Como Descobrir O Criador

Dr. Michael LaitmanComo podemos descobrir o Criador? Basicamente, este é o propósito da criação dos mundos e de toda a humanidade, e toda a nossa longa história em que não entendemos de onde viemos e para onde estamos indo e o que está acontecendo conosco a cada minuto.

É assim que nos desenvolvemos: sem conhecer e compreender a razão de qualquer evento. No entanto, em algum momento, vamos chegar a um ponto de desenvolvimento em que podemos começar a descobrimos a razão e a essência de tudo o que está acontecendo conosco. Através da realidade que se revela diante de nós, podemos descobrir quem a ativa.

Em outras palavras, eu existo no mundo. Isso significa que eu me sinto como existindo num corpo. Eu tenho sentimentos e inteligência, e, com eles, sinto minha existência. Da mesma forma, com eles eu percebo a realidade em que me encontro. Essa realidade existe e muda. Segue-se que eu e o ambiente existimos. O ambiente inclui dentro dele apenas tudo o que posso perceber com meus sentidos.

Os Cabalistas dizem que há uma força global abrangente que está por trás de toda essa realidade dentro e fora, uma força que penetra todos os lugares e que desenvolve atividades fora e dentro de mim.

Se assim for, então, primeiro eu devo detectar algum tipo de ponto básico a partir do qual vou determinar o que muda fora e o que muda dentro, e, a partir deste ponto, vou começar a identificar essas mudanças. Este ponto interno é o meu “eu” e dentro dele há apenas uma característica de percepção: “Eu sou o único que está sentindo”.

Agora, eu recebi um exercício permanente, sem fim, por toda a minha vida: como através de tudo o que muda dentro de mim – nas minhas sensações e no meu intelecto, como dentro de minhas mudanças internas -, eu percebo mudanças externas, como atarvés de tudo o que acontece dentro e fora de mim eu descubro a força oculta, o desejo oculto e imperceptível que realiza todas essas ações, todas essas mudanças.

Esta força me prende constantemente em algum tipo de estado, muda estes estados, e constantemente substitui as condições em volta. Se eu for sensível e consciente – tentando manter a minha capacidade de analisar e examinar, discernir e localizar esta força – então, gradualmente, eu vou ser capaz de identifica-la através de tudo o que acontece dentro e fora de mim. A partir daí, eu vou começar a entender e senti-Lo tanto que não vou me relacionar com minhas mudanças internas e externas, mas vou ver a causa, a força que realiza e percebe essas ações.

Eu vou saber por que Ele faz isso, a finalidade, o que Ele quer com isso, como Ele me ensina o tempo todo a sentir, entender e descobrir mais, a tal ponto que vou descartar toda a exterioridade, ou seja, eu mesmo e o ambiente, e vou ver que eu (este ponto interno a partir do qual eu tenho tentado descobrir constantemente esta força) e esta força estamos aderidos.

Não há nenhuma realidade externa, nem o meu corpo, minhas emoções, nem intelecto. Não existe um ambiente com toda a sua bagunça. Não há um mundo cheio de seres humanos. Tudo isso desaparece, e só o elo entre eu e esta força permanece. Tudo o que aconteceu entre nós foi só para desenvolver uma conexão direta entre nós, tal conexão chamada de “adesão”.

Este é o nosso trabalho, e para realizá-lo é preciso sair para o público em geral, conectar-se com o grupo, o estudo, e participar em todos os tipos de eventos. Tudo isso é, em última análise, para me levar a um trabalho espiritual onde nós constantemente tentamos descobrimos essa força interna, que envolve e determina tudo.

Da Convenção em Nova Jersey 09/08/14, Lição 4

Comente