Temos De Abraçar a Natureza A Fim De Avançar

As eleições antecipadas em Israel são acompanhadas por uma grave crise de confiança entre os cidadãos e os seus representantes eleitos. Não é por acaso que uma das manchetes nos jornais era “O Knesset foi dissolvido”. No entanto, os membros do Knesset votaram pela dissolução porque entendiam que a confiança do público caiu nos últimos anos.

O público sente que os políticos são separados deles e isso desperta decepção, especialmente entre os jovens. Muitos não vêem uma razão para irem votar porque não esperam qualquer mudança para melhor. Poucos pensam que as eleições irão realmente nos ajudar a resolver os problemas de habitação, o custo de vida, relações sociais e de segurança.

Quando as pessoas ouvem as promessas de campanha, elas sabem que, imediatamente após as eleições, todos irão esquecê-las até a próxima eleição. Tudo o que temos é um sentimento de amargura, devido à falta de capacidade de influenciar qualquer coisa. Até o presidente [israelense] manifestou recentemente a sua preocupação com as pessoas não saírem para votar.

Claramente, a falta de fé, na liderança da nação e no partido que é eleito, mina as bases da democracia e tem conseqüências graves. Na última década, esse fenômeno se espalhou entre muitas nações do Ocidente. E nesse sentido, cada vez menos cidadãos vão às urnas para votar, com o percentual de eleitores indo abaixo de dois dígitos, o que é uma mudança significativa.

Pergunta: Como chegamos a uma situação como esta?

Resposta: Em primeiro lugar, devemos entender que o desenvolvimento do mundo está sujeito a um programa específico. Mesmo que não estejamos cientes disso, o curso da história indica isso.

Claro, houve figuras de destaque, como Napoleão, Lênin, Hitler, e Einstein, que muito contribuíram para a história. Ou seja, há pessoas através das quais este programa tem sido revelado no mundo. Mas, em geral, o programa continua a trabalhar, e não faz diferença quem senta no Congresso, na Duma, no Knesset, na Majlis, ou qualquer outro parlamento eleito.

Afinal de contas, estamos dentro de um sistema chamado de natureza, e na medida em que nós o investigamos, descobrimos uma lei imutável, rígida, sem quaisquer concessões a qualquer pessoa, não importa o quanto se está arrependido ou preocupado. Em última análise, a natureza refere-se simplesmente aos níveis do inanimado, vegetal, animal e humano, e os tem ativado para os trazer a um fim específico, desde o início da criação até o seu fim.

Então, quando nós escolhemos pessoas como estas ou outras, cabe a nós entender que, de fato, isso não muda o programa da natureza. Em vez disso, o que é importante é o quanto essas pessoas entendem o programa geral da natureza e sabem como trazer a sociedade para concordar com ele. Este é, precisamente, o lugar para introduzir mudanças, para transformar nossas vidas para tornar-se mais fácil e mais agradável. Isto porque, se nós nos acomodamos a este programa, teremos menos problemas.

Mas, por outro lado, se nós não entendemos o programa, ou mesmo negamos a sua existência, vamos sempre tropeçar em fenômenos desagradáveis. E não é de admirar. Podemos ir contra a natureza? Por causa de nossa falta de conhecimento, nós tentamos ir contra isso, e estamos decididos a construir o comunismo e somos rápidos em realizar experimentos sociais, mas todas estas etapas devem ser derivadas da natureza. Sem o reconhecimento de suas leis, estamos quase certamente errados em todas as nossas atividades. Como resultado, perdemos uma grande quantidade de energia, dinheiro e recursos, e, apesar de tudo, não podemos realizar os nossos programas, porque eles não são ajustados para o programa da natureza.

Pergunta: O que acontece quando vamos contra a natureza?

Resposta: Encontramo-nos em apuros. Por exemplo, os políticos sugerem soluções completamente contraditórias e uns não ouvem os outros, levando-nos a uma crise. Isso não quer dizer que as autoridades públicas eleitas não querem ou não podem ajudar, mas que eles não trazem os seus programas em coordenação com o programa da natureza. Isto é particularmente verdade em nosso tempo. Pois nos últimos 30 a 50 anos, a humanidade, gradualmente, chegou a um estado em que deve participar no seu desenvolvimento, intencionalmente, e de forma independente. Cabe a uma pessoa estar ciente do programa da natureza, para investigá-lo, e, conseqüentemente, organizar a si e a sociedade.

Por milhares de anos e, até a última metade do século passado, a natureza não nos perguntava como queríamos desenvolver-nos e não nos obrigava a desenvolver-nos de acordo com seu objetivo, a partir de uma compreensão do programa e sua finalidade. Em vez disso, nós éramos como uma manada que avança com a ajuda de golpes, problemas e pressões de vários tipos, como as catástrofes naturais, guerras, conflitos sociais, o alto custo de vida, desemprego, problemas familiares, e assim por diante.

Mas agora chegamos a uma situação em que temos de subir para o nível de Adam (Homem), que é uma criatura cuja cabeça começa a ser semelhante ao programa da natureza. Ele começa a entender e alcançar a criação, e do começo ao fim, ele vê as causas e efeitos e a possibilidade de participação adequada em um processo que é executado através da natureza. Caso contrário, este processo vai passar por cima de nós como um rolo compressor, “em seu tempo”, e nós não teremos nenhuma fuga.

