Como Um Feixe De Juncos — Viver Num Mundo Integrado, Parte 4

Like a Bundle of ReedsComo um Feixe de Juncos, Por que Unidade e Garantia Mútua são Urgentes Hoje, Michael Laitman, Ph.D.

Capítulo 10: Viver Num Mundo Integrado

Um Mundo Integrado Exige Educação Integral

Educação Integral Direcionada À Unidade

Estudar Cabalá é uma maravilhosa maneira de alcançar a unidade. Ela é um método construído especificamente para esse propósito. Contudo, a maioria das pessoas não tem um “ponto no coração” vigoroso que exija respostas. Portanto, é improvável que a maioria das pessoas queira se envolver nestes estudos. Todavia, a necessidade de estabelecer uma sociedade coesa é uma necessidade global, não uma necessidade pessoal, judaica, ou até relacionada a um país.

Dave Sherman, um líder em estratégia de negócios e perito em sustentabilidade descreveu o presente predicamento global no filme, Encruzilhada: Dores de Parto de uma Nova Visão Mundial (Crossroads: Labor Pains of a New Worldview): “O último Relatório de Riscos Globais, publicado pelo Fórum Econômico Mundial, apresenta um surpreendente mapa de interligação de riscos. Ele revela claramente como todos os riscos globais estão inter-relacionados e entrelaçados, de modo que riscos econômicos, ecológicos, geopolíticos, sociais e tecnológicos são interdependentes. Uma crise em determinada área rapidamente conduzirá a uma crise em outras áreas. A interligação e complexidade deste mapa compararam, para nossa surpresa, o impacto e a velocidade das recentes crises financeiras, ilustrando a discórdia que existe entre todos os sistemas que construímos, e demonstra precisamente quão desconexos nos tornamos. Nossas tentativas de gerir estes sistemas são fragmentadas e simplistas, e não estão à altura dos desafios que hoje enfrentamos”. [i]

Para responder precisamente a esse contraste entre nossa própria desconexão e a interligação dos sistemas que construímos, precisamos desenvolver um pensamento interligado, uma percepção inclusiva do nosso mundo. A Educação Integral (EI), a anteriormente mencionada “educação direcionada à unidade”, responde precisamente a esses pontos.

O termo, “integral”, de acordo com Thomas J. Murray da Escola de Educação na Universidade de Massachusetts, “significa muitas coisas para muitas pessoas, e o mesmo é verdadeiro para a Educação Integral”. [ii] A percepção mais comum da EI, como descrita na Wikipedia, é que ela é “a filosofia e a prática da educação para toda a criança: corpo, emoções, mente, alma e espírito”. [iii]

Relacionar-se com toda a criança no processo de educação é certamente recomendado. Contudo, no mundo interligado de hoje, simplesmente não é suficiente. Como demonstramos no capítulo anterior, aprendemos primeiramente, senão somente, através do ambiente. Desta forma, o foco da educação deve estar em formar um ambiente que incite nossos valores escolhidos e informação para crianças e adultos de maneira igual.

Escola Para Adultos: Um Guia Para Os Perplexos

Além do nível falante (humano) da Natureza, todos os outros níveis (inanimado, vegetal e animal) operam em garantia mútua. A homeostase, como definida no Dicionário Webster, corresponde perfeitamente à descrição de garantia mutua em todos os níveis abaixo do falante: “Um estado relativamente estável de equilíbrio ou uma tendência para tal estado entre os diferentes, mas interdependentes, elementos ou grupos de elementos de um organismo, população ou grupo”. [iv]

Nossa presente sociedade, predominantemente capitalista, afasta-se do equilíbrio, zomba da tendência para ele, e tem pavor de interdependência. Na realidade, nós patrocinamos e lutamos pelo oposto. Louvamos concretizações individuais nos esportes, negócios, política e no ensino, e idolatramos aqueles no topo. Nós negligenciamos aqueles que contribuem para o bem estar do coletivo e apreciamos o individualismo e a independência.

