Música Que Atrai A Pessoa Para A Conquista Do Mundo Superior

Dr. Michael LaitmanPergunta: Para mim, as “Melodias dos Mundos Superiores” é uma série única. A experiência espiritual inigualável que a pessoa sente quando realiza essa música pode ser comparada a um arco-íris, que é singular, mas ao mesmo tempo produz uma variedade de cores diferentes e deixa uma gama muito ampla de emoções, impressões musicais e experiências.

O que é essa música? Como ela se torna integrada ao mundo e à realização espiritual geral de uma pessoa?

Resposta: A música preenche o mundo inteiro. Na superfície do globo, não há lugar onde uma pessoa não se expresse com algum tipo de som. Mesmo os animais cantam, murmuram e ecoam em diferentes vozes, expressando felicidade, amargura, medo e sofrimento. E tudo isso é música, uma expressão de emoções internas.

O mundo está cheio de melodia. Mesmo quando você olha para o céu, as estrelas e o universo, você sente que eles estão cheios de harmonia. E a música é a harmonia.

Em nosso mundo, há muitos tipos de estilos musicais e várias expressões da música. Pessoas de todas as nações do mundo e em todos os períodos históricos têm usado uma variedade de formas musicais ou determinados tipos de convenções externas de comunicação que expressam suas emoções internas.

Mas, além da música terrena usual que compositores ao longo de todos os momentos e as sociedades criaram, há a música espiritual que uma pessoa experimenta quando não está falando sobre a felicidade e sofrimentos terrenos, mas sobre as emoções que sente em alcançar o mundo superior, o poder superior, o Criador. Ao longo da história humana nós tivemos mestres espirituais únicos que marcharam ao lado de humanidade, mas em paralelo a isso ou acima disso. Eles usaram seus próprios métodos de expressão da compreensão espiritual, quando a verdadeira alma canta. A alma não inclui nossas experiências terrenas, mas as experiências da descoberta do estado superior, o mundo superior. Não houve muitas pessoas como estas em cada geração.

O que nos resta são alguns esboços e memórias deles. Mas nós não sabemos qual instrumento musical o Rei David usava. Era um instrumento de cordas, uma flauta, ou, eventualmente, um instrumento semelhante a um violino? Mesmo que tenhamos lido os Salmos, não podemos cantar as músicas como ele cantava.

As palavras escritas não nos dão uma sensação ou compreensão clara de como realizá-las. Ao mesmo tempo, por exemplo, na Torá, acima e abaixo das letras estão sinais claros, as marcas da melodia, que nos dão uma compreensão de como cantar o texto da Torá.

E se a pessoa é avançada em sua realização espiritual, ou seja, no sentimento do sistema de controle em nosso mundo, como ela entra nele, sente, entende, e adapta-se a ele, ela começa a cooperar com ele. Então ela começa um diálogo emocional e intelectual consciente aqui.

Isto é, a realização é realizada em dois níveis, no coração e na mente. Entre eles são criadas transições originais e interessantes, com predomínio de emoções ou predomínio do intelecto. Ainda assim a música é resultante da emoção ou do intelecto. Em outras palavras, a música da alma e seu sentimento geral nascem como resultado das boas relações harmoniosas entre as emoções e a mente. Isso é o que é surpreendente sobre alcançar o mundo superior.

Quando um sábio entra no mundo espiritual, ele começa a sentir uma harmonia superior que não pode ser descrita em palavras, porque sentimentos completamente diferentes e uma mente multinivelada são produzidos dentro dele. Contradições se fundem e se aproximam, e a unidade é estendida em seu lugar.

Assim, os nossos meios musicais terrenos não podem conter o volume e a intensidade que um sábio sente ao atingir o mundo superior. Nenhuma orquestra nem órgão vai ajudar aqui, já que afinal de contas, a ideia não é sobre os instrumentos que transmitem o que um Cabalista sente ao alcançar o mundo superior, ao contrário, ele também é um expectador, que se diz estar pronto de alguma forma para entender o que é transmitido a ele.

Por exemplo, aqueles que assistem a concertos sinfônicos não são pessoas da rua, ou que estão lá fora jogando dominó. O público particular vai a estes concertos, conhece a cultura musical, e por meio dos sons musicais, aspira a sentir níveis particulares de nosso mundo, a vida e a morte e tudo entre eles e o que os preenche. O mesmo ocorre aqui.

É necessário preparar o público para entender a música espiritual, de modo que as pessoas vão começar a ouvir algo superior dentro desses sons, maior do que o ouvido humano normalmente pode entender. Se prepararmos as pessoas, elas vão começar a discernir os sons dos mundos superiores escondidos nestas melodias como se fossem ouvidos dentro delas, vestidos dentro delas e que são revelados apenas às pessoas que podem ouvi-los e entender sobre o que estão falando.

A característica excepcionalmente única da música espiritual é que ela atrai o próprio ouvinte, e ele então começa a aspirar a isso, a se interessar por seu conteúdo interno, e tenta compreender a camada interna da informação emocional e intelectual que ela contém. É possível tocá-la diante de uma platéia inteira e ela mesma os atraírá. Quando chegar a hora, será possível dar um curso de curta duração para ajudar as pessoas a descobrir a camada interna que existe nessas obras.

De KabTV “Conversas com Michael Laitman” 09/02/14

Comente