Textos arquivados em ''

Construção De Uma Nação Modelo

Dr. Michael LaitmanNós só podemos resolver os nossos problemas no nível social através das relações entre nós. A humanidade é um sistema geral, um corpo geral, que deve ser gerido de forma adequada para que se sinta bem em qualquer momento de sua existência.

Que forma deve assumir a humanidade na medida em que se desenvolve? É claramente avançando em direção a certo estado, certa forma, a um objetivo. Nós estamos mudando e o mundo ao nosso redor também está mudando, e nós nos desenvolvemos para melhor ou para pior.

A questão é o que a natureza exige de nós? Estudando as leis da natureza nas últimas décadas, nós começamos a perceber que a natureza é um sistema integral completo onde cada componente está conectado a todas as outras partes, assim como no corpo humano.

Portanto, todas as partes devem combinar mutuamente e não se opor. Mesmo que não pareça assim, é só porque não sabemos como elas se integram.

A natureza proveu a humanidade com ótimas condições, com exceção da conexão entre as pessoas. Estas devem ser as conexões de uma nova qualidade, para que não avancemos por golpes, pelo ego, ódio, falsidade, guerras, e dominando outros.

Agora todos nós estamos cozinhando numa panela. Se algo ruim acontece com alguém, acabará por ser ruim para todos. Neste mundo global, nós temos de construir uma sociedade homogênea na qual todas as pessoas são iguais, estão devidamente conectadas entre si e se complementam reciprocamente. Tal sociedade é baseada nos princípios de igualdade, a conexão correta em que há espaço para todos, na educação correta para crianças e adultos, e concessões mútuas, até que juntos, chegamos às conexões de amor. Afinal de contas, não pode haver certas partes que desejam se devorar num só corpo, a menos que seja câncer.

Pergunta: Qual é o trabalho complementar indispensável entre todas as partes em relação a Israel?

Resposta: Israel precisa disso muito mais do que qualquer outra pessoa. É porque a nação de Israel deve ser a primeira a perceber este processo e cumpri-lo, a fim de estabelecer um exemplo para os outros, para ser Luz para as nações. O papel da nossa nação no mundo é ser uma nação modelo. Esta é a razão de nós sermos odiados, porque mostramos a todos o oposto e definimos um exemplo negativo.

Pergunta: Como o desenvolvimento da sociedade israelense é expresso no plano da natureza?

Resposta: Deve ser uma comuna, uma conexão, de acordo com o princípio de “todos de Israel são amigos”, e “ama teu amigo como a ti mesmo”, para que ninguém falhe, não exista grande ou pequeno, e todo mundo esteja igualmente conectado. Todo mundo só deve se preocupar com a conexão máxima entre as pessoas em complementação mútua.

É exatamente assim como o corpo humano, como cada órgão, complementa todos os outros, e, como resultado, o corpo funciona corretamente.

Pergunta: Será que um determinado líder, que entende o plano de nossa evolução e vê pelo menos um ou dois passos à frente, pode ganhar a confiança do público?

Resposta: Não. Primeiro ele teria que explicar a sua abordagem ao público e prová-la, trazendo evidências da ciência e da sabedoria da Cabalá, e, assim, gradualmente fazer o público se acostumar com o novo modelo. É porque as pessoas só querem resolver seus problemas diários e isso é tudo.

Portanto, eles devem primeiro ser preparados para entender a situação atual e o que está acontecendo, por que somos chamados de nação de Israel, por que o mundo inteiro se relaciona conosco de uma maneira especial, e o que devemos ser. É porque de acordo com o plano da natureza nós somos a mais especial de todas as nações e não podemos fugir do nosso papel.

Pergunta: E se as pessoas não acreditam nisso, será que nos desenvolveríamos de forma diferente?

Resposta: Não. Nesse caso, a natureza vai nos obrigar a cumprir o nosso papel, mas apenas sob o recebimento de duros golpes. Se não quisermos entender e aceitar esse papel, vamos aceitá-lo sob a pressão de problemas e dificuldades, incluindo guerras e até mesmo guerras nucleares.

Pergunta: Se um determinado líder consegue perceber o plano da natureza e avançar ao longo do caminho correto, que medidas específicas ele deve tomar?

Resposta: Em primeiro lugar, ele deve levar o plano educacional para toda a nação por meio da mídia, escolas, creches e locais de trabalho. Educação refere-se a conhecer a natureza. Em Gematria, natureza (Teva) e Deus (Elokim) têm o mesmo valor. Vamos reconhecer quem nos governa e o que Ele quer de nós. Esta é a única maneira de melhorar a nossa vida e prosperar.

