A Morte Não É O Fim

laitman_928Nas Notícias (de Psychology Today): “A vida é uma aventura que transcende nossa maneira ordinária linear de pensar. Nossa maneira clássica de pensar baseia-se na crença de que o mundo tem uma existência objetiva independente do observador. Mas uma longa lista de experimentos mostra justamente o contrário. Nós achamos que a vida é apenas a atividade de carbono e uma mistura de moléculas: nós vivemos um tempo e depois apodrecemos no chão.

“Nós acreditamos na morte porque fomos ensinados que morremos. Também, é claro, porque nós nos associamos com nosso corpo e sabemos que os corpos morrem. Fim da história. Mas o biocentrismo, uma nova teoria de tudo, nos diz que a morte pode não ser o evento terminal que pensamos. Incrivelmente, se você adicionar vida e consciência à equação, você pode explicar alguns dos maiores enigmas da ciência. Por exemplo, torna-se claro porque espaço e tempo — e até mesmo as propriedades da matéria em si — dependem do observador. Também fica claro porque as leis, as forças e constantes do universo parecem ser requintadamente aperfeiçoadas para a existência de vida.

“Até que reconheçamos o universo em nossas cabeças, as tentativas de compreender a realidade permanecerão uma estrada para lugar nenhum. …Tudo o que você vê e experimenta agora, mesmo seu corpo, é um turbilhão de informações ocorrendo em sua mente. De acordo com o biocentrismo, espaço e tempo não são os objetos duros e frios, que pensamos. Passe a mão pelo ar — se você retira tudo, o que resta? Nada. O mesmo se aplica ao tempo. Espaço e tempo são simplesmente as ferramentas para juntar tudo.

“Considere o famoso experimento das duas fendas. Quando os cientistas assistem uma partícula passar por duas fendas numa barreira, a partícula comporta-se como uma bala e passa por uma fenda ou outra. Mas se você não assistir, ela atua como uma onda e pode atravessar as duas fendas ao mesmo tempo. Então, como pode uma partícula alterar seu comportamento dependendo se você a vê ou não? A resposta é simples, a realidade é um processo que envolve a sua consciência.

“Ou considere o famoso princípio da incerteza de Heisenberg. Se realmente há um mundo lá fora com partículas só saltando ao redor, então nós devemos ser capazes de medir todas as suas propriedades. Mas você não pode. Por exemplo, a exata localização e o momentum de uma partícula não podem ser conhecidos ao mesmo tempo. Então por que deveria importar para uma partícula o que você decide medir? E como pares de partículas emaranhadas podem estar instantaneamente conectados em lados opostos da galáxia como se tempo e espaço não existissem? Novamente, a resposta é simples: porque eles não estão apenas ‘lá fora’ — espaço e tempo são simplesmente ferramentas da nossa mente.

“A morte não existe num mundo atemporal, sem espaço. A imortalidade não significa uma existência eterna no tempo, mas reside fora do tempo por completo.

“Nossa maneira linear de pensar sobre o tempo também é inconsistente com outra série de experiências recentes. Em 2002, cientistas mostraram que as partículas de luz ‘fótons’ sabiam, antecipadamente, o que fariam no futuro os seus gêmeos distantes. Eles testaram a comunicação entre pares de fótons. Eles deixaram um fóton terminar sua viagem — ele tinha que decidir se queria ser uma onda ou uma partícula.

“Pesquisadores esticaram a distância que o outro fóton levava para chegar ao seu próprio detector. No entanto, eles poderiam adicionar um codificador para impedi-lo de entrar em colapso numa partícula. De alguma forma, a primeira partícula sabia o que o investigador ia fazer antes de acontecer, e através de distâncias instantaneamente como se não houvesse espaço ou tempo entre elas. Elas não decidem tornar-se partículas antes que seu gêmeo encontre o codificador. Não importa como montamos o experimento. Nossa mente e o seu conhecimento é a única coisa que determina como elas se comportam. Experiências consistentemente confirmam estes efeitos dependentes do observador.

“Bizarro? Considere outro experimento que foi recentemente publicado na prestigiosa revista científica Science (Jacques et al, 315, 966, 2007). Cientistas na França atiraram fótons em um aparelho e mostraram que o que eles fizeram poderia retroativamente mudar algo que já tinha acontecido no passado. Como os fótons passaram uma bifurcação no aparelho, eles tiveram que decidir se se comportavam como partículas ou ondas quando atingiam um divisor de feixe. Mais tarde — bem depois que os fótons passavam a bifurcação — o experimentador aleatoriamente poderia mudar um segundo divisor de feixe em ligado e desligado. Acontece que o que o observador decidiu nesse ponto, determinou o que a partícula realmente fez na bifurcação no passado. Naquele momento, o experimentador escolheu o seu passado.

“Claro, vivemos no mesmo mundo. Mas críticos afirmam que esse comportamento é limitado ao mundo microscópico. Mas esta visão de ‘dois-mundo’ (isto é, um conjunto de leis físicas para pequenos objetos e outro para o resto do universo, inclusive nós) não tem nenhuma base racional e está sendo desafiada em laboratórios em todo o mundo. …

“Um aspecto bem conhecido da física quântica é que observações não podem ser previstas de forma absoluta. Em vez disso, há uma gama de possíveis observações cada uma com uma probabilidade diferente. Uma explicação convencional, a interpretação de ‘muitos mundos’, afirma que cada uma destas observações possíveis corresponde a um universo diferente (o ‘ multiverso’). Há um número infinito de universos e tudo o que poderia acontecer ocorre em algum universo. A morte não existe em nenhum sentido real nesses cenários. Todos os universos possíveis existem simultaneamente, independentemente do que acontece em qualquer um deles.

“A vida é uma aventura que transcende nossa maneira ordinária linear de pensar. Quando morremos, nós não fazemos numa matriz de bola de bilhar, mas na inescapável matriz da vida. A vida tem uma dimensão não-linear; é como uma flor perene que retorna a florescer no multiverso.

“‘As influências dos sentidos,’ disse Ralph Waldo Emerson ‘tem na maioria dos homens dominado a mente na medida em que as paredes do espaço e do tempo têm vindo a parecer sólido, real e intransponível; e falar com leviandade desses limites no mundo é sinal de insanidade.'”

Meu Comentário: Desde a época de Adão até o nosso tempo, cada Cabalista alcança tudo o que foi dito; além disso, na realidade, ele descobre o que está acontecendo apenas dentro de si mesmo, em sua consciência, além do tempo, espaço e movimento.

Comente