Mas uma sociedade que funciona desta maneira não consegue durar muito tempo. Pense em corpos humanos. Se nossos corpos conduzissem a si mesmos pelos valores que predominam em nossa sociedade, não duraríamos além da diferenciação celular inicial na fase do embrião. Assim que as células começassem a formar diferentes órgãos, elas começariam a lutar umas com as outras pelos recursos e o embrião se desintegraria. A vida não seria possível se qualquer parte dela abraçasse os valores individualistas que acabamos de descrever. É porque a vida, isto é a Natureza, adere às regras da homeostase que nós podemos desenvolver e sustentar a nós mesmos, e evoluímos até ao ponto em que podemos ponderar a natureza e o propósito de nossa existência.

Certamente, não só os organismos, mas todo o nosso ecossistema planetário, até o cosmos, estão num estado de homeostase. Quando o equilíbrio se desmorona, logo problemas surgem. Um relatório revelador submetido ao Departamento de Educação Americano em outubro de 2003 por Irene Sanders e Judith McCabe demonstra claramente o que acontece quando desequilibramos um ecossistema do seu estado homeostático. “Em 1991, uma orca, baleia assassina, foi vista comendo uma lontra. As orcas e lontras normalmente coexistem pacificamente. Então, o que aconteceu? Os ecologistas descobriram que o sebastes e o arenque também estavam declinando. As orcas não comem esses peixes, mas focas e leões marinhos sim. E focas e leões marinhos são o que as orcas normalmente comem, e sua população também declinou. Portanto, privadas de suas focas e leões marinhos, as orcas começaram a se voltar às brincalhonas lontras marinhas para seu jantar”.

“Então as lontras desapareceram devido aos peixes, que elas nunca comeram em primeiro lugar, desapareceram. Agora, a onda se espalha. As lontras já não estão lá para comer os ouriços do mar, então a população de ouriços do mar explodiu. Mas os ouriços do mar vivem de florestas de algas do fundo do mar, então eles estão matando as algas. As algas foram o lar para os peixes que alimentam as gaivotas e águias. Como as orcas, as gaivotas podem encontrar outra comida, mas as águias não conseguem e estão em apuros”.

“Tudo isto começou com o declínio do sebastes e arenque. Por quê? Bem, os caçadores de baleias japoneses têm matado a variedade de baleias que comem os mesmos organismos microscópicos que alimentam o pollock [um tipo de peixe carnívoro]. Com mais peixe para comer, o pollock floresce. Eles por sua vez atacam o sebastes e arenque que eram comida para as focas e leões marinhos. Com o declínio na população de leões marinhos e focas, as orcas têm qe se voltar às lontras”. [v]

Pense como nos comportamos em relação aos outros. Nós somos competitivos, alienados, isolados uns dos outros, e aspiramos sobressair sobre os outros. Tenha em mente que esta não é a exceção, mas a regra, os valores que ensinamos aos nossos filhos como a maneira “certa” de ser. É por isso que uma escola adulta, um guia para o adulto perplexo, é necessária.

A maneira na qual esta escola vai operar deve variar de lugar para lugar e de país para país. Cada nação e país tem a sua própria mentalidade e cultura, um nível diferente de avanço tecnológico e de meios de comunicação, e tradições pelas quais as pessoas aprendem. Por esta razão, cada país, por vezes cada cidade, terá que desenvolver seu próprio método de instrução. Contudo, o conteúdo fundamental, os princípios que todos estes sistemas de educação adulta vão ensinar devem ser os mesmos. Caso contrário o resultado será disparidade no compromisso populacional com a responsabilidade mútua e a compreensão da sua importância nas nossas vidas.

Vamos examinar alguns dos princípios fundamentais que a educação rumo à responsabilidade mútua deve conter.

Mídia Pró-social

Nos Escritos de Baal HaSulam, Ashlag afirma, “O maior de todos os prazeres imagináveis é ser favorecido pelas pessoas. É vantajoso desperdiçar toda a nossa energia e prazeres corpóreos para obter certa quantia dessa coisa deliciosa. Este é o ímã que atraiu os maiores de todas as gerações, e pelo qual eles banalizaram a vida da carne”. [vi]

Desta forma, para alterar nosso comportamento social, nós devemos mudar o nosso meio social de um que promove a individualidade para um que promova a mutualidade. Falando de forma prática, nós podemos usar as mídias para demonstrar como o trabalho em grupo rende melhores resultados que o trabalho individual, e como a competição é prejudicial à nossa felicidade e saúde. Assim que percebemos que há uma recompensa maior na conduta cooperativa que no individualismo, será fácil colaborar e partilhar.