Isto é o que acontece com uma criança que não ouve seus pais, mas depois, no final, entende e faz o que os pais necessitam. Então, naturalmente, a atitude deles em relação a ela muda para melhor. Assim, isso significa que nós alcançamos a solução para todos os nossos problemas, incluindo os problemas de saúde, as guerras, o alto custo de vida, etc. Tudo vai dar certo e avançar sem problemas, e, portanto, vamos receber tudo, até mesmo antes de pedir por isso.

De KabTV “Uma Nova Vida” 09/12/14

Com Justiça Julgarás O Teu Próximo

Dr. Michael LaitmanPergunta: Em que nível deve estar um juiz para sentenciar uma pessoa?

Resposta: Esta é uma questão muito complexa. Afinal, tudo o que uma pessoa leva a cabo é feito quando o Criador faz vista grossa. O Criador lhe permite cometer uma transgressão em particular contra a sociedade e até mesmo contra o próprio Criador.

A questão que surge é como a pessoa pode reconhecer que o que aconteceu é a revelação do mal em prol da correção futura. Esta pergunta não é muito simples. Por que o Criador dispõe para todo mundo que essa revelação vai acontecer especificamente de uma maneira ruim como essa e não de uma maneira boa?

Segue-se que as situações eram incorretas desde o início e o trabalho nelas é incompleto, tanto pela pessoa como pela sociedade. A fim de descobrir a situação errada que existe entre si, elas devem primeiro passar por algum tipo de transgressão e depois pela correção.

Suponha que alguém cometeu um assassinato e foi pego. Este é um problema da sociedade como um todo, uma vez que existem condições particulares nela para a realização de um ato como este. Como é que a partir das circunstâncias atuais, nós atingimos sua completa correção amanhã?

Todos nós estamos conectados num único sistema. Este sistema divide-se como se faz em mecânica: existe algum tipo de problema num motor e uma das partes está quebrada (análogo ao homicídio). Segue-se que não é uma parte que se deve culpar, mas sim sua coordenação com as outras partes.

Por isso, é necessário ter um novo olhar sobre o motor inteiro e descobrir por que esta parte quebrou. Talvez isso não tenha acontecido por causa do motor! Ou seja, o Criador arranjou tudo isso para nós.

A correção só vem ao se cobrir a parte quebrada. Como ela foi revelada desta forma na sociedade e ajudou-a a determinar o seu defeito integral geral, todos os membros da sociedade devem realizar as correções necessárias ao trabalhar com ela, tomando o seu defeito para si mesmos e se conectando com ela como se fosse uma parte corrigida.

Segue-se que a sociedade deve dar a garantia a um ladrão ou assassino e corrigir-se para que, sob a pressão da sociedade, em conjunto com ela, eles subam para outro nível. Este é o lugar onde o reconhecimento geral do mal acontece: a descoberta do erro global, o defeito geral. Por que eles não viram isso? Por que não descobriram isso a tempo?

Há um trabalho coletivo aqui. Nada é privado ou individual! Você não pega o assassino e transporta-o para o tribunal onde o juiz imediatamente o sentencia de acordo com as leis punitivas: não há pena de morte ou dez anos de prisão. Do que ele é exatamente culpado?

Só um sistema integral está preparado para dar a resposta certa para um erro como este. Além disso, quando encontramos a solução certa, a conclusão certa, descobrimos adesão com o Criador dentro deste quadro.

O sistema egoísta do nosso mundo é baseado no transgressor ser culpado e por isso deve ser descartado. Cabe a ele expressar remorso, sentar-se e sofrer. E qual é o fim da questão? Ele toma para si o defeito geral da sociedade e absorve todo o colapso da sociedade em si mesmo, e assim segue-se que ele aparentemente é culpado.

Junto com isso, a sociedade acumula partes não corrigidas como estas dentro de si e atrai todo o mal da sociedade sobre si mesma, de geração em geração. A sociedade obriga os transgressores a sofrer em seu lugar, quando é purificada disso egoisticamente: “Vá e sofra em vez de nós”.

Pergunta: Nas nossas condições físicas, nós podemos realizar um sistema jurídico diferente?

Resposta: Nós podemos moral e espiritualmente estabelecer um sistema equilibrado? Nós podemos dizer como ele deve parecer no estado aperfeiçoado e como o desequilíbrio, a perda de proporção e tensão interna, é criado nele? Para isso, cabe a nós ver este sistema.

Pergunta: Será que isso significa que apenas uma pessoa que se encontra num nível espiritual pode ser um juiz?

