Purim É Um Chamado Para Unir

laitman_933Purim é o grande feriado da redenção; é o feriado do êxodo do exílio. A sabedoria da Cabalá nos diz sobre a história da evolução da humanidade de Adão em diante. Antes dele havia seres humanos e civilizações, mas Adão encarna o início de uma nova história, a história do desenvolvimento espiritual da humanidade.

Ele foi o primeiro a descobrir que a vida não era apenas para sobreviver no plano deste mundo, mas para ascender deste mundo para o próximo nível, para o mundo espiritual, e para se tornar uma entidade totalmente diferente, para se tornar um ser humano.

A palavra “Adam” deriva da palavra hebraica “Edame” (assemelhar-se), assemelhar-se ao Criador que existe numa dimensão diferente. E visto que ele foi o primeiro a descobrir a possibilidade de ascensão do estado animal para o nível humano, para o nível de se assemelhar ao Criador, ele é chamado de Adão.

Mas foi só Abraão que conseguiu alcançar a equivalência com a força superior, ascendendo os níveis da natureza inanimada, vegetal e animal, até o nível humano, ao sentir que estava numa nova dimensão. Isso aconteceu 20 gerações depois de Adão.

Qual é a razão de Abraão ter conseguido isso? Foi porque a humanidade, que era apenas um pequeno número de pessoas que povoam a antiga Babilônia na época, de repente se viu num beco sem saída egoísta.

As boas relações entre os babilônios, que viviam como uma família, de repente se encheu de falta de confiança, roubo e abuso mútuo, tais relações egoístas a partir das quais eles não sabiam para onde ir. Eles pensaram: “Nós temos que subir aos céus e descobrir a razão para o que está acontecendo conosco”. Neste momento, na antiga Babilônia, duas personalidades líderes se destacaram representando dois pontos de vista diferentes: o ideólogo e cientista de sua época, Abraão, e o rei de Babilônia, Nimrod.

De acordo com a ideologia de Abraão, a humanidade existia para se unir acima do ego que mantém as pessoas separadas. Unindo-as, eles poderiam atingir o próximo nível de seu desenvolvimento.

O ego intencionalmente os levou a um beco sem saída, para que eles não sucumbissem a ele, caso contrário ele iria levá-los a sua aniquilação mútua. Eles não tinham outra escolha, a não ser simplesmente se conectar acima dele. Além disso, há tal força na natureza que pode ser atraída, de modo que ela pode nos ajudar a realizar esta ação.

Nimrod, por outro lado, acreditava que eles tinham que seguir um caminho diferente: se dispersar por todo o mundo como uma família que não pode viver junto e conviver uns com os outros. Eles tiveram que se dispersar e ir em direções diferentes, de modo que todos se sentiriam bem.

Milhares seguiram Nimrod e apenas alguns seguiram Abraão. De acordo com o conhecido historiador Titus Flavius ​​Josephus, os babilônios se dispersaram por todo o mundo e começaram a se estabelecer na Índia, China, África, Rússia e Europa. Mais tarde, eles cresceram em nações que lançaram os fundamentos da atual civilização global geral. Abraão, por outro lado, reuniu seus seguidores que concordavam com ele e entendiam seu ponto de vista, e que o seguiram até a terra de Canaã, a localização do atual estado de Israel.

As nações que se dispersaram por todo o mundo começaram a ser chamadas por seus locais de origem, suas famílias, suas tribos ou o lugar em que se estabeleceram: alemães, russos, etc. Os seguidores de Abraão, porém, se chamavam “Israel”, decorrente das palavras hebraicas “Yashar – El”, ou seja, direto ao Criador. Isto significa que eles se concentravam diretamente na força superior, no plano superior da natureza que une e junta tudo em um.

O grupo de Abraão era composto por representantes de diferentes comunidades que sentiam que sua ideia era certa e, portanto, se uniram a ele. É assim que nasceu a nação que se reuniu com base numa ideia comum. Esta é a diferença entre os judeus e outras nações.

