Convenção Em São Petersburgo: Reversão Do Ego

Dr. Michael LaitmanNo segundo dia da Convenção, propõe-se que examinemos a questão: “Como nos livramos do “fedor” do ego podre com a ajuda de nossos esforços?” Há artigos do Baal HaSulam e do Rabash nos quais se diz que quando uma pessoa percebe como seu desejo feio morre gradualmente em agonia, ela fica satisfeita com isso, porque com isso nasce. No mesmo grau em que o ego apodrece, ela sente que o Adão (homem) nasce nela.

O ego está como invertido, arado pelo arado. Isso significa que ele é invertido, revertido ao altruísmo. O arado é a Luz do Criador. O fertilizante é o nosso esforço com que anteriormente queríamos preencher o ego.

Em última análise, sob a influência do Criador, a quantidade dos nossos esforços torna-se qualitativa. Nós recebemos um ego oposto no qual o “botão floresce da terra” é revelado, a característica altruísta, a nossa alma. Isso é falado no segundo artigo do Livro do Zohar, “Botões de Flores”.

Depois que o verdadeiro “eu” cresce em nós, devemos examinar se estamos prontos para nos conectar ao “nós”, ou seja, para atingir o mesmo pacto sobre o qual falamos no início. Assim, o segundo dia vai terminar com isso, onde nós (individualistas) estamos conectados num único “nós”, ou seja, no nosso único “eu”. Com isso nós vamos dormir alegres, satisfeitos e felizes.

O resultado de todo o dia deve ser a oração, o nosso desejo reunido, tanto quanto possível, ansiar pela meta, pelo poder de realizar esta meta. Cada etapa deve ser acompanhada por uma moldagem cada vez melhor destes pedidos, desta oração.

Da Convenção em Sochi 25/08/14, Lição 4

Comente