Resposta: Um juiz é a Luz de AB SAG, Ohr Hochma e Bina. Juntas, elas trabalham no desejo e o revelam em dois lados: Din (julgamento) e Rachamim (misericórdia). Somente a integração adequada de todos eles pode revelar o Kav Smol (linha esquerda), que possibilita que uma pessoa seja juiz.

Mesmo os antigos gregos representavam a deusa da justiça segurando uma balança em sua mão, tentando equilibrar-se entre o bem e o mal. Este é o impulso humano natural. No entanto, não é possível encontrar o Kav Emtzai (linha do meio) no mundo, uma vez que é mais elevado do que as características humanas.

O juiz deve ser imparcial. De modo a garantir isso, eles lhe dão um bom salário, pois assim ele supostamente não exigiria dinheiro adicional. Mas, a verdade é que um juiz deve ser uma pessoa que é necessariamente ainda mais autossuficiente e simplesmente não exige qualquer outra coisa. Em vez disso, você o perturba com dinheiro. Esta é uma abordagem totalmente diferente.

Nós não estamos preocupados com seu estado interior e suponha que depende de nós encher seus bolsos de dinheiro para que ele não seja tentado a aceitar um suborno. Pelo contrário! É assim que destruímos juízes.

Além disso, os juízes não podem ser completamente independentes, porque vivem dentro da sociedade e dependem dela. Mas, na verdade, o juiz deve estar completamente separado da sociedade. Isto é o que nós estamos cultivando dentro de nós: a qualidade de julgamento, o juiz.

O juiz é a pessoa mais elevada numa sociedade! É uma pessoa que está pronta para estar conectada com o Criador; e deste alto nível, quando entende o que o Criador está fazendo com a sociedade, ele pode trazer correção para a sociedade porque o julgamento é apenas um sistema de correção.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 02/04/14

Um Vôo Para O Espaço Interior

Dr. Michael LaitmanPergunta: Como uma pessoa pode entender a grandeza do Criador e Sua providência?

Resposta: Todo o objetivo da criação é a revelação do Criador aos seres criados, a fim de fazer-lhes bons. O Criador faz os seres criados bons, revelando-Se a eles e, preenchendo-os. O Criador está vestido no ser criado, o que significa que a Luz de Hochma está vestida na Luz de Hassadim.

Mas será que nós sabemos como avançar em direção à revelação do Criador? Com quais atributos nós procuramos por Ele e em que direção devemos avançar? Como podemos ter certeza de que não nos afastamos do caminho certo? Nós temos que estar estabilizados para fazer isso. Se eu estivesse no espaço sem saber onde eu estou, eu iria encontrar o meu caminho de acordo com as estrelas.

É o mesmo no trabalho espiritual. Nós não podemos dizer nada sobre qualquer fenômeno, resultado, força, ou atributo se não o medirmos em relação a algo. É importante certificar-se em relação a que nós podemos medir algo.

Por exemplo, nós podemos avaliar o comportamento dos animais que se devoram uns aos outros e isso parece muito cruel para nós. Mas a questão é que nós avaliamos isso de forma errada, em relação aos sentimentos humanos. É por isso que chegamos a conclusões erradas. É o mesmo em relação a qualquer fenómeno.

O problema é como devemos avaliar cada fenômeno. Isto é importante tanto na espiritualidade como no nosso mundo, e a fim de avaliar os fenômenos, nós usamos ferramentas como bússolas, medidas e unidades específicas para medir distâncias, peso e frequências diferentes. A humanidade criou estes sistemas de medição para determinar e medir fenômenos diferentes.

Antes da invenção dos sistemas de medição, era muito difícil para as pessoas se comunicarem. Se eu quisesse trocar minhas galinhas pelo seu jumento era difícil medir quantas galinhas valia o burro. Hoje nós temos dinheiro para isso.

Uma precisão cada vez maior de diferentes medidas nos permite medir atributos diferentes. É exatamente assim que eu crio um filho, ensinando-o a ver a si mesmo no que diz respeito ao seu ambiente, a fim de que ele tenha a orientação correta em relação ao espaço, os móveis da sala, seus pais, as outras crianças, e a si mesmo.

Quando nós entramos no mundo espiritual, não temos meios para senti-lo. É porque não temos um padrão e não sabemos de que forma devemos mudar a nós mesmos e o que devemos fazer com nossos atributos.

Portanto, é impossível existir apenas pela força positiva. Por isso, nós precisamos usar as duas forças em conjunto. Esta é a razão de existir sempre luz e escuridão. É impossível ver qualquer coisa em contraste com uma luz e também é impossível ver algo no escuro. A única maneira de ver algo é no contraste entre luz e escuridão. Este princípio é verdadeiro em todos os aspectos.

