Os Caminhos Da Babilônia São Tão Diferentes

Laitman_115_04O Zohar , “ShlachLecha“(Envia), Item 83: Israel é mais feliz do que todas as nações do mundo porque o Criador o queria, chamou o Seu nome por ele, e foi glorificado nele, pois o mundo foi criado apenas para Israel, para que eles possam se envolver com a Torá. É assim porque um conecta com outro, ZA e Malchut, e Israel abaixo (neste mundo) é a Sua existência, onde por suas boas ações eles elevam MAN para o seu Zivug, e eles são a existência de todas as outras nações, que existem para Israel, que fazem a vontade de seu Mestre.

A alma geral foi dividida em duas partes: GE e AHP. Os desejos que pertencem a GE receberam as centelhas de doação durante a quebra, e, portanto, são atraídos para o Criador. Eles vivem neste mundo e se perguntam sobre o sentido da vida, sobre o seu objetivo, e sobre o propósito da nossa existência aqui.

Estas perguntas não resultam de um benefício útil e prático, mas de uma aspiração interna instintiva de descobrir o Criador, a fonte da nossa vida. Tais desejos são chamados de Israel, que significa Yashar-El (direto ao Criador), e, portanto, quando a Luz opera sobre os desejos, é este tipo de desejo que surge pela primeira vez antes de todos os outros.

O escrutínio é focado na conexão entre nós acima do nosso ego, que definimos como a força que impede a unidade. Essas circunstâncias foram reveladas pela primeira vez no estado chamado antiga Babilônia.

Lá, pela primeira vez, começaram a aparecer esses desejos sentindo o anseio de revelar o Criador, enquanto todos os outros desejos ansiavam pela revelação de seu ego. Assim, eles se afastaram em direções diferentes, de acordo com seu vetor. Alguns foram para um lado e os outros para o outro.

Israel é aqueles que descobriram o método de correção e o realizaram. Todo este método é sobre alcançar o “Ama o teu próximo como a ti mesmo”, com a ajuda da Luz que Reforma. Assim, a pessoa se assemelha ao Criador e quer agradá-Lo com todas essas ações.

Todos os outros desejos não ansiavam por isso na época, mas só queriam preencher o seu ego e começaram a se desenvolver de forma capitalista. Eles viviam uma vida simples em grupos, como uma nação, como uma comunidade na antiga Babilônia antes do ego entrar em erupção neles. Eles só se preocupavam com seu simples bem-estar e sobre como fornecer o seu pão e as necessidades básicas para a existência humana.

No entanto, quando o desejo egoísta de desfrutar cresceu neles, e algumas das pessoas começaram a aspirar pela revelação do Criador, a outra parte continuou a desenvolver o seu desejo de desfrutar, o ego. Este ego empurrou-os para adquirir mais do que precisavam. Este é o lugar onde a evolução da sociedade humana começa na forma em que ela tem evoluído até o dia de hoje, a fim de adquirir uma maior riqueza além das necessidades básicas de uma pessoa.

Isso determinou um estilo e objetivo de vida totalmente diferente, em comparação com a meta da vida daqueles que anseiam pelo Criador, os de Israel. Por isso, os dois grupos ficaram cada vez mais distantes. Os babilônios que se chamavam Israel se concentraram direto no Criador e começou a realizar este trabalho e, assim, afastaram-se dos outros.

Com o tempo, as partes mais novas dos babilônios começaram a se juntar a Israel, na medida em que a Luz agia nelas e esclarecia os desejos de uma geração para a outra. Assim, mais e mais pessoas começaram a sentir o anseio pelo Criador de acordo com a correção do desejo “Ama o teu próximo como a ti mesmo”.

Da Preparação para a LiçãoDiária de Cabalá 29/05/14

Comente