Um Honroso Privilégio De Servir As Pessoas

Dr. Michael LaitmanPergunta: A última guerra [em Israel] trouxe uma mudança especial na geração mais jovem e, de repente, há um entendimento diferente, um grande desejo que não existia antes. Um par de meses atrás, palavras como “unidade” e “conexão” não atraiam os jovens, mas os últimos acontecimentos fizeram com que eles sentissem a conexão entre as pessoas e é como se esse sentimento tivesse sido impresso neles.

Em geral, é a mesma geração que lutou na guerra e se não eram eles próprios, eram seus amigos. O amigo da minha filha não podia esperar para ser recrutado e estava ansioso para chegar à frente e fazer a sua parte. Por alguma razão, ele tinha a sensação de que se ele não participasse disso estaria faltando alguma coisa.

Resposta: A pessoa sente que não recebe o que merece. Quando chega ao front, o soldado sente que recebe algo para estar lá e não que ele dá. É um fenômeno novo que nós não vimos antes em tempos de guerra ou em operações militares. Pertence ao próximo nível de um ser humano que começa a sentir a sua doação como recepção.

Um soldado que chega ao front e recebe uma arma para cumprir as ordens deve sentir que se sacrifica quando serve a nação. No entanto, de repente, ele sente que recebe, já que adquire um sentimento de pertencer ao seu povo e à ação que une todos. Ele recebe a força de união disso.

Se ele não vai ao front, ele não tem essa forte impressão; é como se ele permanecesse vazio e sentisse falta disso. Assim, ele anseia por estar no centro dos eventos, a fim de estar com todos e não apenas fisicamente, mas mentalmente. É assim que ele sente um preenchimento. Ele entende que este é o único lugar que pode preenchê-lo.

Desta vez, a sensação foi muito claramente expressa. Vamos esperar que isso seja suficiente para nos ajudar a seguir em frente, desta vez sem guerra.

De KabTV “Uma Nova Vida” 12/08/14

Comente