/5/14

Comente