Assim como uma criança pequena começa a reconhecer atributos e diferenças através de seu ambiente próximo e a gradualmente aprender como estabelecer conexões cada vez mais amplas até que ela conhece toda a humanidade, assim nós também estabelecemos conexões entre nós no grupo e começamos a conhecer o mundo espiritual.

É impossível fazer isso de qualquer outra forma. O Criador é revelado no grupo, nas relações entre nós. Se nossas relações são egoístas, não existe um padrão de medida, uma vez que existe apenas uma força agindo, que é uma ajuda contra nós. Nós também precisamos da força oposta. Quando eu desenvolvo a força de doação e começo a agir contra a força de recepção, eu posso começar a virar e me controlar e medir o desvio.

De acordo com a sabedoria da Cabalá, assim como em qualquer outra ciência, o principal é a medição: NRNHY, KHB ZON, Partzufim, os níveis, Hassadim e Hochma. É tudo baseado em medições, quando diferentes coisas são comparadas e, assim, novos fenômenos são descobertos.

Está escrito: “Não farás para ti outros deuses”, o que significa que diferentes formas intencionalmente aparecem diante de nós para que possamos ser capazes de medir e formatar o Criador em relação a elas.

Quando a Luz de Ein Sof (Infinito) preenche Malchut de Ein Sof, ela não deixa uma sombra dentro dela e tudo é totalmente preenchido com a Luz branca. É apenas graças ao fato de que a fase quatro, que se torna grosseira, aparece dentro dela e se vê como oposta à Luz. A partir dessa oposição, nós podemos começar a medir as coisas.

Portanto, não podemos gerir sem “outros deuses”, embora eles sejam fictícios e uma mentira e não existam realmente. Mas nós precisamos deles, a fim de medir as coisas em relação a eles. É assim que o Criador joga conosco. Esta é a razão Dele ter criado a inclinação ao mal e a Torá como tempero, “uma vez que a Luz nela reforma”.

Assim, nós temos 613 desejos, e oposto a eles há 613 luzes pelas quais nós adquirimos nossos sentidos. Se houver 613 luzes que preenchem 613 desejos, nós temos 613 elementos com os quais medir. Nós podemos avaliar e esclarecer muitos conceitos próximos e distantes no que diz respeito a cada desejo e à luz no seu interior. Nós podemos descobrir em que direção eles operam, seja na direção de Hassadim ou Hochma, doação ou recepção.

Acontece que depois de corrigir o nosso desejo para a intenção a fim de doar, de acordo com o princípio de “a vantagem da Luz sobre as trevas”, nós temos a chance de conhecer o Criador, a Luz de Ein Sof. Outros deuses derivam do Criador, de modo que devemos conhecê-los e nos estabilizar, utilizando-os. Sem eles, não há nenhuma maneira de podermos conhecer a força superior, Aquele que é “não há outro além Dele”.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 09/12/14, Shamati # 15

Trabalhar Em Conjunto Com A Luz

A sabedoria da Cabala descreve a criação a partir do nível da Infinidade (Ein Sof).  Na Infinitdade tudo existe e o “Infinito” existe em relação ao Criador. No Infinito, a Luz e o vaso são encontrados em uma unidade maravilhosa, pois são iguais, apóiam um ao outro, e formam um ao outro, porque não há luz sem um vaso e não há nenhum vaso sem Luz. Eles existem em um estado permanente.

E, em continuação, a fim de adquirir um vaso que foi criado no Infinito e é encontrado em unidade com o Criador, em consciência e compreensão do seu estado, cinco mundos (ocultações) foram criados: Adam Kadmon (AK), Atzilut, Beriá, Yetzira, e Assiya (ABYA). E esse mundo é encontrado em todos os mundos, destacado deles. Estamos completamente separados do sistema espiritual, sem entender absolutamente onde estamos e o que acontece lá.

A fronteira que passa acima de nós é chamada a Machsom. Ela determina a realidade dentro da qual todos nós nascemos e vivemos, o nível atual do desenvolvimento, de geração para geração. Um único Infinito preenche todo o Infinito. E a Luz do Infinito outorga a nós na forma de Ohr Makif (OM), que nos desperta para evoluir. Nós dependemos disto, e no atual estágio, cabe a nós aprender a encontrar uma linguagem comum com isto. [Leia mais →]

Pela Primeira Vez Desde Abraham

A criação passa por três fases.

