O Segredo Essencial Dos Judeus, Parte 17

Do livro: O Segredo Essencial dos Judeus, M. Brushtein.

“Princípios Fundamentais da Teoria Integral”

Caro Genghis Khan,

Alguma vez você já questionou por que os maiores vencedores são chamados de grandes e até mesmo de maiores? Isto é o que Alexandre, o Grande, Genghis Khan e Stalin são chamados. Mas eles capturaram, escravizaram e mataram. Não é surpreendente que eles sejam respeitados, não só por aqueles que os amam, mas até mesmo por aqueles que não gostam deles?

Para maior clareza, fornecemos alguns dados:

“Genghis Khan (Temujin – Temujin) (1155-1227 d.C.) foi o fundador e Grande Khan do Império Mongol (1206 d.C.), o organizador das campanhas de conquista contra os povos da Ásia e da Europa Oriental. Suas cruzadas foram acompanhadas por devastação, destruição de povos inteiros, e levou à criação do jugo Mongol-Tatar nos países conquistados”. (Dicionário Enciclopédico de 2000)

Esta entrada enciclopédica é bem ilustrada pela linha do poema de Lermontov: “Os cavalos, os homens todo desmontados”. A atividade da mesma pessoa é descrita em conceitos quase incompatíveis. Por um lado: o fundador e grande. Por outro lado: a morte e o jugo.

O artigo mostra mais uma vez como tratamos ambiguamente as personalidades dos conquistadores. Apesar disso, a grande maioria das pessoas olha para os invasores com reverência.

Vamos perguntar novamente: Por quê?

Nossa versão é a seguinte: paradoxalmente, eles são valorizados e recompensados ​​com o epíteto de “gênio”, embora muitas vezes com o prefixo “mal”, ou seja, pelas inúmeras conquistas.

Por quê? Vamos lembrar que é precisamente devido às grandes conquistas, ou – se você quiser – grandes vitórias (uma “vitória” é um sinônimo para a palavra “conquista”. Oxford Dictionaries) que clãs familiares espalhados foram transformados em grandes ducados, tribos guerreiras selvagens estabeleceram Estados mais prósperos e países pbremente desenvolvidos e conflitantes se transformaram em poderosos impérios.

Assim, seu mérito é que eles, intencionalmente ou não, contribuíram para unidade humana.

“O desejo aberto ou oculto de alguns países pela hegemonia mundial é um dos componentes da tendência para a unidade da humanidade”. (Zinoviev, AA, Rumo à Supersociedade)

Surge a pergunta: O que está acontecendo hoje? Infelizmente, a humanidade não inventou nada mais eficaz do que este método de unificação.

Até hoje, invasões e conquistas, embora não necessariamente de natureza militar, são cometidas na Terra. Informação e invasão econômica são frequentemente muito mais eficazes.

A tendência continua. Cada nova invasão leva à aproximação e relações não só entre nações individuais, mas continentes inteiros. Graças à conquista britânica, o planeta tem uma língua de comunicação internacional, e graças à guerra com a Alemanha nazista, o povo soviético comum viu o mundo ocidental.

A invasão funciona. Ela une. Mas é dolorosa e desagradável. É possível unir de outra forma? Sem mutilar e matar uns aos outros? Pode ser possível, mas ainda não sabemos como fazer isso. O fato mais barulhento é o fracasso da União Europeia.

De acordo com pesquisas Gallup, agora apenas 30 por cento dos europeus têm uma atitude positiva em relação às instituições da UE, embora há 20 anos o número de adeptos da ideia europeia ultrapassasse 70 por cento.

Mesmo na Alemanha, que é tradicionalmente considerada o país mais pró-União Europeia, o número de euro-céticos não é muito menos do que os euro-otimistas.

Talvez tenhamos feito uma abordagem errada? Talvez precisemos conquistar não territórios e recursos, mas a confiança e bondade para com os outros?

É interessante que foi Abraão, o líder ideológico dos judeus, quem sugeriu exatamente esse paradigma, como meio de unificação do império babilônico que estava no limiar do colapso

A humanidade estima e lembra as conquistas de muitas pessoas, incluindo as realizações de Abraão. Mas o que ele conseguiu na realidade é difícil até de imaginar. Pense por um minuto! Três mil e oitocentos anos atrás, Abraão ofereceu aos seus compatriotas – os idólatras – aplicar o princípio do “ama o teu próximo como a ti mesmo” ????!

Mas, ainda hoje, nós não estamos prontos para isso!

Comente