A Pessoa Amada É Sempre Bonita!

Laitman_201_01Pergunta: Os livros sagrados muitas vezes se referem à beleza de uma mulher, seja em sua aparência, seu caráter, sua maternidade, etc. Mas não há nenhuma descrição detalhada da perfeição de uma mulher, como no “Cântico dos Cânticos”. O que o Rei Salomão quer nos ensinar?

Resposta: Ele quer dizer que a nossa realidade: a natureza inanimada, vegetal, animal e humana, é bela, boa e perfeita, e é apenas a minha correção pessoal que determina se vou ser capaz de me relacionar com ela com amor absoluto.

É sobre a nossa atitude em relação a natureza como um todo e a correção do homem: até que ponto eu completei e cobri minha inclinação ao mal com este amor. Então eu vejo que não há falha na realidade e que tudo é como uma mulher bonita.

Nós não temos outras palavras para expressar o amor, incluindo o tipo certo de amor. É porque nós entendemos apenas como amar alguém usando essa pessoa. É o tipo de amor em que eu estou disposto a dar e preencher na medida em que recebo prazer.

Aqui, por outro lado, é um amor oposto: eu dou e preenche uma outra pessoa, porque quero fazer o bem a ela. Mas eu preciso da inclinação ao mal, a fim de testar a minha atitude em relação a essa pessoa: eu opero acima do ódio, do desprendimento e da repulsa?

Eu posso fazer isso? É assim que eu verifico se é um amor verdadeiro e real que decorre da inclinação ao bem e não um amor egoísta que decorre da inclinação ao mal. Este tipo de amor é chamado de amor independente. Independente de que? De receber, uma vez que é baseado na doação. De onde vem o nome do livro do “Cântico dos Cânticos”? Numa canção comum nós costumamos falar de prazer: “Eu te amo e quero desfrutar você”. No “Cântico dos Cânticos”, por outro lado, isso significa que eu quero fazer o bem aos outros.

Pergunta: Nós vemos que há referência a beleza ao longo deste livro. O que é expressado pelo conceito de beleza? Por que o mundo parece bonito para uma pessoa que ama?

Resposta: Isso é chamado de “o amor cobre todos os pecados”. Você já viu como uma mãe pega o bebê e mostra: “Olha como ele é bonito!” Ela está orgulhosa dele e isso é perfeitamente natural. A pessoa amada é sempre bonita, e, portanto, nós não temos nenhum padrão para a beleza.

Se eu quero preencher o outro e desfruto esse desejo, quanto mais ele não tem, mais eu posso preencher e completa-lo, mais eu o amo como resultado da minha preocupação, e mais bonito ele é aos meus olhos. Então, tudo nele se torna belo. Os pais de crianças adotadas as amam não menos e às vezes até mais do que os seus próprios filhos biológicos. Eles tentam dar-lhes mais, a fim de atingir o seu amor, preenchê-las mais e, assim, as amam ainda mais.

É dito: “o amor cobre todos os pecados”. O amor não pode surgir a menos que haja uma disputa que o preceda. Deve haver um sentimento de desapego, conflito, resistência, e acima disso há conexão, abraço e amor. Assim, a beleza aparece como resultado: a pessoa que é amada parece bonita como um bebê aos olhos de sua mãe.

Pergunta: O Rei Salomão diz: “Uma é minha pomba, a minha preciosa”. Qual é o significado da expressão “uma”?

Resposta: Não há nada além disso. É uma criação, um sistema perfeito. Na verdade, é graças à conclusão de todos os atributos positivos e negativos existentes em conjunto que a beleza aparece. A beleza é a totalidade. A totalidade aparece quando eu vejo que as coisas boas e ruins se complementam e não podem existir de forma independente. A bondade não pode existir sem o mal e o mal é a base para a revelação da bondade.

Agora nós descobrimos apenas o mal nessa mulher, ou seja, em toda a criação, uma vez que olhamos para as coisas só da nossa inclinação ao mal e não podemos ver nada de bom. Mas esta é uma fase essencial, pois até o “Cântico dos Cânticos”, a pessoa tem que descobrir todas as falhas, todos os pecados, e só então pode revelar o amor em cima disso.

De KabTV “Uma Nova Vida” 28/05/14

Comente