Mudar Nossa Visão Para Manifestar A Verdadeira Realidade

Dr. Michael LaitmanSe nós ignoramos os corpos que nos dividem, toda a humanidade é um desejo comum de ser preenchido. Tudo o que é matéria nessa realidade, nos níveis inanimado, vegetal, animal e humano, deseja prazer.

Eles se manifestam de forma diferente em cada fase. O prazer para uma pedra é quando ela tem a força interior para se sustentar em seu atual estado sólido. Ela existe e não permite que forças externas a dividam.

A planta não apenas preserva a si mesma, mas também se desenvolve, expande o escopo de sua vida e ocupa mais espaço do aquele com o qual originalmente começou. Ela desfruta o sol, a água e o ar, e sua capacidade de absorver estas coisas lhe dá um forte sentido de vida e vitalidade.

Além disso, os animais têm um desejo ainda maior de prazer e se deslocam de um lugar para outro, a fim de satisfazer este desejo.

O caso do ser humano é especial. Há pessoas que procuram, como os animais, maiores conexões com o prazer e garantias à sua preservação ao longo de toda a sua vida.

Todo mundo, de uma forma ou de outra, está familiarizado com os desejos relacionados à comida, sexo, família, dinheiro, honra e conhecimento. No entanto, algumas pessoas têm um impulso especial, pois querem se conectar com a força superior e experimentar prazer dela.

Uma pessoa com tal impulso quer saber por que, por que razão e em que a realidade ela vive, de onde veio, quem a governa, e o que acontece com ela após a morte do corpo. A pessoa sente que estas perguntas têm uma resposta. No desejo de ser preenchida e neste requisito primordial, a pessoa começa a experimentar um enriquecimento qualitativamente novo, enquanto deseja saber o que há além da vida em nosso mundo.

Há um monte de gente assim na Terra. Em particular, essas questões surgem naqueles que caem em depressão e buscam refúgio nas drogas, etc. A maioria deles pensa sobre a sua existência e o sentido da vida. Para eles, uma vida sem sentido não é doce, e eles não sentem que satisfazer desejos normais seja suficiente.

Para eles, tal existência parece animalesca, e prover a si, ter o próprio “berço” bem-construído e cuidar da prole, não separa, em princípio, os seres humanos do mundo animal. Aqui, nós ainda estamos no mesmo nível, e, na mesma linha no gráfico dos animais.

Por outro lado, a verdadeira pessoa é aquela que quer subir acima da sua vida corporal e entender por que ela vive. Esta questão veio à tona em grande escala durante os dias da Torre de Babel, quando as pessoas desenvolveram o egoísmo no nível máximo naquela época. Muitas pessoas se perguntavam por que isso aconteceu e qual era o propósito do ego. Elas se perguntavam: “O que receberemos ao construir uma torre até o céu e por que precisamos de uma obra arquitetônica como as pirâmides do Egito?”

Não havia resposta. É quando Abraão apareceu. Ele tinha estudado o problema dos flashes repentinos de egoísmo nas relações entre as pessoas e chegou à conclusão de que tudo isso era para ajudar as pessoas a se unir acima do egoísmo. Ele viu que se elas pudessem fazer isso, a própria força negativa do egoísmo iria elevá-las acima dele para uma nova altura espiritual, um nível qualitativamente novo chamado de “o mundo vindouro”.

O mundo vindouro é uma realidade totalmente voltada para a doação. Nós vivemos nossas vidas neste mundo como ela nos parece agora, emergimos desta interminável batalha egoísta onde um devora o outro, e subimos para outro nível de ser. Lá nós vamos nos tratar com amor, como está escrito: “O amor vai cobrir todos os crimes”, e essa relação será passada para os níveis da natureza inanimada, vegetal e animal.

Abraão era a propriedade da misericórdia (Hesed) e ensinou as pessoas a viver de acordo com o princípio do “ama o próximo como a ti mesmo”. Devido a isso, seus alunos ganharam uma nova percepção da realidade, vendo o mundo através do prisma da doação. Eu costumava buscar ganho pessoal em todos os lugares; eu queria usar tudo a meu favor, e agora, é o oposto. Eu mudei para ajudar os outros, amar os outros, e sentir a dor dos outros.

É quando o meu mundo mudou. Eu virei o paradigma da recepção e absorção gananciosa para o oposto, e esta é a transformação polar das minhas propriedades ancestrais que me permite abrir uma nova realidade.

Em outras palavras, tudo depende da minha percepção. Não há nenhuma realidade objetiva; é só o que eu vejo. Neste momento, a minha percepção é baseada na força da recepção, e eu tenho que alterar uma regulação dentro de mim para ver e compreender a realidade através do prisma do poder de doação. Se eu fizer isso, tudo vai aparecer na frente de mim de uma forma diferente.

Além disso, Abraão descobriu que o programa da natureza que gerencia o desenvolvimento da raça humana nos levaria a este estado. Substituir o conceito de recepção total pelo conceito de doação total, substituir o ódio pelo próximo e usar os outros para se beneficiar com amor, usando a si mesmo para o benefício deles, vai transformar o seu mundo.

Uma pessoa está acostumada a viver neste mundo e aqui tudo parece natural. Ela não compreende que, na verdade, tudo isso é apenas o fruto de certa percepção da realidade, e tudo depende do mecanismo de nossa percepção. A sabedoria da Cabalá nos ensina como mudar isso.

Assim, Abraão levou as pessoas a perguntar sobre o sentido da vida, pessoas que amadureceram e exigiram ver a verdadeira realidade, revelar a causa e o objetivo do programa. E ele as ensinou como mudar a sua visão para manifestar a verdadeira e completa imagem da realidade.

De KabTV “Uma Nova Vida” 25/10/14

Comente