Em seu livro inspirador, A Sabedoria das Equipes: Criar a Organização de Alta-Performance, os autores Jon R. Katzenbach e Douglas K. Smith descrevem uma história de sucesso que vale a pena mencionar no contexto das vantagens do trabalho em equipe. A Burlington Northern Railroad era uma empresa bem sucedida de transportes, e é atualmente parte de uma grande corporação detida pela Berkshire Hathaway, que é controlada pelo investidor Warren Buffett. Em 1981, a Burlington Northern Railroad sofreu uma revolução por sete homens — Bill Greenwood, Mark Cane, Emmett Brady, Ken Hoepner, Dave Burns, Bill Dewitt, e Bill Berry — que usaram a desregulação Americana da indústria ferroviária para acelerar a entrega de fretes e minimizar o custo da entrega. É assim que Katzenbach e Smith descrevem o espírito com o qual eles levaram a cabo essa revolução: “Todas as verdadeiras equipes partilham um compromisso com seu propósito comum. Mas somente membros de equipe excepcionais… também se tornam profundamente dedicados uns aos outros. Os sete homens desenvolveram uma preocupação e compromisso tão profundos um pelo outro como sua dedicação à visão que estavam tentando concretizar. Eles procuraram o bem estar uns dos outros, apoiaram-se uns aos outros quando e como quer que fosse necessário e trabalharam constantemente uns com os outros para fazer o que fosse necessário fazer”. [vii]

Tal história podia ser um advogado poderoso para o caso a favor da unidade sobre a competição. O único problema é que no nosso mundo ultra competitivo, até a unidade é usada para ganhar alavanca pessoal para o grupo que a pratica (ou devemos dizer, que a comete, devido ao seu mau uso). No mundo interligado e interdependente de hoje, este tipo de unidade é insustentável.

Na nossa sociedade egocêntrica, a unidade durará somente enquanto for lucrativa para os indivíduos envolvidos. No capítulo anterior, na secção, “De Eu, a Nós, a Um”, descrevemos os efeitos doentios da competição. Ao mesmo tempo, reconhecemos que “com nosso presente conhecimento da natureza humana, não podemos evitar esta atitude competitiva e alienante porque ela vem de dentro de nós, uma ditadura do quarto nível falante do desejo, e não podemos parar a evolução dos desejos”.

Contudo, já dissemos que não precisamos impedir nossa evolução, só mudar para uma direção construtiva para todos. O meio mais instrumental para concretizar isto é através dos meios de comunicação de massa. Se desenvolvermos um conteúdo de mídia pró-social e nos bombardearmos com ele tanto quanto atualmente nos bombardeamos com anúncios e informativos que visam esgotar nossas contas bancárias, nos encontraremos vivendo numa sociedade muito diferente da atual.

Os meios domésticos contemporâneos das pessoas contêm uma grande dose de entretenimento das mídias, seja através da TV ou via a Internet. Uma publicação pelo Departamento de Educação Americano intitulada, “Guia das Mídias – Como Ajudar Seus Filhos No Começo da Adolescência”, afirmou, “É difícil compreender o mundo dos jovens adolescentes sem considerar o enorme impacto dos meios de comunicação de massa nas suas vidas. Eles competem com a família, amigos, escolas, e comunidades na sua habilidade de moldar os interesses, atitudes e valores dos jovens”. [viii] Lamentavelmente, a maioria dos interesses que a mídia molda é antissocial.

Por exemplo, uma publicação online da Universidade do Sistema de Saúde de Michigan declara que “Literalmente milhares de estudos desde os anos 1950 questionaram se há um elo entre a exposição à violência da mídia e o comportamento violento. Todos senão 18 responderam, ‘Sim’. …De acordo com a AAP (Academia Americana de Pediatras), ‘Extensiva evidência de pesquisas indica que a violência da mídia pode contribuir para o comportamento agressivo, dessensibilização à violência, pesadelos e medo de ser magoado’”. [ix]

Para compreender quanto a violência as jovens mentes absorvem, considere esta informação da publicação mencionada acima: “Uma criança mediana Americana verá 200.000 ações violentas e 16.000 assassinatos na TV pelos 18 anos de idade”. [x] Se este número não parece alarmante, considere que há 6.570 dias em dezoito anos. Isto significa que em média, pelos dezoito anos de idade uma criança terá sido exposta a um pouco mais de trinta ações de violência na TV, 2.4 das quais são assassinatos, todos os dias da sua jovem vida.

