Ver O Mundo Como O Paraíso

Dr. Michael LaitmanPergunta: Nós criamos uma arma tão poderosa que todos nós temos a oportunidade não só de nos anular e dissolver, mas também de nos desenvolver, crescer para o bem da sociedade.

Nós aprendemos a nos sentir como um único conjunto. O que nós precisamos adicionar para sentir o Criador de forma mais clara? Para onde devemos fazer um esforço além da lição, além de orar pelo sucesso de nossos amigos?

Resposta: Tudo o que eu sinto ao meu redor é a minha alma, é tudo eu, mas, na minha percepção, todas as pessoas são separadas de mim pelo meu ego. Se eu o neutralizo, vou parar de senti-las como contrárias e opostas a mim. Eu vou começar a desejar para elas o que desejaria para mim anteriormente, ou seja, o melhor. Então, eu vou estar usando a mim mesmo, o meu ego, da maneira certa, para corrigi-lo.

Não se trata de ter a atitude certa para com os outros, nem do amor ao próximo; pelo contrário, é para corrigir o meu ego dentro de mim.

Como eu posso corrigir isso? Apenas de acordo com os exemplos que vejo: este aqui eu não amo por essa razão, e aquele por outros motivos. Aquele é distorcido, este é repulsivo, mal, e assim por diante. Meu ego retrata uma imagem emocional para mim do meu relacionamento para com todos. Eu critico todos, assim como todo mundo faz, pois eles têm algo a criticar nos outros, como está escrito: “Com o seu próprio defeito ele estigmatiza [outros] como impróprios” (Talmud Kiddushin 70a).

Eu critico o mundo que é retratado a mim como terrível, e o vejo cada vez pior, porque o ego está crescendo. Nós percebemos o mundo desta maneira, de acordo com a forma como o ego nos retrata: pessoas lutando, alguém mata alguém, tudo possível. É assim que o ego projeta uma imagem do mundo para nós, não dentro de nós, mas fora de nós, para que tudo seja percebido de forma mais vívida, clara e proveitosa.

A fim de corrigir o ego, um indicador muito bom foi dado a mim. Eu devo alcançar um estado tal onde vejo o mundo como o Jardim do Éden (paraíso): as pessoas se amam, elas só estão fazendo o bem para o outro, e se fundem num todo único de amor mútuo.

Além disso, é a mesma coisa na natureza inanimada, vegetal e animal. Isso depende da correção interna da pessoa. O mundo em si não muda; é permanente. A pessoa é quem muda e vê o mundo de forma diferente. Isto é toda a correção.

Quando vocês estão juntos, você percebe uma situação como esta, onde não vê nada de negativo nos amigos?

No início, um parece preguiçoso para você, outro parece sujo e desorganizado, e um terceiro é barulhento. Um irrita a todos com sua pompa e outro com seus gritos. Ninguém sabe o seu lugar. É assim que você avalia todos em primeiro lugar.

Será que agora você pode dizer que essas pessoas estão mais perto de você, que você não vê quaisquer rostos distorcidos, quaisquer olhares nocivos? Isto porque, quando você vive com alguém, você não presta atenção em seus defeitos e o percebe como uma espécie de imagem geral. Por exemplo, uma criança não vê a sua mãe, mas sabe que há alguém grande próxima a ela: esta é a sua mãe.

Você pode dizer a mesma coisa sobre o seu relacionamento com os amigos? Algum tipo de mudança ocorreu neles, pelo menos parcialmente? Você sente, mesmo egoisticamente, que não consegue imaginar sua vida sem eles? Você sente esses fragmentos de você que estão espalhadas por toda a Rússia, como se o seu corpo fosse despedaçado e espalhado por diferentes locais?

A sensação de uma pessoa deve ser exatamente assim, realmente a tal ponto que vocês vão começar a sentir um ao outro, experimentando estados paralelos, e, depois disso, um único estado comum de subida ou descida. Vocês inclusive vão começar a sentir os estados fisiológicos mútuos: como este tem uma dor de estômago e aquele uma dor de cabeça.

Houve um tempo em tempos antigos, quando estes eram os requisitos de um médico. Isto é porque a medicina não era baseada em todos os tipos de dispositivos, mas na sensação do médico do estado do paciente, porque ele era um médico divino. A correção era uma profissão onde um corrigia o outro. Portanto, sentindo-o, ele tinha que trabalhar em conjunto com a Luz para transmiti-la ao paciente, para ajudá-lo. Este era um medicamento completamente diferente.

Desta forma, é necessário examinar o que nos falta o tempo todo para que a situação dos corpos separados desapareça e todo mundo se torne “como um homem com um coração”. Eles vão se mover em sincronia. Eles vão entender e sentir o outro, onde todos devem idealmente estar em todos os momentos. Este não é o movimento Browniano; não é caótico. Pelo contrário, é internamente coordenado porque uma única Luz age e influencia a todos.

Se nos dirigirmos assim, vamos aumentar a nossa sensibilidade. Então, vamos começar a sentir como uma força única está agindo dentro de nós, nos reunindo conforme a nossa sensibilidade a ela, no grau necessário, pelo nosso anseio interno e atração constante.

Este é todo o nosso trabalho comum que só pode ser feito coletivamente. Uma pessoa pode pular, caminhar, fazer um esforço, mas, para ela, nada sairá disso. Basicamente, ela está fazendo tudo certo, mas a prova de que ela está fazendo isso para o bem do Criador, é quando ela realiza estas atividades em conjunto com os outros, querendo se conectar com eles.

Por quê? Porque o ego foi criado especificamente para nos separar, e, anulando-o, a pessoa se dirige ao Criador, em direção à equivalência com Ele. O ego é um auxiliar que não podemos prescindir.

Da Convenção em Sochi 25/08/14, Lição 2

Comente