Os descendentes de Abraão foram Isaac, Jacó e José, que eram os próximos níveis de desenvolvimento deste grupo, os níveis de uma conexão cada vez maior. O grupo que deixou Babilônia junto com Abraão encontrava-se diante de grandes conflitos e divergências, que é chamado de exílio no Egito. Note que nós falamos de eventos históricos à luz de ações espirituais; por isso, nós denominamos categorias geográficas e históricas de acordo com seu estado espiritual.

É dito que havia fome na terra de Israel e os judeus desceram para o Egito, o que significa que a nação sentia uma fome espiritual, resultante da confusão e enfraquecimento da conexão entre eles. Thomas Mann descreve muito bem os conflitos e as divergências ideológicas entre os filhos de Jacó em seu livro José e Seus Irmãos.

O estado do Egito (Mitzraim) simboliza a concentração de mal na qual os judeus sentiram a forte dominação do ego chamado Faraó (egoísmo) e tentaram romper com ele. Eles decidiram que não podiam permanecer no estado de hostilidade mútua, de ódio e de dominação do Faraó, porque isso não permitia que eles se aproximassem um do outro. Assim eles perceberam e entenderam que tinham caído da conquista daquele pequeno nível espiritual que se encontravam anteriormente. Eles perceberam que não tinham escolha a não ser fugir do estado do Egito. Isso aconteceu à noite, na escuridão, às pressas.

Mas antes disso, eles passaram pelas dez pragas do Egito, que eles sentiram em sua carne, e assim foram libertados da dominação do ego, o domínio do Faraó.

Quando eles saíram do Egito, ou seja, da hostilidade mútua, eles gradualmente se uniram e chegaram ao estado do Monte Sinai, que deriva da palavra hebraica “Sina” (ódio). Eles tinham que subir acima dele para alcançar o Criador.

Há um atributo na nação israelita chamado Moisés, decorrente da palavra hebraica “Moshech” (atrair ou puxar), que é a personificação da ligeira conexão entre eles que os tira do Egito e pode puxá-los acima do ódio, a fim de se conectar com o Criador e receber Dele o método de formação da nação. Este método é chamado de Torá.

A Torá é a Luz que corrige o ego de toda a massa do povo para criar um único desejo que está acima da separação, do ódio e das acusações mútuas, e que está, na verdade, ansiando em estabelecer boas relações acima de tudo isso.

Quando a conexão entre as pessoas torna-se homogênea, direta e igual, e todos os desejos anteriores são integrados, criando um desejo único inclusivo, no qual a pessoa dá aos outros e os ama, e todo mundo faz isso mutuamente, este desejo se volta para o estado superior, ao Criador, o que significa à natureza, com amor mútuo. O Criador (Elokim) simboliza a força superior, o atributo superior, a liderança superior.

Quando elas anseiam pela doação, pela força superior, em amá-Lo e pela adesão mútua com Ele, elas atingem esse estado. Agora elas já são chamadas de “Israel”, e começam a sentir o próximo nível de sua existência ao ascender dos níveis inanimado, vegetal e animal da natureza ao nível do Criador, o nível da força superior da natureza que está oculto de nós.

Elas transcendem o Machsom (barreira) de ocultação, descobrem-No e, assim, começa realmente a sentir e viver Nele a tal ponto que a existência do corpo físico se torna sem importância. É porque o corpo é uma entidade corpórea e a pessoa na verdade não se importa se ela morre ou não, uma vez que nesse nível ela já existe no seu estado pleno e eterno.

Hoje qualquer um pode chegar a este estado, assim como os nossos antepassados ​​o fizeram. Eles escreveram sobre ele na Torá cHamãdo-o de “Primeiro Templo”. Neste estado, toda a criação é revelada, a força superior, a existência ilimitada da humanidade para além do tempo e do espaço.

