Os Macabeus E A Ideologia Grega, Parte 1

Dr. Michael LaitmanPergunta: Enquanto nós estamos celebrando Chanucá, a festa da vitória dos Macabeus, vamos falar sobre a helenização, que os levou a ir para a guerra com os gregos.

Após as conquistas de Alexandre da Macedónia, os gregos impuseram sua cultura, que na época parecia bastante iluminada, racional e intelectual.

A abordagem racional, consciência e compreensão estavam a frente, por um lado, e por outro lado, a beleza e a estética. A competição também desempenhava um papel importante. Basicamente, a cultura grega antiga era retratada como muito progressista e dinâmica.

Inicialmente, nos primeiros dois séculos, o novo governo era simpático a todos os povos, incluindo os judeus, permitindo-lhes manter seus costumes e rituais religiosos. Junto com isso, eles eram obrigados a fazer parte do império universal e “supermodelo” com princípios morais cultivados.

À primeira vista, tudo estava bem. A elite judaica se juntou ao processo e viu as tendências de desenvolvimento nela. Mas, entre o povo judeu, apareceu um grupo que se opunha à assimilação e queria manter a sua singularidade, em vez de desaparecer na cultura “coletivo”. Por que isso? O que havia de ruim nisso?

Resposta: Em primeiro lugar, esses eventos são muito diferentes aos meus olhos. Essa parte do povo que permaneceu fiel à cultura judaica não representava uma minoria quantitativa, mas qualitativa: a fraqueza das forças internas do homem.

A cultura grega não podia penetrar seriamente a cultura judaica, pois estava em oposição absoluta ao que o povo judeu vivia e respirava e ao que absorvia de toda a sua abordagem da vida. Primeiro de tudo, naqueles tempos, os judeus passavam por um poderoso sistema de educação integral. Dizia-se que não havia nenhuma criança de seis anos de idade, desde Dã até Berseba, que não conhecia as leis de impureza e pureza.

Além disso, isso se refere à pureza interior de uma pessoa. Hoje, os rabinos passam por exames em Kashrut, mas o povo sabia, então, que “pureza” era essencialmente a intenção de doar, e “ama o amigo como a ti mesmo”. Impureza era seu oposto, o uso do ego para benefício pessoal. Os judeus viveram de acordo com a lei do amor até os dias do Rabi Akiva, quando o segundo Beit HaMikdash (templo) foi destruído e o princípio do “ama o amigo como a ti mesmo” entrou em colapso, algo que mais tarde levou ao exílio do povo judeu.

Com efeito, no período dos Macabeus, todos estavam ainda numa grande altura espiritual; o povo sabia como cumprir a Torá e as Mitzvot (preceitos) no sentido espiritual, corrigindo seus desejos para o bem dos outros e para o bem do Criador. Todos estavam verdadeiramente como um homem com um coração. Eles certamente foram compelidos a cada momento a superar a inclinação ao mal que estava crescendo continuamente, e, desta forma, subiram mais e mais no amor ao próximo, na unidade. Sua unidade causava o crescimento do ego a todo o momento e eles se uniam novamente acima dele, a fim de descobrir todo o ego no seio do povo, conectar-se acima dele, e alcançar o fim da correção.

Eles ansiavam por isso, e nesta condição o primeiro Beit HaMikdash (Templo) foi construído. Depois, um recuo em relação a isto começou, o que era completamente natural, até que tudo foi destruído e o povo de Israel foi para o exílio e depois deixou-o, como é dito, Gênesis 15:14: com muitos bens, como no tempo do êxodo do Egito. No entanto, desta vez, isso atrairia toda a humanidade consigo, que na verdade é algo que temos que fazer hoje.

Primeiro é necessário compreender o processo, que é completamente oposto ao que acontece com todos os outros povos. O povo de Israel vive de acordo com a lei, Levítico 19:18: E amarás o teu amigo como a ti mesmo, em Arvut (garantia mútua), cada um apoiando os outros e criando unidade através do poder de doação. E assim o Criador foi revelado entre eles.

Os profetas também surgiram a partir daqui. Tudo o que eles fizeram e escreveram foi derivado de viver dentro da Luz, ao se descobrir o poder superior, a verdadeira realidade superior.

De KabTV “Uma Nova Vida” 14/12/14

Comente