A Sabedoria Da Cabalá – Um Prefácio Ao Sistema Da Doação Mútua

Laitman_115_05Pergunta: Eu leio o Estudo das Dez Sefirot com você, mas não entendo nada, embora, por vezes, quando junto as definições em imagens e diferentes conexões, recebo algum tipo de esquema. Será que estou fazendo a coisa certa?

Resposta: Imagine que você é um alienígena que chegou do espaço sideral e lhe dizem sobre as relações entre as pessoas: estas são conexões com fio e não cabe a nós quem serão os nossos pais, quem vamos encontrar, e quem controla o nosso destino. Nós estamos todos intimamente conectados num único sistema, como nós numa rede.

Nesta rede nós tratamos uns aos outros egoisticamente; como resultado, a conexão entre nós é mínima e nós a sentimos como nossa vida (como este mundo). Aos poucos, nós desistimos de nossos desejos não realizados e da ideia de que eles podem ser preenchidos com qualidade, quantidade e compreensão, e que eles nos permitirão sentir qualquer coisa acima de nossa vida.

Mas tudo depende de quão conectados nós estamos, quão bom são os nossos relacionamentos e de como preenchemos mutuamente um ao outro, apesar do sentimento mútuo de rejeição inicial. Nós estamos incorporados nesta rede de doação mútua e amor na qual a nossa única liberdade de escolha, a nossa única ação verdadeira, é preencher um ao outro, apesar do fato de que cada um de nós só quer satisfazer-se à custa dos outros.

Todas as nossas outras ações, quando preenchemos a nós mesmos, não são levadas em conta como ações. Nós somos punidos por elas, para que possamos entender quão desesperadas elas são. Mas nós somos punidos sutilmente, de modo a não nos privar de nosso livre-arbítrio, de modo que fiquemos mais sábios e entendamos a conexão entre nós e queiramos cumpri-la por nós mesmos, primeiro por necessidade e, depois, por vontade própria, por amor.

Os livros autênticos de Cabalá nos falam sobre os tipos de conexões entre nós e sobre a nossa forma de preencher o outro, que é a nossa participação neste sistema: como usá-la de modo que cada um de nós possa doar mais e preencher mais os outros. Assim como existem conexões e condições sem fim nas relações entre nós neste mundo, o mesmo ocorre no sistema superior. Mas isso é percebido em nossos sentidos como uma introdução para uma nova sociedade, quando você é apresentado a seus membros e seus relacionamentos.

Eu sou um desejo egoísta, uma alma que quer se corrigir e que está pedindo o nível superior, Malchut de Atzilut, para isso. Malchut de Atzilut se volta a ZeirAnpin com o meu pedido, e este se volta a Aba e Ima, e, assim, todo o sistema é ativado e estimula o poder de correção que eu preciso e leva-o até mim. Então, como resultado do poder que eu recebo, eu me torno justo e posso doar ativamente, o que significa participar da conexão geral da “sociedade” do mundo superior. Eu atinjo o significado e todas as ações desse sistema, seu pensamento, plano e objetivo e, gradualmente, me torno como ele, eterno e infinito.

Comente