Mais Guerras Religiosas?

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (elpais.com): “No tradicional imaginário judaico-cristão é narrado o assassinato de Abel por Caim. …A partir do momento em que Caim matou Abel, a violência tornou-se uma parte inseparável da história humana. …

“A questão óbvia é se as religiões são a fonte da violência ou o caminho para a paz. A violência está realmente incorporada nas religiões monoteístas? …. Quando nós pensávamos que as guerras religiosas eram fenômenos do passado, elas ressurgiram de forma particularmente dura e radical … carregando bandeiras pretas e destruindo tudo em seu caminho, desde a vida humana a símbolos culturais que são a herança da humanidade. …

“Na ausência de argumentos racionais para justificar essas guerras, eles confiam em Deus e em Seu nome, matam agressivamente outros, tornando, assim, o próprio Deus um assassino. O filósofo Martin Buber disse: “Deus” é a palavra mais vilipendiada de todas as palavras humanas. Nenhuma delas foi tão manchada, tão manipulada … Gerações humanas, com o seu partidarismo religioso, rasgaram a palavra. Eles mataram e estão dispostos a morrer por ela. Essa palavra carrega impressões digitais e sangue. As pessoas desenham uma figura abaixo e escrevem a palavra “Deus”. Elas se matam e dizem: ‘nós fazemos isso em nome de Deus’”.

Meu Comentário: Na verdade, as religiões apenas dividem, separam e nos incitam uns contra os outros. Porque todas as religiões do mundo são baseadas na natureza humana: o egoísmo.

E só a sabedoria da Cabalá ensina a pessoa como ascender acima do seu egoísmo e alcançar a unidade para revelar o mundo superior dentro de nós. Este é o próximo nível de nossa existência. Nisso, a Cabala difere do judaísmo e de outras religiões. Nós temos que revelar ao mundo a maneira de ascender ao próximo nível de nossa evolução o mais rapidamente possível, não pelo caminho do sofrimento, mas pelo caminho do caminho da conexão e unidade.

Comente