A primeira fase é “Infinito”. Lá, nós estamos em um estado perfeito que nos é dado de cima e deriva do pensamento da criação. O pensamento de bem-estar nas criações revela-se, instantaneamente, uma vez que o Criador não tem que fazer nenhuma ação, a fim de trazer o bem para suas criações. No entanto, as criações só existem “em potencial”, que será implementado no futuro.

O segundo estado é a descida do “Infinito”, através de cinco mundos, a este mundo. Neste caminho, passamos pela quebra e divisão em dois sistemas: a maldade e pureza. Um especial Partzuf (Adam HaRishon) aparece nesta fase; mais tarde, ele se quebra, como resultado do pecado de “A Árvore do Conhecimento”. As almas quebram e proliferam; o mal se desenvolve ao nível deste mundo, ao seu grau mais baixo.

Neste plano, o nosso desenvolvimento é chamado de “evolução”, durante o qual nós alcançamos o fundo, ao mesmo tempo, é um ponto de viragem, que permite alterar a tendência do nosso avanço. Neste ponto “bifocal”, a criação começa a subir, ou seja, começamos a compreender e reconhecer perguntas como, “Quem sou eu? O que eu sou? Qual é o propósito da minha vida?” Essa busca é especialmente perspicaz para a nossa geração. É inexplicável, dolorosa e pesada; ela nos traz desespero, desamparo e muitos problemas. [Leia mais →]

A Lei Do Amor

Pergunta: Você disse que, sob a doação de Ohr Makif (Luz Circundante) começamos a outorgar a um vácuo vazio, que não sentimos. O que significa doar a um vácuo?

Resposta: Temos que chegar a um ponto que vamos doar sem exigir qualquer recompensa em troca, assim, o ato de doação em si será para nós uma realização, uma recompensa.

Pergunta: Como posso entender que eu realizo um ato de doação?

Resposta: Vamos supor que na frente de você está uma personalidade muito respeitada, ou uma pessoa que é famosa e conhecida em todo o mundo. Você sentirá respeito e admiração, e gostaria de lhe dar um presente. Você sente satisfação, porque, de certa forma, recebe um presente, uma vez que essa pessoa respeitada recebeu um presente de você.

É assim que você tem que trabalhar com todos que ama ou respeita, porque o amor é expresso no presente. Eu quero fazer algo agradável para o outro, uma vez que eu gosto de quando eu dou-lhe algo e ele recebe de mim. A Cabalá é organizada neste princípio. Eu dou ou outorgo ao Criador, mas eu realmente recebo prazer com isso.

Pergunta: Não é relacionado a presentes materiais, mas a relacionamentos?

Resposta: Tente também praticar com os presentes materiais. Mas, claro, o principal é o relacionamento. Se você ama uma pessoa, você olha para as possibilidades de dar-lhe algo. E não porque você quer trazer-lhe prazer, mas porque você aprecia isto. Você se relaciona com ela como uma mãe se relaciona com seu bebê. Ela vai cobri-lo com um cobertor, e depois tirar o cobertor. Ela verificará isso e aquilo. Ela vai vê-lo, e se ele não está sorrindo, ela brincará com ele, então ele sorrirá. Esta é a lei do amor. A lei do amor é a lei de doação! Se eu amo alguém, então, dando a ele me enche de prazer. Ele pega e aprecia isto.

Pergunta: Mas eu preciso saber o que ele quer?

Resposta: Certo, isso significa que você precisa sentir ele. Não tem problema, sinta! Vamos supor que uma pessoa que você ama tem um aniversário amanhã. Você pensa consigo mesmo: “Que presente vou dar-lhe? O que ela quer? Quais são as suas necessidades? Como faço para trazer-lhe alegria?

“Você calcularia: Devo fazê-lo desta ou daquela maneira? Como é que é melhor começar a conhecê-la? Como faço para melhor revelá-la? Como sentir? O que dar para ela?

“Estes cálculos baseiam-se em atingir o Criador. Caso contrário, será egoísta! Porque no momento da doação espiritual, eu outorgo e aprecio. Eu outorgo mais, eu gosto mais. Mas, cada vez, eu tenho que esclarecer o que ela quer e o que mais eu posso outorgar-lhe.

Pergunta: Como alguém sabe? Será um palpite?

Resposta: Não, peça-lhe para dizer-lhe, assim você será capaz de satisfazê-la, e com isso, você mesmo será preenchido com a sua Luz.

[138296]

Da Convenção Em Sochi “Dia Dois” em 14/07/14, Lição 3

Material relacionado:
Receber A Fim De Doar
Fique Firme Diante Da Grandeza
Como Construir O Amor Acima Do Ego?