Uma Meta Próxima, Distante

Dr. Michael LaitmanAté a próxima Convenção em São Petersburgo, cada nação deve mostrar e demonstrar o que alcançou na aproximação dentro dela, entre seus grupos e seus membros.

Isto é necessário para estimular e inspirar os outros, para mostrar um exemplo aos outros, para consultar o outro, partilhar suas capacidades e realizações, e empurrar uns aos outros a uma unidade interna ainda maior em cada nação, em todas as regiões. Pode ser que nem iremos começar com algum tipo de unificação compartilhada entre nós, mesmo que isto ainda não seja visto de forma clara internamente. Pode ser no outro ano, ou talvez dois anos.

Por enquanto, nós não sentimos a necessidade de unificação. E se não há nenhuma necessidade premente para isto, nada pode ser feito. Quando vocês mais ou menos descobrirem suas capacidades regionais, de repente a sensação aparecerá em vocês: “pelo quebra-cabeça que estou montando, eu preciso do grupo Europeu, mas ele não existe! Onde ele está?! Não posso conseguir sem ele”.

Quando vocês sentirem que exigem isso, vocês vão começar a pressioná-los e eles vão sentir isso de vocês. Hoje, entretanto, todas as atividades são realizadas artificialmente.

Os europeus não vieram para a convenção europeia porque não sentem a necessidade disso.

A descoberta do Criador através da união deve ser uma meta distante permanentemente próxima para todos. Vocês não podem colocar outros objetivos diante de vocês. Vocês vão ficar confusos! Afinal, suas tentativas e esforços não serão uma solução realista.

Da Convenção em Sochi Lição 5, 14/07/14

Comente