Na mesma nota, no seu livro, Desenvolvimento Durante a Vida: Uma Abordagem Psicológica, publicado em 2008, Barbara M. Newman, PhD e Philip R. Newman descrevem como a “Exposição a muitas horas de violência na televisão aumenta o repertório de comportamento violento das jovens crianças e aumenta a prevalência de sentimentos de cólera, pensamentos e ações. Estas crianças são apanhadas na fantasia violenta, participando da situação televisiva enquanto assistem”. [xi] Se nos recordarmos dos neurônios-espelho, e considerarmos quanto nós, e especialmente as crianças, aprendem por imitação, podemos imaginar que dano irreversível a violência lhes causa, e nós já estamos sentindo os efeitos desta educação enferma.

Desta forma, desenvolver mídias que sejam pró-sociais e de pró-responsabilidade mútua é imperativo para nossa sobrevivência enquanto sociedade habitável. Isso deve desempenhar um papel chave na mudança da atmosfera pública de alienação para camaradagem. As mídias nos fornecem praticamente tudo o que sabemos sobre o nosso mundo. Até a informação que recebemos de amigos e da família frequentemente chega via mídias — a versão moderna da parreira.

Mas as mídias não nos fornecem simplesmente informação. Também nos oferecem petiscos sobre pessoas que aprovamos ou desaprovamos, e nós formamos nossas visões baseadas no que vemos, escutamos ou lemos. Como seu poder sobre o público não tem rival, se as mídias mudarem para a convergência e a unidade, também mudarão a visão mundial da maioria das pessoas para esses valores.

Atualmente, as mídias se concentram em indivíduos bem sucedidos, magnatas da media, mega estrelas pop, e indivíduos ultra bem sucedidos que ganharam milhões nas costas dos seus rivais. Em tempos de crise, tais como depois do Furacão Sandy, ou durante inundações, as pessoas se unem em prol de se ajudarem. Em tais tempos estas histórias, que as mídias transmitem abundantemente, ajudam a levantar a moral e nos dão esperança de que o espírito humano não seja de todo mau. Mas, assim que o próximo item de notícias aparece, as mídias correm atrás dessa história e desaparecem, levando com elas a fé no espírito humano. Em vez disso, sensações de suspeita e alienação ressurgem no horário nobre.

Para instalar uma mudança duradoura e fundamental na nossa visão mundial, para nos fazer desejar a qualidade de doação, as mídias devem apresentar a imagem completa da realidade, e nos informar a sua estrutura interligada e interdependente. Para este fim, elas devem produzir programas que demonstrem como essa qualidade afeta todos os níveis da Natureza — inanimado, vegetal, animal e falante — e encorajar as pessoas a emulá-la com o objetivo de equalizar nossa sociedade com os traços da Natureza ou seja, mutualidade e homeostase. Em vez de programas de entrevistas que idolatram pessoas que têm sucesso, estes programas devem louvar pessoas que ajudaram outras a ter sucesso.

Se as mídias mostrarem pessoas se preocupando umas com as outras e as colocarem num pedestal principalmente porque suas ações coincidem com a lei da Natureza, a Lei da Doação, isso gradualmente mudará o desejo do público de egocêntrico para a camaradagem. As pessoas começarão a sentir que há ganho pessoal em ser altruísta, possivelmente muito mais do que o ganho onde há egoísmo, se é que há algum ganho nele.

Hoje, a mensagem predominante que as mídias devem retratar é, “Unidade é divertida, e ela também é boa para você, junte-se”! Há várias e amplas maneiras pelas quais podemos demonstrar que a unidade é uma dádiva.

