A Força Do Bem E A Força Do Mal, Parte 1

laitman_207Pergunta: Todas as religiões imaginam o mundo como se ele fosse governado por duas forças: do bem e do mal. Uma pessoa comum percebe o mundo da mesma forma, ao sentir que está sendo exposta às forças do bem e do mal. O que é a força do bem, que faz todas as coisas boas, e o que é a força do mal que traz todos os problemas?

Muitas pessoas sonham que neste mundo só há uma força do bem e se perguntam por que existe uma força do mal? Essa dualidade é uma luta constante entre bem e mal, luz e escuridão, destruição e construção; isso nos acompanha ao longo de nossas vidas. Porque é que existe um confronto entre a força do bem e a força do mal?

Resposta: Não há confronto. É só nós que sentimos algumas forças como bem e outras como mal. Na natureza não há forças boas ou más. Na verdade, existem forças opostas, positiva e negativa, atração e repulsão, a luz e a escuridão.

A vida é impossível sem as duas forças opostas: não há metabolismo nos organismos vivos, nem processo metabólico, e nem conexão entre partículas subatômicas ou entre objetos espaciais no universo, unindo-os num só corpo.

A vida sempre se baseia no confronto entre as duas forças, e flui na “linha média” que conecta ambas. A vida aparece no objeto ou no corpo onde essas forças opostas interagem. Quando elas atingem o equilíbrio relativo, o próximo passo da vida renovada nasce.

Isto é, as forças opostas estabelecem certa harmonia entre si durante o seu encontro na matéria. Acontece que as forças subatômicas opostas, os elétrons e prótons, constroem átomos inteiros, que se unem numa molécula.

Moléculas das forças opostas já podem definir entre si o que é bom e o que é ruim para o seu composto. É por isso que eles atraem, assimilam e absorvem substâncias úteis, e eliminam as nocivas. É assim que ocorre o metabolismo durante o qual a vida sobrevive e se desenvolve.

Tudo isto é feito à custa do alinhamento adequado de duas forças opostas. Não há desenvolvimento e vida sem ele. Caso contrário, não poderia haver desenvolvimento em nosso universo, consistindo apenas em matéria inanimada e, especialmente, matéria vegetal. A combinação das forças opostas no nível vegetal é ainda mais complexa, e no nível animal a complexidade é mais complicada.

Há uma investigação difícil que acontece dentro da mente e da percepção de uma pessoa: a definição de bem e de mal em todos os níveis. Nossa mente é construída no fato de que estamos constantemente analisando a luta de forças opostas, buscando extrair o maior benefício de qualquer forma da sua conexão.

É impossível usar apenas uma força sem a outra, apenas sua interação. É assim que a vida acontece.

Nos níveis inanimado, vegetal e animal, o sistema funciona bem, está se desenvolvendo bem. Se, por vezes, nós vemos algumas catástrofes na natureza, é só porque nós avaliamos sua relevância a nós mesmos. Mas, na verdade, todo o universo (os mundos inanimado, vegetal e animal) está se movendo sob a influência de forças positivas e negativas que interagem entre si e movem a evolução para frente.

Tudo está bem até que se chega ao ser humano. Estas duas forças do “bem” e do “mal”, como as chamamos, também afetam uma pessoa. Se nós soubéssemos a essência do programa da natureza e mantivéssemos o equilíbrio das forças positivas e negativas, poderíamos viver tranquilamente e em paz.

O problema é que a pessoa tem liberdade de escolha. Ela escolhe o equilíbrio de forças positivas e negativas à vontade. Este é o lugar onde a nossa corrompida natureza inicial se manifesta, e, como resultado, nós tomamos decisões mais agradáveis e convenientes em vez de decisões corretas.

Nós estamos mais interessados ​​no lucro do que na verdade. É por isso que iniciamos a definir um percurso curvo, que não está no meio entre as forças positivas e negativas que devem ser iguais e adequadamente combinadas entre si para promover o desenvolvimento. Em vez disso, nós estamos sempre inclinados a seguir um caminho conveniente, e à custa de outros.

Nós somos todos partes da natureza integral, e lá nós devemos estar em total harmonia com os mundos inanimado, vegetal e animal, evoluindo na mesma direção com eles. No entanto, se tivéssemos que manter um equilíbrio entre as duas forças, exercendo a liberdade de escolha, mantendo-as em harmonia, nós nos desenvolveríamos adequadamente.

Nós não nos permitimos usar as forças da natureza mais do que precisamos, a fim de viver em harmonia uns com os outros e com o meio ambiente. Nossa vida seria simples, mas serena. Nós obteríamos o que precisamos para a nossa existência da natureza, e usaríamos o resto das forças para o nosso próprio desenvolvimento interno.

Todas as desgraças da humanidade começaram quando a humanidade começou a produzir mais bens do que era necessário para a vida. Este é o ponto crucial em que a humanidade começou a se deteriorar. Deste ponto em diante nós perdemos o equilíbrio das forças e começamos a transformá-las como era conveniente para o nosso egoísmo.

O regime geral é o seguinte: há uma força positiva, uma força negativa, e nós estamos no meio com o nosso próprio egoísmo. Se nós usássemos essas duas forças da natureza para equilibrar nossas vidas e se quiséssemos implementar todo o egoísmo em erupção somente para o nosso crescimento interior e espiritual, então poderíamos subir para o próximo nível chamado de “homem”.

A nossa vida material, isto é, a vida de nossos corpos no nível animal, com tudo o que eles precisam como comida e família, teria permanecido na parte inferior de uma forma equilibrada, no mesmo estado em que deve estar. Nós usaríamos o nosso egoísmo para equilibrar as duas forças opostas e subir ao nível espiritual, a vida espiritual.

De KabTV “Uma Nova Vida” 03/06/14

Comente