Portanto, cabe a nós aprender o programa e avançar pelo caminho do “eu vou apressá-lo”, e nesse sentido, nós tomamos medidas proativas.

Isso significa que nós mesmos vamos mudar, atingindo um nível em que entendemos o que a natureza exige de nós. Em seguida, de acordo com as pressões da natureza, nós vamos responder imediatamente, vez após vez, e avançar em um abraço harmonioso com ela.

Em princípio, esta abordagem tem sido relevante desde o final do século 19, mas a partir do meio do século passado, tornou-se necessário e nos últimos 20 a 30 anos, tornou-se óbvio.

Como cidadão, em quem posso votar? Posso confiar em alguém quando vejo que o ritual das eleições no mundo não traz nada, mas novos problemas? Cada líder promete que está pronto para ajudar as pessoas em todos os sentidos possíveis. Vamos dizer que isso é certo, e ele está realmente pronto, mas ele não sabe como fazê-lo.

Então, o avanço será em uma determinada direção, que é independente do primeiro-ministro ou de algum presidente a quem amaldiçoamos. A crise de confiança entre as pessoas e seus líderes é um fenômeno natural. E o problema não está nos próprios líderes. Mesmo que fossem verdadeiramente comprometidos com o povo e seu bem-estar, seus planos ainda não são viáveis.

​​Há apenas uma maneira de ter sucesso, e isso é se os líderes e as pessoas aprenderão a essência da questão: para o que estamos avançando sob a pressão da natureza? Então, podemos entender que pode ser que não valha a pena para nós lutar diretamente contra o custo de vida, a deterioração da educação, a crise na família, e contra a corrupção. Pode ser que nós encontramos uma solução em um plano absolutamente diferente. De acordo com a sabedoria da Cabalá, de tal, teríamos apenas e só de cuidar da questão social.

Ainda hoje, nos partidos e em muitas organizações, as questões sociais são a sua principal prioridade. Mas mesmo que eles entendam que a alavancagem encontrada aqui possui imenso potencial, onde podem encontrar como ativá-la? Isso só é possível se abrirmos a natureza e a investigarmos profundamente.

Então, mesmo alguém que quer fazer mudanças para o melhor não tem êxito. Como de costume, as intenções são boas, mas as ações e seus resultados são o oposto. Vimos isso em relação ao último mandato do governo. Alguns ministros estavam determinados a ter êxito, mas no final, eles entraram em tamanha crise que hoje todas as pessoas os ridicularizam e os desprezam.

Chegou o momento para o povo compreender a razão para o desespero, porque desprezaram seus líderes e porque é que há uma crise de confiança nas pessoas que representam o povo. Nós já estamos abordando este entendimento.

Por isso, as pessoas devem saber o que está realmente acontecendo. Cabe-lhes entender que não é correto punir e rejeitar os políticos que têm assento no Knesset, no governo, e nas várias organizações. Em primeiro lugar, cabe a nós voltar para a escola e aprender o programa da natureza.

A humanidade, e em particular o povo de Israel, está entrando em uma nova era. Hoje, temos de entender como a natureza está nos liderando e para que meta. Qual é a forma, padrão e modelo que a nossa sociedade tem de aceitar; como é que vamos nos adaptar a isto, e, conseqüentemente, como deve a sociedade mudar ano após ano?

Mudar a sociedade, a nós mesmos e não através dos golpes da natureza. Na situação de hoje, as pessoas devem participar propositadamente nestas mudanças.

Não há como escapar disso. Nós não podemos ser liberados desta carga, mantendo os líderes e representantes eleitos responsáveis. Nenhum deles está pronto para esta tarefa. Em primeiro lugar, cabe a nós aprender o que a natureza requer de nós. Há pessoas que chamam esta força de “o poder divino” ou “superior”, porque é maior do que nós. Isso porque, se um tsunami estava por vir, seria além de nossas habilidades lidar com ele. Em outras palavras, cabe a nós saber como nos comportar em relação a isto.

Nosso objetivo é começar a aprender, entender e nos familiarizar com a situação. Isto pertence as autoridades eleitas pelo povo e àqueles que os elegeram. Vamos, então, ver qual de nós está pronto para se conectar. De fato, estudos mostram que é preciso conectar-se “como uma pessoa com um só coração” e não se dividir em muitos campos que devoram uns aos outros.

Tem de haver uma tendência completamente oposta e uma nova percepção que inspira as pessoas que estão prontas para responder corretamente às perguntas que a natureza nos apresenta. Na verdade, todas as perguntas que a natureza põe diante de nós são solucionadas por meio de conexão.

Mas se continuarmos a agir de acordo com os métodos antigos, podemos esperar problemas muito mais difíceis do que antes. Pois o processo está avançando, e se ainda não nos adaptarmos ao programa da natureza, vamos passar por muito mais sofrimento.

[149462]

De KabTV “Uma Vida Nova” de 9/12/14

material relacionado:
O Direito De Escolha, Parte 2
Construção De Uma Nação Modelo

Comente