Embora todo o cientista saiba que nenhum sistema na Natureza opera em isolamento, e que a interdependência é o nome do jogo, a maioria de nós está inconsciente disso. Quando virmos como cada órgão físico funciona para beneficiar o corpo inteiro, como as abelhas colaboram em colmeias, como um cardume de peixes nada em uníssono que pode ser confundido com um único peixe gigante, e como os chimpanzés ajudam outros chimpanzés, ou até humanos, sem qualquer recompensa em retorno, saberemos que a principal lei da Natureza é a da harmonia e coexistência.

As mídias devem nos mostrar tais exemplos muito mais frequentemente que o fazem. Quando percebermos que é assim que a Natureza funciona, espontaneamente examinaremos nossas sociedades e nos esforçaremos em emular essa harmonia entre nós. Se nossos pensamentos começarem a mudar nesta direção, eles criarão uma atmosfera diferente e introduzirão um espírito de esperança e força nas nossas vidas, até antes deles implementarem esse espírito na realidade, uma vez que estaremos alinhados com a força da vida da Natureza — o Criador.

Porque, tal como acabamos de afirmar, nosso maior prazer é o de ganhar a aprovação das pessoas, se outros aprovarem nossas ações e visões nos sentiremos bem acerca de nós mesmos. Se eles desaprovam o que fazemos ou dizemos, nos sentimos mal acerca de nós mesmos e tendemos a esconder ou modificar nossas ações para nos ajustarmos à norma social. Em outras palavras, como é tão importante para nós nos sentirmos bem conosco mesmos, as mídias estão numa posição única para mudar as ações e visões das pessoas.

Não surpreendentemente, os políticos são as pessoas mais dependentes de votos na sociedade, pois suas carreiras e a própria vivacidade dependem da sua popularidade. Se lhes mostrarmos que mudamos nossos valores, eles mudarão os seus para seguir nossa conduta. E uma das maneiras mais fáceis e mais eficazes de lhes contarmos o que valorizamos é mostrar-lhes o que queremos ver na TV! Se dermos elevadas classificações a programas que promovem unidade e camaradagem, os políticos irão se sintonizar nesse espírito e legislarão correspondentemente. Como os políticos querem manter sua posição, precisamos lhes mostrar isso, reter suas posições, eles têm que promover o que nós queremos que eles promovam: unidade.

Quando formos capazes de criar uma mídia que promova unidade e colaboração em vez da glorificação de celebridades, criaremos um meio que nos persuada que a unidade e a responsabilidade mútua são boas.

[i] Citado do filme, Crossroads: Labor Pains of a New Worldview, de Joseph Ohayon, publicado em 31 de dezembro de 2012, no Youtube, url: https://www.youtube.com/watch?v=5n1p9P5ee3c, 2: 53, desde o início.

[ii] Thomas J. Murray, Ed.D., “Qual é o Integral na Educação Integral? Da Pedagogia Progressiva à Pedagogia” Integral Review (Junho de 2009), Vol. 5, No. 1, p 96.

[iii] http://en.wikipedia.org/wiki/Integral_education.

[iv] http://www.merriam-webster.com/dictionary/homeostasis

[v] T. Irene Sanders e Judith McCabe, PhD, The Use of Complexity Science: a Survey of Federal Departments and Agencies, Private Foundations, Universities, and Independent Education and Research Centers, outubro de 2003, Washington Center for Complexity & Public Policy, Washington, DC. url: www.hcs.ucla.edu/DoEreport.pdf

[vii] Jon R Katzenbach & Douglas K Smith, The Wisdom of Teams: Creating the High-Performance Organization (US: Harvard Business School Press, January 1, 1992), 37-38.

[vi] Rav Yehuda Leib HaLevi Ashlag (Baal HaSulam), Os Escritos do Baal HaSulam, 44.

[vii] Jon R Katzenbach e Douglas K Smith, The Wisdom of Teams: Creating the High-Performance Organization (US: Harvard Business School Press, January 1, 1992), 37-38.

[viii] U.S. Department of Education, “Media Guide—Helping Your Child Through Early Adolescence,” http://www2.ed.gov/parents/academic/help/adolescence/index.html

[ix] University of Michigan Health System, “Televisão e as Crianças”, http://www.med.umich.edu/yourchild/topics/tv.htm

[x] ibid.

[xi] Barbara M. Newman e Philip R. Newman, Development Through Life: A Psychosocial Approach (Belmont, CA: Wadsworth Cengage Learning, 2008), 250

Comente