Eles viveram nesse estado por vários séculos, e depois o ego começou a comprometer seu estado e começou a separá-los novamente, controlando-os por acusações mútuas. Eles perceberam que isso era necessário para que eles pudessem subir ainda mais alto acima do ego e alcançar o próximo nível, mas eles não conseguiram superá-lo e caíram no estado de ódio infundado.

Este estado é chamado de “exílio na Babilônia”. Mil anos mais tarde, eles voltaram à mesma Babilônia de onde Abraão lhes tinha tirado, mas agora ela não era mais o mesmo pequeno país na Mesopotâmia, mas o império gigante do rei Nabucodonosor que governava 127 estados. Sendo um líder inteligente, o rei dispersou os judeus em todos os estados e, assim, manteve-os separados e desconectados, mas isso era ainda melhor na época.

Muitos anos se passaram até que Babilônia foi governada pelo rei Assuero e o ímpio Hamã, que surgiu com a ideia de aniquilar os judeus. Ele começou a denegri-los perante o rei: Há certo povo disperso e separado entre os povos em todas as províncias do teu reino, e as suas leis são diferentes [das de] cada povo, e eles não mantêm as leis do rei; é [portanto] inútil que o rei os deixe viver. (Livro de Ester).

Um judeu sábio chamado Mardoqueu, que era parente da rainha Ester, a esposa amada de Assuero, vivia na Babilônia naqueles dias. Ele decidiu impedir uma conspiração e torná-la conhecida do Rei. Mas Ester disse que nem ela nem o rei poderiam fazer algo, já que os judeus estavam separados. Se vocês se reunirem eu vou contar ao Rei sobre a conspiração. Você vai começar a orar de cima e eu vou começar a agir de baixo e nós vamos destruir o ímpio Hamã e todos aqueles que conspiram contra nós. Além disso, vai ser o início de nosso retorno à nossa pátria, à terra de Israel. (Livro de Ester)

Mardoqueu disse aos judeus que viviam na cidade de Sushan, a capital do império babilônico, sobre isso. Ele os chamou para jejuar, se aproximar e ser como um homem em um só coração, de acordo com a lei judaica que foi aceita na base do Monte Sinai. Assim, elevando-se acima do ego e conectando-se totalmente, eles retornaram à sua raiz e foram recompensados ​​com a volta à terra de Israel, o que significa que adquiriram atributos que eram iguais a essa terra. Assuero libertou-os e lhes permitiu regressar à sua terra. Mais tarde, o filho de Ester e Assuero ajudou a construir o Segundo Templo e o exílio na Babilônia havia terminado.

Vários séculos depois, o Segundo Templo foi destruído por causa do ódio que mais uma vez eclodiu entre os judeus e, mais uma vez eles foram exilados da terra de Israel. Hoje nós estamos saindo desse exílio, mas cada lugar e estado ao redor do mundo tem o seu próprio Hamã e especialmente em torno do Estado de Israel.

Mas o resgate é exatamente o mesmo que foi durante o tempo da Rainha Ester: se nos unirmos, vamos facilmente nos livrar de todos os nossos inimigos. Eles vão nos libertar da sua presença má e vão nos ajudar assim como fizeram no passado para restaurar e reconstruir o Templo. Também está escrito no livro do profeta Ezequiel, que as nações do mundo vão levar os judeus em seus ombros à sua terra e construir o Terceiro Templo com eles.

Tendo retornado do exílio corpóreo e vivendo na terra de Israel, nós estamos num exílio espiritual e temos que sair dele, o que significa ascender ao nível da redenção espiritual do ego que nos despedaça, para nos conectarmos a fim de ascender ao nível da eternidade e plenitude. Este é o chamado de Purim, o feriado da unidade. Nós temos todas as condições necessárias para fazer isso aqui e agora.

De uma Palestra sobre Purim, 18/02/15

Comente