Uma Boa Hora Para Revisão

laitman_929O mês de Tishrei está chegando, um mês especial cheio de feriados. Os feriados Judaicos não estão apenas cumprindo uma obrigação tradicional; eles têm raízes espirituais, derivadas das forças da natureza que operam em ciclos, de acordo com a rotação da Terra em torno do Sol e outros motivos mais elevados.

Nós sentimos que cada dia influencia o nosso mundo com diferentes forças: um dia não é como o outro, e uma noite não é como outra; nós estamos mudando o tempo todo. Há dias mais agradáveis e melhores e há dias problemáticos.

O mês de Elul é um tempo muito bom para a revisão do que fizemos no ano passado e o que pretendemos fazer no Ano Novo.

O significado do nome “Elul” é um acrônimo, “Ani Ledodi Vedodi Li (Eu sou do meu amado e meu amado é meu)” (Cântico dos Cânticos 6:3). Nós temos que entender a demanda essencial do Criador, a força superior da natureza. “Eu sou do meu amado” significa que eu preciso me analisar este mês antes do início do ano novo, em um período especial de concentração de forças únicas dentro de nós e a nossa influência no mundo.

Nós devemos realizar o que está escrito na Torá, as obrigações que foram recebidas no Monte Sinai: “Tornar-se como um home com um coração” e “Todo Israel são amigos”. Em última análise, cabe a nós chegar ao, “E amarás o teu amigo como a ti mesmo” e completar a união.

O povo não entende o que é amor. Em nosso mundo, essa palavra assume uma nuance muito impura e sexual, ou conectamos essa palavra com o amor pelos animais, árvores e a preservação da natureza.

Mas o conceito de amor aos outros significa se conectar para sentir todos os desejos dos outros e tentar realizá-los. É como a conexão de dois dispositivos; se nós os conectamos corretamente, o resultado é um único dispositivo, em que todas partes podem entender umas às outras e trabalhar juntas.

Assim é como um motor é construído, de modo que todas as suas partes trabalhem em conjunto, como os órgãos de um único corpo que se apoiam. Neste caso, é possível dizer que há amor entre eles.

A Torá está falando sobre um amor como este, sobre a conexão mútua, sobre a compreensão entre todos, quando cada um trabalha para os outros. Se todo mundo trabalha para todos, emerge um sistema perfeito, e esta é a situação que nós devemos atingir.

Primeiro, apenas uma pessoa foi criada, Adão, um desejo. Mas depois disso, este sistema foi quebrado numa multiplicidade de fragmentos que não foram capazes de se integrar com os outros. Nosso trabalho é encontrar um lugar para cada um que seja apropriado para ele, e esclarecer de que forma ele deve ser integrado com os outros. É como um quebra-cabeça gigantesco que nós devemos montar em um quadro.

Este quebra-cabeça inclui 600.000 partes essenciais chamadas “seiscentas mil almas” e uma posterior multidão de pequenos fragmentos adicionais que são inseridos entre nós. Cada pessoa neste mundo tem uma parte do quebra-cabeça global porque todos nós somos “filhos de Adão” e devemos compô-lo juntos.

Mas a principal obrigação em montar esse quebra-cabeça é imposta ao povo de Israel. Eles são os principais constituintes de todos os seus bilhões de peças. Se o povo de Israel se reunir corretamente e se conectar corretamente neste quebra-cabeça, todo o resto dos fragmentos começará a se mover e procurar o seu lugar. Finalmente, cada um vai se integrar com os outros e se integrar no quebra-cabeça.

Desta forma a humanidade vai alcançar harmonia, união maravilhosa e a correta integração global que nosso mundo exige hoje tão profundamente.

Do Programa da Rádio Israelense 103FM, 30/08/15

Comente